RELATO DE EXPERIÊNCIA ACERCA DA TRANSEXUALIDADE NO CONTEXTO DO SUS: BASE PARA DISCUTIR OPRESSÕES E DESAFIOS NA SAÚDE

Palavras-chave: Enfermagem, Interseccionalidade, Sistema Único de Saúde, Transexualidade

Resumo

Trata-se de um relato de experiência que tem por objetivo descrever a vivência de acadêmicos do curso de pós-graduação em Enfermagem e Saúde, nível mestrado, durante a realização de uma oficina sobre Transexualidade no Contexto do SUS desenvolvida no evento denominado Semana de Enfermagem de Jequié no ano de 2017.  Para desenvolvimento da oficina, utilizou-se recursos audiovisuais e lúdicos contextualizando a discussão acerca da política para Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais contemplando a terapêutica processo transexualizador do SUS e o direito ao uso do nome social. Os resultados foram apresentados em três categorias sendo estas: Conhecimentos Sobre a Temática, Conhecimentos Pertinentes sobre o Uso do Nome Social e Desafios dos profissionais de Saúde e das Pessoas transexuais versus opressões e adoecimento. Esta experiência foi pertinente para ampliar a discussão acerca da transexualidade como elemento reforçador de opressão não apenas no contexto do SUS e no exercício da profissão de Enfermagem mais também nos demais cursos da saúde de um modo geral devido à lacuna existente na formação desses atores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosilene das Neves Pereira, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - Brasil

Mestra em Enfermagem e Saúde pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia.

Luciano dos Santos, Doutorando em Ciências da Saúde pelo Programa de pós-graduação em Enfermagem e Saúde da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - Brasil

Mestre em Ciências da Saúde. 

Maria Inês Pardo Calazans, Doutoranda em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem e Saúde da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - Brasil

Mestra em Ciências da Saúde. Integrante do Grupo de Estudos em Saúde, Ambiente e Trabalho e do Núcleo de Estudos em Saúde da População. 

Claudia Brito de Oliveira Lima, Psicóloga no Centro de Referência em Saúde do Trabalhador - Brasil

Mestra em Ciências da Saúde pelo Programa de pós-graduação em Enfermagem e Saúde da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Integrante do Grupo de Estudos e Pesquisas em Saúde Mental: loucos por cidadania.

Jeniffer Souza Silva, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - Brasil

Mestra em Enfermagem e Saúde.

Ana Cristina Santos Duarte, Docente no Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Formação de Professores e no Programa de Pós-Graduação em Enfermagem e Saúde da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - Brasil

Doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia, com Pós-Doutorado em Didactica de las Ciencias Experiementales pela Universidad Nacional del Litoral. Coordena o Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação em Ciências, Saúde e Diversidade

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 457/SAS, de 19 de agosto de 2008. Regulamenta o Processo Transexualizador no SUS. Diário Oficial da União - Brasil. Brasília; 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n.º 1.820, de 13 de agosto de 2009. Dispõe sobre os direitos e deveres dos usuários da saúde – Brasil. Brasília; 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Portaria nº 2.836 de 1º de dezembro de 2011 institui a Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT)- Brasil. Brasília; 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.803, de 19 de novembro de 2013. Redefine e amplia o Processo Transexualizador no Sistema Único de Saúde (SUS). 2013. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt2803_19_11_2013.html>. Acesso em: 04 maio 2017.

BENTO, B. Nome Social para pessoas trans: cidadania precária e gambiarra legal. Contemporânea, v. 4, n. 1, p. 165-182, 2014.

BERGESCH, V.; CHEMIN, B. F. A cirurgia de transgenitalização e a concretização dos direitos fundamentais constitucionais. Revista Destaques Acadêmicos, v.1, n. 2, 2009.

BITTENCOURT, D.; FONSECA, V.; SEGUNDO, M. Acesso da população LGBT moradora de favelas aos serviços públicos de saúde: entraves, silêncios e perspectivas. Conexões PSI, v. 2, n. 2, p. 60-85, 2014.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA - CFM. Resolução CFM nº 1.955, de 12 de agosto de 2010. Diário oficial da União. 3 set 2010; Seção I, p. 109-10. Disponível em: http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/CFM/2010/1955_2010.htm. Acesso em 12 de abril de 2017.

FERREIRA, P. F. A. JARDIM, L.C. A cirurgia de transgenitalização e seus reflexos no direito. Revista Jurídica Cesumar, v. 15, n. 2, p. 565-580,2015.

LIONÇO, T. Atenção integral à saúde e diversidade sexual no Processo Transexualizador do SUS: avanços, impasses, desafios. Physis Revista de Saúde Coletiva, v.19, n1, p. 43-63, 2009.

LOUIE PONTO. Vídeo Qual é meu gênero? | louie ponto | especial dia da mulher. Youtube [internet]. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=LV7l13SZcw8.Acesso realizado em 21 de Dez. 2018.

MUSSI, R. F. F.; CARDOSO, B. L. C.; FIGUEIREDO, A. C. M. G. Ensino e/em Saúde: diversidade das cenas educacionais. Cenas Educacionais, v.2, n.1, p.11-13, jan./jun. 2019.

MUSSI, R. F. F. et al. Pesquisa Quantitativa e/ou Qualitativa: distanciamentos, aproximações e possibilidades. Revista Sustinere, Rio de Janeiro, v.7, n.2, p.414 - 430, 2019.

MUSSI, R. F. F.; FLORES, F. F.; ALMEIDA, C. B. Pressupostos para a elaboração de relato de experiência como conhecimento científico. Práxis Educacional, v.17, n.48, p.1-18, 2021.

PEREIRA, R.N.P; MUSSI, R.F.F. Acesso e Utilização dos Serviços de Saúde pela população negra quilombola: uma análise bibliográfica. Revista ODEERE, v.5, n.10, p.280-303, 2020.

PEREIRA, R. N. P.; MUSSI, R. F. F.; ROCHA, M. R. Acesso e utilização dos serviços de saúde por quilombolas contemporâneos baianos. Revista ABPN, v.12, n.31, p.449-469 2020.

RAMOS, R. L. S. Cirurgia de transgenitalização e adequação registral como mecanismos insuficientes de alcance da dignidade humana do transexual. Dissertação (Mestrado em ciências Jurídica) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa,2014.

REDEL, M. A Pedagogia do Salto Alto: Histórias de Professoras Travestis e Transexuais na Educação Brasileira. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2013. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/98604. Acesso em 13 de maio de 2019.

ROCON, P.; et al. Dificuldades vividas por pessoas trans no acesso ao Sistema Único de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v.21, n.8, p.2517-2525, 2016.

SAMPAIO, L. L. P.; COELHO, M. T. A. D. Transsexuality: psychological characteristics and new demands on the healthcare sector. Interface - Comunic., Saude, Educ., v.16, n.42, p.637-49, 2012.

SANTOS, A. R. et al. Implicações bioéticas no atendimento de saúde ao público LGBTT. Rev. bioét., v.23, n.2, p.400-408, 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/j/bioet/a/96pWC7XH6sf5yvB6HdZL5ss/?lang=pt&format=pdf Acesso realizado em 13 de maio de 2017.

Publicado
2021-10-28
Métricas
  • Visualizações do Artigo 182
  • ♪Áudio♪ downloads: 3
Como Citar
Pereira, R. das N., Santos, L. dos, Calazans, M. I. P., Lima, C. B. de O., Silva, J. S., & Duarte, A. C. S. (2021). RELATO DE EXPERIÊNCIA ACERCA DA TRANSEXUALIDADE NO CONTEXTO DO SUS: BASE PARA DISCUTIR OPRESSÕES E DESAFIOS NA SAÚDE. Cenas Educacionais, 4, e11946. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11946
Seção
Dossiê Temático