O EQUÍVOCO DO FRACASSO ESCOLAR: CONSTRUÇÃO DA RELAÇÃO COM O SABER A PARTIR DE PERSPECTIVAS INTERSECCIONAIS

Palavras-chave: Relação com o saber, Interseccionalidade, Desigualdade social, Fracasso escolar, Memória social

Resumo

O presente ensaio discorre sobre a noção de Relação com o Saber e de Interseccionalidade, pelos estudos de Bernard Charlot e de intelectuais negras como Kimberlé Crenshaw, respectivamente. Como ponto inicial reconstruímos, brevemente, parte dos contextos nos quais estas categorias foram elaboradas. A partir destas referências, levantamos a problematização da produção das desigualdades sociais que interferem nas relações com o saber, estabelecidas por crianças e jovens periféricos, das classes populares e que têm suas trajetórias marcadas pelo  “fracasso escolar”; posteriormente analisamos as ações de enfrentamento da população não branca articuladas pelas múltiplas diferenças e desigualdades; na sequência,  buscamos identificar a relação entre a formação da memória social do Brasil contemporâneo e a abordagem interseccional que considera as interações entre gênero, raça e classe, no interior das instituições educacionais, como marcadores com implicações profundas na construção e argumentação epistêmica de jovens negras e negros no enfrentamento de situações de desigualdade social e discriminação racial e, concluímos com a centralidade dos grupos de organização coletiva de jovens negros e negras, que emergiram no presente século, a partir da efetivação de políticas de ações afirmativas, voltadas para o campo educacional, como estratégias de socialização e mobilização das pessoas negras, resistindo ao apagamento de nossa história e memórias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elisangela Venâncio Ananias, Professora na Universidade Federal do Rio Grande do Sul - Brasil

Doutora em Ciências da Motricidade pela Universidade Estadual Paulista. Membro do Núcleo de Pesquisas em Educação Física.

Referências

ALMEIDA, S. L. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

ALTHUSSER, L. Ideologia e dispositivos ideológicos. Buenos Aires: Nova Visão, 1970.

ANSARA, S. Políticas de memória X políticas do esquecimento: possibilidades de desconstrução da matriz colonial. Revista Psicologia Politica, v.12, n.24, p.297-311, 2012. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-549X2012000200008>. Acesso em: 14 abr. 2021.

BAUDELOT, C.; ESTABLET, R. L’école capitaliste en France, Maspero. Cahiers libres, p. 213-214, 1971.

BENJAMIN, W. Sobre o conceito de história. In: BENJAMIN, W. Magia e Técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1986. (Obras Escolhidas. v. 1)

BORJA, M. E. L.; PEREIRA, C. D. As Leis Nº 10.639/03 E Nº 11.645/08: reflexões a partir do pensamento crítico acerca da colonialidade do saber. Cenas Educacionais, v.1, n.1, p.242-270, 2018. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/5162

BOURDIEU, P. Esboço de uma teoria da prática. In: ORTIZ, R. (org.). Pierre Bourdieu: sociologia. São Paulo: Ática, 1972.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J.C. La Reproduction; éléments pour une théorie du système d’enseignement. Paris: Minuit, 1970.

BOWLES, S.; Gintis, H. Schooling in Capitalist America: Educational Reform and the Contradictions of Economic Life. New York: Basic Books, 1976.

CHARLOT, B. Relação com o saber, formação de professores e globalização: questões para a educação hoje. Porto Alegre: Artmed, 2005.

CHARLOT, B. Relação com a escola e o saber nos bairros populares. Perspectiva, p. 17-34, 2002.

CHARLOT, B. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artmed, 2000.

CHARLOT, B. Relação com o saber e com a escola entre estudantes de periferia. Cadernos de pesquisa, n.97, p.47-63, 1996.

COLLINS, P. H. Se perdeu na tradução? Feminismo negro, interseccionalidade e política emancipatória. Parágrafo, v.5, n.1, p.6-17, 2017.

CRENSHAW, K. W. Mapping the Margins: Intersectionality, Identity Politics, and Violence against Women of Color. Stanford Law Review, v.32, n.6, p.1241-1299, 1991.

CRENSHAW, K. W. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Rev. Estud. Fem., v.10, n.1, p.171-188, 2002. Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2002000100011&lng=en&nrm=iso>. access on 14 Apr. 2021.

SILVA, V. A.; CHARLOT, B. XIII Colóquio Internacional" Educação e Contemporaneidade “-Eixo 28-Relação com o saber. Anais do XIII Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade, 2019.

GONZALEZ, L. “Racismo e sexismo na cultura brasileira”. In: SILVA, L. A. et al. Movimentos sociais urbanos, minorias e outros estudos. Ciências Sociais Hoje, Brasília, ANPOCS n. 2, p. 223-244, 1983.

GUIMARÃES, A. S. A. Formações nacionais de classe e raça. Tempo Social, v.28, n.2, p.161-182, 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702016000200161&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 14 abr. 2021.

HANCHARD, M. G. Black Memory versus State Memory: Notes toward a Method. Small Axe: A Caribbean Journal of Criticism, v.12, n.2, p.45-62, 2008.

HOOKS, B. Erguer a voz: pensar como feminista, pensar como negra. São Paulo: Editora Elefante, 2019.

LE GOFF, J. História e memória. Campinas: UNICAMP, 1990.

LIMA, M.; RIOS, F. Por um feminismo afrolatinoamericano: Lélia Gonzalez. São Paulo: Editora Zahar, 2020.

MBEMBE, A. Decolonizing knowledge and the question of archive. África is a country, 2015. Disponível em: <https://africaisacountry.atavist.com/decolonizing-knowledge-and-the-question-of-the-archive>. Acesso em: 14 abr. 2021.

MOURA, C. Sociologia do Negro Brasileiro. São Paulo: Editora Ática, 1988.

QUIJANO, A. Colonialidade, Poder, globalização e Democracia. Novos Rumos, v.17, n.37, 2002. Disponível em: <https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/novosrumos/article/view/2192>. Acesso em: 14 abr. 2021.

YOUNG, M. Para que servem as escolas? Educação & Sociedade, v.28, n.101, p.1287-1302, 2007.

Publicado
2022-01-07
Métricas
  • Visualizações do Artigo 186
  • ♪Áudio do resumo♪ downloads: 3
Como Citar
Ananias, E. V., & Ananias, M. J. V. (2022). O EQUÍVOCO DO FRACASSO ESCOLAR: CONSTRUÇÃO DA RELAÇÃO COM O SABER A PARTIR DE PERSPECTIVAS INTERSECCIONAIS. Cenas Educacionais, 5, e11499. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11499
Seção
Dossiê temático - INTERSECCIONALIDADES ÉTNICO-RACIAIS, DE GÊNERO E RELAÇÃO COM O