A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) E A PRÁTICA PEDAGÓGICA EM IBIRATAIA-BA

Letícia Andrade Silva, Arlete Ramos dos Santos

Resumo


Este artigo, fundamentado na perspectiva do materialismo dialético, faz parte de um recorte de uma pesquisa de mestrado que teve como objetivo principal, compreender a política de Educação de Jovens e Adultos (EJA), a partir da percepção de professores e alunos. O trabalho teve como metodologia de investigação a abordagem qualitativa e os dados foram colhidos de três formas: análise de documentos orientadores da EJA como, decretos, portarias, documentos do Conselho Municipal de Educação – COMEC (IBIRATAIA, 2000; 2001; 2009; 2015), disponibilizados pela Secretaria de Educação, Cultura, Esporte e Lazer (SEMEC), em Ibirataia-BA. Posteriormente, aplicação de questionários para professores e alunos e realização da técnica de Grupo Focal (GF) com os docentes, sujeitos da pesquisa. A sistematização dos dados teve como referência o materialismo dialético, a partir de Marx (2006), Bourdieu (1999) e Frigotto (1998), dentre outros. Os resultados contribuíram para entendermos que a EJA, no referido sistema municipal, precisa de uma recontextualização e esta envolve: a formação continuada de professores, construção de um currículo por intermédio da dialogicidade e da coletividade, propostas de parcerias com órgãos de outros entes federados, em conformidade ao tempo presente e, principalmente, considerar a diversidade do público que a compõe na contemporaneidade.


Palavras-chave


Educação Básica; Política Pública Educacional; Educação de Jovens e Adultos; Prática Pedagógica.

Texto completo:

PDF ♪Áudio♪

Referências


APPLE, M. W. Ideologia e currículo. São Paulo: Brasiliense, 1982.

BARRETO, E. S. S. (Org.). Os currículos do ensino fundamental para as escolas brasileiras. Campinas: Autores Associados; São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 1998.

BOGDAN, R. C. e BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação. Porto: Porto, 1994.

BOURDIEU, P. A Escola Conservadora: as desigualdades frente à escola e à cultura. In: NOGUEIRA, M. A.; CATANI, A. Escritos de Educação. 2 ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional n0 9.394/96. Brasília - DF, 1995.

______. Constituição Federal, 1988.

______. Currículo em Movimento: o compromisso com a qualidade da educação básica. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Concepções e Orientações Curriculares para Educação Básica. Brasília: mimeo, 2008.

______.Dispõe sobre a formação de professores para a atuação em campos específicos do conhecimento, através de cursos de licenciatura, Decreto nº 3.276 de 6 de dezembro, 1999.

______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº. 9394/96. Brasília, Dezembro, 1996.

______. Plano Nacional de Educação 2014-2024: Lei nº 13.005. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, Junho, 2014.

BRUNEL, C. Jovens cada vez mais jovens na educação de jovens e adultos. Porto Alegre: Mediação, 2004.

CHEPTULIN, A. A Dialética Materialista. Série 1ª, vol. 2. São Paulo: Alfa-Omega, 2004.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 2005.

FRIGOTTO, G. A produtividade da escola improdutiva: um re(exame) das relações entre educação e estrutura econômico-social e capitalista. 3 ed. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1998.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

HADDAD, S. Tendências Atuais da Educação de Jovens e Adultos no Brasil. In: MECINEPSEF/UNESCO. Encontro Latino-Americano sobre Educação de Jovens e Adultos Trabalhadores (ANAIS), Brasília, 2000.

HADDAD, S.; DI PIERRO, M. C. Escolarização de Jovens e Adultos. Revista Brasileira de Educação. N° 4, Mai/Jun/Jul/Agos., 2000.

HORNBURG, N. SILVA, R. Teorias sobre currículo: uma análise para compreensão e mudança. Vol. 3, Jan./ Jun., 2007. Disponível em:

.

IBIRATAIA. (2001). Conselho Municipal de Educação e Cultura (COMEC), nº 791.200398021/2001.

______. (2009). Resolução SEC / COMEC Nº 018, Ano: 2009.

______. (2015). Projeto de Lei Nº 533/2015 – Plano Municipal de Educação (PME- 2015-2024).

KONDER, L. O que é a dialética. São Paulo: Brasiliense, 2000.

MARX, K. Manuscritos econômicos-filosóficos. São Paulo: Martin Claret, 2006.

MOREIRA, A. F. B. (org). Currículos: políticas e práticas. Campinas: Papirus, 2006.

PIMENTA, S. G. (Org.). Formação de professores: identidade e saberes da docência. In: Saberes pedagógicos e atividade docente. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

Pesquisa Nacional por Amostra em domicílio (PNAD), 2014. Disponível em: .

RIBEIRO, V. M. A formação de educadores e constituição da educação de jovens e adultos como campo pedagógico. Educação e Sociedade, n.68, p.184-201, Dez., Campinas, 1999.

SACRISTÁN, J. G. Poderes instáveis em educação. Porto Alegre: ARTMED Sul, 1999.

SOARES, Leôncio. O educador de jovens e adultos em formação. 2006. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2009. 20p

VÁZQUEZ, A. S. Filosofia da Práxis. Tradução de Luiz Fernando Cardoso. 2 ª ed., 454 p. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Incluir comentário

Direitos autorais 2018 Cenas Educacionais

CONTATO

 Programa de Pós-graduação em Ensino, Linguagem e Sociedade, Departamento de Ciências Humanas, Campus VI da Universidade do Estado da Bahia

Endereço: Avenida Contorno, S/N, Bairro São José, Caetité, Bahia, Brasil

CEP: 46.400-000

Telefones: (77) 3454-2021 ou (77) 9 9134-3435

e-mail: ceduuneb@gmail.com

ISSN: 2595-4881

REDES SOCIAIS:

 

INDEXAÇÕES INTERNACIONAIS:

                            

INDEXAÇÕES NACIONAIS:

     

REVISTA INTEGRANTE:

    

LINKS DE INTERESSE:

                     

Licença:


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Free counters!