POR UMA DIDÁTICA CRÍTICA E LÚDICA

Palavras-chave: Pedagogia, Formação inicial, Ludicidade

Resumo

Neste trabalho iremos analisar a ludicidade na formação inicial de pedagogos, descrevendo-a em importância para a intersecção necessária dos elementos do ensino, dos saberes docentes e ainda, como possibilidade de provimento do pensamento sobre os dilemas da prática, já que permite a expressão da tensão da relação conteúdo e forma e o estreitamento da relação teoria e prática, expondo temas essenciais à compreensão da didática e da formação de professores. A busca de uma síntese da formação inicial de professores, da apropriação da concepção crítica de educação e do papel da criatividade lúdica neste processo constitui a busca do presente artigo.  O objetivo desta análise diz respeito, então, à introdução da ludicidade como elemento formador do pedagogo, analisando sua seriedade na apropriação da teoria pedagógica e da constituição dos saberes do conhecimento e pedagógico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bernadete de Souza Porto , Docente no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Ceará - Brasil

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Ceará. Integrante do Grupo de Pesquisa Formação Docente.

Referências

AGUIAR, J. S. Jogos para o ensino de conceitos. Campinas: Papirus, 1998.

ALMEIDA, P. N. Educação lúdica – técnicas e jogos pedagógicos. São Paulo: Loyola, 1990.

BENJAMIN, Walter. Reflexões: a criança, o brinquedo, a cultura. Campinas: Summus, 1984.

BRAYNER, F. Como salvar a educação (e o sujeito) pela literatura: sobre Philippe Meirieu e Jorge Larrosa. Revista Brasileira de Educação, n.29, 2005.

BROUGÈRE, G. O Jogo e a educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

BROUGÈRE, G. Brinquedo e Cultura. São Paulo: Cortez, 1995.

CANDAU, V. (Org.). Magistério: construção cotidiana. Petrópolis: Vozes, 1998.

CHATEAU, J. O Jogo e a criança. São Paulo: Summus Editorial, 1987.

CRÓ, M. L. Formação inicial e contínua de educadores/professores: estratégias de intervenção. Lisboa: Porto editora, 1998.

D’ÁVILA, C. Didática lúdica: saberes pedagógicos e ludicidade no contexto da educação superior. Revista entreideias, v. 3, n. 2, p. 87-100, 2014.

ESTRELA, A. Avaliações Em Educação: Novas Perspectivas. Porto: Porto editoria, 1993.

FORTUNA, T. A Formação Lúdica Docente e a universidade. 425p. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira, Universidade do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

HUIZINGA, J. Homo Ludens, São Paulo: Perspectiva: 2008. p. 08-20.

KISHIMOTO, T. Jogo, brinquedo, brincadeira e educação. São Paulo: Cortez, 1996.

LIBÂNEO, J. C. Democratização da escola pública. São Paulo: Loyola, 1986.

LUCKESI, C. C. Ludopedagogia: ensaios 1: educação e ludicidade. Salvador: Faculdade de Educação, UFBA, Programa de Pós-Graduação em Educação, GEPEL, 1999.

LUCKESI, C. C. Ludicidade e atividades lúdicas: uma abordagem a partir da experiência interna. In: PORTO, Bernadete de Souza (Org.) Educação e ludicidade: ensaios 2: a ludicidade: o que é mesmo isso? Salvador: Faculdade de Educação, UFBA, Programa de Pós-Graduação em Educação, GEPEL, 2001.

LUCKESI, C. C. Estados de Consciência e atividades lúdicas. IN: PORTO, B. S. (Org.) Educação e Ludicidade. Ensaios 03. Salvador: UFBA/FACED/GEPEL, 2002.

MACHADO, M. M. O brinquedo sucata e a criança. São Paulo: Loyola, 1994.

MANACORDA, M. A. Marx e a pedagogia moderna. Lisboa, Iniciativas Editoriais, 1975.

MARIN, A. J. Educação continuada: reflexões, alternativas. Campinas: Papirus, 2000.

MARIN et al. Desenvolvimento profissional docente e transformações na escola. Pro-posições, vol. 11, nº 1, p.15-24, 2000.

MARX, K. O Capital-crítica da economia política. Rio de Janeiro: civilização brasileira, 1977.

MRECH, L. M. O uso de brinquedos e jogos na interação psicopedagógica de crianças com necessidades especiais. In: KISHIMOTO, T. M. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortez, 1996.

MRECH, L. O que é educação inclusiva. Revista Integração, Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial, 1998.

NEGRINE, A. Aprendizagem e desenvolvimento infantil: simbolismo e jogo. Porto Alegre: PRODIL, 1994.

NÓVOA, A. (Org.). Vidas de professores. Porto: Porto Editora, 1997.

OLIVEIRA, Z. M. Educação infantil: muitos olhares. São Paulo: Cortez, 1994.

OSTROWER, F. Acasos e a criação artística. Rio de Janeiro: Campus. 1990.

PENTEADO, H. D. Jogo e formação de professores: vídeo psicodrama pedagógico. In: KISHIMOTO, T. M. (Org.). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortez, 1996, p. 25-72.

PIMENTA, S. G. (org.) Didática e formação de professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 1997.

PIMENTA, S. G. Professor: formação, identidade e trabalho docente. In: PIMENTA, S. G.; GHEDIN, E. (Orgs.). Professor Reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2012, p. 17-52.

PORTO, B. S. Bola de meia, bola de gude: a criatividade lúdica, a formação e a prática pedagógica do professor-alfabetizador. 249p. Tese (Doutorado em Educação Brasileira) – Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2001.

PORTO, B. S.; CRUZ, S. H. Uma pirueta, duas piruetas. Bravo! Bravo! A importância do brinquedo na educação das crianças e de seus professores. In: PORTO, B. de S. (Org.). Educação e Ludicidade - ensaios 2: Ludicidade: o que é isso? Salvador: UFBA/FACED/PPGE, GEPEL, v. 1, 2002. p. 133–135.

PORTO, B. S.; DIAS, A. M. I. Desenvolvimento da Docência em Nível Superior: de situações vivenciadas na prática à formação de rede de saberes. In: D’ÁVILA, C. M; VEIGA, I. P. A. (Orgs.). Profissão Docente na Educação Superior. Curitiba: CRV, 2013.

REDIN, E. O espaço e o tempo da criança: se der tempo a gente brinca. Porto Alegre: Mediação, 1998.

ROSA, S. Construtivismo e Mudança. São Paulo, Cortez, 2000.

SANTOS, S. M. P. O lúdico na formação do educador. Petrópolis: Vozes, 1997.

SAVIANI, D. Filosofia da Educação Brasileira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991a.

THERRIEN, J. Docência Profissional: a prática de uma racionalidade pedagógica em tempos de emancipação de sujeitos. In: D'ÁVILA, Cristina; VEIGA, I. (Org.). Didática e docência na educação superior: implicações para a formação de professores. Campinas: Papirus, 2012.

VÁSQUEZ, A. Filosofia da Praxis, 2a. ed., Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

VEIGA, I. Alternativas Pedagógicas para a Formação do Professor da Educação Superior. In: VEIGA, I; VIANA, C. (Orgs.). Docentes para a Educação superior: processos formativos. Campinas: Papirus, 2010, p. 13-28.

VEIGA, I. A aventura de formar professores. Campinas: Papirus, 2011.

WAJSKOP, G. Brincar na pré-escola. São Paulo: Cortez, 1995.

Publicado
2021-02-03
Métricas
  • Visualizações do Artigo 389
  • ♪Áudio♪ downloads: 15
Como Citar
Porto , B. de S. (2021). POR UMA DIDÁTICA CRÍTICA E LÚDICA. Cenas Educacionais, 4, e10658. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/10658
Seção
Dossiê Temático - DIDÁTICA EM QUESTÃO