Cenas Educacionais https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais <div id="journalDescription"> <p>A Cenas Educacionais (CEDU) (<a href="https://portal.issn.org/resource/ISSN/2595-4881#" target="_blank" rel="noopener">e-ISSN: 2595-4881</a>), instituída no ano de 2018, é um veículo oficical de publicação do <a href="http://www.ppgels.uneb.br/" target="_blank" rel="noopener">Programa de Pós-Graduação em Ensino, Linguagem e Sociedade</a> da <a href="https://portal.uneb.br/" target="_blank" rel="noopener">Universidade do Estado da Bahia</a> (PPGELS/UNEB). A CEDU é editada, a partir do ano de 2020, em sistema de fluxo contínuo em plataforma eletrônica (e-ISSN 2595-4881), com fluxo contínuo de submissão. O escopo da CEDU é publicar produções sobre Ensino, Educação e Interdisciplinaridade. A CEDU publica dossiês temáticos, relatos de experiências e/ou de casos, artigos originais, revisões de literatura, entrevistas, traduções, resenhas e pontos de vista após aceitos nos idiomas <strong>português, espanhol, francês&nbsp;</strong>e&nbsp;<strong>inglês</strong> conforme normatização apresentada nas diretrizes para autorxs.</p> <div>&nbsp;</div> </div> pt-BR <p><strong>Direitos Autorais</strong></p> <p>A submissão de originais para a Cenas Educacionais (CEDU) implica na transferência, pelas(os) autoras(es), dos direitos de publicação. Os direitos autorais para os manuscritos publicados nesta revista são das(os) autoras(es), com direitos da CEDU sobre a primeira publicação. As(os) autoras(es) somente poderão utilizar os mesmos resultados em outras publicações indicando explicitamente a CEDU como o meio da publicação original.</p> <p><strong>Licença Creative Commons</strong></p> <p>Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença &nbsp;<a href="https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0/deed.pt_BR" rel="license">Creative Commons Attribution-ShareAlike 4.0 International License</a>, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.</p> rimussi@yahoo.com.br (Prof. Dr. Ricardo Franklin de Freitas Mussi) ceduuneb@gmail.com (Equipe Editorial CEDU) sáb, 01 jan 2022 12:57:27 -0300 OJS 3.1.2.4 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 “SE ELA DANÇA EU DANÇO”: EXERGAMES DE DANÇA https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/13251 <p>O estudo tem como foco a dança na escola e a possibilidade pedagógica dos <em>exergames</em> para o ensino da dança. Temos a dança escolar carregada de sentidos e significados e seu conteúdo na maioria das vezes, é ministrado apenas em eventos festivos e sem a devida abordagem. Objetivamos neste artigo apresentar reflexões teóricas de conversação entre o uso de <em>exergames</em> de dança e as aulas de Educação Física escolar junto ao ensino fundamental. Realizamos uma pesquisa teórica. Discutimos o fato de ser extremamente significativo estimular, motivar e introduzir as crianças num universo significativo de brincar e se-movimentar, por meio da dança e os <em>exergames</em>. Não pretendemos solucionar as dificuldades que o ensino da dança encontra na escola, apenas sabendo-se, dessas barreiras, permanece o desafio da inserção da educação física no universo digital dos <em>exergames</em>.</p> Jonas Godtsfriedt Copyright (c) 2022 Jonas Godtsfriedt https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/13251 qua, 02 mar 2022 14:17:23 -0300 CENTENÁRIO DA LEI DE 1827 EM IMAGENS: FESTAS ESCOLARES https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/12987 <p>Este trabalho tem como objetivo analisar as festas escolares que fizeram parte da programação comemorativa ao centenário da primeira lei imperial de 15 de outubro de 1827 no estado do Rio Grande do Norte, tendo como principal fonte histórica o álbum de fotografias comemorativo ao centenário da lei que mandou criar em todos os lugares mais populosos no Brasil escolas de primeiras letras, encomendado pelo diretor do Departamento de Educação na época, Nestor Lima, e pelo governador José Augusto. Para isso, nos fundamentamos em Jacques Le Goff (1990) para o entendimento da fonte documento-monumento; e em Maria Ciavatta (2002) na discussão sobre fotografia e Cândido (2019) para discussão das festas escolares na primeira república. Por meio do estudo, compreendemos que as festividades escolares que fizeram parte do ano da celebração do centenário, no Rio Grande do Norte, são parte do projeto republicano de construção de nacionalidade que estava sendo desempenhado no Brasil durante o período vigente. As festas se tornaram um momento político e pedagógico, a escola, por meio das festas, ensinava o modo de ser um bom cidadão: aquele sujeito que ama seu país para isso, festas da bandeira e da pátria; que ama a natureza do seu país, festa da árvore; e que ama a escola, festa de inauguração dos grupos escolares. Acrescentamos que a celebração do centenário da lei imperial de instrução pública, ensinou sobre a valorização da educação nacional agregando valor à escola e à pátria.</p> Lígia Silva Pessoa, Beatriz Raquel Soares Victor, Olívia Morais de Medeiros Neta Copyright (c) 2022 Lígia Silva Pessoa, Beatriz Raquel Soares Victor, Olívia Morais de Medeiros Neta https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/12987 qui, 24 mar 2022 15:19:30 -0300 O ENSINO DE HISTÓRIA NOS ANOS INICIAIS: IMAGINAÇÃO, SENSIBILIDADE E EXPERIÊNCIA https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11973 <p>Este artigo tem como objetivo apresentar um trabalho desenvolvido com alunas e alunos da disciplina Ensino de História, de agosto a novembro, no Curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade Estadual da Paraíba - UEPB, no semestre 2020.1. Na ocasião, pensamos sobre as possibilidades e os desafios de abordar conteúdos e procedimentos didáticos para esse componente, especificamente em aulas remotas. No primeiro momento, pensamos em acionar a sensibilidade nas aulas de História, aquilo que nos passa, que nos afeta, que nos toca, que nos forma a partir do que sentimos. Para isso, fundamentamo-nos nas contribuições de Soares Júnior (2019) e Albuquerque Júnior (s/d), com a finalidade de refletir sobre as aulas de História desvinculadas das amarras do ensino tradicional positivista. Metodologicamente, utilizamos as experiências vividas, apresentadas e relatadas pelos alunos e alunas da referida disciplina. Concluímos que precisamos pensar no ensino de História para as crianças a partir de concepções que mobilizem a sensibilidade, o ver, o ouvir, o imaginar, o criar e o sentir, tendo em vista a formação de cidadãos comprometidos com a realidade, a identidade, o respeito e a alteridade.</p> Maria do Rosário Gomes Germano Maciel Copyright (c) 2022 Maria do Rosário Gomes Germano Maciel https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11973 ter, 12 abr 2022 16:03:20 -0300 MULHERES COMO (RE)EXISTÊNCIA EM SUAS PRÓPRIAS REALIDADES: UMA INTERSECÇÃO COM A MEMÓRIA E SUAS RELAÇÕES COM O SABER https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11503 <p>Apresentar uma discussão analítica sobre a relação com o saber de mulheres e professoras é o objetivo desse texto. Foi utilizado a entrevista narrativa como dispositivo de escuta para materializar as narrativas autobiográficas das colaboradoras do estudo. São quatro vozes que auxiliaram nas composições analíticas, professoras que atuam há mais de dez anos na Educação Básica no munícipio de São Paulo – SP. A base teórica do estudo é a Teoria da Relação com o Saber de Bernard Charlot. Com as narrativas e aprofundamentos analíticos foi possível desvelar que a relação com o saber de mulheres e professoras perpassa os modos de ser e estar na profissão, na construção de suas identidades docentes, nas mobilizações que realizam e nos sentidos que atribuem ao trabalho e em suas práticas na escola atual. Lembrar e narrar possibilitou para essas quatro mulheres um momento de reflexão sobre si mesmas e dos seus lugares em seus tempos próprios, evidenciando também tensões essenciais da vida de mulheres.</p> Naiara Chierici Rocha Copyright (c) 2022 Naiara Chierici Rocha https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11503 sáb, 01 jan 2022 00:00:00 -0300 É POSSÍVEL EDUCAR PARA AS RELAÇÕES RACIAIS? ANALISAMOS AS POSSIBILIDADES PEDAGÓGICAS EM UM CURSO SUPERIOR DE GESTÃO https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11639 <p>O artigo apresenta os resultados de uma pesquisa que teve como objetivo analisar as práticas pedagógicas utilizadas em um Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais de um Campus do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS) com vistas às relações Raciais. Foi elaborado um questionário estruturado e submetido aos 11 docentes do curso utilizando a ferramenta <em>Google Forms</em>. O tema reveste-se de importância à luz da Lei nº 10.639/2003, e seus adendos, que torna compulsória no currículo oficial da rede de ensino a temática “História e Cultura Afro-Brasileira”. Os resultados encontrados evidenciam que a legislação vigente possui papel fundamental na afirmação de setores marginalizados, e, também, o desconhecimento de parte dos docentes sobre a legislação em vigor. Destacamos a relevância das ações afirmativas do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiro e Indígena (NEABI) do campus e a necessidade de formação docente continuada sobre a temática. Por fim, mesmo que a Lei nº 10.639/2003 contemple apenas o Ensino Fundamental e Médio – a Resolução nº 1 (CNE/CP, 2014) estende ao Ensino Superior – entendemos ser necessário discutir a temática racial em todas as esferas escolares.</p> Gabriele Alves Garcia, Jacques André Grings, Luciano Nascimento Corsino, Daniel Luciano Gevehr Copyright (c) 2022 Gabriele Alves Garcia, Jacques André Grings, Luciano Nascimento Corsino, Daniel Luciano Gevehr https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11639 sáb, 01 jan 2022 00:00:00 -0300 POLÍTICAS AFIRMATIVAS E INCLUSÃO EDUCACIONAL: AS COTAS RACIAIS NO BRASIL https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11335 <p><strong>Resenha crítica do livro:</strong> AMARO, Sarita<strong>. Racismo, igualdade racial e políticas de ações afirmativas no Brasil</strong>. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2015. 160p.</p> Cíntia Magno Brazorotto Copyright (c) 2022 Cíntia Magno Brazorotto https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11335 sáb, 01 jan 2022 00:00:00 -0300 REFLEXÕES SOBRE A RELAÇÃO COM O SABER: A PRÁTICA PEDAGÓGICA COM A DANÇA AFRO-BRASILEIRA CÊNICA https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11832 <p>Este artigo objetiva discutir como as relações com o saber e as questões étnico-raciais se manifestam na prática pedagógica de uma professora de Educação Física. A investigação está baseada no estudo de uma docente que coordena um projeto de dança em uma escola pública municipal da cidade de Vitória, no Espírito Santo. Os dados foram produzidos a partir de observações e de entrevista semiestruturada. As análises se sustentam em Charlot (2000) no que diz respeito, especialmente, à relação identitária, social e epistêmica com o saber da dança e suas influências na docência.</p> Darlene Fabri Ferreira Rocha, Felipe Quintão de Almeida Copyright (c) 2022 Darlene Fabri Ferreira Rocha, Felipe Quintão de Almeida https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11832 seg, 03 jan 2022 18:07:09 -0300 JOGAR FUTEBOL COMO UMA GAROTA: RELAÇÕES COM O SABER E OS ESTUDOS DE GÊNERO https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11860 <p>Traçando uma analogia entre o fracasso escolar problematizado por Bernard Charlot e o fracasso esportivo de meninas no futebol, nesse ensaio, refletimos sobre as aproximações e tensões teóricas entre os escritos desse autor e os estudos pós estruturalistas de gênero. Argumentamos que esse diálogo, além de contribuir para a reflexão sobre as influências das relações de gênero para as relações com o saber, é bastante profícuo, já que ambas as perspectivas enfocam a problemática da agência, sem, no entanto, renunciar à enunciação das interpelações políticas, normativas e institucionais.&nbsp; Para desenvolver essa argumentação, primeiramente, apresentamos os discursos culturais acerca do futebol praticado por meninas e mulheres no Brasil, evidenciando e problematizando a forma como eles colocam-nas em situação de fracasso esportivo. Em seguida, fazemos um breve incurso de aproximação entre as relações de gênero e o aprender. Em terceiro lugar, apresentamos uma problematização ao “fracasso esportivo”, com base nas reflexões de Charlot, atravessadas pelo referencial dos estudos de gênero, buscando indagar questões ligadas às relações de sentido e de mobilização como forma de fazer gênero. Em quarto lugar, apresentamos um argumento alternativo ao fracasso esportivo, evidenciando as relações de sentido e de mobilização como forma de performatizar gênero. E por fim, trazemos a ideia de aprender como incorporação. Assim, buscamos frisar a importância de construir espaços plurais de participação no futebol, para que frente aos discursos culturais que o caracterizam como uma atividade de contato, agressiva e perigosa para meninas, elas sejam capazes de tensionar, transgredir e fazer “gênero”.</p> Bruna Saurin Silva, Mariana Zuaneti Martins Copyright (c) 2022 Bruna Saurin Silva, Mariana Zuaneti Martins https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11860 qua, 05 jan 2022 23:05:28 -0300 O EQUÍVOCO DO FRACASSO ESCOLAR: CONSTRUÇÃO DA RELAÇÃO COM O SABER A PARTIR DE PERSPECTIVAS INTERSECCIONAIS https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11499 <p>O presente ensaio discorre sobre a noção de Relação com o Saber e de Interseccionalidade, pelos estudos de Bernard Charlot e de intelectuais negras como Kimberlé Crenshaw, respectivamente. Como ponto inicial reconstruímos, brevemente, parte dos contextos nos quais estas categorias foram elaboradas. A partir destas referências, levantamos a problematização da produção das desigualdades sociais que interferem nas relações com o saber, estabelecidas por crianças e jovens periféricos, das classes populares e que têm suas trajetórias marcadas pelo&nbsp; “fracasso escolar”; posteriormente analisamos as ações de enfrentamento da população não branca articuladas pelas múltiplas diferenças e desigualdades; na sequência,&nbsp; buscamos identificar a relação entre a formação da memória social do Brasil contemporâneo e a abordagem interseccional que considera as interações entre gênero, raça e classe, no interior das instituições educacionais, como marcadores com implicações profundas na construção e argumentação epistêmica de jovens negras e negros no enfrentamento de situações de desigualdade social e discriminação racial e, concluímos com a centralidade dos grupos de organização coletiva de jovens negros e negras, que emergiram no presente século, a partir da efetivação de políticas de ações afirmativas, voltadas para o campo educacional, como estratégias de socialização e mobilização das pessoas negras, resistindo ao apagamento de nossa história e memórias.</p> Elisangela Venâncio Ananias, Maria Julia Venâncio Ananias Copyright (c) 2022 Elisangela Venâncio Ananias, Maria Julia Venâncio Ananias https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11499 sex, 07 jan 2022 00:54:08 -0300 DANÇA DO PASSINHO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: VISIBILIDADES NA CENA CURRICULAR PAULISTA https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11911 <p class="Default" style="text-align: justify;"><span style="font-size: 11.0pt; font-family: 'Candara',sans-serif; color: windowtext;">O presente trabalho objetiva relatar o desafio de implementação da Dança do Passinho nos materiais de apoio ao Currículo Paulista, no ensino de Educação Física, em escolas da rede estadual em São Paulo. Há preconceito velado, porém bastante atuante, em razão da dança se valer de manifestação rítmica cujas origens são afrodescendente, latina e também ser praticada pelas camadas pobres da população, marcadas pela desigualdade social e marginalização. Como fundamentação teórica, valemo-nos dos estudos antirracistas, feministas e de gênero, com especial foco nas produções advindas do campo de interface da educação e da educação física escolar. A metodologia qualitativa foi responsável pela seleção da produção bibliográfica e pelo percurso analítico dos materiais de apoio, legislação e documentos oficiais existentes. Contudo, apesar das legislações e teorias do Currículo estarem propostas no âmbito do multiculturalismo e da cultura corporal, ainda restam docentes aparentando desconhecer esta prática corporal. Consideramos que há docentes que avaliam negativamente a Dança do Passinho, tornando quem a pratica alvo de preconceitos de gênero e raça. Também há fragilidade na formação – seja a inicial, continuada, em serviço – comprometida com uma aprendizagem baseada em discursos antirracistas e em diálogo sobre as relações de gênero. Embora ocorra tal lacuna e também possível resistência, é inegável a conquista recente da Dança do Passinho nos materiais de apoio ao Currículo Paulista de Educação Física, que corresponde à maior visibilidade e combate às desigualdades, fruto do acúmulo a partir das categorias gênero, raça e geração, advindo dos movimentos sociais e das pesquisas educacionais.</span></p> <p>&nbsp;</p> Isabela Muniz dos Santos Cáceres, Daniela Auad Copyright (c) 2022 Isabela Muniz dos Santos Cáceres, Daniela Auad https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11911 ter, 11 jan 2022 21:23:48 -0300 EM DIREÇÃO À CONSTRUÇÃO DE UM CURRÍCULO ANTIRRACISTA NO CONTEXTO PANDÊMICO: ANÁLISE DE UM PROJETO INTEGRADOR https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/12234 <p>O objetivo do presente trabalho é evidenciar como a implementação do ensino de história e cultura afro-brasileira e indígena pode ser trabalhada à luz do currículo do ensino médio integrado em um <em>campus</em> do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS). A partir de sequências didáticas desenvolvidas em um projeto que integrou componentes da área de Linguagens e o componente curricular História, foi elaborada uma série de atividades que evidenciam as trajetórias de vida e de luta por justiça social de homens e mulheres negros/as e indígenas. Nesse aspecto, a construção didática permitiu a exploração de biografias, que traziam, na sua complexidade, elementos para abordagem dos conteúdos programáticos das disciplinas envolvidas. Como projeto integrador, questões como racismo, diversidade étnico-racial e interseccionalidade foram abordadas de forma articulada. Neste trabalho, analisaremos as séries didáticas propostas no Projeto Integrador Linguagens e História para a turma do primeiro ano do Curso Técnico Integrado ao Ensino Médio de Informática, realizado no segundo semestre de 2020, como atividades pedagógicas não presenciais (APNPs) implementadas pelo IFRS no <em>Campus </em>Rolante em formato online, devido ao contexto da pandemia da covid-19. A partir de sua efetivação, conclui-se que o projeto sinaliza para a construção de um currículo integrado que seja capaz de dialogar com as culturas consideradas subalternas e promover uma reflexão crítica sobre os processos políticos e sociais no ensino médio.</p> Luciano Nascimento Corsino, Ana Paula Cecato de Oliveira, Bibiana Cardoso da Silva, Taise Tatiana Quadros da Silva, Bruna Dahm dos Santos, Melissa Osterlund Ferreira, Daniel Santana de Souza Copyright (c) 2022 Luciano Nascimento Corsino, Ana Paula Cecato de Oliveira, Bibiana Cardoso da Silva, Taise Tatiana Quadros da Silva, Bruna Dahm dos Santos, Melissa Osterlund Ferreira, Daniel Santana de Souza https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/12234 qui, 20 jan 2022 22:01:50 -0300 A RELAÇÃO COM O SABER E AS INTERSECCIONALIDADES: DIÁLOGOS (AUTO)FORMATIVOS POR UMA EDUCAÇÃO FÍSICA DA (RE)EXISTÊNCIA https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11943 <p>A relação com o saber surge como fundamentação para compreendermos o binômio aprender e saber. A sociologia do sujeito contempla pensar o(a) estudante como ser singular, histórico e com seus próprios sentidos e significados. A educação física é um componente curricular obrigatório nas escolas posto à prova em um (cis)tema de relações de poder, com formas de opressão distintas e frutos de necropolítica atualmente. Maneiras de resistir é ouvir e fazer ser ouvido(a) esses sujeitos que são detentoras do saber quando situações de barbáries tendem a excluir as interseccionalidades que fazem parte da escola, do viver e (re)existir de professores(as) e alunos(as) no cotidiano escolar.</p> Brena Dias Bruno, Yasmin Gonçalves, Iury Crislano de Castro Silva, Breno José Mascarenhas Sá de Flor, Emmanuelle Cynthia da Ferreira, Cyntia Emanuelle Souza Lima, Luiz Sanches Neto, Luciana Venâncio Copyright (c) 2022 Brena Dias Bruno, Yasmin Gonçalves, Iury Crislano de Castro Silva, Breno José Mascarenhas Sá de Flor, Emmanuelle Cynthia da Ferreira, Cyntia Emanuelle Souza Lima, Luiz Sanches Neto, Luciana Venâncio https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11943 qui, 27 jan 2022 11:42:26 -0300 RELAÇÕES DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UM ESTUDO ALTERNATIVO https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11472 <p>As diferentes problemáticas relativas às questões de gênero desafiam a escola em seu objetivo de formação de pessoas sensíveis e abertas à convivência com a diversidade.&nbsp; Tal demanda se torna mais urgente ao se tratar da Educação de Jovens e Adultos. Com este estudo buscou-se investigar como a formação continuada de professores e professoras que atuam na educação básica propicia conhecimentos capazes de problematizar o (re)conhecimento de 20 mulheres estudantes em situação de vulnerabilidade social, a fim de que as ações docentes contribuam para torná-las &nbsp;mais conscientes &nbsp;dos papéis de gênero para que produzam um saber reflexivo capaz de detectar situações de violências domésticas no meio em que estão inseridas. &nbsp;Sendo assim, este é um estudo de cunho qualitativo de revisão narrativa da literatura e constitui-se de análise da literatura publicada em livros e artigos de revistas impressas e eletrônicas. O estudo está estruturado em duas seções: na primeira, apresentamos uma aproximação ao referencial teórico que dá suporte à pesquisa para discutirmos gênero como elemento constitutivo das relações sociais. Na segunda seção apresentamos discussões fundamentadas, principalmente, nas narrativas de egressas da EJA. Assim, compreendemos que o controle sobre o corpo das mulheres se processa de forma naturalizada, portanto, como ação cultural em que os papéis de gênero são estereotipados e forjados para atender a demandas construídas socialmente daquilo que homens e mulheres podem ou não fazer para manter a ordem social.</p> Adelice Pereira de Jesus, Kleonara Santos Oliveira, Edilane de Jesus Gomes, Maria Lúcia Porto da Silva Nogueira Copyright (c) 2022 Adelice Pereira de Jesus Jesus, Kleonara Santos Oliveira, Edilane de Jesus Gomes, Maria Lúcia Porto da Silva Nogueira https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11472 qua, 09 mar 2022 21:05:43 -0300 EDUCAÇÃO SOBRE A DIVERSIDADE DE GÊNEROS PAUTADA EM DIRETRIZES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS E NO VIÉS DA TEORIA QUEER https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11668 <p>Este artigo visa mostrar um recorte dos resultados uma pesquisa de mestrado realizada em 2015 no CEFET-MG. Neste recorte, buscamos mostrar a forma como os professores de língua inglesa do Ensino Médio naturalizavam preconceitos contra a diversidade de gênero, ou seja, na manifestação que não reconhece as identidades como autênticas, ou entendida de forma negativa ao visualizarem imagens previamente selecionadas e divididas nas seguintes categorias: (1) imagens que exemplificam a família; (2) imagens que retratam a infância; (3) imagens que refletem relacionamentos; (4) imagens que refletem a expressão corporal; e (5) imagens que refletem assédio. Desse modo, por meio das implicações pedagógicas levantadas, pensamos em contribuir para a prática de professores de Língua Inglesa do Ensino Médio, focando em um trabalho pautado nas Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos, seguindo os pressupostos dos documentos norteadores para o ensino de línguas e em insumos da Teoria <em>Queer,</em> para assim combater preconceitos e visões segmentadas em relação à diversidade de gênero.</p> Ludmila Ameno Ribeiro Copyright (c) 2022 Ludmila Ameno Ribeiro https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11668 sáb, 01 jan 2022 00:11:55 -0300 OS DIREITOS DAS CRIANÇAS CANTADO E CONTADO https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/12038 <p>A Declaração dos Direitos da Criança, é um documento que em seu corpo textual traz princípios que orientam os países signatários em como deve ser o tratamento de crianças e dos adolescentes. Originalmente publicado em 1959, é ratificado pela Convenção sobre os Direitos das Crianças, em 1989, e transformado em Lei no Brasil, com a publicação do Estatuto da Criança e do Adolescente. Esses documentos tratam de forma insatisfatória o direito da criança brincar. Nesse contexto duas obras artísticas “Canção de todas as crianças” e “Os direitos das crianças segundo Ruth Rocha” buscam indicar a necessidade de se discutir esse direito. O presente artigo tem os objetivos de compreender o direito da criança brincar, um elemento essencial no processo de formação na infância, e, apresentar os avanços nos direitos das crianças a partir das obras supracitadas. Para tanto, realizou-se um levantamento bibliográfico de estudos que envolvem a temática sobre o direito de brincar e entrevistas com os autores da obra “Canção de todas as crianças”. Com os dados obtidos, é possível afirmar que houve um avanço significativo em algumas áreas relacionadas a infância, mas que o brincar permanece negligenciado.</p> Iris Costa Soares, Rogerio Zaim-de-Melo, Rogério de Melo Grillo, Deyvid Tenner de Souza Rizzo Copyright (c) 2022 Iris Costa Soares, Rogerio Zaim-de-Melo, Rogério de Melo Grillo, Deyvid Tenner de Souza Rizzo https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/12038 qua, 05 jan 2022 23:17:52 -0300 INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NO ENSINO JURÍDICO: O PROJETO NPJ VIRTUAL DA FACULDADE SANTO AGOSTINHO DE VITÓRIA DA CONQUISTA COMO INSTRUMENTO DE ACESSO À JUSTIÇA https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/12172 <p>O acesso à justiça pode ser considerado como um dos temas mais debatidos na área jurídica, em virtude de se constituir um verdadeiro baluarte do Direito. Nesse aspecto, cumpre destacar que a sua natureza indica um reflexo da segunda geração dos direitos humanos, pois está diretamente relacionado à realização da igualdade. A investigação teórica acerca do acesso à justiça conduzirá à análise das funções do Núcleo de Práticas Jurídicas, um importante instrumento no âmbito do ensino jurídico. Com a pandemia causada pelo COVID-19, as atividades dos núcleos foram impactadas negativamente, exigindo soluções inovadoras, dentre as quais se destaca o Projeto NPJ Virtual, desenvolvido no curso de Direito da Faculdade Santo Agostinho de Vitória da Conquista. A presente pesquisa, de natureza documental utiliza o método indutivo, a fim de avaliar as contribuições daquele projeto para a promoção do acesso à justiça.</p> Ana Paula da Silva Sotero, Luciano de Oliveira Souza Tourinho Copyright (c) 2022 Ana Paula da Silva Sotero, Luciano de Oliveira Souza Tourinho https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/12172 sex, 28 jan 2022 23:58:56 -0300 A SOCIOEDUCAÇÃO SOB AS LENTES DA EMANCIPAÇÃO SOCIAL: TRABALHO E EDUCAÇÃO DE ADOLESCENTES EM CONFLITO COM A LEI https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/12125 <p>Ao longo do processo de socialização, o trabalho e a educação tornaram-se importantes referenciais para o desenvolvimento emocional, ético e cognitivo de cada pessoa. Se transformando numa base social consolidada, em atividades principais e nos elementos definidores, ainda que não exclusivos, como sentido da vida. Em razão disso, a falta do trabalho e estudo, assumem, igualmente, um papel essencial. Nesta pesquisa, procurou-se investigar se a partir das oportunidades oferecidas pelo Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo, o/a adolescente consegue articular uma perspectiva de vida na qual ele/a não seja conduzido/a a novos conflitos com a lei. Trata-se de um estudo de natureza qualitativa, de caráter descritivo-exploratório com a colaboração de 13 adolescentes, com idade entre 12 e 18 anos incompletos. Os resultados apontaram categorias significativas para a auto-organização dos/as adolescentes no cumprimento da medida e, neste texto, o foco está na categoria: trabalho e educação. Constatou-se, nesta pesquisa, que adolescentes que exercem alguma atividade remunerada e lícita, passam a adquirir confiança e respeito pela família e pares. Assim acontece com aqueles/as que recebem oportunidade de continuação dos estudos, como cursos de formação profissional, passam a enxergar oportunidade para construir nova perspectiva de vida.</p> <p><strong>&nbsp;</strong></p> Rafael Garcia Campos Copyright (c) 2022 Rafael Garcia Campos https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/12125 seg, 31 jan 2022 16:19:18 -0300 A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO NA CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS: O PROTAGONISMO EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/12583 <p>A construção do conhecimento de forma contextualizada com a realidade da criança e com uma sociedade múltipla ainda é um grande desafio para a Educação Brasileira. O objetivo desta pesquisa consiste em compreender o desenvolvimento do protagonismo infantil na construção do conhecimento científico por meio da prática pedagógica explorando a contação de histórias em uma escola da rede pública municipal de ensino. A pesquisa de caráter qualitativo, desenvolvida na metodologia de Estudo de Caso, baseia-se na realização e observação das práticas pedagógicas em uma turma de 3º ano do Ensino Fundamental, no estado Rio Grande do Sul, Brasil. As discussões ocorrem no contexto da pesquisa desenvolvida pelo grupo de pesquisa Convivência e Tecnologia Digital na Contemporaneidade - COTEDIC UNILASALLE/CNPq. Os dados empíricos são os registros das atividades dos educandos e anotações da professora. Assim, reflete-se sobre o protagonismo infantil na construção do conhecimento científico por meio da elaboração de hipóteses, experiências e ação cognitiva, e na contação de histórias para a contextualização dos conhecimentos e elaboração de metáforas. A partir desta pesquisa, procura-se aproximar a criança do fazer científico, refutando a ideia de que o conhecimento está pronto, imutável e deve ser somente memorizado. O desenvolvimento do protagonismo se dá por meio de práticas pedagógicas<strong>:</strong> em que as crianças tem vez e voz e seus conhecimentos legitimados<strong>;</strong> que contemplam a autonomia, a ação cognitiva, a autoria e o senso crítico para a construção de novos conhecimentos.</p> Érica Cecília Da Boit, Luciana Backes Copyright (c) 2022 Érica Cecília Da Boit, Luciana Backes https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/12583 sáb, 01 jan 2022 12:56:31 -0300 O PROJETO DE ENSINO MÉDIO À LUZ DE PAULO FREIRE: A POLÍTICA COMO RESTRIÇÃO DA DIVERSIDADE E DA INCLUSÃO https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/13068 <p>Este estudo analisa as políticas nacionais para o Ensino Médio à luz de Paulo Freire a partir da(s) obra(s) Educação como prática da liberdade, Pedagogia da autonomia e Pedagogia do oprimido. Discute a importância de compreender a diversidade e a inclusão como premissas para a formulação das políticas públicas, em especial as de educação. Apesar da relevância dessa perspectiva à cidadania, observa-se que o projeto de educação para a etapa não tem comportado uma razão dialética e democrática em sua construção, estabelecendo uma relação autoritária e carente de sentido público, na qual a inclusão é realizada pelo consumo e a diversidade é sinônimo de flexibilidade ao mercado de trabalho.</p> Rafael Garcia Campos, Mateus Saraiva Copyright (c) 2022 Rafael Garcia Campos, Mateus Saraiva https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/13068 sex, 04 fev 2022 00:03:21 -0300 EXPERIÊNCIAS FORMATIVAS NA DISCIPLINA FUNDAMENTOS SÓCIO-HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO/CE/UFPB EM 2021: UM OLHAR SOBRE O LIVRO EDUCAÇÃO E MUDANÇA DE PAULO FREIRE https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/12767 <p>O presente artigo tem o propósito de refletir sobre as experiências formativas vivenciadas em torno das discussões do livro <em>Educação e Mudança</em> de Paulo Freire, nas aulas remotas da disciplina Fundamentos Sócio-Históricos da Educação (FSHE), do Centro de Educação (CE), da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), no período acadêmico 2020.2, realizado no ano de 2021. Trata-se de um relato de experiências autobiográficas (autonarrativas), com método qualitativo, vinculado ao campo da História, mais precisamente, da Nova História, que lança olhares sobre a formação dos graduandos de três licenciaturas (Música, Educação Física e Química) e sobre o próprio autor, como estagiário docente vinculado ao Mestrado em Educação do PPGE/UFPB. Diante disso, utiliza, como norteadores teóricos, a concepção da História do Tempo Presente e os estudos da Memória, discutindo com autores, como: Freire (2011), Lohn (2019), Gagnebin (2006) e Marques e Satriano (2017).&nbsp; Face ao exposto, a metodologia de pesquisa emprega a autobiografia para sistematizar os diferentes sentidos dessa narrativa histórica, situada em meio às duras dificuldades do ensino superior brasileiro no decorrer da pandemia do Covid-19, na contemporaneidade. Apesar dos grandes desafios no presente, entende-se que as experiências formativas vinculadas à obra freireana contribuíram para a formação docente, percebendo-se algumas mudanças nos discursos e atitudes dos graduandos a favor da construção de uma consciência autêntica e cidadã.</p> Felipe Cavalcanti Ivo, Kilma Cristeane Ferreira Guedes, Maria Elizete Guimarães Carvalho Copyright (c) 2022 Felipe Cavalcanti Ivo, Kilma Cristeane Ferreira Guedes, Maria Elizete Guimarães Carvalho https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/12767 sex, 18 fev 2022 17:27:21 -0300 PAULO FREIRE: LEGADO TEÓRICO-PRÁTICO PARA UMA EDUCAÇÃO HUMANIZADORA https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/12796 <p>Rememorando, todavia, o centenário de Paulo Freire, destacamos o caráter humanizador de seu legado teórico-prático que tanto dialoga com o tempo presente de crise orgânica em âmbito nacional. Em nossa hipótese, Freire apresenta-se como referência fundamental para educadores em formação, por indicar a possibilidade e necessidade de formar uma visão crítica de mundo a partir de uma perspectiva na qual os valores democráticos e a busca pelo empoderamento em perspectiva coletiva são premissas primeiras. Debatemos a partir da perspectiva de não-neutralidade no ato de educar, sobre a validade da abordagem freiriana em disciplinas relevantes para a formação do pedagogo e que só recentemente ganham espaço na academia, como a disciplina Educação em Direitos Humanos, importante para propiciar acolhimento, respeito e valorização da diversidade e da democracia. Neste ensejo, traremos alguns recortes da sua obra em cotejo com perspectivas como a Decolonialidade e as Epistemologias do Sul, que preconizam a leitura de mundo e a história integral como pontos de partida para uma outra educação possível. Freire nos indica a necessária “tomada de consciência” e a “disputa sobre os rumos da sociedade” pelos grupos historicamente subalternizados, os oprimidos. Nas conclusões, destacamos suas contribuições para uma educação emancipadora e humanizadora, não só por ser um defensor da educação para todos e todas, das camadas populares e classe trabalhadora, mas também por buscar o despertar da vocação ontológica dos homens e mulheres do povo, a partir do conhecimento das contradições e antagonismos da sociedade, enquanto protagonistas da transformação da mesma.</p> Jórissa Danilla Nascimento Aguiar, Hermenegildo Moreira da Costa Neto Copyright (c) 2022 Jórissa Danilla Nascimento Aguiar, Hermenegildo Moreira da Costa Neto https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/12796 sáb, 19 fev 2022 15:37:46 -0300 HISTÓRIAS INFANTIS E CULTURA CORPORAL: POETAS, EDUCANDOS E EDUCADORES EM AD-MIRAÇÃO https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/13136 <p>O presente trabalho busca socializar a produção de um livro de histórias infantis que se insere no diálogo entre a Educação Infantil e a Cultura Corporal, buscando refletir sobre as potencialidades dialógicas entre poetas, educadores e educandos. A produção se desenvolve em três importantes pontos de partida: os conceitos de Cultura Corporal, as concepções de histórias infantis e os dois conceitos freirianos (diálogo e ad-miração). Emoldurado pelo contexto do Laboratório de Histórias Infantis e Cultura Corporal (LabHIC), o livro conta com três histórias: Marcelinho do Passinho; O diário da avó de Analu: Jongo, Batuque e Caxambu; A Escola de Samba de Analiz. O livro “Os Fusquinhas em ritmos diversos”, atentando-se para o diálogo e a ad-miração na superação dos imperativos instrumentais, parece posicionar educandos, poetas e educadores em comunhão na reflexão sobre as obras e os temas da Cultura Corporal.</p> Mariana Gatto Lemos de Souza dos Santos, Renato Sarti Copyright (c) 2022 Mariana Gatto Lemos de Souza dos Santos, Renato Sarti https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/13136 seg, 28 fev 2022 11:03:37 -0300 ALFABETIZAÇÃO ONLINE: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO-APRENDIZAGEM PAUTADA NO MÉTODO PAULO FREIRE https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/13101 <p>Trata-se de uma pesquisa que teve como objetivo modelar um software capaz de colaborar com o processo de ensino-aprendizagem das séries iniciais da Educação de Jovens e Adultos (EJA). O sistema denominado Alfabetização Online, baseado no Método Paulo Freire foi implementado para ser utilizado como apoio ao desenvolvimento das fases que compõem o método, de modo a possibilitar aos educandos o contato com as Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC), de forma crítica e consciente. A pesquisa, de caráter praxiológico, foi desenvolvida em dois momentos: o primeiro pautado no diálogo com os autores e na construção da proposta metodológica e o segundo momento caracterizado pela experimentação da proposta metodológica, em campo, para verificar a sua eficácia junto ao processo de ensino-aprendizagem da EJA, contemplando, especialmente, os educandos em processo de alfabetização. Os resultados obtidos foram considerados satisfatórios para o objetivo geral, com indicação de melhorias para aplicabilidade do software.</p> Pollyana Pereira Fernandes, Alfredo Eurico Rodrigues Matta Copyright (c) 2022 Pollyana Pereira Fernandes, Alfredo Eurico Rodrigues Matta https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/13101 seg, 28 fev 2022 14:14:55 -0300 ENTRE A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER E A PEDAGOGIA DA AUTONOMIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE UM TRIBUTO A PAULO FREIRE https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/13085 <p>Este relato descreve as ações relativas ao Tributo a Paulo Freire, realizado no período de abril a setembro de 2021, pela Coordenadoria Regional de Desenvolvimento da Educação (CREDE 15), situada no município de Tauá, sertão cearense. O objetivo da experiência consistiu desenvolver uma ação formativa de professores e gestores escolares para homenagear Paulo Freire e para ressaltar o valor do seu legado à educação, considerando o contexto desafiador da pandemia do Covid 19, bem como os ataques a sua memória, filosofia e pedagogia. Foram realizados quatro encontros remotos, por meio da Plataforma G<em>oogle Meet, que</em> contemplaram a reflexão sobre a biografia e o legado de Paulo Freire para a educação, tendo como foco a análise coletiva e dialogada de duas de suas obras: <em>A importância do ato de ler</em> e <em>Pedagogia da Autonomia</em>. Para a realização do Tributo, contamos com o envolvimento de 45 educadores e utilizamos como metodologia as Tertúlias Dialógicas sobre as obras selecionadas e a sessão Fala Professor!. Defendemos que é relevante fomentar espaços de leitura para estudos e valorização do legado freireano, sobretudo, para a formação dos educadores, diante do cenário político e social brasileiro caótico, no qual estamos situados hoje.&nbsp; Estivemos movidos pela ideia de que esta experiência é uma maneira de “esperançar” diante dos desafios que estão postos.</p> Diva Lima, Pedro Henrique Sampaio Silveira, Antonia Vera Lúcia da Silva, Edna Maria Lessa de Sousa, Geandra Claudia Silva Santos Copyright (c) 2022 Diva Lima, Pedro Henrique Sampaio Silveira, Antonia Vera Lúcia da Silva, Edna Maria Lessa de Sousa, Geandra Claudia Silva Santos https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/13085 qua, 02 mar 2022 15:37:13 -0300 O ENCANTAMENTO DA PEDAGOGIA FREIREANA https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/12769 <p>Neste trabalho refletimos sobre as experiências de Paulo Freire, socializadas nos livros “Cartas a Cristina: reflexões sobre a minha vida e minha práxis” e “Medo e ousadia: o cotidiano do professor”, que evidenciam as bases constituintes do encantamento da pedagogia freireana. A história de Paulo Freire com a educação é digna de ser refletida, pois a sua práxis o levou a idealizar uma educação popular que objetivava conscientizar as pessoas, especialmente as classes sociais oprimidas e excluídas, com vistas a emancipação social, cultural e política, o que por si só já é um indício da sua crença no poder libertador da educação. A partir da leitura destas obras, usamos como metodologia para analisar as suas experiências, a pentadimensionalidade de González (2008) com foco nas cinco dimensões (metodológica, epistemológica, ontológica, axiológica e teleológica) propostas por ele. Além de Freire (2008, 2019 e 2021), estudiosos do patrono da educação brasileira como Haddad (2019) e Gadotti (2011), somam a esta reflexão. Este estudo nos mostrou que a vida e as experiências de Freire reforçam as bases constituintes de suas ideias e, a partir delas, após um tratamento crítico, deu a sua pedagogia o reconhecimento político e epistemológico, evidenciando seu encantamento.</p> Bergson Pereira Utta, Fredy Enrique González Copyright (c) 2022 Bergson Pereira Utta, Fredy Enrique González https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/12769 qua, 30 mar 2022 20:39:50 -0300 DO MÉTODO PAULO FREIRE AO ENSINO DE HISTÓRIA LOCAL: CULTURA POPULAR, IDENTIDADE E CONSCIÊNCIA HISTÓRICA https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/12790 <p>Pesquisa que visa relacionar o ‘método’ de Paulo Freire com o ensino de História Local a fim de apontar meios para uma transposição didática que reforce a importância de se trabalhar a cultura popular e a construção de memórias e identidades. Assim, o desenvolvimento da pesquisa foi realizado a partir da interpretação de alguns textos do filósofo e educador Paulo Freire sobre a discussão da educação popular, que reverbera pelo caráter educativo, político, antropológico e ético. Na perspectiva do autor, a cultura deve ser engajada com a própria experiência da vida de cada homem. Tem como suporte os historiadores Schmidt, Guimarães, Goubert, Neves, Martins, Pollak, Bittencourt, Halbwachs, Hall, Le Goff, Nascimento Júnior &amp; Guillen. Desta forma, o referido estudo propõe uma análise acerca do ensino da história local, considerando as concepções, perspectivas e implicações que a memória e a identidade permitem à abordagem deste campo da História, buscando relacionar esses conceitos, de modo a melhor compreender seus impactos em relação ao processo de ensino-aprendizagem.</p> Domingos Dutra dos Santos, Guilherme Aguiar Gomes Copyright (c) 2022 Domingos Dutra dos Santos, Guilherme Aguiar Gomes https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/12790 seg, 04 abr 2022 23:32:15 -0300 INDÍCIOS DE UMA PERSPECTIVA FREIREANA NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: A ARGUMENTAÇÃO PRÁTICA DE PROFESSORES/AS PRECEPTORES/AS DA RESIDÊNCIA PEDAGÓGICA E SUPERVISORES/AS DO PIBID https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/13181 <p>O objetivo desta investigação é explicitar como quatro professores/as-pesquisadores/as reelaboram seus próprios saberes docentes ao compartilharem a análise das práticas que têm sido realizadas em três escolas-campo vinculadas ao PIBID e à residência pedagógica em Fortaleza. A argumentação prática tem o potencial de revelar premissas que os/as professores/as têm sobre valores, experiências, condições e contextos de trabalho docente. Contudo, ao confrontar essas premissas, contradições nas práticas pedagógicas podem ser evidenciadas. Metodologicamente, a partir de procedimentos qualitativos de autoconfrontação, cotejamos as narrativas de dois preceptores da residência pedagógica e dois/as supervisores/as do PIBID no subprojeto de educação física da Universidade Federal do Ceará. Os resultados indicam o predomínio de saberes experienciais dos/as professores/as e aspectos dialógicos convergentes, que remetem à perspectiva freireana nas aulas de educação física. Identificamos que ao explicitar a argumentação prática dos/as professores/as, o processo de formação é compartilhado e fomenta novas reflexões. Consideramos que esse processo formativo se torna permanente, sendo incorporado à perspectiva dialógica dos/as professores/as, embora os seus vínculos com os programas institucionais sejam transitórios e temporários. Concluímos que esse é um avanço qualitativo decorrente da colaboração na análise das práticas nos dois programas.</p> Felipe Néo dos Santos, Lis Bastos Silvestre, Deyve José Vidal, Aldemir Bezerra Santos, Luciana Venâncio, Luiz Sanches Neto Copyright (c) 2022 Felipe Néo dos Santos, Lis Bastos Silvestre, Deyve José Vidal, Aldemir Bezerra Santos, Luciana Venâncio, Luiz Sanches Neto https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/13181 qua, 06 abr 2022 20:40:30 -0300