MULHER NEGRA E EJA: ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA NA ESCOLA

Palavras-chave: Relações de gênero, Relações étnico-raciais, Educação de Jovens e Adultos, Violência simbólica.

Resumo

Este artigo integra um dos capítulos do Projeto de pesquisa intitulado Educação de Jovens e Adultos e gênero: estratégias de enfrentamento às violências pela mulher negra na escola. O projeto nasce da experiência desenvolvida em escolas da Rede Pública Municipal de Ensino de Salvador. O objetivo geral é investigar o espaço escolar como campo de tensões e discussões acerca do enfrentamento feminino às violências sofridas pela mulher negra, com propostas de ações didático-pedagógicas para o combate de tal violência. A abordagem metodológica é a pesquisa qualitativa, a pesquisa ainda em andamento se utilizará das rodas de conversa e entrevista semi estuturada para posterior análise dos dados. Serão apresentados um breve panorama do processo de escravização ao qual a mulher negra foi vítima, seu processo de escolarização e, por fim, as letras de música como possibilidade pedagógica para discussão sobre violência simbólica na escola. Como referencial teórico utilizamos: Davis (2013), Carneiro (2002), Bourdieu (2000).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francineide Bárbara Silveira do Nascimento, Mestranda em Educação de Jovens e Adultos pela Universidade do Estado da Bahia - Brasil

Graduada em Pedagogia. Professora na Rede Municipal de Educação de Salvador e coordenadora pedagógica pela Secretaria de Educação do Estado da Bahia.

Jocenildes Zacarias Santos, Professora no Mestrado Profissional em Educação e Jovens e Adultos da Universidade do Estado da Bahia - Brasil

Pós-Doutora, Doutora e Mestra em Educação e Contemporaneidade. Graduada em Pedagoga. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisa em Linguagens, Infâncias, EJA e Tecnologias da Informação e Comunicação. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa em Gestão, Políticas Públicas e Tecnologias.

Referências

BARROS, Surya Aaronovich Pombo de. Discutindo a escolarização da população negra em São Paulo, entre o final do século XIX e início do XX. In: ROMÃO, Jeruse. História da educação do negro e outras histórias. Brasília: ME, 2005.

BRASIL. Lei Nº 11.340, de 07 de agosto de 2006. Brasília, 2006.

BRASIL. Ministério e Secretário do Império. Decreto nº 1331-A de 17 fev. 1854. Regulamenta a reforma da instrução primária e secundária do Município da Corte.Rio de Janeiro. Disponível em:

http://www.histedbr.fe.unicamp.br/navegando/fontes_escritas/3_Imperio/artigo_004.html. Acesso em: 06 jun. 20018

BRASIL. Decreto Nº 1.331-A, de 17 de fevereiro de 1854.Rio de Janeiro,RJ,Disponivel em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1824-1899/decreto-1331-a-17-fevereiro1854-590146-publicacaooriginal-115292-pe.html. Acesso em: 04 jun 2018.

BOURDIEU, Pierre, 1930-2002 A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

CARNEIRO, Sueli. A mulher negra na década – a busca da autonomia. Apresentação”. Cadernos Geledés nº 5, São Paulo, outono 1995.

CARNEIRO, Sueli. Gênero e Raça. São Paulo: Ed. 34, 2002.

COLLINS, Patricia Hill. A Construção Social ok Pensamento Feminista Negro. Em: JSTOR. Áreas comuns e encruzilhadas: raça, etnia e classe na vida das mulheres. 4. ed. Chicago: The University Of Chicago Press, 1989.

CRENSHAW, K. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativo ao gênero. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v.10, n.1, 2002.

DAVIS, Angela. Mulher, Raça e Classe.Tradução Livre. Plataforma Gueto 2013.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro, Paz e Terra. 1987.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

HAHNER, June E. A mulher no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira,1978.

JANOTTI JUNIOR,Jeder; CARDOSO FILHO,Jorge. A música popular massiva,o mainstream e o underground trajetórias e caminhos da música na cultura midiática. In: FREIRE FILHO,João;JANOTTI JUNIOR, Jeder. Comunicação e música popular massiva. Salvador:

Edufba,2006.

LIRA, Manuela e VELOSO, Ana. A Violência Simbólica da Mídia contra a Mulher. Pernambuco. Universidade Católica de Pernambuco, 2008.

MACEDO, Roberto Sidnei. Etnopesquisa crítica, etnopesquisa-formação. Brasília: Liber Livro, 2006.

NASCIMENTO, Clebemilton Gomes do. Entrelaçando corpos e letras: representações de gênero nos pagodes baianos. Universidade Federal da Bahia, Salvador, Faculdade de

Filosofia e Ciências Humanas, 2010.

PAIVA, V. P. Educação Popular e Educação de Adultos. 2. ed. São Paulo : Loyola, 1983.

PINTO, Regina Pahim. O movimento negro em São Paulo: luta e identidade. Tese (Doutorado em Antropologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1993.

RODRIGUES, Ironides. Diário de um negro atuante. In: THOTH. Informe de distribuição restrita do senador Abdias do Nascimento. N.03 (1997) – Brasília: 1997.

SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, patriarcado e violência. SP: Expressão popular/Fundação Perseu Abramo, 2015.

SILVA, Geraldo da e ARAÚJO, Márcia. Da interdição escolar às ações educacionais de acesso: escolas dos movimentos negros e escolas profissionais, técnicas e tecnológicas. In: ROMÃO, Jeruse (org). A história da educação do negro e outras histórias. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade: - Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005.

Publicado
2018-07-14
Métricas
  • Visualizações do Artigo 739
  • ♪Áudio♪ downloads: 4
Como Citar
Nascimento, F. B. S. do, & Santos, J. Z. (2018). MULHER NEGRA E EJA: ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA NA ESCOLA. Cenas Educacionais, 1(1), 70-90. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/5139
Seção
Dossiê Temático