HISTÓRIA ORAL ENQUANTO MÉTODO POSSÍVEL NAS PESQUISAS EM DIREITOS HUMANOS

Palavras-chave: Pesquisa qualitativa, Relações de Poder, Justiça Social

Resumo

O presente artigo tem como objetivo apresentar as nuances da história oral enquanto método possível e plausível nas pesquisas correlatas aos Direitos Humanos. Trata-se de um relato de experiência, do tipo qualitativo, que busca refletir sobre as possibilidades e disponibilidades para realização das pesquisas sobre Socioeducação e Justiça Restaurativa, utilizando-se do método da História Oral de Vida. Como resultados foi possível identificar que o método exige sensibilidade do/a pesquisador/a para lidar com narrativas que transitam entre diferentes tons de sentimentos, corrobora para uma escuta sensível dos/as colaboradores/as, direciona as lentes para os direitos por vezes negligenciados e se constitui como potência para a (re)formulação de políticas públicas que possam fomentar uma sociedade mais justa e equânime.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Carolina Reis Pereira, Professora na Universidade Federal do Recôncavo Baiano - Brasil

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas. Docente no Centro Universitário UNIFTC. Integra o Núcleo de Pesquisa e Extensão Filosófica.

Rubia Fernanda Quinelatto, Secretária Executiva na Pró-reitoria Administrativa da Universidade Federal de São Carlos - Brasil

Doutora em Educação pela Universidade Federal de São Carlos. Integrante do Grupo de Estudos em Economia Política da Educação, Estética e Formação Humana e do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação e Justiça Social.

Willian Lazaretti da Conceição, Pós-doutorando pela Universidade Nova de Lisboa - Portugal

Doutor em Ciências da Educação pela Universidade Nova de Lisboa. Doutor em Educação pela Universidade Estadual de Campinas. Professor na Universidade Federal do Pará. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação e Justiça Social.

Referências

APEOESP. Sob gestão Alckmin, escolas estaduais vivem escalada da violência. São Paulo, 2017. Disponível em: <http://www.apeoesp.org.br/publicacoes/observatorio-da-violencia/sob-gestao-alckmin-escolas-estaduais-vivem-escalada-da-violencia/>. Acesso em: 11 nov. 2017.

APEOESP. Violência nas escolas: o olhar dos professores. São Paulo, 2014. Disponível em: <http://www.apeoesp.org.br/publicacoes/observatorio-da-violencia/apeoesp-apresenta-dados-de-nova-pesquisa-sobre-violencia-nas-escolas/>. Acesso em: 20 mar. 2014.

ARAÚJO, Michell P. M.; BECIGO, Anna P.; TRENTO, Sabrina S. M. Histórias de vida de alunos inseridos na Educação de Jovens e Adultos em uma escola de Cariacica, Espírito Santo. Cenas Educacionais, v.1, n.2, p.146-171, 2018. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/5683 Acesso em: 12 mar. 2021.

BENEVIDES, Maria V. M. A cidadania ativa: referendo, plebiscito e iniciativa popular. São Paulo: Editora Ática, 1991.

BENJAMIN, Walter. Prólogo. Origem do drama trágico alemão. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

BONDIA, Jorge L. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, n. 19, p. 20-28, abril, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbedu/n19/n19a02.pdf Acesso em: 18 mar. 2021.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente: Lei nº 8.069 de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília: Senado Federal, 1990.

BRASIL. Presidência da República. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.

CALDAS, Alberto L. Cápsula narrativa em história oral. Oralidades, USP–São Paulo, v. 3, n. 4, p. 49-76, jul./dez. 2009.

CALDAS, Alberto L. Oralidade, texto e história: para ler a história oral. São Paulo: Edições Loyola, 1999.

CALDAS, Alberto L. Pontuação em história oral. Revista de História Oral: Oralidades, USP–São Paulo: nº4–jun/dez, 2008.

CONCEIÇÃO, Willian L. da. Escola e privação de liberdade: um diálogo em construção. Revista Brasileira Adolescência E Conflitualidade, v. 9, p. 72-88, 2013.

CONCEIÇÃO, Willian L. da. Histórias de vidas que se unem: a professora, o professor e os [elos com os] jovens infratores. 2017. 136f. Tese (Doutorado em Educação). Campinas - SP: Universidade Estadual de Campinas, 2017.

CONCEIÇÃO, Willian L. da. Physical Education between walls and bars: teaching young offenders in São Paulo/Brazil. Quaestio: Revista de Estudos de Educação, v. 22, p. 757-773, 2020a.

CONCEIÇÃO, Willian L. da. A ação pedagógica com jovens infratores: uma narrativa (auto)biográfica de um professor-pesquisador de educação física. Revista de Educação Física, Saúde e Esporte REFISE, v. 3, p. 99-115, 2020b.

CONCEIÇÃO, Willian L. da; TEIXEIRA, Joana D. ; CAMPOS, R. G. . Socioeducação: desafios e brechas à justiça social. Olh@Res - Revista Eletrônica do Departamento de Educação da UNIFESP, v. 8, p. 102-121, 2020c.

DAYRELL, Juarez T. A escola como espaço sócio-cultural. In: DAYRELL, Juarez (Org.). Múltiplos olhares sobre educação e cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1996.

DENIS, Philippe. A ética da história oral na África do Sul. Oralidades. Revista de História Oral, v. 2, n. 3, p. 47-63, jan.jun/2008.

DUSCHATZKY, Silvia. Maestros Errantes: experimentaciones sociales en la intempérie. Buenos Aires: Paidós, 2012.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. 33ª ed. Petrópolis: Editora Vozes, 1997.

GAMBOA, Silvio S. Pesquisa em educação: métodos e epistemologias. Chapecó: Argos, 2007.

GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Perspectiva, 2003.

GUIMARÃES, Áurea M. Vidas de Jovens Militantes. Tese Livre Docência, 2010. Campinas - SP: [s.n.], 2011. Tese (livre docência) – Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, 2011. Disponível em: http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/CAMP_a8822a1c299e9680a57e56056c05d41a Acesso em: 12 mar. 2021.

HIGH, Steven. Beyond testimony and trauma: oral history in the aftermath of mass violence. Vancouver-Toronto: UCB Press, 2015.

HIGH, Steven. Oral history at the Crossroads: sharing life stories of survival and displacement. Toronto: University Of Toronto Press, 2014.

HIGH, Steven; LITTLE, Edward; DUONG, Thi Ry. Remembering mass violence: oral history, new media, and performance. Toronto: University Of Toronto Press, 2014.

LAZARETTI DA-CONCEICAO, Willian; CAMMAROSANO-ONOFRE, Elenice Maria. Adolescentes em privação de liberdade: as práticas de lazer e seus processos educativos. Rev. latinoam.cienc.soc.niñez juv, Manizales, v. 11, n. 2, p. 573-585, Dez. 2013. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?pid=S1692-715X2013000200009&script=sci_abstract&tlng=pt Acesso em: 18 mar. 2021.

LEITE, Tarcísio A. O dilema da interferência na história oral: novos problemas e novas respostas. Oralidades, v. 3, n. 2, p. 65-82, jan./jun. 2008.

LINS, Bruno T.; LIMA, Caio G. S.; FEITOSA NETO, Pedro M.; OLIVEIRA, Ilzver DE M. A demonização dos direitos humanos: religião e espaço público no estado pós-secular. Cenas Educacionais, v.3, p.e7579, 20 nov. 2020. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/7579 Acesso em: 12 mar. 2021.

LOPES, Clóris V. A.; MIRANDA, Kátia A. S. N. Paulo Freire e os direitos humanos: por um diálogo efetivo. Cenas Educacionais, v. 4, p. e9348, 9 fev. 2021. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/9348 Acesso em: 12 mar. 2021.

MEIHY, José C. S. B. (Re) introduzindo a História Oral no Brasil. São Paulo: Xamã, 1996b.

MEIHY, José C. S. B.; B. HOLANDA, Fabíola. História oral: como fazer, como pensar. 2ª. ed. São Paulo: Contexto, 2013.

MEIHY, José C. S. B.; RIBEIRO, Suzana L. S. Guia prático de história oral: para empresas, universidades, comunidades, famílias. São Paulo: Contexto, 2011.

MEIHY, José C. S. B. Canto de Morte Kaiowá: história oral de vida. São Paulo: Loyola, 1991.

MEIHY, José C. S. B. Definindo história oral e memória. Cadernos (Universidade de São Paulo, Centro de Estudos Rurais e Urbanos), v. 5, 1994.

MEIHY, José C. S. B. Manual de História Oral. São Paulo: Ed. Loyola, 1996a.

MEIHY, José C. S. B. Memória, história oral e história. Oralidades, v. 4, n. 8. São Paulo, 2010. p. 179-191.

MEIHY, José C. S. B. Palavras aos jovens oralistas: entrevistas em história oral. Oralidades, v. 2, n.3, p. 141 – 150, 2008.

MINAYO, M. C. de S. O desafio do conhecimento. São Paulo: Editora Hucitec, 1993.

MÜLLER, Karine de A.; OLIVEIRA, Ueliton P. de; CONCEIÇÃO, Willian L. Ensino da educação física entre muros e grades: narrativas (auto)biográficas e reflexões compartilhadas. Cenas Educacionais, v.4, p.e10773, 13 fev. 2021. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/10773 Acesso em: 12 mar. 2021.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS [ONU]. Declaração Universal dos Direitos Humanos [DUDH], 1948. Disponível em: <http://www.oas.org/dil/port/1948%20Declara%C3%A7%C3%A3o%20Universal%20dos%20Direitos%20Humanos.pdf>. Acesso em: 27 jan. 2011.

PEREIRA, Ana Carolina Reis. História oral de vida de professores: direitos humanos, justiça restaurativa e violência escolar. São Paulo. 2018. 343 P. Tese (Doutorado). Campinas-SP: Universidade Estadual de Campinas, 2018.

PEREIRA, A. C. R. Um relato de experiência sobre o estágio supervisionado na educação de jovens e adultos: e a didática com isso?. Cenas Educacionais, v.4, p.e9539, 30 jan. 2021. Disponível em: ttps://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/9539 acesso em 07 jun. 2021.

PINHO, Ângela; MARIANI, Daniel. SP tem quase 2 professores agredidos ao dia: ataque vai de soco a cadeirada. Folha de S. Paulo, São Paulo, 17 set. 2017. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/educacao/2017/09/1919146-sp-tem-quase-2-professores-agredidos-ao-dia-ataque-vai-de-soco-a-cadeirada.shtml>. Acesso em 11 nov. 2017.

PORTELLI, Alessandro. História oral e poder. Mnemosine, v.6, n.2, p. 2-13, 2010.

PORTELLI, Alessandro. Tentando aprender um pouquinho: Algumas reflexões sobre a ética na História oral. Projeto História. São Paulo, v.15, p.13-49, abril de 1997.

POSSATO, Beatris C. O “professor mediador escolar e comunitário”: uma mirada a partir do cotidiano escolar. Campinas: UNICAMP, 2014. 195 p. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2014. Disponível em: <http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=000931149. Acesso em: 05 fev. 2011.

QUINELATTO, Rubia Fernanda. O programa de medidas socioeducativas em meio aberto: educação ou reprodução do aprendizado da rua? 2015. 235f. Tese (Doutorado em Educação). São Carlos-SP: Universidade Federal de São Carlos, 2015.

SANTOS, Adriana R. C. As virtudes do inútil: Foucault, a vida, a história oral e a obra de Eduardo Coutinho. Oralidades. v.2, n. 4, p. 129-143, São Paulo, 2008. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/oralidades/article/view/107046 Acesso em: 12 mar. 2021.

SCHILLING, Flávia I. Violência na escola: reflexões sobre justiça, igualdade e diferença. In: HENNING, L. M. P.; ABBUD, M. L. M. (Orgs.). Violência, indisciplina, educação. Londrina: EDUEL, 2010. p. 127-138.

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO (SEESP). Manual de Proteção Escolar e Promoção da Cidadania. São Paulo: FDE, 2009a. Disponível em: <http://www.educacao.sp.gov.br/spec/wpcontent/uploads/2013/09/protecao_escolar_web.pdf>. Acesso em: 21 set. 2020.

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO (SEESP). Normas Gerais de Conduta Escolar. São Paulo: FDE, 2009b. Disponível em: <http://file.fde.sp.gov.br/portalfde/Arquivo/normas_gerais_conduta_web.pdf>. Acesso em: 21 set. 2014.

THOMPSON, Paul. A voz do passado: história oral. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

TIBÉRIO, Wellington. A judicialização das relações escolares: um estudo sobre a produção de professores. 2011. 155 p. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Estadual de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-04082011-143218/pt-br.php>. Acesso em: 15 jul. 2020.

VITTO, Renato C. P. de. Justiça Criminal, Justiça Restaurativa e Direitos Humanos. In: SLAKMON, Catherine; VITTO, Renato Campos Pinto de; PINTO, Renato Sócrates Gomes (Orgs.). Justiça Restaurativa. Brasília: Ministério da Justiça, Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento – PNUD, 2005. p. 41-52. Disponível em: <https://www.ufpe.br/ppgdh/images/documentos/jrestaurativa.pdf>. Acesso em: 15 mar. 2015.

Publicado
2021-06-07
Métricas
  • Visualizações do Artigo 272
  • ♪Áudio♪ downloads: 11
Como Citar
Pereira, A. C. R., Quinelatto, R. F., & Conceição, W. L. da. (2021). HISTÓRIA ORAL ENQUANTO MÉTODO POSSÍVEL NAS PESQUISAS EM DIREITOS HUMANOS. Cenas Educacionais, 4, e11279. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11279
Seção
Dossiê Temático