Desenvolvimento do pensamento aritmético de um estudante com deficiência intelectual: uma investigação utilizando o Tampimática

Palavras-chave: Deficiência intelectual. Pensamento Aritmético. Tampimática. Proeja.

Resumo

Resumo: Este artigo apresenta um recorte de uma pesquisa de mestrado em Educação em Ciências e Matemática realizada com um estudante com deficiência intelectual do Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos (Proeja). O objetivo foi analisar o desenvolvimento do pensamento aritmético de um aluno com deficiência intelectual, particularmente a apropriação da quantificação e da representação numérica, utilizando o Tampimática. Trata-se de uma investigação fundamentada no método funcional da estimulação dupla desenvolvido por Vigotski, aliado à observação livre discutida por Triviños. Discute as potencialidades da pessoa com deficiência intelectual de acordo com o desenvolvimento cognitivo, no que tange às possibilidades de emancipação do sujeito numa perspectiva dialógica, desenvolvido a partir dos processos de mediação. Aponta discussões sobre o pensamento aritmético, caracterizando as relações entre as construções de novos signos por meio da educação matemática crítica, trabalhada numa perspectiva inclusiva. Contém observações e experiências vivenciadas na prática pedagógica junto ao Proeja, explorando o Tampimática, ao trabalhar a quantificação e a representação numérica. Destaca-se nesta investigação a contribuição da mediação e as relações sociais nos processos compensatórios para superação das dificuldades relacionadas à deficiência intelectual. Em relação ao aluno participante desta pesquisa, consideramos que os meios auxiliares, como a fala, os gestos, as atividades escritas e os objetos que contribuíram no processo de compensação para o desenvolvimento do pensamento aritmético. Assim, discutimos a educação matemática inclusiva como forma a superar nossas dificuldades e desenvolver novas potencialidades, colaborando no processo de transformação educacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elcio Pasolini Milli, Secretaria Estadual de Educação do Espírito Santo (Sedu-ES)

Licenciado em matemática pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), especialista em Educação Inclusiva e Diversidade pelo Centro de Estudos Avançados em Pós-Graduação e Pesquisas e mestre em Educação em Ciências e Matemática pelo Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes). Participa do Grupo de Pesquisa em Educação Matemática e Educação Profissional (EMEP) e do Grupo de Pesquisa em Educação Matemática Inclusiva (GPEMI). É filiado à Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM), sendo atuante na diretoria regional da SBEM Espírito Santo e membro do GT13 - Diferença, Inclusão e Educação Matemática dessa mesma sociedade. É professor P-VI da Secretaria Secretaria de Educação do Espírito Santo, atuando na E.E.E.F.M Almirante Barroso sendo preceptor do Programa de Residência Pedagógica em parceria com o Ifes. Tem experiência na área de Matemática, com ênfase em Educação Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: produção de materiais didáticos, educação matemática inclusiva e práticas pedagógicas de matemática.

Edmar Reis Thiengo, Instituto Federal do Espírito Santo Ifes

Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo, onde atua como Coordenador da Área de Matemática e como professor do Curso de Licenciatura em Matemática e do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática – EDUCIMAT/Ifes. Doutor em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo – Ufes, mesma instituição onde tornou-se Mestre em Educação, desenvolvendo pesquisas na área de História da Matemática; Licenciado em Ciências e Matemática pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Carangola – MG. Membro da Comissão Permanente de Ações Afirmativas dos Programas de Pós-Graduação do IFES; foi Coordenador do Curso de Licenciatura do Ifes - campus Vitória (2015-2019); foi Coordenador do Programa de Residência Pedagógica (2018-2019). Líder do Grupo de Pesquisa em Educação Matemática Inclusiva (Ifes), desenvolvendo pesquisas em torno do ensino de Matemática a estudantes com necessidades educativas especiais tais como o surdo, cego, baixa visão, síndromes cromossômicas, autismo, deficiência intelectual, altas habilidades/superdotação. Líder do Grupo de Pesquisa Educação, História e Diversidades (Ifes), desenvolvendo pesquisas na área da Educação e Diversidades, particularmente gênero e sexualidade, políticas e práticas pedagógicas. Membro do Grupo de Trabalho 13 da Sociedade Brasileira de Educação Matemática - GT13 da SBEM: Diferença, Inclusão e Educação Matemática.

Referências

BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Censo escolar da educação básica 2018: resumo técnico / Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. – Brasília: O Instituto, 2019.

BRASIL. Lei nº. 13146/15. Lei brasileira de inclusão da pessoa com deficiência - estatuto da pessoa com deficiência. Brasília: SEF, 2015.

CLEMENTS, Douglas H. (1999). Subtizing: What is it? Why teach it?. Printed from Teaching Children Mathematics and with permission from NCTM, 1999.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

LINS, Romulo Campos; GIMENEZ, Joaquim. Perspectivas em aritmética e álgebra para o século XXI. Campinas: Papirus, 1997.

MILLI, Elcio Pasolini. Desenvolvimento do pensamento aritmético de um estudante com deficiência intelectual na educação de jovens e adultos. 2019. 213 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Instituto Federal do Espírito Santo - Ifes. Vitória, 2019. Disponível em: . Acesso em: 29 julho 2020.

MILLI, Elcio Pasolini; THIENGO, Edmar Reis. Tampimática: Tampinhas para ensinar matemática. Vitória: Editora Ifes , 2019. Disponível em: . Acesso em: 29 julho 2020.

PORTANOVA, Ruth (org.). Um currículo de matemática em movimento. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2005.

SKOVSMOSE, Ole. O que poderia significar a educação matemática crítica para diferentes grupos de estudantes? Revista Paranaense de Educação Matemática. v.6, n.12, p.18-37, jul.-dez. 2017.

SKOVSMOSE, Ole. Educação matemática crítica: A questão da democracia. 5. ed. Campinas, São Paulo: Papirus, 2001.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 2017.
VIGOTSKI, Lev Semionovich. Aprendizagem e desenvolvimento intelectual na idade escolar. In: VIGOTSKI, Lev Semionovich. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: 2001, p. 103-117.

VIGOTSKI, Lev Semionovich. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

VIGOTSKI, Lev Semionovich. Fundamentos de defectologia. In: Obras completas. Tomo V. Trad. de Maria del Carmen Ponce Fernandez. Havana: Editorial Pueblo y Educación, 1997. p. 74-87.

YOKOYAMA, Leo Akio. Uma abordagem multissensorial para o desenvolvimento do conceito de número natural em indivíduos com síndrome de Down. 2012. 230 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) - Universidade Bandeirante de São Paulo. São Paulo, 2012. Disponível em: . Acesso em: 29 julho 2020.
Publicado
2020-12-17
Métricas
  • Visualizações do Artigo 110
  • PDF (PORTUGUÊS) downloads: 50
Como Citar
Milli, E. P., & Thiengo, E. R. (2020). Desenvolvimento do pensamento aritmético de um estudante com deficiência intelectual: uma investigação utilizando o Tampimática. Revista Baiana De Educação Matemática, 1, e202014. https://doi.org/10.47207/rbem.v1i.10256