O ENSINO DE HISTÓRIA NOS ANOS INICIAIS: IMAGINAÇÃO, SENSIBILIDADE E EXPERIÊNCIA

Palavras-chave: Ensino de História, Formação Docente, Sensibilidade, Vivência

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar um trabalho desenvolvido com alunas e alunos da disciplina Ensino de História, de agosto a novembro, no Curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade Estadual da Paraíba - UEPB, no semestre 2020.1. Na ocasião, pensamos sobre as possibilidades e os desafios de abordar conteúdos e procedimentos didáticos para esse componente, especificamente em aulas remotas. No primeiro momento, pensamos em acionar a sensibilidade nas aulas de História, aquilo que nos passa, que nos afeta, que nos toca, que nos forma a partir do que sentimos. Para isso, fundamentamo-nos nas contribuições de Soares Júnior (2019) e Albuquerque Júnior (s/d), com a finalidade de refletir sobre as aulas de História desvinculadas das amarras do ensino tradicional positivista. Metodologicamente, utilizamos as experiências vividas, apresentadas e relatadas pelos alunos e alunas da referida disciplina. Concluímos que precisamos pensar no ensino de História para as crianças a partir de concepções que mobilizem a sensibilidade, o ver, o ouvir, o imaginar, o criar e o sentir, tendo em vista a formação de cidadãos comprometidos com a realidade, a identidade, o respeito e a alteridade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria do Rosário Gomes Germano Maciel, Professora na Universidade Estadual da Paraíba - Brasil

Doutora em Educação pela Universidade Federal da Paraíba. Integra o Grupo de Estudos e Pesquisas Discurso e Imagem Virtual em Educação e do Grupo de Pesquisa Tecnologias, Educação, Mídias e Artes.

Referências

ALBUQUERQUE JÚNIOR, D.M.. Por um ensino que deforme: o docente na pós-modernidade. s/d. Disponível em: www.cnslpb.com.br/arquivosdoc/MATPROF.pdf. Acesso em: 02 fev. 2021.

ALVES, R. A educação dos sentidos: conversas sobre a aprendizagem e a vida. São Paulo, Planeta Brasil, 2018.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 05 de outubro de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 20 fev.2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 343, de 17 de março. Dispõe sobre a substituição das aulas presenciais por aulas em meios digitais enquanto durar a situação de pandemia do novo coronavírus - COVID-19. Brasilia(DF): Ministério da Educação, 2020. Disponível:http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Portaria/PRT/Portaria%20n%C2%BA%20343-20-mec.htm.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1998.

CHANLAT, J. Francois. (Coord.). O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. 1. ed. São Paulo: Atlas, 2007. 300p.

EMICIDA. Boa Esperança. Emicida; Nave BAETZ. Brasil. 2015. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=AauVal4ODbE . Acesso em: 02 fev. 2021.

FIALHO, L.M. F.; MACHADO, C. J. S; SALES, J. A. M. As teorias da história e a história ensinada no ensino fundamental. Educativa, Goiânia, v.19, n.1, p.1043-1065, set/dez.2016.

GONÇALVES, C.M. Análise sociológica das profissões: principais eixos de desenvolvimento. Porto: Universidade do Porto, 2007.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo populacional 2020. Rio de Janeiro: IBGE, 2020.

LARROSA, J. Tremores. Escritos sobre experiência. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

MORAIS, M.C. Ambientes de aprendizagem como expressão de convivência e transformação. In: MORAIS, M.C.; NAVAS, J.M.B(org.). Complexidade e transdisciplinaridade em educação: teoria e prática docente. Rio de Janeiro: Wak, 2010.

OLIVEIRA, R. B. A cidadania a partir de 1930 e sua relação com as categorias profissionais: uma leitura sobre o emprego doméstico. Revista Espaço de Diálogo e Desconexão, v. 2, n. 1, p. 1-22, jul./dez. 2009.

PESANVENTO, S.J.; LANGUE, F. Sensibilidade na história: memórias singulares e identidades sociais. Porto Alegre: UFRGS, 2007, p. 7-8.

QUE horas ela volta? Direção: Anna Muylaert. Produção: Africa Filmes. Interprete: Regina Casé. São Paulo, Brasil, 2015.

RIBEIRO, D. Pequeno manual antirracista.1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

SALES-PERES; S. H. C et al. Coronavirus (SARS-CoV-2) and the risk of obesity for critically illness and ICU admitted: Meta-analysis of the epidemiological evidence. Obesity Research & Clinical Practice, n. 14, p. 389-397, 2020.

SANTOS, B.S. Globalização, multiculturalismo e conhecimento. Entrevista publicada na Revista Educação e Realidade, v.26, n.1, FACED/UFRGS, porto Alegre, jan./jul.2001. p.13-32.

SANTOS, B.S. As tensões da modernidade. Fórum Social Mundial, Biblioteca das alternativas. 2001 Disponível: http://www.susepe.rs.gov.br/upload/1325792284_As%20tens%C3%B5es%20da%20Modernidade%20-%20Boaventura%20de%20Sousa%20Santos.pdf Acesso: 10.02.2020

SANTOS, M. P. A et al. População negra e covid-19: reflexões sobre racismo e saúde. Estudos avançados 34 (99). Maio-Agosto – 2020 Disponível: https://www.scielo.br/j/ea/a/LnkzjXxJSJFbY9LFH3WMQHv/?lang=pt Acesso: 13.06.2021

SILVA, D.F.; LORETO, M.D.S.; BIFANO, A.C.S. Ensaio da história do trabalho doméstico no Brasil: um trabalho invisível. Cadernos de Direito, Piracicaba, v. 17(32): 409-438, jan.-jun. 2017.

JUNIOR, A.S.S. Ensino de História e sensibilidade: o ver, o ouvir e o imaginar nas aulas de história. Revista História& Ensino, Londrina, v.25, n.2, p.167-190, jul./dez.2019.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA. Resolução UEPB/CONSUNI nº 0327, 09 de junho de 2020. Institui o Programa Auxílio Conectividade. Campina Grande, PB. Disponível em: http://transparencia.uepb.edu.br/download/resolucao-consuni-0327-2020-institui-o-programa-auxilio-conectividade/ Acesso: 13.08.2020.

WALTON, S. Uma história das emoções. Rio de Janeiro: Record, 2007.
Publicado
2022-04-12
Métricas
  • Visualizações do Artigo 98
  • ♪Áudio do resumo♪ downloads: 9
Como Citar
Gomes Germano Maciel, M. do R. (2022). O ENSINO DE HISTÓRIA NOS ANOS INICIAIS: IMAGINAÇÃO, SENSIBILIDADE E EXPERIÊNCIA. Cenas Educacionais, 5, e11973. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11973
Seção
Relato de Experiência