https://revistas.uneb.br/index.php/plurais/issue/feed Plurais Revista Multidisciplinar 2020-12-20T22:52:34-03:00 Marcea A. Sales revistaplurais@gmail.com Open Journal Systems <p style="text-align: justify; line-height: 20px;">A <strong>Plurais - Revista Multidisciplinar</strong>, a partir de 2016, passa a ser assumida pelo <em>Programa de Pós-graduação Gestão e Tecnologias Aplicadas à Educação (GESTEC)</em>, do Departamento de Educação – Campus I/Salvador, da Universidade do Estado da Bahia. Assim, conta com expressiva participação de pesquisadores de Programas stricto sensu e publica artigos da Área de <strong>Educação.</strong><br>Organizada em <em>Dossiê Temático</em>, quadrimestralmente, a submissão de textos é contínua e os artigos aprovados são publicados a cada número, buscando fomentar a socialização das experiências na Educação em todo país.<br>Esta Revista conta com apoio e fomento institucional, a exemplo do Edital N° 032/2019, normatizado pela Resolução CONSU N° 1320/2018 que autoriza a criação e o funcionamento do <em>Programa Interno de Apoio a Editoração e Publicação de Periódicos Científicos da UNEB - PROEP PÓS</em>.<br>A Plurais - Revista Multidisciplinar vem publicando, em média, 20 artigos por ano e, a partir de 2019, está estimada a publicação de 35 artigos/ano.</p> https://revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/10150 Educação e Alfabetização: contribuições da abordagem psicogenética para a pesquisa 2020-12-20T22:52:34-03:00 Giovana Cristina Zen giovanacristinazen@gmail.com María Claudia Molinari cmolinari@fahce.unlp.edu.ar <p>Esse Dossiê se inscreve em um conjunto de ações articuladas entre diversas Universidades da América Latina, em prol do fortalecimento da discussão sobre a alfabetização entendida como o ingresso nas culturas do escrito. Os trabalhos aqui apresentados tomam como referência as contribuições das investigações psicolinguísticas no âmbito da abordagem psicogenética propostas inicialmente por Emilia Ferreiro, responsável por inaugurar um novo campo teórico a partir de uma perspectiva de investigação original, tanto pela sua proposta metodológica como pelos resultados que dela surgiram.</p> 2020-11-25T23:30:55-03:00 Copyright (c) 2020 Giovana Cristina Zen, María Claudia Molinari https://revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/10196 La utilidad de conocer el nombre de las letras para adquirir el sistema de escritura 2020-12-01T22:59:37-03:00 Giulianny Russo Marinho giulianny.russo@gmail.com Mónica Alvarado monicaalvarado@yahoo.com <p>La investigación desde la psicología cognitiva señala que el conocimiento del nombre de la letra es esencial para aprender a leer y escribir. Sin embargo, la investigación psicogenética muestra que el uso de la información (nombre de la letra) está condicionado por la forma en que los niños comprenden el funcionamiento del sistema de escritura. El objetivo de este trabajo fue investigar la relación entre identificar letras por sus respectivos nombres y la posibilidad de usarlas de manera pertinente en contextos de escritura y completar palabras, observando la influencia ejercida por la motivación fonológica de las letras. Participaron 48 niños prealfabéticos entre 5 y 6 años de edad, que asistieran regularmente a escuelas públicas para la primera infancia en la región central de San Pablo, Brasil. Organizamos a los niños en 3 grupos según el nivel de escritura (en parámetros de Ferreiro y Teberosky, 1979). En entrevistas individuales, los niños realizaron tres tareas: identificar letras fuera de contexto, escribir palabras y completar palabras sin la letra inicial. Los resultados indican que el efecto de la motivación fonológica vinculada al nombre de la letra difiere entre las diferentes tareas, variando también según el nivel de escritura de los niños. Realizamos análisis multivariados para determinar: si identificar letras influye en la tarea de escribir y completar palabras; la influencia del nivel de escritural para identificar, escribir y completar palabras; y la influencia de la motivación fonológica en el rendimiento de los niños. Los resultados indican que las posibilidades del niño de usar e integrar información para escribir y completar palabras no dependen del conocimiento del nombre de la letra sino de los niveles de conceptualización que tienen respecto del funcionamiento del sistema de escritura.</p> 2020-12-01T16:34:38-03:00 Copyright (c) 2020 Giulianny Russo Marinho, Mónica Alvarado https://revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/10185 Enfoques y debates en torno a los procesos de alfabetización en personas jóvenes y adultas: revisión actualizada 2020-12-02T23:47:26-03:00 Marcela Kurlat marcelakurlat@yahoo.com.br <p>El presente artículo busca describir el campo de debates y enfoques en torno a la alfabetización de personas jóvenes y adultas, recuperando el estado del arte que ha abonado a investigaciones sucesivas que llevan más de 10 años, en el marco del Programa de Desarrollo Sociocultural y Educación Permanente, con sede en el Instituto de Investigaciones en Ciencias de la Educación de la Universidad de Buenos Aires. Dichas investigaciones han buscado contribuir a comprender los procesos de apropiación del sistema de escritura, la especificidad de la alfabetización en esta población y las intervenciones didácticas que promueven su construcción, desde una epistemología constructivista. En este trabajo se comparten algunas investigaciones nutrientes de las propias indagaciones, así como perspectivas en disputa que 'dividen aguas' al sustentar políticas de alfabetización. La discusión que se presenta en este texto contribuye a la toma de decisiones pedagógicas y didácticas al momento de ejercer prácticas alfabetizadoras, lo que implica posicionamientos epistemológicos, metodológicos y políticos.</p> 2020-11-30T22:46:51-03:00 Copyright (c) 2020 Marcela Kurlat https://revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/10191 Alfabetización de adultos desde una perspectiva psicogenética 2020-12-01T22:59:39-03:00 Marina Kriscautzky Laxague mkriscau@unam.mx Adriana Areli Bravo Lozano adriana.bravol@educatic.unam.mx <p>En este trabajo presentamos algunos resultados de investigación acerca de las hipótesis que elaboran adultos no alfabetizados en torno al sistema de escritura, sus semejanzas y diferencias con respecto al proceso estudiado por Ferreiro y Teberosky (1979) con niños y las implicaciones que resultan para pensar la alfabetización de adultos desde una perspectiva psicogenética. Obtuvimos producciones de adultos mayores en momentos previos a la concepción alfabética del sistema de escritura a través de la presentación de tareas de escritura y de lectura semejantes a las utilizadas en la investigación con niños. Estas producciones nos permiten concluir que existen semejanzas importantes entre niños y adultos en el proceso de construcción de conocimientos acerca del sistema de escritura, aunque también constatamos algunas diferencias relacionadas sobre todo con el tiempo que requiere el proceso de construcción y con la posibilidad de los adultos de insertarse en prácticas sociales del lenguaje escrito. Estos resultados ponen de manifiesto la necesidad de tener en cuenta el pensamiento del adulto a la hora de proponer campañas de alfabetización.</p> 2020-12-01T12:05:04-03:00 Copyright (c) 2020 Marina Kriscautzky Laxague, Adriana Areli Bravo Lozano https://revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/10192 Leitura e Leitores: o que dizem as crianças sobre a leitura feita na escola 2020-12-02T23:41:06-03:00 Renata Barroso de Siqueira Frauendorf re.frau@hotmail.com Heloísa Helena Dias Martins Proença heloisamartinsproenca@gmail.com Guilherme do Val Toledo Prado toledo@unicam.br <p>Este texto apresenta uma pesquisa que pretendeu conhecer as relações entre as práticas de leitura propostas por professoras e o impacto na formação dos alunos enquanto leitores. A investigação realizou-se com um grupo de crianças, na faixa etária de 4 a 10 anos, pertencentes a escolas da rede pública e privada, em diferentes municípios brasileiros. Foi desenvolvida por profissionais da educação que fazem parte do grupo de estudos colaborativo GRUPAD - Grupo de Estudos Alfabetização em Diálogo vinculado ao GEPEC – Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Continuada – da Faculdade de Educação da Unicamp, no ano de 2016. A participação e escuta das crianças aconteceu por meio de rodas de conversas, mediadas por professoras-pesquisadoras, em que no mínimo cinco questões, previamente elaboradas, foram propostas para disparar a conversa e troca entre os alunos. Nesse processo de elaboração da pesquisa e análise das narrativas dialogamos, principalmente com autores como: Bakhtin (2003; 2010); Lebrun (2013); Lerner (2002); Passegi (2014); Petit (2013); Prado (2015). Neste artigo elegemos três <em>perguntas-provocação</em> para apresentar as reflexões tecidas e que já indiciam que a presença de situações de leitura realizadas pelo professor é identificada pelas crianças como parte da rotina escolar, entretanto esse movimento ainda tem sido insuficiente para formar alunos leitores e críticos. Apesar da intencionalidade e planejamento dos professores para este momento da rotina, os percursos de leitores, da maioria dos alunos participantes da pesquisa, estão sendo marcados mais por livros lidos do que experiências de leitura literária significativas.</p> 2020-12-01T14:47:49-03:00 Copyright (c) 2020 Renata Barroso de Siqueira Frauendorf, Heloísa Helena Dias Martins Proença, Guilherme do Val Toledo Prado https://revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/10197 Comentários diretos e indiretos na revisão textual utilizando ferramentas digitais 2020-12-01T22:59:40-03:00 Marina Kriscautzky Laxague mkriscau@unam.mx Miruna Kayano Genoino mirunagenoino@gmail.com <p>Neste trabalho apresentamos os resultados de uma investigação realizada no âmbito do Mestrado em Escrita e Alfabetização da Universidade de La Plata, Argentina, sobre um dos processos envolvidos na construção do conhecimento sobre a escrita: revisar um texto para melhorá-lo. Especificamente aborda-se a revisão do texto de outro e comentá-lo por escrito através de ferramentas digitais, uma vez que a tecnologia é atualmente uma parte fundamental das interações escritas que ocorrem socialmente. A investigação foi realizada com meninos e meninas de 7 anos de idade que frequentavam o 2º ano do Ensino Fundamental de uma escola particular de São Paulo, Brasil. Essas crianças já dominavam o princípio alfabético do sistema de escrita e estavam em condições de refletir sobre a composição escrita, lendo sozinhos e comentando por escrito. Nossas questões principais de pesquisa foram compreender qual conteúdo linguístico as crianças poderiam selecionar para comentar os textos, quais estratégias de comunicação usariam com a ferramenta digital proposta e como seriam as trocas orais no processo de revisão dos textos. Entre os principais resultados, destacamos a análise dos diferentes espaços de texto em que os alunos decidem escrever seus comentários sobre o texto dos colegas, proposto para leitura, a realização de diferentes tipos de comentários que chamaremos de diretos e indiretos, e seu impacto no texto e, finalmente, a importância das trocas orais entre os pares de autores e comentaristas dos textos para entender os diferentes aprendizados que foram desenvolvidos na proposta didática.</p> 2020-12-01T18:32:37-03:00 Copyright (c) 2020 Marina Kriscautzky Laxague, Miruna Kayano Genoino https://revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/10198 A construção do conhecimento ortográfico no contexto das interações adulto-criança 2020-12-01T22:59:41-03:00 Elaine C. R. Gomes Vidal elainecrgvidal@gmail.com Silvia de Mattos Gasparian Colello silviacolello@usp.br <p class="APAparagrafo" style="text-indent: 0cm; line-height: normal; margin: 6.0pt 0cm 6.0pt 0cm;"><span style="font-size: 11.0pt;">Partindo do problema do desempenho insuficiente nas habilidades de escrita de estudantes brasileiros, o artigo tem o objetivo de apresentar uma pesquisa sobre o papel da interação entre adulto e criança na construção do conhecimento ortográfico. Para tanto, recupera parte de um estudo de caso longitudinal em curso, realizado com alunos de uma escola privada em Santos/SP, em cinco etapas entre o 2º e o 4º ano do Ensino Fundamental (período em que o escrever corretamente passa a ser um foco especial de conquista cognitiva e, consequentemente, de ensino). Valendo-se do referencial teórico dos estudos psicogenéticos e histórico-culturais (a concepção das crianças como sujeitos ativos e protagonistas da aprendizagem; a língua como prática social e a interação como favorecimento da aprendizagem), o estudo centrou-se na problematização, feita de modo interativo, sobre as formas de escrever. Realizada a partir de dois eixos de atividade (ditado de palavras e reescrita de contos), a coleta de dados visou apreender a compreensão das estratégias infantis ou das reflexões empreendidas na busca de referências para a correção da escrita, chegando, assim, a quatro categorias: a escrita validada pela pauta sonora, a validação da escrita com base em alguém mais experiente (um “interlocutor autorizado”), o apoio na imagem visual da palavra e, finalmente, a evocação da norma ortográfica. Embora essas categorias estejam sempre presentes nos diferentes estágios de escolaridade (e de conhecimento), a análise quanti-qualitativa dos dados evidenciou o predomínio de umas sobre as outras que, em movimentos ascendentes e descendentes, marcam um percurso de crescente autonomia e consciência metalinguística. A partir da compreensão sobre os processos cognitivos do conhecimento ortográfico – a variedade das estratégias de escrita ou de validação da escrita e caminhos de progressão –, é possível vislumbrar algumas implicações pedagógicas que subsidiam a revisão de práticas pedagógicas.</span></p> 2020-12-01T19:06:30-03:00 Copyright (c) 2020 Elaine C. R. Gomes Vidal, Silvia de Mattos Gasparian Colello https://revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/10199 Gestão Escolar e as Novas Incumbências Impostas pela Lei Federal Nº 13.663/18 2020-12-01T22:59:41-03:00 Lúcio Jorge Hammes luciojh@gmail.com Alexandre Zacaria Sebaje azsebaje@gmail.com <p>A presente pesquisa, centrada teoricamente na área da Educação, compreende uma investigação de abordagem qualitativa, cujo escopo abrange questões pertinentes a Lei Federal nº 13.663/18 que acrescentou os incisos IX e X ao Art. 12 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (BRASIL, 2018). Tais incisos obrigam os envolvidos no processo de ensino e aprendizagem a promoverem medidas de conscientização, de prevenção e de combate a todos os tipos de violência, bem como estabelecerem ações destinadas à promoção da cultura de paz no âmbito escolar. A pesquisa tem como objetivo contribuir para o debate e a percepção dos gestores escolares no que se refere às novas incumbências impostas pela lei em questão. O lócus da investigação é uma escola de Ensino Médio de Pelotas pertencente à Rede Pública Estadual de Ensino do Estado do Rio Grande do Sul. O corpus analítico emerge de dados obtidos por meio de dois questionários com perguntas abertas, destacando-se a análise de conteúdo como método precípuo de tratamento dos dados.. Os resultados obtidos indicam a necessidade de qualificar os gestores em educação para que possam, assim, colocar efetivamente em prática as novas disposições. Sugere-se, assim, a inclusão de cursos de formação e capacitação de gestores, a fim de inspirar novas e potentes discussões e construções de saberes acerca das novas diretrizes.</p> 2020-12-01T19:55:06-03:00 Copyright (c) 2020 Lúcio Jorge Hammes, Alexandre Zacaria Sebaje https://revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/10200 Professor sem Fronteiras: trabalhando o lúdico na Educação Infantil a partir de múltiplas linguagens de sentido 2020-12-20T22:37:26-03:00 Liliane Afonso de Oliveira liliane_afonso@yahoo.com.br Maria do Perpétuo Socorro Cardoso da Silva cardoso_socorro@yahoo.com.br Wanubya do Nascimento Moraes Campelo wanubyacampelo@gmail.com Cíntia Maria Cardoso cintia.ufra@gmail.com <p>As múltiplas linguagens trabalhadas através do lúdico na educação infantil fortalecem o processo de desenvolvimento da aprendizagem da criança, no qual, cria e passa a usar seu imaginário para organizar os espaços sociais nos quais está inserida. Com o objetivo de ampliar reflexões sobre múltiplas linguagens podem ser trabalhadas no contexto da educação infantil, este estudo ancora-se à discussão de que o professor da educação infantil precisa repensar suas práticas com o apoio do lúdico. Caracteriza-se como um estudo exploratório, de aportes teóricos relacionados ao lúdico como subsídio essencial para o desenvolvimento infantil. A partir de conclusões preliminares admite-se que é um tema de extrema importância, pois, as múltiplas linguagens desenvolvidas no ambiente escolar reverberam ações pertinentes ao reconhecimento e desenvolvimento cognitivo da criança.</p> 2020-12-01T20:47:07-03:00 Copyright (c) 2020 Maria do Perpétuo Socorro Cardoso da Silva, Cíntia Maria Cardoso, Liliane Afonso de Oliveira, Wanubya do Nascimento Moraes Campelo https://revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/10201 A educação interdimensional na organização pedagógica de uma escola de ensino integral: o aprender a conviver no Projeto Político-Pedagógico 2020-12-02T23:52:37-03:00 Alberto Guerra de Lima guerra_lima_pe@hotmail.com Luiz Alberto Ribeiro Rodrigues luiz.rodrigues@upe.br <p>O objetivo deste artigo é apontar propostas de melhoria na organização da prática pedagógica de uma escola de referência em ensino médio, a qual faz parte do Programa de Educação Integral, no estado de Pernambuco, através da estratégia do aprender a conviver, da Educação Interdimensional. Portanto, procedeu-se a um levantamento bibliográfico, baseado em estudos, como os de Costa (2001), Gadotti (2009) e Veiga (2003), partindo posteriormente a uma revisão de seu Projeto Político-Pedagógico, ao inserir nele, os princípios do modelo pedagógico interdimensional. A decisão de revisar o projeto originou-se das descobertas obtidas em uma recente pesquisa de natureza qualitativa, realizada na referida escola, baseada na metodologia da pesquisa ação. A pesquisa contou com a colaboração de um grupo focal na coleta e análise dos dados obtidos. Percebeu-se que a reorganização do Projeto Político-Pedagógico pode contribuir com a prática pedagógica da escola, além de incentivar o protagonismo juvenil do estudante, assim como servir para nortear as ações da gestão escolar.</p> 2020-12-01T21:15:02-03:00 Copyright (c) 2020 Alberto Guerra de Lima, Luiz Alberto Ribeiro Rodrigues https://revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/10202 Jogos africanos e afro-brasileiros: uma proposta sociocultural para o ensino 2020-12-01T22:59:43-03:00 João de Deus Fonseca Junior joaodedeus22@hotmail.com Rita de Cássia Dias Pereira Alves rcdias@ufrb.edu.br <p>O Relato é fruto da pesquisa de mestrado realizada na Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), no Centro de Humanidades, Artes e Letras (CAHL) no município de Cachoeira-BA. O estudo apresenta a diversidade sociocultural do Recôncavo da Bahia, e suas conexões com outras regiões brasileiras nas quais tem a presença maciça das populações negras e afrodescendentes, tendo como objetivo, auxiliar na construção da teoria pedagógica dos jogos de origem africana e afro-brasileira, como uma proposta sociocultural, permitindo utilizá-los como recurso pedagógico para o ensino. O estudo propõe investigar a relevância das práticas de jogos e brincadeiras no processo educacional, de mostrar o valor educativo que poderá ser incorporado às atividades escolares. Concluímos que os jogos e as brincadeiras apresentam uma gama de possibilidades para prática educacional, estes, sendo utilizados com finalidades pedagógicas, podem gerar conhecimento das mais variadas áreas do conhecimento, tornando-se um importante recurso pedagógico para o ensino.</p> 2020-12-01T22:43:08-03:00 Copyright (c) 2020 João de Deus Fonseca Junior, Rita de Cássia Dias Pereira Alves