TRANSTORNO DO DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE (TDAH) NA EDUCAÇÃO

Palavras-chave: Alunos. Aprendizagem. Escola. Professores. TDAH.

Resumo

A presente pesquisa busca informar e divulgar o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), para os profissionais da educação, alunos e familiares na busca de amenizar os problemas de aprendizagem e discutir a importância da alfabetização na idade certa. O objetivo geral do trabalho é, portanto, analisar os problemas causados, especialmente na aprendizagem relacionados ao Transtorno, provocando deficiências na leitura e escrita, detectados em sua maioria em crianças entre 6 e 8 anos de idade. Nesse sentido, descrições sobre a conceituação, que caracteriza o transtorno, diagnóstico e tratamento são descritos ao longo desse trabalho. Os resultados obtidos sugerem que os profissionais da educação não conhecem o problema e não sabem como lidar quando estão presentes em sala de aula, alunos diagnosticados ou com necessidade de laudo para o TDAH. A pesquisa pode contribuir significativamente para os professores, em especial conhecer os determinantes do desempenho escolar de alunos com o transtorno, Os questionários foram aplicados com cinqüenta e quatro professores de três escolas, uma na zona rural, outra no centro e uma terceira na periferia, todas da rede municipal da cidade de Mossoró-RN. Diante da análise de dados, observou-se que os professores dessas instituições de ensino sabem pouco ou nada sobre a existência do transtorno e as características que mais descreve essas crianças. E, mais grave ainda, é não saberem diferenciar o comportamento excessivo dessas crianças de outros hábitos como má educação ou de força de vontade do aluno. Assim a pesquisa mostra a importância de discussões como essas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Álvaro Luís Pessoa de Farias, Professor na Universidade Estadual da Paraíba.
Doutor em Ciências da Motricidade. Mestre e Licenciado em Educação Física. Integrante do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Física.
Divanalmi Ferreira Maia, Professor na Universidade Estadual da Paraíba.
Doutor em Ciências do Movimento Humano. Mestre em Ciências da Educação. Licenciado em Educação Física.
Marcos Antonio Torquato de Oliveira, Professor na Prefeitura Municipal de Campina Grande, no Instituto de Ensino Superior Múltiplo, no Centro Universitário UNINTA e na Universidade Norte do Paraná.
Mestre em Ciências da Educação. Graduado em Educação Física.

Referências

AMEN, Daniel G. Transforme seu cérebro, transforme sua vida. São Paulo: Mercuryo, 2000.

ANDRÉ, S. O que quer uma mulher? Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1998, 295 p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DIXLEXIA (ABD). DISLEXIA. Disponível em: http://www.dislexia.org.br. Acesso em: 05 abr. 2014.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DO DÉFICIT DE ATENÇÃO – ABDA. Revista: Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH), p. Disponível em http://www.tdah.org.br

Acesso em 15 fev. 2014.

ANTONY, S; RIBEIRO, J. P. A criança hiperativa: uma visão da abordagem gestáltica. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v.20. n.2, p.127-134, 2004.

BAUMAN, Z. Modernidade e ambivalência. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.

BERVIAN, Pedro A.; CERVO, Amado L.; SILVA, Roberto. Metodologia Cientifica. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2007.

BARKLEY, Russel A (Org.). Transtorno do deficit de atenção/hiperatividade: Manual para diagnóstico e tratamento. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.

COLL, César. Aprendizagem escolar e construção de conhecimento. Porto Alegre: Armed, 1994.

ELLIOTT, S., NAN, H., ANDREW, T. R. Universal and early screening for educational difficulties: Current and future approaches. Journal of School Psychology, v.45, n.2, p.137-161, 2007.

FERREIRA, J. P.; LEITE, N. T. C. Hiperatividade X Indisciplina: contribuições para o cotidiano escolar. 2004. Disponível em: http://www.profala.com/arthiper7.htm Acesso em: 09 abr. 2014.

GENTILE, Paola. Indisciplinado ou hiperativo. Nova Escola, Editora Abril, n.132, p.30-32, 2000.

GOLDSTEIN, S., GOLDSTEIN, M. Hiperatividade: como desenvolver a capacidade de atenção da criança. 10 ed. Campinas: Papirus, 2004.

HOBSBAWN, E. A Era dos Extremos: o breve século XX: 1914-1991 (trad. Marcos Santarrita). São Paulo: Cia das Letras,1995.

LEBRUN, J. P. Um mundo sem limite: ensaio para uma clínica psicanalítica do social. 1ª ed. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2004.

LIMA, R. C. Somos todos desatentos?: O TDAH e a construção de bioidentidades. Rio de Janeiro: RelumeDumará, 2005.

LOUZÃ NETO, Mario Rodrigues (Org.). TDAH: Ao longo da vida. Porto Alegre: Artmed, 2010.

JOSÉ, Elisabete da Assunção; COELHO, Maria Tereza. Problemas de aprendizagem. 12ª ed. São Paulo: Ática, 2003.

MASSI, Giselle Aparecida de Athayde. A dislexia em questão.São Paulo: Plexus, 2007.

MEDEIROS, Maria Celina Gazola. O que os professores conhecem sobre dislexia e o transtorno do déficit de atenção. São Paulo: SESI-SP, 2012.

MORAES, Antônio Manuel Camploma. Distúrbios da aprendizagem. São Paulo: Edicon, 2001.

NAVAS, Ana Luiza. Políticas públicas no Brasil ignoram crianças com TDAH e com transtornos de aprendizagem. ABDA, 2013. Disponível em: http://www.tdah.org.br/br/textos/textos/item/412-tdah-pol%C3%ADticas-p%C3%BAblicaseducacionais-no-brasil-ignoram-crian%C3%A7as-com-tdah-e-com-transtornos-deaprendizagem.html Acesso em 09 jun. 2014.

OLIVEIRA, M.L. A formação do Educador: contribuições da pesquisa psicanalítica. São Paulo: Papirus, 2003.

ROMANO, Marcos. Revista Brasileira Psiquiátrica. Manual Clínico do Transtorno do Déficit de Atenção / Hiperatividade. São Paulo, v. 29, n. 1, p. 97-98, mar. 2007.

ROHDE, L. A., BENCZIK, E. Transtorno de Déficit de Atenção Hiperatividade: o que é? como ajudar? Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

SALVADOR, César Call. Aprendizagem Escolar e Construção do Conhecimento. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

SANTOS, M. T. M.; NAVAS, A. L. G. P. Distúrbios de leitura e escrita:teoria e prática. S. Paulo: Manole, 2004.

SILVA, Ana Beatriz Barbosa. Mentes Inquietas. 31ª Edição. São Paulo: Gente, 2003.

SCHWARTZMAN, J. S. Transtorno de Déficit de Atenção.SérieNeuro Fácil, v. 1. São Paulo: Mackensie, 2001.

TEBEROSKY, Ana; CARDOSO, Beatriz. Reflexões sobre o ensino da leitura e da escrita. 5 ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1993.

TEIXEIRA, V. S. S. L. Entendendo os portadores do TDAH. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Distúrbios da Aprendizagem). Centro de Referência em Distúrbios de

Aprendizagem, São Paulo, 2008.

TOPAZEWSKI, Abram. Hiperatividade: como lidar? São Paulo: Casa do Psicólogo, 1999.

TUCHTENHAGEN, Maria Beatriz Peixoto. Hiperatividade e déficit de atenção: um olhar psicanalítico. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica) – Faculdade de Psicologia,

PUCRS. Porto Alegre, 2006.

VYGOTSKY, L. S. A Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

________. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

WEISS, Maria Lúcia Lemme. Psicopedagogia Clínica: uma visão diagnóstica dos problemas de aprendizagem escolar. 13ª ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2008.

Publicado
2019-06-30
Métricas
  • Visualizações do Artigo 955
  • ♪Áudio♪ downloads: 3
Como Citar
Farias, Álvaro L. P. de, Maia, D. F., Oliveira, M. A. T. de, & Porto, V. H. C. (2019). TRANSTORNO DO DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE (TDAH) NA EDUCAÇÃO. Cenas Educacionais, 2(1), 44-63. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/6298
Seção
Dossiê temático

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##