DESMISTIFICANDO AS PRÁTICAS DE LUTAS E PROBLEMATIZANDO QUESTÕES RELACIONADAS À VIOLÊNCIA NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

Palavras-chave: Educação Física Escolar, Conteúdo Curricular, Ensino das Lutas, Violência na escola

Resumo

Este artigo caracteriza-se como de natureza bibliográfica e cunho descritiv0-exploratório, seu objetivo é desmistificar a violência como sendo intrínseca às lutas, bem como problematizar situações de violência que se apresentam no âmbito da educação física escolar (EFE) relacionadas a este conteúdo, apontando o ensino das lutas como uma possibilidade de debater e compreender de forma mais ampla esta temática. Estudos apontam a necessidade de discutir a associação das lutas a práticas violentas e agressivas, o que evidencia uma lacuna acerca do debate sobre a pluralidade sócio-histórica e cultural dessas práticas. Na tentativa de contribuir, realizamos o levantamento bibliográfico sobre o estigma de violência e agressividade atrelado às lutas, relacionando o ensino dessas práticas com o processo de desenvolvimento humano dos sujeitos, considerando as questões de violência que afetam o contexto das aulas de EFE. Diante do exposto, consideramos relevante uma abordagem teórico-metodológica que desmistifique a percepção superficial sobre o ensino das lutas, projetando um olhar crítico e reflexivo sobre estas práticas que fazem parte do “Se movimentar”, problematizando os mais variados aspectos a estas relacionados, que nos permitem compreender sua aproximação com questões sociais, econômicas, políticas, filosóficas, dentre outras demandas ambientais apresentadas pela EFE. Em síntese, consideramos que o entendimento sobre as lutas deve ultrapassar os conhecimentos técnicos e táticos de cada prática, imergindo em questões mais profundas que contraponham ideias equivocadas sobre as lutas, como a relação errônea destas com as situações de violência. É necessário então pautá-las numa perspectiva complexa para sistematizá-las como elementos na dinâmica da cultura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laiza Maria Almeida, Graduanda em Educação Física pela Universidade Federal do Ceará - Brasil

Bolsista pelo Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência.

Rafaella Bôto Ferreira Costa, Mestranda em Educação Física da Universidade Federal do Rio Grande do Norte - Brasil

Graduada em Educação Física pela Universidade Federal do Ceará

Luciana Venâncio , Professora no Programa de Pós-Graduação em Educação Física da Universidade Federal do Rio Grande do Norte - Brasil

Doutora em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Professora na Universidade Federal do Ceará. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Física Escolar e Relações com os Saberes.

Luiz Sanches Neto, Professor no Programa de Pós-Graduação em Educação Física da Universidade Federal do Rio Grande do Norte - Brasil

Doutor em Ciências da Motricidade pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Professor na Universidade Federal do Ceará. Pesquisador no Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Física Escolar e Relações com os Saberes.

Referências

ALMEIDA, S. M. N; ALENCAR, M. L. O adolescente e a cultura de paz. In: MATOS, K. S. A. L. (Org.). Cultura de paz, ética e espiritualidade II. Fortaleza: UFC, 2011, pp. 47-60.

ALVAREZ, G. Luta: uma prática milenar. Lisboa: Ministério da Juventude e do Desporto, Centro de Estudos e Formação Desportiva, 2000.

ALVES JÚNIOR, E. D. Discutindo a violência nos esportes de luta: a responsabilidade do professor de educação física na busca de novos significados para o uso das lutas como conteúdo pedagógico. In: Anais... XII Encontro Regional de História – ANPUH, Rio de Janeiro, 2006.

BARREIRA, C. R. A. A norma sensível à prova da violência: o corpo a corpo em disputa sob a ótica fenomenológica em psicologia do esporte. Phenomenological Studies, Goiânia, n. 23, v. 3, pp. 278-292, set./dez. 2017.

BARREIRA, C. R. A.; TELLES, T. C. B. Reflexões sobre a violência no esporte. In: RUBIO, K.; CAMILO, J. A. O. (Orgs.). Psicologia social do esporte. São Paulo: Laços, 2019, pp. 79-104.

BRANDÃO, P. P. S. Lutas no currículo da educação física no ensino fundamental sob o olhar da diversidade cultural: experiências na escola de aplicação da Universidade Federal do Pará. Dissertação (Mestrado em Currículo e Gestão da Escola Básica) – UFPA, Belém, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais: educação física. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei de diretrizes e bases da educação nacional: lei n. 9394/96. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 30 out. 2021.

BREDA, M.; GALATTI, L.; SCAGLIA, A. J.; PAES, R. R. Pedagogia do esporte aplicada às lutas. São Paulo: Phorte, 2010.

CEARÁ. Conselho Estadual de Educação. Documento curricular referencial do Ceará. Fortaleza: Câmara da Educação Básica, 2020. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/implementacao/curriculos_estados/documento_curricular_ce.pdf. Acesso em: 22 jun. 2021.

CORREIA, W. R; FRANCHINI, E. Produção acadêmica em lutas, artes marciais e esportes de combate. Motriz, Rio Claro, v. 16, n. 1, pp. 1- 9, jan./mar. 2010.

CRESPAN, A. G.; AHLERT, A., Agressividade e violência na escola: olhares sobre a educação física. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 13, n. 2, pp. 71-84, jul./dez. 2015.

CRUZ, J. K. O muay thay como ferramenta pedagógica na educação física. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Educação Física) – Universidade Federal de Pernambuco, Vitória, 2019.

ELIAS, N; DUNNING, E. A busca da excitação. Lisboa: Difel, 1992.

FREITAS, V. L. U., SOUSA, M. F. Agressividade, violência e budô: temas da educação física em uma escola estadual de Goiânia. Pensar a Prática, Goiânia, v. 17, n. 4, out./dez. 2014.

GARCIA N, A. VOTRE, S. R. Artes marciais mistas: luta por afirmação e mercado da luta. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, n. 38, v. 4, pp. 407-413, 2015.

GOMES, M. S. P. Procedimentos pedagógicos para o ensino das lutas: contextos e possibilidades. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Universidade Estadual de Campinas, 2008.

GHIRALDELLI JÚNIOR, P. Educação física progressista. São Paulo: Loyola, 1998.

GONÇALVES, N. Tematizando as lutas dos desenhos animados: uma leitura critica através da abordagem cultural. Revista Digital EFDeportes, Buenos Aires, v. 15, n. 147, ago. 2010.

JARDIM, J. G. “It´s time”! MMA feminino, mercado da beleza e cis-heteronormatividade: uma etnografia multissituada com lutadoras brasileiras. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia e Ciências, campus de Marília, 2018.

KASPRZAK, R. G. Desenhos animados em tempo de violência: uma contribuição para pensar a construção de valores sócio-morais em crianças pré-escolares. Dissertação (Mestrado em Psicologia do Desenvolvimento) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Psicologia, 1997.

LIMA, V. B. R. et al. Influência do vale-tudo nos atletas atuais de MMA. Revista Digital EFDeportes, Buenos Aires, v. 20, n. 209, out. 2015.

MELLO, A. S. A história da capoeira: pressuposto para uma abordagem na perspectiva da cultura corporal. In: Anais... Congresso Brasileiro de História da Educação Física, Esporte, Lazer e Dança, Universidade Estadual de Ponta Grossa, 2002.

MELO, M. G.; FALCÃO, J. L. C.; COSTA, D. S.; MASSON, F. G. P.; NASCIMENTO, P. H. F. Lutas aplicadas à educação física escolar: realidades e possibilidades. In: Anais... 10ª Semana Cientifica da Faculdade de Educação Física, Universidade Federal de Goiás, 2011.

MOURA, D. L. O ensino de lutas na educação física escolar: uma revisão sistemática da literatura, Pensar a Prática, Goiânia, n. 22, pp. 51677, 2019. DOI: 10.5216/rpp.v220.51677.

NASCIMENTO, P. R. B.; ALMEIDA, L. A tematização das lutas na educação física escolar: restrições e possibilidades. Movimento. Porto Alegre, n. 13, v. 3, pp. 91-100, set./dez. 2007.

OLIVIER, J. C. Das brigas aos jogos com regras. Porto Alegre: Artmed, 2000.

ORTEGA, R.; DEL REY, R. Estratégias educativas para a prevenção da violência. Brasília: UNESCO; UCB, 2002.

RIBEIRO, J. C. C.; CAMPOS, F. K. D. História da esgrima, da criação à atualidade. Journal of Physical Education, v. 76, n. 137, pp. 65-69, 2007.

RIOS, G. B. O processo de esportivização do taekwondo. Pensar a Prática, Goiânia, n. 8, v. 1, pp. 37-54, jan./jun. 2005.

RIZZO, F. A.; GOMES, R. G. S.; DIAS, C. B.; BARROSO, A. R. Lutas na base nacional comum curricular: unidades didáticas para o ensino fundamental. Intellectus, v. 61, n. 1, pp. 80-99, 2020.

RUFINO, L. G. B.; DARIDO, S. C. O ensino das lutas na escola: possibilidades para a educação física. Porto Alegre: Penso, 2015.

SO, M. R.; BETTI, M. Saber ou fazer? O ensino de lutas na educação física escolar. In: Anais... IV Colóquio de Pesquisa Qualitativa em Motricidade Humana: as lutas no contexto da motricidade humana, Universidade Federal de São Carlos, 2009, pp. 540-553.

TRACIL, M. A F. Artes marciais chinesas: histórias de vida de mestres brasileiros e as tensões entre a tradição e o modelo esportivo. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Universidade de São Paulo, Escola de Educação Física e Esporte, São Paulo, 2014.

TRAMONTIN, Z. O karatê como agente minimizador da agressividade no ambiente escolar. Projeto de Implementação Pedagógica, Programa de Desenvolvimento Educacional – PDE, Secretaria de Estado de Educação do Paraná, 2008.

VASQUES, D. G. As artes marciais mistas (MMA) como esporte moderno: entre a busca da excitação e a tolerância à violência. Esporte e Sociedade, v. 8, n. 22, pp. 1-23, set. 2013.

Publicado
2021-11-12
Métricas
  • Visualizações do Artigo 441
  • ♪Áudio♪ downloads: 3
Como Citar
Almeida, L. M., Costa, R. B. F., Venâncio , L., & Sanches Neto, L. (2021). DESMISTIFICANDO AS PRÁTICAS DE LUTAS E PROBLEMATIZANDO QUESTÕES RELACIONADAS À VIOLÊNCIA NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Cenas Educacionais, 4, e12163. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/12163
Seção
Dossiê Temático

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##