PERIFERIA, PODER E CULTURA: PRATICANDO O CURRÍCULO CULTURAL E A INTERDISCIPLINARIDADE NA EDUCAÇÃO BÁSICA

Palavras-chave: Currículo cultural, Interdisciplinaridade, Jogos e brincadeiras, Educação Física, Didática

Resumo

Trata-se de uma pesquisa-ação que objetiva problematizar como a inter-relação de práticas pedagógicas contribuiu para a promoção de uma educação democrática a partir do reconhecimento das vozes, da gestualidade e das brincadeiras de uma cultura subjugada. Relaciona os estudos culturais e a interdisciplinaridade em busca de renovações nos afazeres pedagógicos. Adota a valorização das práticas culturais dos alunos como fio condutor da proposta, mais especificamente o jogo de “bater cartinhas” ou “bafo” em uma escola estadual localizada na periferia do Espírito Santo. Evitando qualquer resposta definitiva, percebemos maior valorização do trabalho desenvolvido de forma coletiva e em diálogo com o repertório da cultura (corporal) dos alunos. Os estudantes, envolvidos na atividade pedagógica, perceberam-se como produtores de cultura e de novos significados, sujeitos que possuem e disseminam conhecimento e cultura. Ainda que algumas etapas do processo não tenham caminhado conforme esperado, esse objetivo central, fundamental no currículo cultural, foi atingido, e o trabalho dos professores, potencializado pelo agir interdisciplinar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Galdino Rodrigues de Sousa, Doutorando em Educação pela Universidade Federal de Juiz de Fora

Doutor em Educação Física pela Universidade Federal do Espírito Santo. Professor na Universidade Federal de Juiz de Fora. Integrante do Grupo de Pesquisa Interdisciplinar e Práticas Pedagógicas em Educação Física, do Laboratório de Estudos em Educação Física e do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Física, Linguagem e Cultura.

Wilson Alviano Júnior, Docente no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora

Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Física, Linguagem e Cultura.

Ricardo Ducatti Colpas, Docente na Universidade Federal de São João Del-Rei

Doutor em Desenvolvimento Humano e Tecnologias pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Líder do grupo de Pesquisa Interdisciplinar e Práticas Pedagógicas em Educação Física.

Referências

ANÁLISE DA BNCC. [S.I: s.n], 2018. 1 vídeo (ca. 29:48 min). Publicado pelo canal Educação Física cultural – GPEF-FEUSP. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=Oy3Z3gJcvM0. Acesso em: 31 jul. 2020.

BETTI, M. Por uma teoria da prática. Motus Corporis (UGF), Rio de Janeiro, v. 3, n.2, p. 73-127, 1996.

BOSCATTO, J. D.; KUNZ, E. Didática comunicativa: contribuições para a legitimização pedagógica da educação física escolar. Revista da Educação Física/UEM. Maringá, v. 20, n. 2, p. 183-195, 2009.

BRACHT, V. Educação física e ciência: cenas de um casamento (in)feliz. Ijuí: Unijuí; 1999.

BRACHT, V.; ALMEIDA, F. Q. A política de esporte escolar no Brasil: a pseudovalorização da educação física. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, São Paulo, v. 24, n. 3, p.87-101, 2003.

BRASIL, Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria MS/GM no 3124, de 28 de dezembro de 2012. Redefine os parâmetros de vinculação dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) Modalidades 1 e 2 às Equipes Saúde da Família e/ou Equipes de Atenção Básica para populações específicas, cria a Modalidade NASF 3, e dá outras providências. Diário Oficial [da] União. Brasília, DF, 28 dez. 2012. Disponível em: . Acesso em: 29 jan. 2021.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Diretrizes do NASF. Brasília, DF: MS, 2009. (Cadernos de Atenção Básica, n. 27).

CARDOSO, J. Vinte bairros onde mais se mata na Grande Vitória. Tribuna Online. 10 de Fevereiro de 2017. Disponível em: https://tribunaonline.com.br/vinte-bairros-onde-mais-se-mata-na-grande-vitoria. Acesso em: 26 de Maio de 2020.

COSTA, M. V. Currículo e política cultural. In: COSTA, M. V. (org.). O currículo nos limiares do contemporâneo. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

FAZENDA, I. (Org.). Práticas Interdisciplinares na Escola. São Paulo: Cortez, 1991.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 42. ed. São Paulo: Paz e terra, 1996.

GONZÁLEZ, F. J.; FRAGA, A. B. Afazeres da Educação Física na escola: planejar, ensinar, partilhar. Erechim: Edelbra, 2012.

HABERMAS, J. Teoria de la acción comunicativa. Madrid: Taurus, 1987.

LUDOLF, K. Nova Rosa da Penha Surge de Invasão. A Tribuna. 01 de Setembro de 2000. Disponível em: < http://www.ijsn.es.gov.br/ConteudoDigital/20160609_aj01143_bairronovarosadapenha1e2.pdf>. Acesso em: 26 de maio de 2019.

LUNA, C. F.; ROCHA, K. S. O currículo em educação física: mudanças paradigmáticas, políticas e legislativas. Cenas Educacionais, v. 3, p. e9914, 2020.

MAPA da mina: sindicato lista os bairros mais perigosos de se trabalhar na Grande Vitória. Folha Vitória. 26 de Novembro de 2014. Disponível em: <https://www.folhavitoria.com.br/policia/noticia/11/2014/mapa-da-mina-sindicato-lista-os-bairros-mais-perigosos-de-se-trabalhar-na-grande-vitoria>. Acesso em 26 de maio de 2020.

MINAYO, M. C. S. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 3, p. 621-626, mar. 2012.

MOLINA NETO, V.; MOLINA, R. K. Pesquisa qualitativa em Educação Física escolar. A experiência do F3P-EFICE. In: MOLINA N. V.; BOSSLE, F. (Org.). O ofício de ensinar e pesquisar na Educação Física escolar. Porto Alegre: Sulina, 2010. p. 09-36.

NEIRA, M. G.; NUNES, M. L. F. As dimensões política, epistemológica e pedagógica do currículo cultural da Educação Física. In: BOSSLE, F.; ATHAYDE, P.; LARA, L. Ciências do esporte, educação física e produção do conhecimento em 40 anos de CBCE; 5. Natal, RN: EDUFRN, 2020, p. 25-44.

NEIRA, M. G. (Org.). Educação Física cultural: inspiração e prática pedagógica. 2. ed. Jundiaí: Paco, 2019.

NEIRA, M. G. Educação Física cultural: carta de navegação. Arquivos em Movimento, v. 12, n. 02, p. 82-103, jul.-dez. 2016.

NEIRA, M. G.; NUNES, M. L. Educação Física, currículo e cultura. São Paulo: Phorte, 2009.

PICH, S. Cultura Corporal de Movimento. In: GONZÁLEZ, F. J.; FENSTERSEIFER, P. E. (org.). Dicionário crítico de Educação Física. 3.ed. Ijuí: Editora Unijuí, 2014. p. 163.

SANTOS, B. V. de S. Renovar a Teoria Crítica e reinventar a emancipação social. São Paulo: Boitempo, 2007.

VENÂNCIO, L; SANCHES NETO, L; BETTI, M. Perspectivas da Pesquisa-Ação na Educação Física Escolar: indícios a partir de programas de pós-graduação. Revista Estreiadialogos, Braga, n. 1, p. 123-140, jul. 2018.

VYGOTSKY, L. A Formação Social da mente. Editora: Martins Fontes, 1989.

YOUNG, M. Para que servem as escolas? Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 101, p. 1287-1302, set/dez. 2007.

Publicado
2021-02-06
Métricas
  • Visualizações do Artigo 532
  • ♪Áudio♪ downloads: 8
Como Citar
Sousa, G. R. de, Júnior, W. A., & Colpas, R. D. (2021). PERIFERIA, PODER E CULTURA: PRATICANDO O CURRÍCULO CULTURAL E A INTERDISCIPLINARIDADE NA EDUCAÇÃO BÁSICA. Cenas Educacionais, 4, e9355. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/9355
Seção
Dossiê Temático - DIDÁTICA EM QUESTÃO