A RELAÇÃO COM O SABER E AS INTERSECCIONALIDADES: DIÁLOGOS (AUTO)FORMATIVOS POR UMA EDUCAÇÃO FÍSICA DA (RE)EXISTÊNCIA

Palavras-chave: Relação com o saber, Interseccionalidade, Formação docente em educação física, Justiça social, Relações étnico-raciais

Resumo

A relação com o saber surge como fundamentação para compreendermos o binômio aprender e saber. A sociologia do sujeito contempla pensar o(a) estudante como ser singular, histórico e com seus próprios sentidos e significados. A educação física é um componente curricular obrigatório nas escolas posto à prova em um (cis)tema de relações de poder, com formas de opressão distintas e frutos de necropolítica atualmente. Maneiras de resistir é ouvir e fazer ser ouvido(a) esses sujeitos que são detentoras do saber quando situações de barbáries tendem a excluir as interseccionalidades que fazem parte da escola, do viver e (re)existir de professores(as) e alunos(as) no cotidiano escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Brena Dias Bruno, Universidade Federal do Ceará - Brasil

Licenciada em Educação Física. Membra do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Física Escolar e Relações com os Saberes.

Yasmin Gonçalves, Mestranda em Educação Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte - Brasil

Licenciada em Educação Física pela Universidade Federal do Ceará. Membra do Grupo de Pesquisa em Educação Física Escolar e Processos Formativos Colaborativos Profa. Dra. Adriana Inês de Paula e do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Física Escolar e Relações com os Saberes.

Iury Crislano de Castro Silva, Mestrando em Educação Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Licenciado em Educação Física pela Universidade Federal do Ceará. Membro Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Física Escolar e Relações com os Saberes.

Breno José Mascarenhas Sá de Flor, Mestrando em Educação Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte - Brasil

Licenciado em Educação Física pela Universidade Federal do Ceará. Membro do Grupo de Pesquisa em Educação Física Escolar e Processos Formativos Colaborativos Profa. Dra. Adriana Inês de Paula e do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Física Escolar e Relações com os Saberes.

Emmanuelle Cynthia da Ferreira, Mestranda em Educação Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte - Brasil

Licenciada em Educação Física pela Universidade Federal do Ceará. Membra do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Física Escolar e Relações com os Saberes.

Cyntia Emanuelle Souza Lima, Mestranda em Educação Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte - Brasil

Licenciada em Educação Física pela Universidade Federal do Ceará. Membra do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Física Escolar e Relações com os Saberes.

Luiz Sanches Neto, Professor no Programa de Pós-graduação em Educação Física da Universidade Federal do Ceará e no Programa de Pós-graduação em Educação Física da Universidade do Rio Grande do Norte - Brasil

Doutor em Ciências da Motricidade e Pós-doutorado em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Líder do Grupo de Pesquisa em Educação Física Escolar e Processos Formativos Colaborativos Profa. Dra. Adriana Inês de Paula.

Luciana Venâncio, Professora no Programa de Pós-graduação em Educação Física da Universidade Federal do Ceará e no Programa de Pós-graduação em Educação Física da Universidade do Rio Grande do Norte - Brasil

Doutora em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, com Pós-Doutorado em Educação pela Universidade Federal de Sergipe. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Física Escolar e Relações com os Saberes.

Referências

ADAMS, C. J. A política sexual da carne: uma feminista-vegetariana. 2ª ed. São Paulo: Alaúde, 2018.

AKOTIRENE, Karla. Interseccionalidade. São Paulo: Polém, 2019.

ALESSI, G. Salles vê “oportunidade” com coronavírus para “passar a boiada”: desregulação da proteção ao meio ambiente. El País. São Paulo. 2020. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2020-05-22/salles-ve-oportunidade-com-coronavirus-para-passar-de-boiada-desregulacao-da-protecao-ao-meio-ambiente.html. Acesso em: 19 dez. 2021.

AZEVEDO, J. M. L. A educação como política pública. 3ª ed. Campinas-SP: Autores Associados, 2004.

BARBIER, R. A escuta sensível na abordagem transversal. In: BARBOSA, J. (Org.). Multirreferencialidade nas ciências e na educação. São Carlos: UFSCar, 1998, pp. 168-199.

BERTH, J. Empoderamento. São Paulo: Pólen, 2019.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília/DF, 1996.

BRITO, G. Estudante adapta 'sala' em cima de árvore para acompanhar aulas remotas, no PA: 'construindo um sonho'. O Globo. Pará, 2021. Disponível em: <https://g1.globo.com/pa/santarem-regiao/noticia/2021/03/14/estudante-adapta-sala-em-cima-de-arvore-para-acompanhar-aulas-remotas-no-pa-construindo-um-sonho.ghtml>. Acesso em: 19 dez. 2021.

BRUGGER, P. Nós e os outros animais: especismo, veganismo e educação ambiental. Linhas Críticas, Brasília, v.15, n.29, p.197-214, jul./dez. 2009. Disponível em: < https://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/view/3532>. Acesso em: 19 dez. 2021.

CANCHERINI, Â. A escuta sensível como possibilidade metodológica. Anais... IV SIPEQ. Universidade Católica de Santos, 2010. Disponível em: <https://arquivo.sepq.org.br/IVSIPEQ/Anais/artigos/49.pdf>. Acesso em: 18 dez. 2021.

CARDOSO, M. O movimento negro. Belo Horizonte: Mazza, 2002.

CHARLOT, B. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artmed, 2000.

CHARLOT, B. A questão antropológica na educação quando o tempo da barbárie está de volta. Educar em Revista, Curitiba, v.35, n.73, p.161-180, jan. 2019. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/er/a/8n6G7tvZNtLMNfYH6Mwf8GL/?format=pdf&lang=pt>. Acesso em: 19 dez. 2021.

CHARLOT, B. Da relação com o saber, formação de professores e globalização: questões para a educação de hoje. Porto Alegre: Artmed, 2005.

CHARLOT, B. Educação ou barbárie? Uma escolha para a sociedade contemporânea. São Paulo: Cortez, 2020.

CHARLOT, B. Da relação com o saber às práticas educativas. São Paulo: Cortez, 2013.

CHARLOT, B. A mistificação pedagógica: realidades sociais e processos ideológicos na teoria da educação. São Paulo: Cortez, 2016.

CHARLOT, B. Relação com o saber e com a escola entre estudantes de periferia. Caderno de Pesquisa, São Paulo, n.97, p.47-63, maio 1996. Disponível em: < http://publicacoes.fcc.org.br/index.php/cp/article/view/803/814>. Acesso em: 19 dez. 2021.

CRENSHAW, K. Intersecionalidade. Belo Horizonte: Pólen, 1989.

COLLINS, P. H. Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. São Paulo: Boitempo, 2019.

CORSINO, L. N.; AUAD, D. Relações raciais e de gênero: a educação física escolar na perspectiva da alquimia das categorias sociais. Educação: Teoria e Prática, v.24, n.45, p.57-75, 2014.

CORSINO, L. N.; CONCEIÇÃO, W. L. Educação física escolar e relações étnico-raciais: subsídios para a implementação das leis 10.639-03 e 11.645-08. Curitiba: CRV; 2016.

ELLIOTT, J. Editorial review: Lesson study as curriculum analysis (Kyouzai Kenkyuu) in action and the role of “the teacher as a researcher”. International Journal for Lesson and Learning Studies, v.6, n.1, p.2-9, 2017. Disponível em: <https://doi.org/10.1108/IJLLS-11-2016-0045>. Acesso em: 20 dez. 2021.

FONTANA, M. Z. “Lugar de fala”: enunciação, subjetivação, resistência. Conexão Letras, pp. 12-18, 2017. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/conexaoletras/article/view/79457 Acesso em: 19 dez. 2021.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GOMES, N. L. Diversidade étnico-racial, inclusão e equidade na educação brasileira: desafios, políticas e práticas. RBPAE, v.27, n.1, 109-121, 2011. Disponível em: < https://seer.ufrgs.br/rbpae/article/view/19971>. Acesso em: 19 dez. 2021.

GOMES, N. L. O movimento negro no Brasil: ausências, emergências e a produção dos saberes. Política e Sociedade. v.10, n.18, p.133-154, 2011. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/politica/article/view/2175-7984.2011v10n18p133>. Acesso em: 18 dez. 2021.

GONÇALVES, Y. et al. O esporte na natureza e a sistematização das práticas de aventura na educação física escolar. Journal of Sport Pedagogy & Research, v.7, n.1, p.12-22, 2021. Disponível em: <https://doi.org/10.47863/JHOH5267>. Acesso em: 19 dez. 2021.

GREENPEACE. Reduza seu consumo de carne. 2021. Disponível em: https://www.greenpeace.org/brasil/participe/reduza-seu-consumo-de-carne. Acesso em: 19 dez. 2021.

HARARI, Y. N. Sapiens: uma breve história da humanidade. Porto Alegre: L&PM, 2015.

HOOKS, B. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

KRENAK, A.; SILVESTRE, H.; SANTOS, B. S. O sistema e o antissistema: três ensaios, três mundos no mesmo mundo. Belo Horizonte: Autêntica, 2021.

LIMA, M. Desigualdades raciais e políticas públicas ações afirmativas no governo Lula. Novos Estudos, São Paulo, n.87, p.77-95, 2010. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/nec/n87/a05n87.pdf>. Acesso em: 19 dez. 2021.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação. 16ª ed. Petrópolis: Vozes, 2018.

LUTTRELL, W. (Org.). Qualitative educational research: readings in reflexive methodology and transformative practice. Londres: Routledge, 2010.

MARRERO, A. Universalismo versus discriminação de gênero na universidade uruguaia: as razões da feminização do corpo estudantil. Educação & Linguagem, v.13, n.21, p.108-133, jan./jun. 2010. Disponível em: https://doi.org/10.15603/2176-1043/el.v13n21p108-133. Acesso em: 20 dez. 2021.

McLAREN, P. A vida nas escolas: uma introdução à pedagogia crítica nos fundamentos da educação. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed, 1997.

NOBREGA, C. C. S. Educação antirracista no município de São Paulo: análise das experiências pedagógicas na área de educação física escolar. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de São Paulo, Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Educação. Guarulhos, 2019.

OLIVEIRA, A. T. C. et al. Professores(as)-pesquisadores(as) de educação física na educação básica: idiossincrasias e fomento à formação na região metropolitana de Fortaleza. Caderno de Educação Física e Esporte, v.17, n.2, p.143-151, 2019. Disponível em: < https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/22046>. Acesso em: 19 dez. 2021.

RIBEIRO, D. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2017.

ROCHA, L. L. et al. Os desafios pedagógicos das demandas ambientais na perspectiva de professores(as) de educação física. Revista Brasileira de Educação Física Escolar, Curitiba, v.3, n.3, p.126-147, 2018. Disponível em: <https://www.rebescolar.com/>. Acesso em: 19 dez. 2021.

SANCHES NETO, L. Sistematização dos processos de ensino e aprendizagem: Convergência entre conteúdos temáticos e objetivos da educação física escolar. In: OKIMURA-KERR, T.; ULASOWICK, C.; VENÂNCIO, L.; SANCHES-NETO, L. (Orgs). Educação física no ensino fundamental I: perspectiva de sistematização dos blocos de conteúdos temáticos. Curitiba: CRV, v. 26, p. 13-34, 2017.

SANCHES NETO, L. et al. Demandas ambientais na educação física escolar: perspectivas de adaptação e de transformação. Movimento, Porto Alegre, v.19, n.4, p.309-330, 2013. Disponível em: <https://seer.ufrgs.br/Movimento/article/view/41079/0>. Acesso em: 19 dez. 2021.

SANCHES NETO, L.; BETTI, M. Convergência e Integração: Uma proposta para a educação física de 5° a 8° série do ensino fundamental. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v.22, n.1, p.5-23, 2008. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/rbefe/article/view/16678>. Acesso em: 19 dez. 2021.

SANCHES NETO, L.; VENÂNCIO, L. A luta por visibilidade dəs afrolatinəs como desafio curricular à educação física antirracista. In: FILGUEIRAS, I. P.; MALDONADO, D. T. (Orgs.). Currículo e prática pedagógica de educação física escolar na América Latina. Curitiba: CRV, 2020, pp. 29-41.

SANTOS JÚNIOR, E. Ambiente escolar: um estudo sobre a dimensão subjetiva. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2013.

SANTOS, B. S. Do pós-moderno ao pós-colonial. E para além de um outro. In: Anais... VIII Congresso Luso-Afro-Brasileiro de Ciências Sociais (Conferência de abertura), Coimbra, set. 2004. Disponível em: <http://www.ces.uc.pt/misc/Do_pos-moderno_ao_pos-colonial.pdf> Acesso em: 19 dez. 2021.

SCOTT, J. W. Gender and the politics of history. New York: Columbia University Press, 1988.

SINGER, P. Libertação animal: o clássico definitivo sobre o movimento pelos direitos dos animais. São Paulo: WMF, Martins Fontes, 2010.

SOARES, C. L. et al. Metodologia do ensino de educação física. São Paulo: Cortez, 1992.

SODRÉ, M. Do lugar de fala ao corpo como lugar de diálogo: raça e etnicidades numa perspectiva comunicacional. RECIIS, v. 13, n 4, p. 877-886, 2019. Disponível em: <https://doi.org/10.29397/reciis.v13i4.1944>. Acesso em: 20 dez. 2021.

STENHOUSE, L. La investigación como base de la enseñanza. Madrid: Morata, 1987.

VENÂNCIO, L. A relação com o saber e o tempo pedagogicamente necessário: narrativas de experiência com a educação física escolar. Revista de Estudos de Cultura, São Cristóvão, v.5, n.14, p.89-102, mai./ago.2019. Disponível em: <https://seer.ufs.br/index.php/revec/article/view/13268>. Acesso em: 19 dez. 2021.

VENÂNCIO, L.; BRUNO, B. D.; SILVA, I. C. DE C.; FLOR, B. J. M. S. DE; GONÇALVES, Y.; SANCHES NETO, L. Temas e desafios (auto)formativos para professorǝs de educação física à luz da didática e da justiça social. Cenas Educacionais, v.4, p.e10778, 2021. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/10778. Acesso em: 19 dez. 2021.

VENÂNCIO, L.; NOBREGA, C. C. S. (Orgs.). Mulheres negras professoras de educação física. Curitiba: CRV, 2020, v. 42.

WITTIZORECKI, E S. et al. Pesquisar exige interrogar-se: a narrativa como estratégia de pesquisa e de formação do(a) pesquisador(a). Movimento, Porto Alegre, v.12, n.2, p.9-33, 2006. Disponível em: <https://seer.ufrgs.br/Movimento/article/view/2904>. Acesso em: 19 dez. 2021.

Publicado
2022-01-27
Métricas
  • Visualizações do Artigo 192
  • ♪Áudio do resumo♪ downloads: 8
Como Citar
Bruno, B. D., Gonçalves, Y., Silva, I. C. de C., Flor, B. J. M. S. de, Ferreira, E. C. da, Lima, C. E. S., Sanches Neto, L., & Venâncio, L. (2022). A RELAÇÃO COM O SABER E AS INTERSECCIONALIDADES: DIÁLOGOS (AUTO)FORMATIVOS POR UMA EDUCAÇÃO FÍSICA DA (RE)EXISTÊNCIA. Cenas Educacionais, 5, e11943. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11943
Seção
Dossiê temático - INTERSECCIONALIDADES ÉTNICO-RACIAIS, DE GÊNERO E RELAÇÃO COM O

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##