O que pensam os professores de Matemática sobre o livro didático: do processo de escolha à utilização como recurso didático

Palavras-chave: Formação de professores. Ensino de Matemática. Livro didático

Resumo

O livro didático é um dos recursos pedagógicos mais utilizados no processo de ensino e aprendizagem no contexto escolar brasileiro, inclusive tendo um programa específico instituído por meio de política pública há mais de vinte anos: o Programa Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD). Nesse campo de disputa, estão os professores da Educação Básica que fazem parte do processo de escolha do material que chega (ou deveria chegar) nas escolas. Nesse sentido, a presente pesquisa tem como objetivo analisar as percepções dos professores de Matemática sobre o processo de escolha do livro didático e a sua utilização em sala de aula, inclusive durante o ensino remoto, modalidade motivada e condicionada no país por causa da crise pandêmica. Para tanto, essa pesquisa com característica qualitativa descritiva (GIL, 2002), utilizou para coleta de dados questionários que foram aplicados a um grupo de 21 professores de Matemática das redes estadual e municipal de uma cidade do interior do Rio Grande do Sul, atuantes na Educação Básica. Os resultados mostram que os professores se reconhecem como agentes essenciais no processo de escolha do material didático, assumindo essa responsabilidade e requerendo maior espaço e liberdade nessa seleção, pois o livro didático ainda é um recurso muito utilizado pelos docentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Fernandes da Silva, Instituto Federal Farroupilha

Professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Instituto Federal Farroupilha, campus São Borja (IFFar). Doutor em Educação.

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Guia de livros didáticos PNLD 2014: Matemática. Ministério da Educação: Secretaria de Educação Básica, 2013.

BRASIL. Diário Oficial da União. Decreto n. 9.099, de 18 de junho de 2017. Dispõe sobre o Programa Nacional do Livro e do Material Didático, 2017.

CAIMI, F. E. O livro didático e o currículo de história em transição. Passo Fundo: EDIUPF, 1999.

CARVALHO, J. B. P.; LIMA, P. F. Escolha e uso do livro didático. In: Matemática: Ensino Fundamental. João Bosco Pitombeira Fernandes de Carvalho/coord. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2010

CONTRERAS, J. Autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.

CHOPPIN, A. História dos livros e das edições didáticas: sobre o estado da arte. Educação e Pesquisa – FEUSP, São Paulo, v. 30, n. 3, p. 549-566, set./dez. 2004.

DANTE, L. R. Livro didático de Matemática: uso ou abuso? Revista Em Aberto, v. 16, n. 69, 1996.

FIORENTINI, D. Alguns modos de ver e conceber o ensino da matemática no Brasil. Revista Zetetiké, ano 3, n. 4, 1995.

FREITAG, B. O livro didático em questão. São Paulo: Cortez, 1989.

GARCIA, T. M. F. B.; SILVA, E. F. Livro didático de física: o ponto de vista de alunos do ensino médio. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO – EDUCERE, 9., 2009, Curitiba; ENCONTRO SUL BRASILEIRO DE PSICOPEDAGOGIA, 3., 2009, Curitiba. Anais... Curitiba: PUCPR, 2009, p. 8595-8606.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

LAJOLO, M. Livro didático: um (quase) manual de usuário. Revista Em Aberto. Brasília, v. 26, n. 69, p. 3-7, jan. /mar., 1996.

LOPES, J. A. Livro didático de matemática: concepção, seleção e possibilidades frente a descritores de análise e tendências em Educação Matemática. Tese (Doutorado em educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MORTIMER. E. F. A evolução dos livros didáticos de química destinados ao ensino secundário. Revista Em Aberto, v. 7, n. 40, p. 25-41, 1988.

RIBEIRO, M. L. História da Educação Brasileira: organização escolar. Campinas, SP: Autores Associados, 2003.

PIMENTA, S. G.; GHEDIN, E. (Org.) Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 1999.

SANTOS, V. A.; MARTINS, L. A importância do livro didático. Candombá – Revista Virtual, v. 7, n. 1, p. 20-33, jan – dez, 2011.

TARDIF, M.; RAYMOND, D. Saberes, Tempo e Aprendizagem do trabalho no magistério. São Paulo: Revista Educação e Sociedade, no 73, pp. 209-244, 2000.

THOMPSON, A. G. Teachers Beliefs and Conceptions: A synthesis of the research. In D. A Grows (Ed), Handbook of research on Mathematics Teaching and Learning, pp. 127-146. New York: Macmillan Publishing Company, 1992.

Publicado
2022-09-22
Métricas
  • Visualizações do Artigo 64
  • PDF (PORTUGUÊS) downloads: 43
Como Citar
Silva, D. F. da. (2022). O que pensam os professores de Matemática sobre o livro didático: do processo de escolha à utilização como recurso didático. Revista Baiana De Educação Matemática, 3(01), e202205. https://doi.org/10.47207/rbem.v3i01.14757