LÚDICO E A AFETIVIDADE NO PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

Resumo

A concepção de lúdico não se pauta num simples passar de tempo sem suportes para a brincadeira, mas no sentido de que a brincadeira, o jogo, o brinquedo e a afetividade são componentes fundamentais no processo ensino aprendizagem, percebendo estes como promotores de aprendizagem significativa. Assim, o objetivo geral deste trabalho será o de entender os principais aspectos que são relevantes na aprendizagem da criança, evidenciando o lúdico e a afetividade na educação, levando em consideração pressupostos psicanalíticos, como também desenhar o papel principal que a escola exerce em função do ensino aprendizagem. Entendemos então que, no processo de assimilação, a criança não só recebe estímulos como também os decodifica, os reelabora. A acomodação é compreendida como um estágio que predispõe o sujeito, para novas fases de assimilação. O afeto é a expressão qualitativa da quantidade de energia pulsional e das suas variações. O desenvolvimento psíquico ocorre por intermédio da elaboração de experiências emocionais desde o nascimento. Portanto, acreditamos que os aspectos afetivos e cognitivos formam um par entre si e, assim, são inseparáveis. Partindo do pressuposto da vida escolar, em todas as suas etapas e peculiaridades, os alunos precisam vivenciar momentos que potencialmente gerem crescimento, que deverão apresentar implicações afetivamente marcantes em seu desempenho pedagógico. A ação lúdica permite à criança a exploração do seu potencial, pautada na imaginação e criatividade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Álvaro Luís Pessoa de Farias, Professor na Universidade Estadual da Paraíba.
Doutor em Ciências da Motricidade Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Participa do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Física do Departamento de Educação Física da Universidade Estadual da Paraíba - UEPB.
Divanalmi Ferreira Maia, Docente na Universidade Estadual da Paraíba.
Doutor em Ciências do Movimento Humano (Universidad Autônoma de Assuncion).
Marcos Antonio Torquato de Oliveira, Professor na rede municipal de Educação de Campina Grande, no Instituto de Ensino Superior Múltiplo, no Centro Universitário UNINTA e na Universidade Norte do Paraná.
Mestre em Ciências da Educação (Universidad Tres Fronteiras).

Referências

AQUINO, J. G. Erro e fracasso na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus Editorial, 1996.

BENJAMIN, Walter. Reflexões: a criança, o brinquedo, a educação. 3a edição. São Paulo: editora Summus, 1984.

BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Ensino Fundamental. Parâmefros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa. V. 02. Brasília: 1997, p. 144.

CORDIÉ, Anny. Os atrasados não existem: psicanálise de crianças com atraso escola. Porto Alegre. Artes Médicas.1996

COSTA, A. J. O pedagogo orientado pela psicanálise. In: PEREIRA, M. R. A psicanálise escuta a educação: 10 anos depois. Belo Horizonte: Fino Traço/

CUNHA, Antônio Eugênio. Afeto e aprendizagem, relação de amorosidade e saber na prática pedagógica. Rio de Janeiro:Wak.2008.

FERNÁNDEZ, A. A inteligência aprisionada: abordagem psicopedagógica clínica da criança e sua família. 2.ed. Porto Alegre: Artmed, 1990.

FERRARI, R. F. Considerações psicopedagógicas do vinculo entre professor-aluno. Disponível em: . Acesso em: 04 de março 2014.

FERREIRA, T. Freud e o ato de ensino. In: LOPES, E.M.T. A psicanálise escuta a educação. Minas Gerais: Autêntica, 1998. p.107 – 149.

FREIRE, Paulo. Educação como Prática da Libertação. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 150 p. ilust. Apêndice: p. 123 – 149.

FREIRE, Paulo. 1921. Conscientização: teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire/ Paulo Freire: [tradução de Kátia de Melo Silva: revisão técnica de Benedito Eliseu Cristal] – 3. ed. – São Paulo: Moraes. 1980.

FREUD, S. (1905) Três ensaios sobre a teoria da sexualidade . Rio de Janeiro: Imago, 2002.

KISHIMOTO, Tizuko M. Jogos Infantis: o jogo, a criança e a educação. 6a ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

KUPFER, Maria Cristina. Afetividade e cognição: uma dicotomia em discussão. Idéias. S. Paulo, n 28, p 175-191, 1997.

KUPFER, Maria Cristina. Freud e a educação: o mestre do impossível. S. Paulo: Scipione, 1989.

LACAN, Jacques. (1960-1961) Seminário 8: A transferência. Rio de Janeiro. 2010. Jorge Zahar Editora, Texto estabelecido por Jacques-Allan Miller. Trad. Dulce Duque Estrada e Romildo do Rego Barros, 487p.

LAJONQUIÈRE, L. Infância e ilusão (psico)pedagógica: escritos de psicanálise e educação. 3 ed. Petrópolis: Vozes, 2002. 204 p.

LAJONQUIÈRE, L. Figuras do infantil: A psicanálise na vida cotidiana com as crianças. Petrópolis: Vozes, 2010.

LAJONQUIÈRE, L. de. (1999). infância e ilusão (psico)pedagógica: escritos de psicanálise e educação. Petrópolis: Vozes

LAJONQUIÈRE, L. Freud, a Educação e as Ilusões (psico) Pedagógicas. Revista da Associação Psicanalítica de Porto Alegre, Porto Alegre, n. 16, p. 27-38, 1999.

LAPLANCHE, J. & PONTALIS, J.-B.(1970) Vocabulário da Psicanálise. Santos: Livraria Martins Fontes.

LIMA, Lauro de Oliveira. Piaget: sugestões aos educadores. Petrópolis: Vozes, 1998

MIRANDA, M. P. Adolescência na escola: soltar a corda e segurar a ponta. Belo Horizonte: Formato, 2001.

MORGADO, M. A. (2002) Da sedução na relação pedagógica: professor e aluno no embate com afetos inconscientes. 2ª ed. São Paulo, SP: Summus Editorial. 140p.

MCLAREN, Peter. Multiculturalismo revolucionário: Pedagogia do dissenso para o novo milênio/ Peter Mclaren. (tradução Márcia Moraes e Roberto Cataldo Costa) – Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

NÓVOA, A. Vida de Professores. Editora Porto. 2º edição. 2002.

OLIVEIRA, Rita de Cássia; Scortegagna,Paola; Oliveira, Flávia da Silva. A realidade da educação de jovens e adultos na Escola Municipal Prefeito José Bonifácio Guimarães Vilela em Ponte Grossa/Paraná. Revista HISTEDBR v. 11, n. 41 março/2011.

OLIVEIRA, Amanda de C M. FREUD E A EDUCAÇÃO. Revista de Iniciação Científica da FFC, v. 8, n.2, p. 239-248, 2008 247

PERRENOUD, Ph. (1993). Práticas pedagógicas, profissão docente e formação : perspectivas sociológicas. Lisboa : Dom Quixote.

PIAGET, Jean. A formação do símbolo na criança. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

PIAGET, Jean. O julgamento moral na criança. Trad. de ElzonLeonardon. São Paulo: Mestre Jou, 1977.

PIAGET, Jean. Psicologia da inteligência. Rio de Janeiro: Zahar, 1977.

REGO, T. C. Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação. 10.ed. Petrópolis: Vozes, 2000.

SEBER, Maria da Glória. Piaget: o diálogo com a criança e o desenvolvimento do raciocínio. S. Paulo: Scipione, 1997.

SOUZA, Maria do Rosário S. Auto estima. Texto retirado da Internet (Campinas)

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Tradução de Francisco Pereira. Petrópolis: Vozes, 2002.

TERZI, Sylvia Bueno. A Construção da Leitura: Uma experiência com crianças de meios iletrados. 2a edição, Campinas: Pontes, 2001.

VIOLANTE, Maria Lucia V. Sobre a atividade de pensar. Idéias, n.28, p.193- 209, 1997.

VYGOTSKY, L. S. História social da mente. 2a ed. São Paulo: Martins Fontes, 1988

Publicado
2019-12-31
Métricas
  • Visualizações do Artigo 537
  • PDF downloads: 337
Como Citar
Farias, Álvaro L. P. de, Maia, D. F., & Oliveira, M. A. T. de. (2019). LÚDICO E A AFETIVIDADE NO PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM. Cenas Educacionais, 2(2), 25-41. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/8019
Seção
Dossiê temático

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##