O DILEMA DA FORMAÇÃO DO TÉCNICO DE ARTES MARCIAIS NO BRASIL: UM OLHAR PELA SOCIOLOGIA DA PROFISSÃO

Palavras-chave: Formação Profissional, Artes Marciais, Educação Física, Sociologia

Resumo

Uma intervenção profissional caracteriza-se pela ação individual através de um corpo de conhecimento coletivo. Com a regulamentação da Educação Física no Brasil acaloraram-se as discussões no campo acadêmico e jurídico no que se refere à responsabilidade da intervenção profissional nas Lutas/Artes Marciais (L/AM), bem como as competências profissionais de seus técnicos/professores. Neste sentido indaga-se: qual tipo de habilitação necessita o técnico de L/AM? Objetivou-se elucidar os termos do debate sobre a possibilidade e as condições de uma profissionalização do ofício de técnico de L/AM no Brasil. Foi utilizada a técnica de levantamento bibliográfico com o método de análise de confrontação entre os paradigmas de profissão. O viés analítico foi o da sociologia das profissões. Considerou-se que para apropriarem-se do discurso da Educação Física, os técnicos da L/AM acabaram criando um problema para si, pois tentam afirmar uma expertise que não possuem, tentando autorizar uma autonomia que não detêm e, ao mesmo tempo julgam não ser seu credencialismo, de competência do órgão que credencia a Educação Física.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Farias da Fonseca Pimenta, Professor na Universidade Federal de Santa Maria - Brasil

Doutor em Ciências da Motricidade pela Universidade Estadual Paulista. Integrante do Caminhos Marciais, Humanidades e Educação Integral

Alexandre Janotta Drigo, Professor no Programa de Pós-graduação em Ciências da Motricidade da Universidade Estadual Paulista - Brasil

Doutor em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas. Integrante do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Educação Física: Formação Profissional e Campo de Trabalho

Referências

ALMEIDA, Antonio José. Contributos da Sociologia para a compreensão dos processos de profissionalização. Mediações, Setubal. v. 1, n. 2, p. 115-127. 2010.

ANGELIN, Paulo Eduardo. Profissionalismo e profissão: teorias sociológicas e o processo de profissionalização no Brasil. Revista Espaço de Diálogo e Desconexão, v. 3, n. 1, n/p. jul/dez. 2010.

BARBER, Bernard. Some problems in the sociology of the professions. In: Kenneth, L. The professions in America. Boston: Houghton Mifflin Company, 1965. p. 669-688.

BRASIL. Constituição Brasileira. 1988.

BRASIL. Lei nº 9.696, de 1º de setembro de 1998. Dispõe sobre a regulamentação da Profissão de Educação Física e cria os respectivos Conselho Federal e Conselhos Regionais de Educação Física. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, n. 168.

BRASIL. Resolução 046/2002. Dispõe sobre a Intervenção do Profissional de Educação Física

e respectivas competências e define os seus campos de atuação profissional. Brasília.

BRASIL. Projeto de Lei nº 2.889, de 2008. Autor Deputado Marcelo Itagiba: propõe a criação do Conselho Federal e dos Conselhos Regionais de Profissionais de Artes Marciais.

BRASIL. Projeto de Lei nº 7.890, de 2010. Autor Deputado Roberto Santiago, dispõe sobre o ensino e a prática de artes marciais e de lutas.

BRASIL. O Projeto de Lei nº 7.813, de 2010. Autor Deputado Walter Feldman, regula o exercício da atividade do profissional em lutas e artes marciais.

BRASIL. Projeto de Lei nº 6.933, de 2010, de autoria da Sra. Deputada Luciana Genro, dispõe sobre a regulação da profissão de instrutor de artes marciais.

BRASIL. Projeto de Lei nº 2.051, de 2011, de autoria do Sr. Deputado Acelino Popó, dispõe sobre a regulamentação da atividade de Artes Marciais Mistas –MMA. Dispõe sobre a regulamentação da atividade de “Artes Marciais Mistas” e usa a sigla para o nome em inglês – MMA (Mix Marcial Arts).

BRASIL. Projeto de Lei nº 1.127, de 2011, de autoria do Sr. Deputado Chico Alencar, dispõe sobre a regulação da profissão de instrutor de artes marciais. Definem como habilitação mínima do profissional de artes marciais a condição de faixa preta e de instrutor, monitor ou similar, certificadas por federação ou associação registrada.

BRASIL. Projeto de Lei nº 3.280, de 2012, de autoria do Sr. Deputado Rogério Peninha Mendonça, regula o exercício da profissão de professor de Judô.

COLLINS, Richard. Changing conceptions in the sociology of the professions. In: R. Torstendahl, R.; Burrage, M. The Formation of Professions. London: Sage, 1990. p. 11-22.

CONFEDERAÇÕES BRASILEIRAS DE LUTAS E ARTES MARCIAIS. Manifesto nacional das confederações Brasileiras de lutas e artes marciais ao Conselho Federal de Educação Física (2000) – CONFEF, (fotocópia).

DINIZ, Marli. Os donos do saber: profissões e monopólios profissionais. Rio de Janeiro: Revan, 2001.

DRIGO, Alexandre Janotta. O judô do modelo artesanal ao modelo científico: um estudo sobre as lutas, formação profissional e construção do Habitus. Tese (Doutorado em Educação Física)-Faculdade de Educação Física, UNICAMP, Campinas, 2007.

DUBAR, Claude.; TRIPIER, Pierre. Sociologie des Professions. Paris: Armand Colin, 1998.

DUBAR, Claude. A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

DUBAR, Claude. A construção de si pela atividade de trabalho: a socialização profissional. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, v. 42, n. 146, Mai/Ago. 2012.

FREIDSON, Eliot. Professionalism Reborn. London: Polity Press, 1994.

FREIDSON, Eliot. Para uma análise comparada das profissões: a institucionalização do discurso e do conhecimento formais. Revista Brasileira de Ciências Sociais. n. 11. p. 141–154. 1996.

FREIDSON, Eliot. Professionalism. The third logic, Chicago: The University of Chicago Press, 2001.

GONÇALVES, Carlos Manuel. Análise sociológica das profissões: principais eixos de desenvolvimento. Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, v. 17. n. 18, mar. 2007. p. 177-223.

HUGHES, Everett. Men and their work. Connecticut: Greewood, 1958.

LEMOS, Lovane Maria; et al. Movimento. Porto Alegre, v. 18, n. 03, p. 27-49, jul/set de 2012. p. 33, 2012.

MACDONALD, Keith. The Sociology of the Professions. London: Sage, 1995.

MARTÍNEZ, M. S.; CARRERAS, J. S. (cood.), (2003) Sociologia de las profesiones en España? Entre la carencia y la necessidad de consolidación. In: M. S. Martínez, M, S., (coord.), Sociologia de las Profesiones: Pasado, presente y futuro. Múrcia: Diego Marín, 2003. p. 183-253.

MARTÍNEZ, M, S. et al., (coord.), Evetts, J. Sociología de los grupos profesionales: historia, conceptos y teorias. In: Sociologia de las Profesiones. Murcia: Diego Marín, 2003. p. 29-49.

PARSONS, Talcott. The professions and social structure. In: Essays in Sociological Theory. Glencoe: The Free Press, 1958. p. 34-50.

PARSONS, Talcott. Professions. In: International Encyclopedia of the Social Sciences. London: Macmillan Company. 1972. p. 536-546.

PARSONS, Talcott. Estructura social y proceso dinámico: el caso de la prática moderna, Talcott Parsons. In: EI Sistema Social, Madrid, Alianza Editorial, 1982. p. 399-444.

PIMENTA, Thiago. O técnico de Artes Marciais no Brasil: entre o “sagrado” e os “segredos” para o estabelecimento de uma profissão. Tese (Doutorado em Ciências da Motricidade)-Faculdade de Educação Física, UNESP, Rio Claro, 2016.

RODRIGUES, Maria de Lurdes. Sociologia das Profissões. Oeiras: Celta, 1998.

TRUSZ, Rodrigo Augusto; Velly Nunes, Alexandre. A evolução dos esportes de combate no currículo do Curso de Educação Física da UFRGS, Movimento, Porto Alegre, v.13, n. 01, p.179-204, janeiro/abril de 2007.

Publicado
2021-10-21
Métricas
  • Visualizações do Artigo 581
  • ♪Áudio♪ downloads: 8
Como Citar
Pimenta, T. F. da F., & Drigo, A. J. (2021). O DILEMA DA FORMAÇÃO DO TÉCNICO DE ARTES MARCIAIS NO BRASIL: UM OLHAR PELA SOCIOLOGIA DA PROFISSÃO. Cenas Educacionais, 4, e10980. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/10980
Seção
Dossiê Temático