O BRINCAR PARA CRIANÇAS CEGAS

Palavras-chave: Jogos infantis, Cegueira, Criança

Resumo

O tema deste artigo é o brincar para as crianças cegas. A convivência social de crianças com deficiência sempre foi difícil, algumas vezes por desconhecimento ou desinteresse em descobrir formas de adaptar as brincadeiras. Dessa forma, embora o brincar seja um direito garantido por lei para todas as crianças, grande parte daquelas que apresentam deficiência visual e outras deficiências são excluídas desses momentos. Assim, o objetivo deste artigo é apresentar um projeto de intervenção para uso de jogos adaptados para crianças com deficiência visual. Esta proposta fundamenta-se na oferta de jogos e brincadeiras como roda; meu mestre mandou; o que é o que é? Para tanto, serão necessárias salas de aula equipadas com materiais direcionados a crianças cegas, tais como bola de guizo, cordões, Material Dourado e piso tátil. Optamos pela avaliação qualitativa e contínua, por levar em consideração o que as crianças apreendem dos conceitos trabalhados enquanto participam dos jogos e brincadeiras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aimée Lima Costa, Universidade Norte do Paraná - Brasil

Graduada em Pedagogia.

Laura Emmanuela Lima Costa, Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal da Bahia - Brasil

Mestra em Enfermagem. Professora na Universidade do Estado da Bahia. Líder do Grupo de Pesquisa GEFEL do Curso de Educação Física e Pesquisadora no grupo GEPEFA.

Rudval Souza da Silva, Professor no Programa de Pós-Graduação em Enfermagem e Saúde da Universidade Federal da Bahia e Mestrado Profissional em Saúde Coletiva da Universidade do Estado da Bahia - Brasil

Doutor em Enfermagem pela Universidade Federal da Bahia. Líder do Grupo de Pesquisas sobre o Cuidado em Enfermagem

Aline Lima Castro dos Anjos, Universidade Cândido Mendes - Brasil

Especialista em Gestão em Saúde Pública. Integrante do Grupo de Pesquisa GEFEL

Referências

ABCD DO BEBÊ. Chapeuzinho Vermelho. ABCD DO BEBÊ. Disponível em: https://www.abcdobebe.com/comunidade/contos-infantis/chapeuzinho-vermelho/. Acesso em 20 abr. 2018.

ABCD DO BEBÊ. História do João e da Maria. ABCD DO BEBÊ. Disponível em: https://www.abcdobebe.com/comunidade/contos-infantis/a-historia-do-joao-e-da-maria/. Acesso em 20 abr. 2018.

ALMEIDA, C. C; TAVARES, H. M. O brincar e a criança com deficiência. Revista da Católica, v.1, n2, p.159-168, 2009.

BARBOSA, Maria Carmen Silveira. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. Educ. Soc., Campinas, v. 18, n. 59, p. 398-404, ago. 1997. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73301997000200011&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 24 abr. 2018.

BEBÊ ATUAL. Os três porquinhos. BEBÊ ATUAL. Disponível em: https://bebeatual.com/historias-os-tres-porquinhos_53. Acesso em 20 abr. 2018.

BEBÊ ATUAL. Patinho Feio. BEBÊ ATUAL. Disponível em: https://bebeatual.com/historias-patinho-feio_105. Acesso em 20 abr. 2018.

BRASIL. Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 16 jul. 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8069.htm#art266. Acesso em: 15 set. 21.

CAIADO, K. R. M. Aluno deficiente visual na escola: lembranças e depoimentos. Campinas, SP: Autores Associados: PUC, 2003.

CORDAZZO, S. T. D.; VIEIRA, M. L. A brincadeira e suas implicações nos processos de aprendizagem e de desenvolvimento. Estud. pesqui. psicol., Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, jun. 2007. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812007000100009&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 19 abr. 2018.

DEMO, P. Avaliação Qualitativa. 10ª edição. Campinas: Autores Associados, 2008.

FÁBULAS E CONTOS. Pinóquio. FÁBULAS E CONTOS. Disponível em: http://www.fabulasecontos.com/pinoquio/. Acesso em 20 abr. 2018.

FARIAS, Á. L. P. DE; MAIA, D. F.; OLIVEIRA, M. A. T. DE. Lúdico e a afetividade no processo ensino aprendizagem. Cenas Educacionais, v. 2, n. 2, p. 25-41, 31 dez. 2019. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/8019/5207. Acesso em: 15 set. 2021.

HEYMEYER, H.; GANEN, L. O bebê, o pequerrucho e a criança maior: guia para a interação com crianças com necessidades especiais. São Paulo: Memmon, 2004.

MIRANDA, M. J. C.; QUADROS, É. S.; SILVA, D. F. Deficiência visual e o ensino da matemática: relato de uma trajetória escolar bem sucedida. Anais... Encontro Da Associação Brasileira De Pesquisadores Em Educação Especial, 7, 2011, Londrina de 08 a 10 novembro de 2011. ISSN 2175 Pg. 177-189. Disponível em: http://www.uel.br/eventos/congressomultidisciplinar/pages/arquivos/anais/2011/processo_inclusivo/017-2011.pdf. Acesso em 17 mar. 2018.

MIRANDA, M. J. C. Inclusão escolar e deficiência visual: trajetória e processo. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 3, n. 1 e 2, 2008. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/2678/2388. Acesso em 02 abr. 2018.

PORTAL EDUCAÇÃO. A importância do brincar. Portal Educação. Disponível em: https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/educacao/a-importancia-do-brincar/3551. Acesso em 28 mar. 2018.

QUINET, A. Um olhar a mais: ver e ser visto na psicanálise. 2ª edição. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2004.

RUIZ, L. C.; BATISTA, C. G. Interação entre crianças com deficiência visual em grupos de brincadeira. Rev. bras. educ. espec., Marília, v. 20, n. 2, p. 209-222, Junho 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382014000200005&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 25 abr. 2018.

SILVA, E. F. Como brincar com crianças com deficiência visual. Dom Valente. 2016. Disponível em: http://domvalente.com.br/brincadeira-visual/. Acesso em: 13 abr. 2018.

SOUZA, C. M. L.; BATISTA, C. G. Interação entre crianças com necessidades especiais em contexto lúdico: possibilidades de desenvolvimento. Psicol. Reflex. Crit., Porto Alegre, v. 21, n. 3, p. 383-391, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-79722008000300006&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 25 abr. 2018.

STAINBACHK, S.; STAINBACHK, W. Inclusão: uma guia para educadores. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999. Trad.: Magda França.

TERRA, M. R. O DESENVOLVIMENTO HUMANO NA TEORIA DE PIAGET. Publicações de alunos de graduação e pós-graduação do Instituto de Estudos da Linguagem, UNICAMP, 2018. Disponível em: https://www.unicamp.br/iel/site/alunos/publicacoes/. Acesso em: 20 abr. 2018.

VOLPATO, G. Jogo e brinquedo: reflexões a partir da teoria crítica. Educ. Soc., Campinas, v. 23, n. 81, p. 217-226, dez. 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302002008100011&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 24 abr. 2018.

Publicado
2021-10-08
Métricas
  • Visualizações do Artigo 279
  • ♪Áudio♪ downloads: 9
Como Citar
Costa, A. L., Costa, L. E. L., Silva, R. S. da, & Anjos, A. L. C. dos. (2021). O BRINCAR PARA CRIANÇAS CEGAS. Cenas Educacionais, 4, e12955. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/12955
Seção
Dossiê Temático PRODUÇÃO ACADÊMICA SOBRE DEFICIÊNCIA E NECESSIDADES ESPECIAIS