“DO QUINTAL À RUA”: A CAPOEIRA EM VITÓRIA DA CONQUISTA-BA NA MEMÓRIA DO MESTRE DONIZETE (1950/60)

Jonatan dos Santos Silva, Felipe Eduardo Ferreira Marta

Resumo


Este artigo teve como objetivo investigar o processo de disseminação da Capoeira, destacando tensões e conflitos no processo de difusão da Capoeira em Vitória da Conquista/Bahia a partir das décadas de 1950, trazendo as memórias do Mestre Donizete, a partir dos relatos de suas vivências. Para isso, utilizamos a metodologia da História Oral, especificamente a História Oral de Vida, conforme o referencial teórico-metodológico pautado nas produções de Michael Pollak (1989), James Fentress e Chris Wickham (1992) e José Carlos Meihy (2010). Em virtude disso foi possível enfatizar aspectos geográficos, econômicos, políticos e a culturais, além de uma epistemologia do cotidiano vislumbrada no “quintal” e na “rua” como lócus de resistência enquanto característica individual da capoeira de Vitória da Conquista/Bahia.

Palavras-chave


Capoeira; Vitória da Conquista/Bahia; Mestre Donizete; História Oral

Texto completo:

PDF

Referências


ABIB, P. R. J. Capoeira Angola: cultura popular e o jogo dos saberes na roda. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas-SP, 2004.

AGUIAR, I. P. Do púlpito ao baquiço religião e laços familiares na trama da ocupação do sertão da ressaca. 330 f. Tese (Doutorado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2007.

CAPOEIRA, N. Capoeira: Os fundamentos da Malícia. Rio de Janeiro: Record,1997.

FENTRESS, J.; CHRIS, W. Memória Social: novas perspectivas sobre o passado. Trad. Telma Costa. Lisboa: Teorema, 1992.

FERRAZ, A. E. Q. O urbano em construção: Vitória da Conquista, um retrato de duas décadas. Vitória da Conquista: UESB, 2001.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1977. In.:

FOUCAULT, Michel. Surveiller et punir: naissance de la prision. Paris: Gallimard, 1975.

IVO, I. P. O Anjo da Morte contra o Santo Lenho: poder, vingança e cotidiano no sertão da Bahia. Vitória da Conquista: Edições Uesb, 2004.

LARA, S. H. Fragmentos Setecentistas: Escravidão, cultura e poder na América portuguesa. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

LEAL, V. N. CORONELISMO, ENXADA E VOTO, o município e o regime representativo no Brasil. 3ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997.

MARTINS, W. R.; DIAS, R. B. CORONELISMO: contaminação crônica da política brasileira, p. 1-28 Disponível: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/2287-8.pdf. Acesso: agosto de 2017.

MEIHY, J. C.; HOLANDA, F. História oral: como fazer, como pensar. São Paulo: Contexto, 2010.

MUNANGA, K. Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia. Palestra proferida no 3º Seminário Nacional Relações Raciais e Educação-PENESB-RJ. Acesso em: em 5 nov. 2003.

NASCIMENTO, A. do. Trecho do poema “Padê de Exu Libertador”, escrito em Búfalo, EUA, em 2 de fevereiro de 1981. Disponível em: http://ipeafro.org.br/acervo-digital/audio/poesia/. Acesso em: janeiro de 2018.

NASCIMENTO, W. S. Do. Construindo o “negro”: lugares, civilidades e festas em Vitória da Conquista/BA (1870-1930), 2008. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). São Paulo, 2008.

NOVAIS, I. A. F. Produção e comércio na Imperial Vila da Vitória. (Bahia, 1840-1888). 2008. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2008.

OLIVEIRA, J. P. Pelas ruas da Bahia: criminalidade e poder no universo dos capoeiras na Salvador republicana (1912-1937). (Dissertação) Universidade Federal da Bahia, 2004.

PORTELLI, A. A filosofia e os fatos: narração interpretação e significado nas memórias e nas fontes orais. Tempo, Rio de Janeiro, v 1, n.2, p. 59-72, 1997a.

PORTELLI, A. Tentando aprender um pouquinho: algumas reflexões sobre a ética na história oral. Projeto História. São Paulo, n. 15, abr./1997, p. 13-49.

POLLAK, M. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

SANTOS, J. Um olhar (novo) sobre a história de Vitória da Conquista na condição de cidade média. In.: SANTOS, J. (org.) Vitória da Conquista no século XXI: reestruturação urbana e mudanças em seu papel como cidade média. Vitória da Conquista: Ed. UESB, 2016.

SCHWARCZ, L. M. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SILVA, J. S, MARTA, F. E. F. “Dos Vadios e Capoeiristas” À Emergência do “Esporte Genuinamente Brasileiro”. Anais eletrônicos do VIII Encontro Estadual de História da ANPUH-BA. Feira de Santana, 2016. Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Disponível em: http://www.encontro2016.bahia.anpuh.org/resources/anais/49/1477694131_ARQUIVO_artigodejonatan.pdf

SOUZA, B. J. Peduros e Meletes: disputa do poder local no Sertão da Bahia. ANPUH – XXIII SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA. Londrina, 2005. Disponível: http://anais.anpuh.org/wp-content/uploads/mp/pdf/ANPUH.S23.0158.pdf. Acesso: julho de 2017.

SOUZA, B. de J. Arreios, currais e porteiras: uma leitura da vida política em Conquista na Primeira República. São Paulo, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 1999. f. 177.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Jonatan dos Santos Silva, Felipe Eduardo Ferreira Marta

CONTATO

 Programa de Pós-graduação em Ensino, Linguagem e Sociedade, Departamento de Ciências Humanas, Campus VI da Universidade do Estado da Bahia

Endereço: Avenida Contorno, S/N, Bairro São José, Caetité, Bahia, Brasil

CEP: 46.400-000

Telefones: (77) 3454-2021 ou (77) 9 9134-3435

e-mail: ceduuneb@gmail.com

ISSN: 2595-4881

REDES SOCIAIS:

INDEXAÇÕES INTERNACIONAIS:

             

           

INDEXAÇÕES NACIONAIS:

    

REVISTA INTEGRANTE:

    

LINKS DE INTERESSE:

                     

Licença:

 Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Free counters!