PERSPECTIVAS DA LINGUÍSTICA TEXTUAL LEVADAS PARA O ENSINO BÁSICO: FORMANDO LEITORES E CONTADORES DE HISTÓRIAS

Palavras-chave: Ensino de Língua Materna, Teoria Linguística, Contexto da Educação, Leitura, Escrita

Resumo

Este artigo versa sobre uma experiência de trabalho com o gênero conto popular nas séries finais do Ensino Fundamental. Trata-se de um projeto pedagógico que envolveu alunos do sexto ano e que foi desenvolvido em 2017. A proposta divulgada neste texto convidava os participantes a narrar oralmente contos populares a estudantes do quinto ano do Ensino Fundamental. Para que se possa identificar a importância da fundamentação teórica no fazer docente, alguns pressupostos teórico deram sustentação a este plano de ensino, como o termo texto, que é tomado sob duas perspectivas teóricas: primeiramente, enquanto discurso, como o produto da interação social entre pessoas que fazem parte de uma esfera de atividade humana (BAKHTIN, 1992); segundamente, enquanto unidade de sentido constituída por elementos de textualidade, especificamente neste ensaio, pela intencionalidade, pela aceitabilidade e pela situacionalidade (SANTOS; RICHE; TEIXEIRA, 2012; COSTA VAL, 1991). Neste artigo também são tecidas algumas reflexões sobre as contribuições da Linguística Textual para o ensino de língua materna. As considerações finais dão conta de que o trabalho com o texto proporciona aos estudantes envolvidos não apenas o desenvolvimento de habilidades discursivas, mas também a formação de identidades individuais e coletivas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonardo Machado Batista, Doutorando em Linguística e Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - Brasil

Mestre em Letras. Professor na rede privada de ensino de Porto Alegre.

Franciely Weber Tarouco, Mestranda em Linguística Aplicada, pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Brasil

Especialista em Ensino de Língua Portuguesa na Educação Básica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Professora na rede privada de ensino de Porto Alegre.

Referências

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros curriculares nacionais: Língua Portuguesa. Brasília: MEC: SEF, 1997. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro02.pdf. Acesso em: 12 out. 2019.

BRASIL. Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2003/L10.639.htm. Acesso em: 06 out. 2019.

BRENMAN, I. Contador de histórias de bolso: África. São Paulo: Moderna, 2008.

BRENMAN, I. A amizade eterna e outras vozes da África. São Paulo: Moderna, 2016.

COSTA VAL, M. da G. Redação e textualidade. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola, 2008.

NEVES, M. H. de M. Reflexões sobre o estudo da gramática nas escolas de 1º e 2º graus. Alfa: Revista de Linguística, São Paulo, v. 37, p. 91-98, 1993. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/alfa/article/view/3936/3614. Acesso em: 12 out. 2019.

NEVES, M. H. de M. Gramática na escola. 8. ed. São Paulo: Contexto, 2018. (Coleção Repensando a Língua Portuguesa).

SANTOS, L. W.; RICHE, R. C.; TEIXEIRA, C. S. Análise e produção de textos. São Paulo: Contexto, 2012. (Coleção Linguagem & Ensino).

Publicado
2021-11-27
Métricas
  • Visualizações do Artigo 109
  • ♪Áudio♪ downloads: 5
Como Citar
Batista, L. M., & Tarouco, F. W. (2021). PERSPECTIVAS DA LINGUÍSTICA TEXTUAL LEVADAS PARA O ENSINO BÁSICO: FORMANDO LEITORES E CONTADORES DE HISTÓRIAS. Cenas Educacionais, 4, e7411. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/7411
Seção
Relato de Experiência