Narrativas revelando projetos de si na trajetória de formação docente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2019.v4.n12.p1125-1140

Palavras-chave:

Método (auto)biográfico, Projetos biográficos, Formação docente, Professoras da Educação Infantil.

Resumo

O presente texto é um recorte de uma pesquisa de mestrado que deu voz a seis professoras da Educação Infantil da rede municipal de ensino de Imperatriz/MA e as escutou. Neste artigo, discutem-se, a partir das narrativas orais das professoras, as avaliações que elas fazem do que sonhavam e do que querem para sua vida, ou seja, seus projetos biográficos de vida e formação. A pesquisa é de natureza (auto)biográfica, utilizando-se de entrevistas narrativas para a produção dos dados, pois partiu-se da proposta do sociólogo alemão Fritz Schütze (2011), para sua efetivação e análise. A investigação revela histórias marcadas por sonhos e realizações como professoras, mas também pela passagem transitória pelo magistério, por não se identificarem com a profissão ou pelas tensões vividas no cotidiano escolar. São histórias semelhantes às de tantas outras professoras que, inseridas na profissão, podem ou não aderir à docência. Conhecer as trajetórias de professores é fundamental para quem atua como formador nos cursos de Pedagogia, pois se trata de vencer o desafio de possibilitar que os graduandos adiram à profissão docente e se assumam como professores desde a formação acadêmica. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jónata Ferreira Moura, Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Doutorando e Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação da
Universidade São Francisco (2015). Especialista em Educação Infantil pela Faculdade de Educação Santa
Terezinha (2009). Licenciado em Pedagogia pela Universidade Federal do Maranhão (2009) e em Matemática
pela Universidade Estadual do Maranhão (2006). Sou docente da Universidade Federal do Maranhão
(CCSST/UFMA), atuando no curso de Pedagogia. Sou membro da Sociedade Brasileira de Educação Matemática
(SBEM) e da Associação Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica (BIOGraph). Sou avaliador do SINAES e atuo, principalmente, nos seguintes temas: infância, educação matemática, formação do professor que ensina
matemática, relações de gênero e sexualidade.

Adair Mendes Nacarato, Universidade São Francisco (USF)

Doutora em Educação pela Universidade de Campinas. Professora Doutora da Universidade São Francisco (USF). Membro do Grupo História de Formação de Professores que Ensinam Matemática (HIFOPEM).

Referências

BENJAMIN, Walter. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994. p. 197-221. (Obras Escolhidas, v. 1).

BERTAUX, Daniel. Narrativas de vida: a pesquisa e seus métodos. Tradução de Zuleide Alves Cardoso Cavalcante e Denise Maria Gurgel Lavallée. Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010.

BOLÍVAR, Antonio; DOMINGO, Jesús; FERNÁNDEZ, Manuel. La investigación biográfica-narrativa en educación: enfoque y metodologia. Madrid: La Muralla, 2001.

BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças dos velhos. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

BUENO, Belmira Oliveira. O método autobiográfico e os estudos com histórias de vida de professores: a questão da subjetividade. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 28, n. 1, p. 11-30, jan./jun. 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ep/v28n1/11653.pdf>. Acesso em: 15 jun. 2013.

CHAMON, Magda. Trajetória de feminização do magistério: ambiguidades e conflitos. Belo Horizonte: Autêntica; FUMEC/FCH, 2005.

DELORY-MOMBERGER, Christine. Abordagens metodológicas na pesquisa biográfica. Revista Brasileira de Educação. v. 17, n. 51, p. 523-740, set./dez. 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v17n51/02.pdf>. Acesso em: 18 nov. 2015.

DOMINICÉ, Pierre. O processo de formação de alguns dos seus componentes relacionais. In: NÓVOA, António; FINGER, Matthias. (Orgs.). O método (auto)biográfico e a formação.

Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010. p. 83-95. (Coleção Pesquisa (auto)biográfica ∞ Educação. Clássicos das histórias de vida).

FERRAROTTI, Franco. Sobre a autonomia do método biográfico. In: NÓVOA, A.; FINGER, M. (Orgs.). O método (auto)biográfico e a formação. Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010. p. 31-57. (Coleção Pesquisa (auto)biográfica ∞ Educação. Clássicos das histórias de vida).

GALVÃO, Cecília. Narrativas em educação. Ciência & Educação, Bauru, v. 11, n. 2, p. 327-345, 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v11n2/12.pdf>. Acesso em: 25 ago. 2013.

GERMANO, Idilva Maria Pires. Aplicações e implicações do método biográfico de Fritz Schütze em psicologia social. In: ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPSO, 15., 2009, Maceió. Anais... Maceió: Faculdade Integrada Tiradentes, 2009. p. 1-10.

JOVCHELOVITCH, Sandra; BAUER, Martin W. Entrevista narrativa. In: BAUER, Martin W.; GASKELL, G. (Org.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 10. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. p. 90-113.

LISPECTOR, Clarice. As palavras. São Paulo: Rocco, 2013.

MOURA, Jónata Ferreira de. Narrativas de vida de professores da educação infantil na constituição da formação docente: as marcas e as ausências da matemática escolar. 2015. 177 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação, Universidade São Francisco, Itatiba, SP.

MOURA, Jónata Ferreira de; NACARATO, Adair Mendes. A entrevista narrativa: dispositivo de produção e análise de dados sobre trajetórias de professoras. Cadernos de Pesquisa, São Luís, v. 24, n. 1, p. 15-30. jan./abr. 2017. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.18764/2178-2229.v24n1p15-30>. Acesso em: 20 dez. 2018.

PASSEGGI, Maria da Conceição. Narrar é humano! Autobiografar é um processo civilizatório. In: PASSEGGI, Maria da Conceição; SILVA, Vivian Batista. (Orgs.). Invenções de vidas, compreensão de itinerários e alternativas de formação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. p. 103-130.

SCHÜTZE, Fritz. Pesquisa biográfica e entrevista narrativa. In: WELLER, Wivian; PFAFF, Nicolle. (Orgs.). Metodologias da pesquisa qualitativa em educação: teoria e prática. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011. p. 210-222.

SEIXAS, Paulo Castro. O método biográfico na formação de professores: uma abordagem crítica. In: LEITE, Laurinda et al. (Org.). Didática e metodologias da educação. Braga: Departamento de Metodologia da Educação/Universidade do Minho, 1997. p. 909-919.

SOUZA, Elizeu Clementino de. A arte de contar e trocar experiências: reflexões teórico-metodológicas sobre história de vida em formação. Revista Educação em Questão, Natal, v. 25, n. 11, p. 22-39, jan./abr. 2006. Disponível em: <https://periodicos.ufrn.br/educacaoemquestao/article/view/8285>. Acesso em: 10 jan. 2014.

______. Modos de narração e discursos da memória: biografização, experiências e formação. In: PASSEGGI, Maria da Conceição; SOUZA, Elizeu Clementino de. (Auto)biografia: formação, territórios e saberes. Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2008. p. 85-101. (Coleção Pesquisa (Auto)Biográfica ∞ Educação).

VALLE, Ione Ribeiro. Carreira do magistério: uma escolha profissional deliberada? Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 87, n. 216, p. 178-187, mai./ago. 2006.

WELLER, Wivian. Tradições hermenêuticas e interacionistas na pesquisa qualitativa: a análise das narrativas segundo Fritz Schütze. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPeD, 32., 2009, Caxambu, MG. Anais... Caxambu, MG: ANPeD, 2009. p. 1-16. Disponível em: <http://32reuniao.anped.org.br/arquivos/trabalhos/GT14-5656--Int.pdf>. Acesso em: 13 mar. 2014.

Downloads

Publicado

2019-12-26

Como Citar

MOURA, J. F.; NACARATO, A. M. Narrativas revelando projetos de si na trajetória de formação docente. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, [S. l.], v. 4, n. 12, p. 1125–1140, 2019. DOI: 10.31892/rbpab2525-426X.2019.v4.n12.p1125-1140. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/rbpab/article/view/6019. Acesso em: 24 jun. 2024.