A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) E A PRÁTICA PEDAGÓGICA EM IBIRATAIA-BA

Palavras-chave: Educação Básica, Política Pública Educacional, Educação de Jovens e Adultos, Prática Pedagógica.

Resumo

Este artigo, fundamentado na perspectiva do materialismo dialético, faz parte de um recorte de uma pesquisa de mestrado que teve como objetivo principal, compreender a política de Educação de Jovens e Adultos (EJA), a partir da percepção de professores e alunos. O trabalho teve como metodologia de investigação a abordagem qualitativa e os dados foram colhidos de três formas: análise de documentos orientadores da EJA como, decretos, portarias, documentos do Conselho Municipal de Educação – COMEC (IBIRATAIA, 2000; 2001; 2009; 2015), disponibilizados pela Secretaria de Educação, Cultura, Esporte e Lazer (SEMEC), em Ibirataia-BA. Posteriormente, aplicação de questionários para professores e alunos e realização da técnica de Grupo Focal (GF) com os docentes, sujeitos da pesquisa. A sistematização dos dados teve como referência o materialismo dialético, a partir de Marx (2006), Bourdieu (1999) e Frigotto (1998), dentre outros. Os resultados contribuíram para entendermos que a EJA, no referido sistema municipal, precisa de uma recontextualização e esta envolve: a formação continuada de professores, construção de um currículo por intermédio da dialogicidade e da coletividade, propostas de parcerias com órgãos de outros entes federados, em conformidade ao tempo presente e, principalmente, considerar a diversidade do público que a compõe na contemporaneidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Letícia Andrade Silva, Mestra em Educação pela Universidade Estadual de Santa Cruz - Brasil

Docente na Rede Municipal de Educação de Ibirataia. Licenciada em Letras.

Arlete Ramos dos Santos, Professora no Programa de Pós-Graduação em Educação Básica da Universidade Estadual de Santa Cruz e no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - Brasil

Doutora e Mestra em Educação. Graduada em Pedagogia.

Referências

APPLE, M. W. Ideologia e currículo. São Paulo: Brasiliense, 1982.

BARRETO, E. S. S. (Org.). Os currículos do ensino fundamental para as escolas brasileiras. Campinas: Autores Associados; São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 1998.

BOGDAN, R. C. e BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação. Porto: Porto, 1994.

BOURDIEU, P. A Escola Conservadora: as desigualdades frente à escola e à cultura. In: NOGUEIRA, M. A.; CATANI, A. Escritos de Educação. 2 ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional n0 9.394/96. Brasília - DF, 1995.

______. Constituição Federal, 1988.

______. Currículo em Movimento: o compromisso com a qualidade da educação básica. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Concepções e Orientações Curriculares para Educação Básica. Brasília: mimeo, 2008.

______.Dispõe sobre a formação de professores para a atuação em campos específicos do conhecimento, através de cursos de licenciatura, Decreto nº 3.276 de 6 de dezembro, 1999.

______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº. 9394/96. Brasília, Dezembro, 1996.

______. Plano Nacional de Educação 2014-2024: Lei nº 13.005. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, Junho, 2014.

BRUNEL, C. Jovens cada vez mais jovens na educação de jovens e adultos. Porto Alegre: Mediação, 2004.

CHEPTULIN, A. A Dialética Materialista. Série 1ª, vol. 2. São Paulo: Alfa-Omega, 2004.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 2005.

FRIGOTTO, G. A produtividade da escola improdutiva: um re(exame) das relações entre educação e estrutura econômico-social e capitalista. 3 ed. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1998.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

HADDAD, S. Tendências Atuais da Educação de Jovens e Adultos no Brasil. In: MECINEPSEF/UNESCO. Encontro Latino-Americano sobre Educação de Jovens e Adultos Trabalhadores (ANAIS), Brasília, 2000.

HADDAD, S.; DI PIERRO, M. C. Escolarização de Jovens e Adultos. Revista Brasileira de Educação. N° 4, Mai/Jun/Jul/Agos., 2000.

HORNBURG, N. SILVA, R. Teorias sobre currículo: uma análise para compreensão e mudança. Vol. 3, Jan./ Jun., 2007. Disponível em:

<http://pt.scribd.com/doc/520266/TEORIAS>.

IBIRATAIA. (2001). Conselho Municipal de Educação e Cultura (COMEC), nº 791.200398021/2001.

______. (2009). Resolução SEC / COMEC Nº 018, Ano: 2009.

______. (2015). Projeto de Lei Nº 533/2015 – Plano Municipal de Educação (PME- 2015-2024).

KONDER, L. O que é a dialética. São Paulo: Brasiliense, 2000.

MARX, K. Manuscritos econômicos-filosóficos. São Paulo: Martin Claret, 2006.

MOREIRA, A. F. B. (org). Currículos: políticas e práticas. Campinas: Papirus, 2006.

PIMENTA, S. G. (Org.). Formação de professores: identidade e saberes da docência. In: Saberes pedagógicos e atividade docente. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

Pesquisa Nacional por Amostra em domicílio (PNAD), 2014. Disponível em: .

RIBEIRO, V. M. A formação de educadores e constituição da educação de jovens e adultos como campo pedagógico. Educação e Sociedade, n.68, p.184-201, Dez., Campinas, 1999.

SACRISTÁN, J. G. Poderes instáveis em educação. Porto Alegre: ARTMED Sul, 1999.

SOARES, Leôncio. O educador de jovens e adultos em formação. 2006. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2009. 20p

VÁZQUEZ, A. S. Filosofia da Práxis. Tradução de Luiz Fernando Cardoso. 2 ª ed., 454 p. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

Publicado
2018-07-14
Métricas
  • Visualizações do Artigo 698
  • ♪Áudio♪ downloads: 4
Como Citar
Silva, L. A., & Santos, A. R. dos. (2018). A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) E A PRÁTICA PEDAGÓGICA EM IBIRATAIA-BA. Cenas Educacionais, 1(1), 91-110. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/5140
Seção
Dossiê Temático