ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL EM TEMPOS DE ENSINO REMOTO

Palavras-chave: Ensino Remoto, Atendimento Educacional Especializado, Deficiência Visual

Resumo

O presente texto versa sobre o atendimento educacional especializado para alunos com deficiência visual em tempos de ensino remoto. O objetivo deste estudo é verificar a avaliação dos alunos com deficiência visual sobre a experiência do atendimento remoto durante a pandemia da COVID-19. Buscou-se responder à seguinte questão de pesquisa: qual a avaliação dos alunos com deficiência visual sobre essa experiência nova de atendimento? Para construção dos dados foram utilizados questionário auto aplicado, o planejamento dos atendimentos e as atividades realizadas no período que compreende a pandemia. A análise dos dados se deu à luz da teoria sociointeracionista de Vygotsky. Assim, todos os elementos expostos, pensados e orientados para o ensino remoto criaram uma atmosfera de descobertas, que dinamizaram o processo de inclusão para além, da sala de aula comum. Introduziram os elementos tecnológicos na rotina dos alunos com deficiência visual, proporcionando a estes, a construção de um aprendizado intelectual e afetivo com seus pares, demonstrado ao longo de todo processo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucélia Lôbo Teixeira, Mestranda pelo Programa de Pós-graduação em Ensino, Linguagem e Sociedade da Universidade do Estado da Bahia - Brasil

Licenciada em Letras/Inglês. Docente em Atendimento Educacional Especializado (cegueira e baixa visão) no Centro Estadual de Educação Especial de Caetité-BA.

Cymone Martins Cotrim Teixeira, Doutoranda em Ensino pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - Brasil

Doutoranda em Ensino. Docente em Atendimento Educacional Especializado (cegueira e baixa visão) do Centro Estadual de Educação Especial de Caetité-BA.

Referências

AMORIM, Marília Carollyne Soares de; et al. Prática de ensino no atendimento educacional especializado (AEE) no contexto da pandemia no município de Teresina. CONEDU VII Congresso Nacional de Educação, Maceió – AL, 2020. Disponívelem: http://www.editorarealize.com.br/artigo/visualizar/74293Acesso em 29 de jun de 2021.

BAHIA. Diretrizes da Educação Especial. Salvador, 2017. Disponível em: <http://escolas.educacao.ba.gov.br/educacaoespecial>. Acesso em: 15 ago. 2020.

BRASIL. Comitê de Ajudas Técnicas. Tecnologia Assistiva. Brasília: CORDE, 2009. 138p.

BRASIL. Resolução nº. 4, de 2 de outubro de 2009. Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional especializado na Educação Básica, modalidade Educação especial, Brasília: MEC, 2009. Disponível em http://portal.mec.gov.br/dmdocu: ments/rceb004_09.pdf.Acesso em 28/06/2021.

DA SILVA, Ione de Cássia Soares; DA SILVA PRATES, Tatiane; RIBEIRO, Lucineide Fonseca Silva. As novas tecnologias e aprendizagem: desafios enfrentados pelo professor na sala de aula. Em Debate, n. 15, p. 107-123, 2016.

FARIA, E. T.O professor e as novas tecnologias. Ser professor, v. 5, p. 57-72, 2004.

GALVÃO FILHO, T. A. Tecnologia Assistiva para uma Escola Inclusiva: apropriação, demandas e perspectivas. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GODOY, A.S. Introdução a pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de administração de empresas. São Paulo, v. 35, n. 2, 1995, p. 57-63.

LDB – Leis de Diretrizes e Bases. Lei nº 9.394. 1996. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/lei9394_ldbn1.pdf>. Acesso em: 15 ago. 2020.

MEC. Resolução CNE/CEB nº. 2 de 11 de setembro de 2001. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília: MEC, 2001. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/resolucao2.pdf>. Acesso em: 06 fev. 2021.

MORAN, J. M. Mudando a educação com metodologias ativas. 2013. Disponível em: <http://www2.eca.usp.br/moran/wp-content/uploads/2013/12/mudando_moran.pdf>. Acesso em: 15 ago. 2020.

REGO, Teresa Cristina. Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação. 20 ed. Petrópolis: Vozes, 2009.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. 23ª ed. São Paulo: Cortez, 2007.

SILVA, Edna Alves Pereira da; et al. O papel do professor e o uso das tecnologias educacionais em tempos de pandemia. Cenas Educacionais, v.4, n.10740, p.1-17, 2021. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/10740. Acesso em: 29 de jun de 2021

VYGOTSKY, L.S. et al. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. (Coletânea). São Paulo: Ícone/Edusp, 1988.

Publicado
2021-09-20
Métricas
  • Visualizações do Artigo 95
  • ♪Áudio♪ downloads: 1
Como Citar
Lôbo Teixeira, L., & Teixeira, C. M. C. (2021). ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL EM TEMPOS DE ENSINO REMOTO. Cenas Educacionais, 4, e11914. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11914
Seção
Relato de Experiência