A PERCEPÇÃO FAMILIAR ACERCA DA ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL PRESTADA POR UM CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL II

Palavras-chave: Relações Interpessoais, Saúde Mental, Centro de Atendimento Psicossocial

Resumo

O presente estudo teve o objetivo de analisar o entendimento das famílias que acompanham usuários adultos com transtornos mentais em um Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) tipo II sobre os paradigmas da Reforma Psiquiátrica Brasileira (RPB) e a nova configuração de atenção integral à saúde mental. Trata-se de uma pesquisa qualitativa de caráter descritivo-exploratório realizada no CAPS II, no interior da BA com familiares/responsáveis participantes dos grupos de familiares. Participaram 15 familiares, respeitando as questões éticas e aplicado TCLE, submetido à Análise de Conteúdo inspirada em Bardin. Observou-se posicionamentos favoráveis e contrários à RPB e falta de clareza quanto à sua proposta; reconhecimento da qualidade e satisfação quanto ao cuidado oferecido pelo CAPS; fragilidades no cuidado oferecido pelo CAPS; falta de apoio da gestão executiva e sugestões para melhoria. Conclui-se que o CAPS é tido como instituição complementar ao cuidado em saúde mental, sendo posto como mais adequado e satisfatório, pelas ações pautadas na humanização, no acolhimento e no apoio. A valorização da cultura biomédica evidenciada pelos familiares e a falta de aderência dos usuários ainda são barreiras que precisam ser ultrapassadas para a prestação de um cuidado proposto pelos moldes dos CAPS.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mateus Vasconcelos dos Santos, Universidade Federal da Bahia - Brasil

Bacharel em Enfermagem

Tarcísia Castro Alves, Professora na Universidade Federal da Bahia - Brasil

Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo. Pesquisadora do Grupo Núcleo de estudos sobre distúrbios psiquiátricos: assistência e pesquisa (NUDPAS/USP); Transversões - Saúde mental, desinstitucionalização e abordagens psicossociais (UFRJ); Grupo de Estudos em Álcool e outras drogas (USP).

Referências

AMARANTE, P. Saúde mental e atenção psicossocial. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2007.

BOFF, C. M. Reflexões acerca das Oficinas: uma experiência em Oficina de Música no CAPS Cais Mental Centro. In: Salão de Iniciação Científica (22.: 2010 out. 18-22: Porto Alegre, RS). Livro de resumos. Porto Alegre: UFRGS, 2010. Disponível em:<http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/44896/Resumo_6438.pdf?sequence=1>. Acesso em: 06 dez. 2017.

BRASIL. Estatuto da criança e do adolescente: Lei federal nº 8069, de 13 de julho de 1990. Rio de Janeiro: Imprensa Oficial, 2002.

BRASIL. Estatuto do idoso: Lei federal nº 10.741, de 01 de outubro de 2003. Brasília, DF: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Centro Cultural do Ministério da Saúde. Memória da Loucura. Influências: Esquirol. Disponível em: < http://www.ccs.saude.gov.br/memoria%20da%20loucura/mostra/esquirol.html>. Acesso em: 07 dez. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM n° 336, de 19 de fevereiro de 2002. Define e estabelece diretrizes para o funcionamento dos Centros de Atenção Psicossocial. Diário Oficial da União 2002; 20 fev.

CAMARA, R. H. Análise de conteúdo: da teoria à prática em pesquisas sociais aplicadas às organizações gerais. Rev. Interinst. Psicol., v.6, n.2, p.179-191, jul. 2013. Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-82202013000200003&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 13 jul. 2018.

CANDIDO, M. R. et al. Conceitos e preconceitos sobre transtornos mentais: um debate necessário. SMAD, Rev Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog. (Ed. port.), Ribeirão Preto, v.8, n.3, p.110-117, dez. 2012. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-69762012000300002&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 15 jul. 2018.

COIMBRA, V. C. C.; KANTORKI, L. P. O acolhimento em centro de atenção psicossocial. Rev enferm UERJ, v.13, n.1, p.57-62, 2005. Disponível em: ww.facenf.uerj.br/v13n1/v13n1a09.pdf Acesso em: 17 jul 2018.

COELHO, R. S.; VELÔSO, T. M. G.; BARROS, S. M. M. Oficinas com usuários de saúde mental: a família como tema de reflexão. Psicologia: Ciência e Profissão, v.37, n.2, p.489-499, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1982-3703002612015. Acesso em: 15 Jul. 2018.

DOS SANTOS, P. N.; DOS SANTOS, M. C. O Centro de atenção psicossocial (CAPS) como alternativa de atuação do pedagogo: relato de uma experiência. Sistema Educere. XIII EDUCERE, IV SIRSSE, VI SIPD – Cátedra UNESCO. Disponível em: http://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2017/24710_11958.pdf. Acesso em: 13 jul. 2018.

FONTE, E. Da institucionalização da loucura à reforma psiquiátrica: as sete vidas da agenda pública em saúde mental no brasil. Estudos de Sociologia, 1, mar. 2013. Disponível em: <http://www.revista.ufpe.br/revsocio/index.php/revista/article/view/60/48>. Acesso em: 06 Dez. 2017.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. To. Métodos de pesquisa. – Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

HECK, R. M. et al. Gestão e saúde mental: percepções a partir de um centro de atenção psicossocial. Texto contexto - enferm., Florianópolis, v.17, n.4, p.647-655, Dec. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072008000400004&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 19 Jul. 2018.

JORGE, M. S. B. et al. Promoção da Saúde Mental - Tecnologias do Cuidado: vínculo, acolhimento, co-responsabilização e autonomia. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v.16, n.7, p.3051-3060, July 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232011000800005&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 16 Jul. 2018.

KANTORSKI, L. P. et al. A importância das atividades de suporte terapêutico para o cuidado em um Centro de Atenção. Rev. enferm. Saúde, v.1, n.1, p.4-13, 2011. Disponível em: <https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/enfermagem/article/view/3401>. Acesso em: 16 Jul. 2018.

LEAL, B. M.; ANTONI, C de. Os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS): estruturação, interdisciplinaridade e intersetorialidade. Aletheia, Canoas, n.40, p.87-101, abr. 2013. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-03942013000100008&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 15 jul. 2018.

LEVY, V. L. D. S. Oficinas terapêuticas e produção de vínculo em CAPS AD. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, ISSN 1984-2147, Florianópolis, v.8, n.19, p.97-106, 2016. Disponível em: http://incubadora.periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/viewFile/3364/4672. Acesso em: 16 Jul. 2018.

MACEDO, F. M. S.; ANDRADE, M.; SILVA, J. L. L. A reforma psiquiátrica e implicações para a família: o papel do enfermeiro no programa saúde da família. Informe-se em promoção da saúde, v.5, n.2, p.19-23, 2009. Disponível em: < http://www.uff.br/promocaodasaude/reforma%20psiquiatrica7.pdf>. Acesso em: 14 Jul. 2018.

MARTINHAGO, Fernanda; OLIVEIRA, Walter Ferreira de. A prática profissional nos Centros de Atenção Psicossocial II (caps II), na perspectiva dos profissionais de saúde mental de Santa Catarina. Saúde debate, Rio de Janeiro, v. 36, n.95, p.583-594, Dec. 2012 . Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010311042012000400010&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 06 Dez. 2017.

MIELKE, F. B. et al. A inclusão da família na atenção psicossocial: uma reflexão. Rev. Eletr. Enf, v.12, n.4, 761-5, 2010. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v12i4.6812. Acesso em: 18 Jul. 2018.

OLIVEIRA, T. M. V. de. Amostragem não Probabilística: Adequação de Situações para uso e Limitações de amostras por Conveniência, Julgamento e Quotas. Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado. Administração On Line, v.2, n.3, 2001. Disponível em: https://pesquisa-eaesp.fgv.br/sites/gvpesquisa.fgv.br/files/arquivos/veludo_-_amostragem_nao_probabilistica_adequacao_de_situacoes_para_uso_e_limitacoes_de_amostras_por_conveniencia.pdf. Acesso em: 18 Jul. 2018.

OLIVEIRA, E. C. et al. O cuidado em saúde mental no território: concepções de profissionais da atenção básica. Esc Anna Nery, v.21, n.3, p.e20160040, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v21n3/pt_1414-8145-ean-2177-9465-EAN-2017-0040.pdf. Acesso em 14 jul. 2018.

PEGORARO, R. F.; CALDANA, R. H. L. Mulheres, loucura e cuidado: a condição da mulher na provisão e demanda por cuidados em saúde mental. Saude soc., São Paulo, v.17, n.2, p.82-94, June 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902008000200009&lng=en&nrm=iso. Acesso em 07 Out. 2018.

PEREIRA, S. S. et al. Visita domiciliar aos pacientes portadores de transtorno mental: ampliando as opções terapêuticas possíveis em um serviço ambulatorial. Saúde Transform. Soc., Florianopolis, v.5, n.1, p.91-95, 2014. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2178-70852014000100014&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 15 jul. 2018.

RANDEMARK, N. F. R. et al. A reforma psiquiátrica no olhar das famílias. Texto contexto - enferm., Florianópolis, v.13, n.4, p.543-550, Dec. 2004. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072004000400006&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 13 Jul. 2018.

RODRIGUES, A.; PALMA, D. L. A Influência da inclusão da família no processo terapêutico de pacientes com transtornos mentais atendidos pelo centro de atenção psicossocial em uma cidade do meio-oeste catarinense. 2015. 20 p. Especialização – UNIEDU, Santa Catarina, 2015. Disponível em: <http://www.uniedu.sed.sc.gov.br/wp-content/uploads/2015/01/Artigo-Aline-Rodrigues1.pdf>. Acesso em: 06 dez. 2017.

SANTIN, G.; KLAFKE, T. E. A família e o cuidado em saúde mental. Revista Barbarói, Santa Cruz do Sul, Editora: Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC), n. 34, jan/jul. 2011. Disponível em: <https://online.unisc.br/seer/index.php/barbaroi/article/view/1643/1567>. Acesso em: 06 dez. 2017.

SALLES, M. M.; BARROS, S. Transformações na atenção em saúde mental e na vida cotidiana de usuários: do hospital psiquiátrico ao Centro de Atenção Psicossocial. Saúde debate, Rio de Janeiro, v.37, n.97, p.324-335, June 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-11042013000200014&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 18 Jul. 2018.

SCHRANK, G.; OLSCHOWSKY, A. O centro de Atenção Psicossocial e as estratégias para inserção da família. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo, v.42, n.1, p.127-134, Mar.2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342008000100017&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 17 Jul. 2018.

TENORIO, F. A reforma psiquiátrica brasileira, da década de 1980 aos dias atuais: história e conceitos. Hist. cienc. saude-Manguinhos, v.9, n.1, p.25-59, Apr. 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010459702002000100003&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 06 Dez. 2017.

TREICHEL, C. A. dos S. et al. Satisfação de familiares de usuários de Centros de Atenção Psicossocial: informações sobre doença e tratamento. J Nurs Health, v.6, n.3, p.414-22, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/enfermagem/article/view/5955/6919. Acesso em: 17 Jul. 2018.

ZANELLA, M. et al. Medicalização e saúde mental: Estratégias alternativas. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, n.15, p.53-62, jun. 2016. Disponível em: <http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1647-21602016000100008&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 16 jul. 2018.

Publicado
2021-12-01
Métricas
  • Visualizações do Artigo 68
  • PDF (English) downloads: 35
Como Citar
Santos, M. V. dos, & Alves, T. C. (2021). A PERCEPÇÃO FAMILIAR ACERCA DA ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL PRESTADA POR UM CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL II. Cenas Educacionais, 4, e11826. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11826
Seção
Artigos (Fluxo Contínuo)