Reflexões necessárias e urgentes acerca da gestão da EAD no Brasil

Palavras-chave: Gestão, Educação a Distância, Políticas educacionais, Universidade Aberta do Brasil, Pandemia de covid-19

Resumo

Desde a década de 1990, o desenvolvimento e a amplificação de Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (TDIC) em processos educacionais é um fenômeno mundial, certamente associado aos avanços de modelos compreensivos da cognição humana na cultura digital, mas, sobretudo, imbricado à totalidade econômica de matriz neoliberal. Os imperativos de distanciamento social vinculados à pandemia de Covid-19, deflagrada em 2020, catalisaram formas diversificadas de ensino não presencial no Brasil, inclusive na Educação Básica. Observando os respectivos impactos, mas, sobretudo, suas determinações, objetiva-se discutir a gestão de uma de suas formas peculiares – a Educação a Distância (EaD) –, buscando apontar categorias e reflexões que possam explicar e contradizer práticas associadas, sejam elas tradicionalizadas, sejam elas contingenciais. Dentre os variados aspectos estruturais e pedagógicos a que EaD se relaciona, detém-se nesta discussão aos elementos da gestão que mobilizem, no modelo brasileiro, a implantação de processos de ensino e de aprendizagem mais democráticos e significativos, a partir de três categorias analíticas: (i) antecedentes; (ii) estratégias; e (iii) projeções. Sem ortodoxia nas definições, mas com enquadramento epistemológico crítico e interdisciplinar, problematiza-se complementarmente a institucionalização da EaD no espectro universitário público, em vistas a acionar possibilidades de qualificá-la em seu espaço-tempo. Como metodologia, adota-se uma abordagem qualitativa, aplicando-se a técnica de pesquisa documental e bibliográfica, resultando em uma incursão descritiva e exploratória acerca do tema, em caráter ensaístico. Como resultado, compreende-se que a gestão democrática e com referenciamento social pode impactar positivamente processos de ensino e aprendizagem na modalidade EaD, oferecendo subsídios materiais, formativos e tecnológicos à comunidade escolar. Com isso, são oferecidas reflexões necessárias e urgentes acerca do modus operandi da gestão da EaD no contexto brasileiro, abrindo-se modos outros de pensar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcello Ferreira, Universidade de Brasília

Doutor em Educação em Ciências (UFRGS). Professor no Instituto de Física e no Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física (UNB). Líder do Grupo de Pesquisa em Ensino de Ciências e seus dispositivos: sujeitos, saberes, práticas, discursos e políticas. Brasil. E-mail: marcellof@unb.br

Marcos Rogério Martins Costa, Universidade de Brasília

Doutor em Letras (USP). Membro da equipe multidisciplinar do Centro de Educação a Distância (UNB). Grupo de Estudos Linguísticos do Estado de São Paulo (GEL). Brasil. E-mail: marcosrmcosta15@gmail.com

Daniel Mill , Universidade Federal de São Carlos

Doutor em Educação (UFMG). Professor no Departamento de Educação (UFSCar). Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Inovação em Educação, Tecnologias e Linguagens (Grupo Horizonte). Brasil. mill@ufscar.br.

Referências

ADORNO, Theodor. Ensaio como forma. In: ADORNO, Theodor. Notas de literatura I. Tradução de Jorge de Almeida. São Paulo: Editora 34, 2003, p. 15 -45.

ALONSO, Katia Morosov. A EaD no Brasil: sobre (des)caminhos em sua instauração. Educar em Revista, Curitiba, Edição Especial, n. 4, p. 37-52, 2014.

BRASIL. Decreto nº 9.057, de 25 de maio de 2017. Regulamenta o art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 2017. Disponível em: https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/20238603/do1-2017-05-26-decreto-n-9-057-de-25-de-maio-de-2017-20238503 Acesso em: 15 out. 2021.

BRASIL. Lei nº 14.040, de 18 de agosto de 2020. Estabelece normas educacionais excepcionais a serem adotadas durante o estado de calamidade pública reconhecido pelo Decreto Legislativo nº 6, de 20 de março de 2020; e altera a Lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009. 2020. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/lei-n-14.040-de-18-de-agosto-de-2020-272981525 Acesso em: 15 out. 2021.

BALDRIDGE, J. Victor. Power and conflict in the university. London: Wiley, 1971.

COELHO, Patrícia Margarida Farias; COSTA, Marcos Rogério Martins; MATTAR, João Augusto. Saber Digital e suas Urgências: reflexões sobre imigrantes e nativos digitais. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 43, n. 3, p. 1077-1094, jul./set. 2018.

CONGRESSO NACIONAL. Decreto legislativo nº 6, de 2020. Reconhece, para os fins do art. 65 da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000, a ocorrência do estado de calamidade pública, nos termos da solicitação do Presidente da República encaminhada por meio da Mensagem nº 93, de 18 de março de 2020. 2020. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/portaria/DLG6-2020.htm Acesso em: 15 out. 2021.

CORRÊA, Stevan de Camargo; SANTOS, Larissa Medeiros Marinho dos. Preconceito e educação a distância: atitudes de estudantes universitários sobre os cursos de graduação na modalidade a distância. Educação Temática Digital, Campinas, v. 11, n.1, p. 273-297, 2009.

COSTA, Marcos Rogério Martins; SOUSA, Jonilto Costa. Desafios da Educação e das Tecnologias de Informação e Comunicação durante a pandemia de Covid-19: problematizando a transmissão de aulas assíncronas nos canais de televisão aberta e o uso da internet para fins didático-pedagógicos. Revista Com Censo: Estudos Educacionais do Distrito Federal, Brasília, v. 7, n. 3, p. 55-64, ago. 2020a.

COSTA, Marcos Rogério Martins; SOUSA, Jonilto Costa. Educação a Distância e Universidade Aberta do Brasil: reflexões e possibilidades para o futuro pós-pandemia. Revista Thema, Pelotas, v. 18, n. Especial, p. 124-135, 2020b.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A Nova Razão do Mundo: Ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Editora Boitempo, 2016.

FERREIRA, Marcello; CARNEIRO, Teresa Cristina Janes. A institucionalização da educação a Distância no Ensino Superior Público Brasileiro: análise do Sistema Universidade Aberta do Brasil. Educação Unisinos, São Leopoldo, v. 19, n. 2, p. 228-242, maio/agosto 2015.

FERREIRA, Marcello; NASCIMENTO, João Paulo Rodrigues; MILL, Daniel. Institucionalização da Educação a Distância. In: MILL, Daniel. (Org.). Dicionário Crítico de Educação e Tecnologias e de Educação a Distância. Campinas: Papirus, 2018. p. 359-363.

FERREIRA, Marcello et al. Unidade de Ensino Potencialmente Significativa sobre óptica geométrica apoiada por vídeos, aplicativos e jogos para smartphones. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 42, e20200057, p. 1-13, 2020.

FOUCAULT, Michel. A Arqueologia do saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves, revisão de Ligia Vassalo. Petrópolis: Vozes, Lisboa: Centro do Livro Brasileiro, 1972.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: edições Graal, 1979.

GRAMSCI, Antonio. A concepção dialética de história. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. 4 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1981.

HARDY, Cynthia; FACHIN, Roberto. Gestão estratégica na universidade brasileira. 2. ed., Porto Alegre: EdUFRGS, 2000.

HALL, Richard. Organizações, estruturas, processos e resultados. 8. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2004.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Ed. 34, 1999.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MILL, Daniel. (org.). Dicionário crítico de educação e tecnologias e de educação a distância. Campinas: Papirus, 2018.

MILL, Daniel; FERREIRA, Marcello; FERREIRA, Deise Mazzarella Gourlart. Gestão da Educação a Distância na universidade pública como campo de disputa: da instituição social à academia líquida. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, Brasília, v. 34, n. 1, p. 143-166, 2018.

OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Planejamento estratégico. São Paulo: Atlas, 2007.

POLAK, Ymiracy Nascimento. Gestão, estrutura e funcionamento da educação a distância. Curitiba: IBPEX, 2002.

RIBEIRO, Darcy. A universidade necessária. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975.

RUMBLE, Greville. A gestão dos sistemas de Educação a Distância. Brasília: Editora UnB: Unesco, 2003.

SACRISTÀN, José Gimeno. O que significa o currículo? In: SACRISTÀN, José Gimeno (Org.). Saberes e incertezas sobre o currículo. Porto Alegre: Penso, 2013. p. 16-35.

Publicado
2021-11-28
Métricas
  • Visualizações do Artigo 383
  • HTML downloads: 21
Como Citar
Ferreira, M., Costa, M. R. M., & Mill , D. (2021). Reflexões necessárias e urgentes acerca da gestão da EAD no Brasil. Plurais - Revista Multidisciplinar, 6(3). https://doi.org/10.29378/plurais.2447-9373.2021.v6.n3.13242
Seção
Dossiê Temático