MULTILETRAMENTOS E ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: O USO DO GÊNERO REMIX PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRITICIDADE DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

Palavras-chave: Multiletramentos, Gênero Remix, Ensino, Tecnologias

Resumo

Este artigo tem como objetivo estudar como a pedagogia dos multiletramentos e o ensino do gênero remix nas aulas de língua portuguesa podem contribuir para o desenvolvimento da criticidade de alunos do Ensino Fundamental. Pensamos que o uso das tecnologias e das novas mídias em sala de aula pode promover o interesse dos alunos em aprender com esses gêneros mais contemporâneos. Para realizar este estudo e fazer as análises que propomos, nos apoiamos na teoria dos multiletramentos (COPE E KALANTZIS, 2000; ROJO e MOURA, 2019; COPE, KALANTZIS e PINHEIRO, 2020) e nas definições do gênero remix (BUZATO et al, 2013), entendendo sua importância no ensino de língua, fazendo as conexões entre essas teorias e as orientações da BNCC (2017, 2018). Utilizando a metodologia da pesquisa-ação (FONSECA, 2002), foram ministradas quinze aulas sobre o gênero remix em uma turma de ensino fundamental e compiladas informações para análise. Verificamos que há a necessidade de se repensar a formação de professores e uma dificuldade por parte da escola para a inclusão de novas tecnologias em sala de aula. Analisando os resultados, percebemos que a produção do gênero remix conectou os alunos com questões sociais contemporâneas e os auxiliou no desenvolvimento de sua criticidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Effgen de Aguiar, Doutorando em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Mestre em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal do Espírito Santo. Professor no Instituto Federal do Espírito Santo. Membro do Grupo de Pesquisa Inclusão Linguística em Cenários de Atividades Educacionais.

Ilana Gasparini de Souza, Instituto Federal do Espírito Santo

Graduada em Letras Português pelo Instituto Federal do Espírito Santo.

Referências

AGUIAR, André E. et al. Novas tecnologias na sala de aula: as contribuições da ferramenta google docs para as aulas de produção de texto. In: AGUIAR, André Effgen de; DEOCLÉCIO, Carlos Eduardo; SÁ, Lauro Chagas e. (Orgs). Ensino de Língua e Literatura: diálogos e interfaces. 1ed.Vitória: --, 2016, v. 1, p. 67-76.
BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em 01/10/18
______. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf . Acesso em 01/10/18.
BRESSAN, Renato Teixeira. Dilemas da rede: Web 2.0, conceitos, tecnologias e modificações. Anagrama, v. 1, n. 2, p. 1-13, 2007.
BUZATO, Marcelo El Khouri et al. Remix, mashup, paródia e companhia: por uma taxonomia multidimensional da transtextualidade na cultura digital. In: Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 13, p.1191-1221, 2013. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=339829654011 . Acesso em: 29 nov. 2019.
COPE, B. KALANTZIS, M. (Eds.) Multiliteracies: Literacy Learning and the Design of Social Futures. Routlege: London, 2000.
COPE, B. KALANTZIS, M. PINHEIRO, P. Letramentos. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2020.
DOLZ, J.; NOVERRAZ, M.; SCHNEUWLY, B. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: SCHNEUWLY, B; DOLZ, J. Gêneros Orais e escritos na escola. Trad. e org. ROJO, R.; CORDEIRO, G. S. São Paulo: Mercado das Letras, 2004, p. 95-128.
DUBOC, Ana Paula Martinez. Avaliação da aprendizagem de línguas e os multiletramentos. In: Estudos em Avaliação Educacional, [s.l.], v. 26, n. 63, p.664-687, 29 dez. 2015. Fundação Carlos Chagas. http://dx.doi.org/10.18222/eae.v26i63.3628. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/eae/article/view/3628 . Acesso em: 01 dez. 2019.
FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila.
FRANCISCO, Cicero Nestor Pinheiro. A difusão de novas competências pela BNCC: os multiletramentos e o ensino da linguagem na era das novas tecnologias. In: XVI Congresso Internacional de Tecnologia na Educação, 16, 2018, Recife. Anais. Pernambuco: 2018. p. 1 – 14. Disponível em: http://www.pe.senac.br/congresso/anais/2018/senac/index.html. Acesso em: 1 dez. 2019.
GOMES, Rosivaldo et al. Novos letramentos na cultura digital: o remix Vem pra rua - o gigante acordou como um híbrido. Pracs: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da Unifap, Macapá, v. 8, p.93-122, 2015. Semestral. Disponível em: https://periodicos.unifap.br/index.php/pracs/article/view/1628 . Acesso em: 29 nov. 2019
KLEIMAN, A. B. (org). Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social escrita. Campinas: Mercado das Letras, 1995.
LAMB, B. Dr. Mashup or, Why Educators Should Learn to Stop Worrying and Love the Remix. Educause Review, v. 42, p. 12-25, 2007.
NAVAS, E. Regressive and Reflexive Mashups in Sampling Culture. In: SONVILLA-WEISS, S. (Ed.). Mashup Cultures. Wien; New York: Springer, 2010. p. 157-177.
ROJO, Roxane (ed.). Para se aprofundar: Roxane Rojo: “Finalmente, entramos no século 21 no ensino de linguagem”. In: NOVA ESCOLA. BNCC na prática: Tudo que você precisa saber sobre Língua Portuguesa. [S.l.]. Disponível em: https://novaescola.org.br/bncc/conteudo/29/roxane-rojo-ha-muitos-paises-recuando-no-tempo-com-seus-curriculos-enquanto-aqui-estamos-evoluindo-rapidamente Acesso em: 29 nov. 2019.
____________. Apresentação. In: ROJO, Roxane (Org.). Escol@a Conectad@: os multiletramentos e as TICs. São Paulo: Parábola, 2013.
____________. Gêneros discursivos do círculo de Bakhtin e multiletramentos. In: ROJO, Roxane (Org.). Escol@a Conectad@: os multiletramentos e as TICs. São Paulo: Parábola, 2013. Cap. 1. p. 13-36.
ROJO, Roxane Helena R.; MOURA, Eduardo (Org.). Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.
________________. Letramentos, mídias, linguagens. São Paulo: Parábola Editorial, 2019.
SIBILIA, Paula. Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012. Tradução de: Vera Ribeiro.
SILVA, Themis Rondão Barbosa da Costa. Pedagogia dos multiletramentos: principais proposições metodológicas e pesquisas no âmbito nacional. Letras, [S.l.], n. 52, p. 11, jun. 2016. ISSN 2176-1485. Disponível em: . Acesso em: 01 dez. 2019.
THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez; 1986.
Publicado
2021-03-16
Métricas
  • Visualizações do Artigo 163
  • ♪Áudio♪ downloads: 2
Como Citar
Aguiar, A. E. de, & Souza, I. G. de. (2021). MULTILETRAMENTOS E ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: O USO DO GÊNERO REMIX PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRITICIDADE DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL. Cenas Educacionais, 4, e10702. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/10702
Seção
Dossiê Temático - TECNOLOGIAS NO CONTEXTO EDUCATIVO