DANÇA DO PASSINHO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: VISIBILIDADES NA CENA CURRICULAR PAULISTA

Palavras-chave: Dança do Passinho, Educação física escolar, Gênero, Raça, Currículo

Resumo

O presente trabalho objetiva relatar o desafio de implementação da Dança do Passinho nos materiais de apoio ao Currículo Paulista, no ensino de Educação Física, em escolas da rede estadual em São Paulo. Há preconceito velado, porém bastante atuante, em razão da dança se valer de manifestação rítmica cujas origens são afrodescendente, latina e também ser praticada pelas camadas pobres da população, marcadas pela desigualdade social e marginalização. Como fundamentação teórica, valemo-nos dos estudos antirracistas, feministas e de gênero, com especial foco nas produções advindas do campo de interface da educação e da educação física escolar. A metodologia qualitativa foi responsável pela seleção da produção bibliográfica e pelo percurso analítico dos materiais de apoio, legislação e documentos oficiais existentes. Contudo, apesar das legislações e teorias do Currículo estarem propostas no âmbito do multiculturalismo e da cultura corporal, ainda restam docentes aparentando desconhecer esta prática corporal. Consideramos que há docentes que avaliam negativamente a Dança do Passinho, tornando quem a pratica alvo de preconceitos de gênero e raça. Também há fragilidade na formação – seja a inicial, continuada, em serviço – comprometida com uma aprendizagem baseada em discursos antirracistas e em diálogo sobre as relações de gênero. Embora ocorra tal lacuna e também possível resistência, é inegável a conquista recente da Dança do Passinho nos materiais de apoio ao Currículo Paulista de Educação Física, que corresponde à maior visibilidade e combate às desigualdades, fruto do acúmulo a partir das categorias gênero, raça e geração, advindo dos movimentos sociais e das pesquisas educacionais.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabela Muniz dos Santos Cáceres, Mestranda em Educação pela Universidade Federal de São Carlos - Brasil

Especialista em Educação Física escolar pela Universidade Estadual de Campinas. Professora Coordenadora de Educação Física da Diretoria de Ensino de Votorantim. Integrante do Grupo de Estudos Flores Raras - Educação, Comunicação e Feminismos.

Daniela Auad, Professora no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de São Carlos e no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora - Brasil

Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo. Pós-doutora em Sociologia pela Universidade de Campinas. Lidera o Flores Raras: Educação, Comunicação e Feminismos, Grupo de Estudos e Pesquisas.

Referências

AUAD, D. Formação de Professoras. um estudo dos cadernos de Pesquisa a partir do referencial de gênero. 144f. Dissertação (Mestrado em Educação: Universidade de São Paulo). São Paulo, 1998.

AUAD, D. Relações de gênero nas práticas escolares: da escola mista ao ideal de co-educação. 2004. 232f. Tese (Doutorado em Educação: Sociologia da Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

AZANHA, J. M. P. “Uma reflexão sobre a Didática”. Educação: alguns escritos. São Paulo: Editora Nacional, 1987.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília, 1998.

CORSINO, L. N.; AUAD, D. O professor diante das relações de gênero na educação física escolar. São Paulo: Cortez, 2012.

CORSINO, L. N. O Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira na Concepção de Docentes de duas escolas da rede Estadual de São Paulo. Cenas educacionais, v.4, n.e10794, 2021.

DAOLIO, J. Os significados do corpo na cultura e suas implicações para a Educação Física. Revista de Educação Física da UFRGS, v.2, n.2, 1995.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. SP: Paz e Terra, 1996.

LIMA, Aline. S.C.M. Juventudes e estratégias de visibilidade social e midiática do passinho carioca ao ativismo de Nova Orleans. 333f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro), Rio de Janeiro, 2017.

LOURO, G. L.; FELIPE, J.; GOELLNER, S. V. Corpo, Gênero e Sexualidade. Um debate contemporâneo na educação. 5º ed. Petrópolis: editora Vozes, 2010.

MAGRO, V. M. M. Meninas do Grafitti: Educação, Adolescência, Identidade e Gênero nas culturas Juvenis Contemporâneas. Tese (Doutorado em Educação: Universidade de Campinas). Campinas, 2003.

MISKOLCI, R. Marcas da Diferença no Ensino Escolar. Edufscar: São Carlos, 2010.

NEIRA, M. G. Educação física cultural: inspiração e prática pedagógica. 2. ed. Jundiaí: Paco, 2019.

NÓVOA, A. Formação de professores e trabalho pedagógico. Lisboa: EDUCA, 2002.

ROSA, J. G. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

SILVESTRE, H. Se eu não puder dançar, não é minha revolução. Revista Amazonas, 2018. Disponível em: https://www.revistaamazonas.com/2018/09/25/se-eu-nao-puder-dancar-nao-e-a-minha-revolucao/. Acesso em: 30 maio 2021.

SÃO PAULO. Secretaria da educação. Currículo do estado de São Paulo. Linguagens, códigos e suas tecnologias. São Paulo: SEE, 2010.

SÃO PAULO. Secretaria da educação. Currículo Paulista. São Paulo: SEE, 2019.

SÃO PAULO. Secretaria da educação. Guia de Transição. São Paulo: SEE, 2018.

SÃO PAULO. Secretaria da Educação. Currículo em ação. Material de apoio ao professor 7ºano. São Paulo: SEE, 2020.

SILVA, A. J. F.; SILVA, C. C.; TINÔCO, R. G.; VENÂNCIO, L.; SANCHES NETO, L.; ARAÚJO, A. C. Desafios da Educação Física Escolar em tempos de pandemia: notas sobre estratégias e dilemas de professores(as) no combate à Covid-19 (SARS-COV-2). Cenas educacionais, v.4, n.10618, 2021.

SILVA, T. T. Documentos de Identidade, uma introdução à teoria do Currículo. Belo Horizonte: Ed. Autêntica, 1999.

Publicado
2022-01-11
Métricas
  • Visualizações do Artigo 382
  • ♪Áudio do resumo♪ downloads: 10
Como Citar
Cáceres, I. M. dos S., & Auad, D. (2022). DANÇA DO PASSINHO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: VISIBILIDADES NA CENA CURRICULAR PAULISTA. Cenas Educacionais, 5, e11911. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11911
Seção
Dossiê temático - INTERSECCIONALIDADES ÉTNICO-RACIAIS, DE GÊNERO E RELAÇÃO COM O