A ALTERIDADE E O DECOLONIAL: REFLEXÕES E PROPOSTAS SOBRE O ENSINO DE HISTÓRIA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

Palavras-chave: Direitos Humanos e Educação, Ensino Fundamental, Ensino de História, Educação para a Diversidade

Resumo

O presente texto visa refletir sobre o componente curricular de História nos anos iniciais do Ensino Fundamental tal como posto no horizonte legal em relação a um posicionamento crítico sobre suas concepções acerca da ideia de diversidade. Para tanto, busca um panorama desde o multiculturalismo até as propostas decoloniais como forma de redimensionar as relações (e definições) entre o “Eu” e o “Outro”. Desse modo, alicerça-se na dimensão epistemológica da questão: o reconhecimento da alteridade não apenas como sujeito, mas também enunciador de determinados saberes. Para tanto, centra-se na reflexão sobre a ruptura do dualismo ontológico cartesiano tal como proposta por Enrique Dussel e na indicação de uma interculturalidade crítica posta por Catherine Walsh como a base de uma Pedagogia Decolonial. Por fim, apresenta uma possibilidade prática de ação segundo tais preocupações partindo da obra de Renato Noguera.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Felipe Marques Gomes Ferrari, Professor da Educação Básica em Brasília - Brasil

Doutor em História pela Universidade de Brasília

Referências

BLOOM, B. S. et al. Taxonomy of educational objectives. Nova Iorque: David Mckay, 1956.

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: história, geografia. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017.

DUSSEL, Enrique. “Meditaciones cartesianas: sobre el origen del anti-discurso filosófico de la modernidad”. Tabula Rasa. Bogotá, n. 9, p. 155-197, jul/dez 2008.

DUSSEL, Enrique. Transmodernidade e interculturalidade: interpretação a partir da filosofia da libertação. Revista Sociedade e Estado. v. 31, n. 1, p. 51-73, jan/abr 2016.

GONTIJO, Rebeca. Identidade Nacional e ensino de história: a diversidade como “patrimônio sociocultural”. In: ABREU, M.; SOIHET, R. (org) Ensino de História: conceitos, temáticas e metodologia. 2ª ed. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2009. p. 54-73.

GOUGES, Olympe de. Oeuvres. Paris: Mercure de France, 1986.

GROSFOGUEL, Ramón. “Racismo/sexismo epistémico, universidades occidentalizadas y los cuatro genocídios/epistemicidios del largo siglo XVI”. Tabula Rasa. Bogotá, n. 19, p. 33-58, jul/dez 2013.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 11ª ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HUNT, L. A invenção dos direitos humanos: uma história. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

KOSELLECK, R. Futuro Passado. Para uma semántica de los tiempos históricos. Barcelona: Paidós, 1993.

MAGALHÃES, M. de S. História e cidadania: por que estudar história hoje? In: ABREU, M.; SOIHET, R. (org) Ensino de História: conceitos, temáticas e metodologia. 2ª ed. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2009. p. 168-181.

NOGUERA, R. Nana & Nilo: Na Cidade Verde. Rio de Janeiro: Chave, 2016.

NUNES, J. A. O resgate da epistemologia. Revista de Ciências Sociais, n. 80, 2008, p. 45-70.

OLIVEIRA, I. de S. R. de. O mal-estar contemporâneo na perspectiva de Charles Taylor. Revista Brasileira de Ciências Sociais. v. 21, n. 60, p. 135-184, 2006.

QUIJANO, Aníbal. “Colonialidade do Poder, Eurocentrismo e América Latina”. In: LANDER, E. (org) A Colonialidade do Saber: eurocentrismo e ciências sociais. Buenos Aires: CLACSO, 2005. p. 107-130.

RICOEUR, P. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Editora da UNICAMP, 2007.

SCOTT, J. W. O enigma da igualdade. Estudos Feministas, v. 13, n. 1, p. 11-30, 2005.

TAYLOR, C. Argumentos filosóficos. São Paulo: Edições Loyola, 2000.

WALDMAN, M. O Baobá na paisagem africana: singularidades de uma conjugação entre natural e artificial. África: Revista do Centro de Estudos Africanos, Número especial, p. 223-236, 2012.

WALSH, C. Interculturalidade crítica e Pedagogia Decolonial: in-surgir, re-existir, re-viver. In: CANDAU, V. M. (org) Educação intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2009.

WALSH, C. Lo pedagogico y lo decolonial: entretejiendo caminos. In: WALSH, C. (org) Pedagogías decoloniales. Práticas insurgientes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Tomo I. Quito: Abya Yala, 2013.

Publicado
2022-06-10
Métricas
  • Visualizações do Artigo 94
  • ♪Áudio do resumo♪ downloads: 6
Como Citar
Ferrari, P. F. M. G. (2022). A ALTERIDADE E O DECOLONIAL: REFLEXÕES E PROPOSTAS SOBRE O ENSINO DE HISTÓRIA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL. Cenas Educacionais, 5, e12071. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/12071
Seção
Dossiê Temático - ENSINO/EDUCAÇÃO E/PARA DIREITOS HUMANOS