HISTÓRIAS DE VIDA DE PROFESSORES HOMENS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

  • Alexandra Coelho Pena PUC-RJ
Palavras-chave: Professores. Educação infantil. Histórias de vida.

Resumo

Nos últimos anos, vem aumentando a presença masculina no trabalho com crianças de zero a cinco anos, implicando a necessidade de discutir as complexidades que emergem dessa realidade. Pesquisas apontam haver estranhamento, por parte de professores, gestores e familiares, quanto à presença de docentes do sexo masculino, nessa etapa da educação básica, que, histórica e culturalmente, tem estreito laço com o feminino, o materno. O estudo parte de um fenômeno, que se apresenta nas estatísticas, nas pesquisas e no cotidiano de creches e pré-escolas, e o investiga na vida dos sujeitos, na interseção do pessoal com o coletivo. Os entrevistados são professores da Educação Infantil, em instituições privadas e/ou públicas, com diferentes tempos de experiência profissional neste segmento. As histórias de vida destacam-se como metodologia privilegiada para a pesquisa, que traz Martin Buber (2003a, 2003b, 2008, 2009, 2011a, 2011b, 2013), Mikhail Bakhtin (1993, 2011, 2012) e Walter Benjamin (1994, 1995 como referências teóricas, entendendo que as entrevistas potencializam a capacidade de narrar. Uma primeira leitura das entrevistas sugere temas relacionados a dois eixos de análise: histórias de infância e de formação, e histórias relacionadas a questões de gênero.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

REFERÊNCIAS

ARCE, Alessandra. Documentação oficial e o mito da educadora nata na Educação Infantil. Caderno de Pesquisa, São Paulotirar, n. 113, p. 167-184, jul. 2001.

BAKHTIN, Mikhail. (VOLOCHÍNOV). Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 2012.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. Brasília, DF: Editora da Universidade de Brasília, 1993.

BARBOSA, Silvia Neli Falcão. “Vem, agora eu te espero”. Institucionalização e qualidade das interações na creche: um estudo comparativo. 2013. 224 f. Tese (Doutorado em Educação) – Departamento de Educação, Faculdade de Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

BARBOSA, Silvia Neli Falcão. Nas tramas do cotidiano: adultos e crianças construindo a Educação Infantil. 2004. 125 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Departamento de Educação, Faculdade de Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1994. (Obras Escolhidas, v.1).

BENJAMIN, Walter. Rua de mão única. São Paulo: Brasiliense, 1995. (Obras Escolhidas, v. 2).

BOURDIEU, Pierre. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas, SP: Papirus, 1996.

BRASIL. Lei federal n. 8.069 de 13 de julho de 1990. Estatuto da criança e do adolescente. Brasília, DF: [s.n.], 1990.

BRASIL/MEC. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, nº Lei nº 9.394, de 20 de

dezembro de 1996

BRASIL. Constituição Federal, 1988.

BRASIL. Diretrizes curriculares nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF: MEC/CNE/SEB, 2009a.

BRASIL. Política de educação infantil no Brasil: Relatório de avaliação. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica. – Brasília, DF: MEC/SEB; Unesco, 2009b.

BRASIL/MEC/CNE/SEB. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação

Básica. Brasília, DF: MEC/CNE/SEB, julho 2010.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Referencial Nacional Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília, DF: MEC/SEF/COEDI, 1998.

BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembrança de velhos. São Paulo: T. A. Queiroz, 1983.

BUBER, Martin. Do diálogo e do dialógico. São Paulo, SP: Perspectiva, 2009.

BUBER, Martin. El camino del ser humano y otros escritos. Madrid: Fundación Emmanuel Mounier, 2003b.

BUBER, Martin. Eu e Tu. São Paulo: Centauro, 2003a.

BUBER, Martin. Histórias do Rabi. São Paulo: Perspectiva, 2013.

BUBER, Martin. O caminho do homem segundo o ensinamento chassídico. São Paulo: É Realizações Editora, 2011a.

BUBER, Martin. Qué es el hombre? México: FCE, 2011b.

BUBER, Martin. Sobre comunidade. São Paulo: Perspectiva, 2008.

BUENO, Belmira Oliveira et al. Histórias de vida e autobiografias na formação de professores e profissão docente (Brasil, 1985-2003). Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, n. 2, ago. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?>. Acesso em: 14/05/2012.

CAMPOS, Maria Malta. A legislação, as políticas nacionais de educação infantil e a realidade: desencontros e desafios. In: MACHADO, M. L. A. (Org). Encontros e desencontros em educação infantil. São Paulo: Cortez, 2002. p. 17-26.

CAMPOS, Maria Malta; ROSEMBERG, Fúlvia. Critérios para um atendimento em creches que respeite os direitos fundamentais das crianças. Brasília, DF: MEC/SEB, 2009.

CAMPOS, Maria Malta. Educar e cuidar: questões sobre o perfil do profissional de Educação Infantil. In: BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Coordenação de Educação Infantil.). Por uma política de formação do profissional em Educação Infantil. Brasília, DF: MEC/SEF/COEDI, 1994. p. 32-42.

CARVALHO, Marília Pinto de. No coração da sala de aula: gênero e trabalho docente nas séries iniciais. São Paulo: Xamã, 1999.

CASTRO e SOUZA, Marina Pereira. O PROINFANTIL no Município do Rio de Janeiro: de Agentes Auxiliares de Creche a Professores? 2011. 140 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação..., Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

CERISARA, Ana. Beatriz. Professores de educação infantil: entre o feminino e o profissional. São Paulo: Cortez, 2002.

FREITAS, M. T. A perspectiva sócio-histórica: uma visão humana da construção do conhecimento. In: FREITAS, M. T.; JOBIM e SOUZA, S.; KRAMER, S. (Orgs.). Ciências humanas e pesquisa: leitura de Mikhail Bakhtin. São Paulo: Cortez, 2007. p. 57-76.

FROEBEL, F. A. A educação do homem. Passo Fundo/RS: UPF editora, 2001

GUIMARÃES, Daniela. Relações entre bebês e adultos na creche: o cuidado como ética. São Paulo: Cortez Editora, 2011.

HADDAD, Lenira. Ecologia do atendimento infantil: construindo um modelo de sistema unificado de cuidado e educação. 1997. 200 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de EducaçãoFaculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1997.

HUBERMAN, Michael. O ciclo de vida profissional dos professores. In: NÓVOA, António. Vidas de professores. Porto: Porto Ed., 1992. p. 31-61.

INEP. Censo Escolar 2012. http://portal.inep.gov.br/basica-censo. Acesso em 17/07/2015

KRAMER, Sonia. (Org.) Profissionais de Educação Infantil: gestão e formação. São Paulo: Ática, 2005b.

KRAMER, Sonia. Na gestão da educação infantil, nós temos meninas no lugar de professoras? 28ª Reunião Anual da Anped. Caxambu/MG, 2005a.

KRAMER, Sonia. (Org.). Retratos de um desafio. São Paulo: Ática, 2009.

KRAMER, Sonia. A política do pré-escolar no Brasil: a arte do disfarce. São Paulo: Cortez, 1994.

KRAMER, Sonia. Direitos da criança e projeto político pedagógico de educação infantil. In: BAZÍLIO, Luiz; KRAMER, Sonia. (Orgs.). Infância, educação e direitos humanos. São Paulo: Cortez, 2003a. p. 51-81.

KRAMER, Sonia. Entrevistas coletivas; uma alternativa para lidar com diversidade, hierarquia e poder na pesquisa em ciências humanas. In: FREITAS, Maria. Teresa; JOBIM E SOUZA, Solange; KRAMER, Sonia. (Orgs.). Ciências humanas e pesquisa: leituras de Mikhail Bakhtin. São Paulo: Cortez, 2003b. p. 57-76.

KUHLMANN JR, Moysés. Pedagogia e rotinas no “Jardim de Infância”. In: KUHLMANN JR, Moysés. (Org.O livro é dele. Melhor colocar o nome do livro direto.). Infância e Educação Infantil. Porto Alegre: Editora Mediação, 1998.

LÉLIS, Isabel; MARCONDES, M. I.; TEIXEIRA, Elizabeth; OLIVEIRA, Ivanilde Apoluceno; NASCIMENTO, Maria das Graças Arruda. O recurso às histórias de vida para o estudo das trajetórias educacionais. In: MARCONDES, Maria Inês; TEIXEIRA, Elizabeth; OLIVEIRA, Ivanilde Apoluceno de. (Orgs.). Metodologias e técnicas de pesquisa em educação. Belém: EDUEPA, 2010. p. 91-108.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

LOURO, Guacira Lopes. Pedagogias da sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes et al. (Orgs.). O corpo educado – pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. p. 07-34.

MACHADO, Maria. Lúcia. (Org.). Encontros e desencontros em educação infantil. São Paulo: Cortez, 2002.

MONTENEGRO, Teresa. A educação moral como parte da formação para o cuidado na educação infantil. 1999. 256 f Tese (Doutorado em Psicologia Social) – Faculdade de Psicologia..., Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 1999.

MONTENEGRO, Teresa. O cuidado e a formação moral na educação infantil. São Paulo: EDUC, 2001.

MONTESSORI, M. A criança. São Paulo: Círculo do livro, 1989.

MONTESSORI, M. Pedagogia científica. São Paulo: Flamboyant, 1969.

MORENO, Rodrigo Ruan Merat. “Essa turma precisa de uma figura masculina!”: Diálogos e práticas afetivas da docência masculina na Educação Infantil. 2013. 52 f. Monografia. Curso de Especialização em Educação Infantil, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

NASCIMENTO, Anelise; FIGUEIREDO, Fabiana; PEDROZA, Giovannina; VARGENS, Paula; KRAMER, Sonia. Educar e cuidar: muito além da rima. In: KRAMER, Sonia. (Org.). Profissionais de educação infantil: gestão e formação. São Paulo: Ática, 2005b. p. 55-65.

NÓVOA, António. Os professores e as histórias das suas vidas. In: NÓVOA, António. (Org.). Vidas de professores. Porto: Porto Ed., 1992.

NUNES, Deise Gonçalves. Da roda à creche – proteção e reconhecimento social da infância de 0 a 6 anos. 2000. 200 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2000.

PENA, Alexandra. Coelho. “Para explicar o presente tem que estudar a história do passado”: narrativas de profissionais de escolas comunitárias de Educação Infantil da Baixada Fluminense. 2015. 165 f. Tese (Doutorado em Educação) – Departamento de Educação, Faculdade de Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.

PENA, Alexandra Coelho. Narrativas de profissionais de creches comunitárias da Baixada Fluminense. Trabalho apresentado no VI Congresso Internacional de Práticas (Auto)Biográficas. UERJ, Rio de Janeiro, 2014

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. Relatos orais: do “indizível” ao “dizível”. In: SIMSON, Olga de Moraes Von. (Org.). Experimentos com histórias de vida (Itália-Brasil). São Paulo: Vértice; Editora Revista dos Tribunais, 1988. p. 14-43.

RAMOS, Joaquim. Um estudo sobre os professores homens da educação infantil e as relações de gênero na rede municipal de Belo Horizonte. 2011. 140 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011.

RONCARATI, Mariana. Perspectivas de uma educação dialógica na creche: a coautoria da criança na construção da prática educativa. 2012. 98 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO, Rio de Janeiro, 2012.

ROSEMBERG, Fúlvia. Organizações multilaterais, estado e políticas de educação infantil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 115, p. 25-63, mar. 2002.

ROSEMBERG, Fúlvia. Qualidade na educação infantil: uma perspectiva internacional. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL: CONFERÊNCIA NACIONAL PARA TODOS, 1., Brasília, DF. Anais... Brasília, DF: MEC/SEF/DPE/COEDI, 1994. p. 154-156.

ROUSSEAU, J. J. Emílio ou da educação. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1992.

SAYÃO, Deborah Thomé. Relações de gênero e trabalho docente na educação infantil: um estudo de professores em creches. 2005. 273 f. Tese (Doutorado em Educação) – Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2005.

SOUZA, Elizeu Clementino de. A arte de contar e trocar experiências: reflexões teórico-metodológicas sobre história de vida em formação. Revista Educação em Questão, Natal, v. 25, n. 11, p. 22-39, jan./abr., 2006.

TIRIBA, Léa. Educar e cuidar: buscando a teoria para compreender os discursos e as práticas. In: KRAMER, Sonia. (Org.). Profissionais de educação infantil: gestão e formação. São Paulo: Ática, 2005, p. 66-86.

TIRIBA, Léa. Infância, escola e natureza. 2006. 249 f. Tese (Doutorado em Educação) – Departamento, Faculdade de Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

VASCONCELLOS, Vera. Ramos. (Org.) Educação infância: história e política. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

Métricas
  • Visualizações do Artigo 1026
  • PDF downloads: 1015
Como Citar
PENA, A. C. HISTÓRIAS DE VIDA DE PROFESSORES HOMENS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 1, n. 1, p. 118-131, 11.