POTENCIALIDADES DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM (AVAs) NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EaD)

Palavras-chave: Ensino-aprendizagem, Educação a Distância, Acesso às Tecnologias da Informação e da Comunicação

Resumo

O presente estudo teve por objetivo analisar as contribuições que os AVAs oferecem ao processo de ensino e aprendizagem na EaD. Trata-se de pesquisa de revisão, com análise qualitativa e de caráter exploratório e descritivo. Para o levantamento e seleção dos documentos utilizou-se a base de dados eletrônicos da Scientific Electronic Library Online (SciELO). A partir dos critérios de inclusão e exclusão foram selecionados 14 artigos que compuseram o corpus do estudo. Para análise dos dados optou-se pela aplicação da Análise de Conteúdo de Bardin, da qual emergiu a categoria temática: “Ambientes virtuais de ensinagem (AVEs) e sua(s) potencialidade(s) para a aprendizagem na EaD. Conclui-se que os AVAs potencializam a elevação de exemplos e submissões de respostas nos exercícios, a aquisição de conhecimento e novas competências, o aprendizado do outro, o contato com diversidade de ideias, o transporte o saber, reflexões e de aprofundamentos teóricos, a descoberta do novo, o compartilhamento em massa e obtêm insights sobre o conhecimento profissional e análise de reflexões online entre os participantes. Impelem e ampliam a concepção pós-estruturalista de educação, propiciam a utilização de dispares modos de linguagem e facilitam a comunicação/interação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Thomaz Melo, Professor na Universidade do Estado da Bahia - Brasil

Mestre em ciência da Educação pela Emill Brunner World University

Flávio Alves Oliveira, Docente na Universidade do Estado da Bahia - Brasil

Mestre em Saúde Pública pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem e Saúde da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Docente na Rede Municipal de Ipiaú/Bahia.

Referências

AMARILLA FILHO, P. Educação a distância: uma abordagem metodológica e didática a partir dos ambientes virtuais. Educação em Revista, v.27, n.2, p.41-72, 2011.

ARAÚJO JÚNIOR, C. F.; MARQUESI, S. C. Atividades em ambientes virtuais de aprendizagem: parâmetros de qualidade. In: LITTO, F. M.; FORMIGA, M. (Orgs.). Educação à distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2008. p.358-368.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Ed. 7º, 1979.

BAIRRAL, M. A. Interagindo, Ouvindo o Silêncio e Refletindo sobre o Papel do Formador em Chat com Professores de Matemática. Educação em Revista, n.se1, p.173-189, 2011.

BAIRRAL, M. A.; POWELL, A. Interlocuções e saberes docentes em interações on-line: um estudo de caso com professores de matemática. Pro-Posições, v.24, n.1, p.61-77, 2013.

BERALDO, R. M. F.; MACIEL, D. A. Competências do professor no uso das TDIC e de ambientes virtuais. Psicologia Escolar e Educacional, v.20, n.2, p.209-218, 2016.

CIPRIANI, F. M.; MOREIRA, A. F. B.; CARIUS, A. C. Atuação Docente na Educação Básica em Tempo de Pandemia. Educação & Realidade, v.46, n.2, p.1-24, 2021.

CORREIA, R. L.; COSTA, S. L.; AKERMAN, M. Processos de ensinagem em desenvolvimento local participativo. Interações (Campo Grande), v.18, n.3, p.23-29, 2017.

DA SILVA, D. O. EAD e Redes Sociais: como conciliá-las. Cenas Educacionais, v.4, p.e7549, 2021.

DAZA, M. P. M.; BERRETIN-FELIX, G.; MACHADO, M. A. P. Requisitos para utilização de cybertutor com agentes comunitários de saúde. Revista CEFAC, v.16, n.2, p.573-581, 2014.

DIAS, P. J. S. Avaliação automática de exercícios em SQL. 2001. 107 p. Dissertação (Mestrado em Inteligência Artificial e Computação) – Universidade do Porto, Portugal.

FERRAZ, V. M. et al. Indicativos e características da aprendizagem em uma comunidade virtual de enfermagem. Escola Anna Nery, v.14, n.3, p.447-455, 2010.

GEROSA, M. A. et al. Um groupware baseado no ambiente AulaNet desenvolvido com componentes. Workshop de Desenvolvimento baseado em componentes, p.21-22, 2001. Disponível em: < http://groupware.les.inf.puc-rio.br/public/papers/WBDC.pdf >. Acesso em: 06 de out. de 2020.

GIL, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4ª Ed. São Paulo: Atlas, 2002.

KENSKI, V. M. Tecnologias e Ensino Presencial e a Distância. Campinas: Ed. Papirus, 2003.

LUNARDI, M.; CASTRO, J. M.; MONAT, A. Visualização dos resultados do Yahoo em nuvens de texto: uma aplicação construída a partir de web services. Revista Brasileira de Design da Informação, v.5, n.1, p.21-35, 2008.

MAGNAGNAGNO, C. C.; RAMOS, M. P.; OLIVEIRA, L. M. P. Estudo sobre o Uso do Moodle em Cursos de Especialização a Distância da Unifesp. Revista Brasileira de Educação Médica, v.39, n.4, p.507-516, 2015.

MARSON, I. C.; ADEMIR, V. S. Podcast, Audacity, Youtube, Skypecast, Chat e Webquest: possibilidades didáctico-pedagógicas na Internet para o docente de língua lnglesa. Educação, Formação & Tecnologias, v.1 n.2, 2008.

MINAYO, M. C. S. O Desafio do Conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Ed. Hucitec; Rio de Janeiro: ed. Abrasco, 1999.

MODDLE. Object-Oriented Dynamic Learning Environment. Disponível em:< https://docs.moodle.org/all/pt_br/Sobre_o_Moodle>. Acesso em: 06 de outubro de 2020.

NERLING, M. A. M.; DARROZ, L. M. Tecnologias e aprendizagem significativa. Cenas Educacionais, v.4, p.e10956, 2021.

NÚCLEO DE INFORMÁTICA APLICADA À EDUCAÇÃO (NIED). Unicamp. Disponível em:< https://www.nied.unicamp.br/projeto/teleduc/> Acesso em: 06 de out. de 2020.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Painel da OMS sobre o coronavírus (COVID-19). Disponível em: https://covid19.who.int acesso em: 06 de outubro de 2020.

PAIVA, V. M. O. Ambientes virtuais de aprendizagem: implicações epistemológicas. Educação em Revista, v.26, n.3, p.353-370, 2010.

PIVETTA, E. M.; SAITO, D. S.; ULBRICHT, V. R. Surdos e acessibilidade: análise de um ambiente virtual de ensino e aprendizagem. Revista Brasileira de Educação Especial, v.20, n.1, p.147-162, 2014.

PONTE, J. P. Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação de Professores: Que Desafios? Revista Iberoamericana de Educación., n.24, p.63-90, 2000.

REINERT, K. C. J.; MINUZI, N. A. Estratégias para a Utilização de Recursos Tecnológicos na Educação Corporativa. Cenas Educacionais, v.4, p.e10736, 2021.

ROSA, M. Pesquisa qualitativa em Educação Matemática a distância: aspectos importantes do uso do Role Playing Game como procedimento metodológico de pesquisa. Educação em Revista, n.45, p.231-258, 2012.

ROSA, M. Role Playing Game Eetrônico: uma tecnologia lúdica para aprender e ensinar matemática. 2004. ii, 170 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, 2004. Disponível em: <http://hdl.handle.net/11449/91089>. Acesso em: 16 de outubro de 2020.

ROZENFELD, C. C. F.; EVANGELISTA, M. C. R. G. O ambiente virtual na formação inicial de professores de alemão como apoio para o ensino e a aprendizagem da língua e a reflexão sobre ações docentes. Pandaemonium germanicum, n.18, p.214-247, 2011.

SALVADOR, P. T. C. O. Objeto e ambiente virtual de aprendizagem: análise de conceito. Revista Brasileira de Enfermagem, v.70, n.3, p.599-606, 2017.

SANTA-ROSA, J. G.; STRUCHINER, M. Tecnologia educacional no contexto do ensino de histologia: pesquisa e desenvolvimento de um ambiente virtual de ensino e aprendizagem. Revista Brasileira de Educação Médica, v.35, n.2, p.289-298, 2011.

SANTOS, G. L. Ensinar e aprender no meio virtual: rompendo paradigmas. Educação e Pesquisa, v.37, n.2, p.307-320, 2011.

SILVA, E. A. P. da; ALVES, D. L. R.; FERNANDES, M. N. O papel do professor e o uso das tecnologias educacionais em tempos de pandemia. Cenas Educacionais, v.4, n.10740, p.1-17, 2021.

SILVA, G. J.; RAMOS, W. O Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Como Potencializador da Autonomia do Estudante: Estudo de Caso na Uab-Unb. Revista Iberoamericana de Evaluación Educativa, v.4, n.2, p.93-103, 2016.

SIZO, A. M.; LINO, A. D. P.; FAVERO, E. L. Uma proposta de Arquitetura de Software para Construção e Integração de Ambientes Virtuais de Aprendizagem. RISTI, n.6, p.17-30, 2010.

TAZIN NETO, A.; LESSA, A. B. C. T. Arquitetura de ambientes virtuais de aprendizagem sob a ótica dos estudos bakhtinianos. Bakhtiniana, Revista de Estudos do Discurso, v.9, n.2, p.164-183, 2014.

TONELLI, E.; SOUZA, C. H. M.; ALMEIDA, F. M. A praxis docente nos ambientes virtuais de aprendizagem no contexto da dialogicidade. Observatório (OBS*) Journal, v.9, n.1, p.149-158, 2015.

ZUZA NIETO, R.; BAIRRAL, M. A. "Poliedro é um sólido, correto?": um estudo com graduandos interagindo em um chat sobre a definição de poliedro. Ciência & Educação (Bauru), v.19, n.1, p.73-88, 2013.

Publicado
2022-06-16
Métricas
  • Visualizações do Artigo 256
  • ♪Áudio do resumo♪ downloads: 5
Como Citar
Melo, F. T., & Oliveira, F. A. (2022). POTENCIALIDADES DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM (AVAs) NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EaD). Cenas Educacionais, 5, e13248. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/13248
Seção
Revisão de Literatura