Possibilidades de autoformação docente em uma jornada narrativa

  • Gabriela Felix Briao UERJ
Palavras-chave: Educação matemática, Formação de professores, Pesquisa narrativa autobiográfica

Resumo

Este texto busca tecer considerações sobre uma jornada narrativa, de uma professora de matemática e formadora de professores, recentemente trilhada pela autora, em sua pesquisa de doutoramento. A partir de cinco percursos formativos, cada um com o objetivo de trazer preocupações e questionamentos típicos da docência e de como esta se caracteriza, seja na formação de professores, seja na educação básica, a jornada narrativa trouxe possibilidades de autoformação (transformação). Algumas destas possibilidades serão descritas neste trabalho, a título de resultado. Diversos artefatos foram utilizados, tais como aulas audiogravadas, e-mails, áudio do exame de qualificação, assim como as interferências de companheiros de jornada, para a produção de dados. Esta foi uma pesquisa com viés interpretativo realizada a partir de percursos metodológicos, que se abriram diante da sistematização da investigação. Optou-se por uma apresentação insubordinada criativa, como uma postura epistemopolítica diante do que é pesquisar junto ao professor de matemática e, a partir dele mesmo, como foi o caso. Pesquisas deste tipo trazem toda a complexidade de dentro da escola para o meio acadêmico: afinal, tenta responder, ainda que parcialmente, como nos tornamos os professores que somos hoje?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Felix Briao, UERJ
Professora adjunta do Departamento de Matemática e Desenho do Instituto de Aplicação da UERJ

Referências

BARBOSA, Jonei C. Formatos insubordinados de dissertações e teses na educação matemática. In: D’AMBROSIO, Beatriz S.; LOPES, Celi E. (Orgs.). Vertentes da subversão na produção científica em educação matemática. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2015, p. 347-367.

BRIÃO, Gabriela F. Eu, uma professora de matemática em jornada narrativa em busca de meus eus-professores em autoformação. 2017a. 321 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2017a. Disponível em: <https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/150911/briao_gf_dr_rcla_int.pdf?sequence=6&isAllowed=y>. Acesso em: 30 jan. 2019.

BRIÃO, Gabriela F. Quando uma professora de Matemática do CAp-UERJ resolve produzir escritas de si: autoformação? Polyphonía, Goiânia, v. 28, n. 2, p. 243-255, jul./dez. 2017b. Disponível em: <https://www.revistas.ufg.br/sv/article/view/52770/25473>. Acesso em: 30 jan. 2019.

BRIÃO, Gabriela F. A pesquisa narrativa autobiográfica de uma professora de matemática: aproximações com a insubordinação criativa. Revista de Ensino de Ciências e Matemática (REnCiMa), São Paulo, v. 8, p. 31-49, 2017c. Disponível em: <http://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/1492/905>. Acesso em: 30 jan. 2019.

CHARLOT, Bernard. A violência na escola: como os sociólogos franceses abordam essa questão. Sociologias, Porto Alegre, ano 4, n. 8, p. 432-443, jul./dez. 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/soc/n8/n8a16>. Acesso em: 30 jan. 2019.

CLANDININ, Jean. Engaging in narrative inquiry. California: Left Coast Press, 2013.

COX, Dana; D’AMBROSIO, Beatriz S. An examination of current methodologies in mathematics education through the lenses of purpose, participation, and privilege. Perspectivas da Educação Matemática, Campo Grande, MS, v. 8, n. 18, p. 687-708, 2015. Disponível em: <http://seer.ufms.br/index.php/pedmat/article/view/1458/976>. Acesso em: 30 jan. 2019.

D’AMBROSIO, Beatriz S.; KASTBERG, Signe. Giving reason to prospective mathematics teachers. For the learning of Mathematics, Kingston, v. 32, n. 3, p. 22-27, nov. 2012. Disponível em: <https://flm-journal.org/Articles/6F3901F87BE5DC052917E49DB4A8.pdf>. Acesso em: 30 jan. 2019.

D’AMBROSIO, Beatriz S.; LOPES, Celi E. Insubordinação criativa: um convite à reinvenção do educador matemático. Bolema, Rio Claro, SP, v. 29, n. 51, p. 1-17, abr. 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/bolema/v29n51/1980-4415-bolema-29-51-0001.pdf>. Acesso em: 30 jan. 2019.

D’AMBROSIO, Beatriz S.; STEFFE, Leslie. O ensino construtivista. Em Aberto, Brasília, ano 14, n. 62, abr./jun. 1994. Disponível em: <http://emaberto.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/download/1961/1930>. Acesso em: 31 jan. 2019.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GALLO, Sílvio. Em torno de uma educação menor. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 27, n. 2, p. 169-178, 2002. Disponível em: <http://www.grupodec.net.br/wp-content/uploads/2015/10/GalloEuOutroOutros.pdf>. Acesso em: 30 jan. 2019.

GÓMEZ, Ángel I. P. O pensamento prático do professor: a formação do professor como profissional reflexivo. In: NÓVOA, A. (Org.). Os professores e a sua formação. 2. ed., Lisboa: Dom Quixote, 1995. p. 93-114.

HAMILTON, Mary; PINNEGAR, Stefinee. Self-study of practice as genre of qualitative research: theory, methodology, and practice. Nova Iorque: Springer, 2009.

LARROSA, Jorge B. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Revista Brasileira de Educação, Campinas, SP: Autores Associados; ANPED, n. 19, p. 20-28, jan./fev./mar./abr. 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n19/n19a02.pdf>. Acesso em: 30 jan. 2019.

MOITA, Maria. Percursos de formação e de transformação. In: NÓVOA, António. (Org.). Vidas de professores. 2. ed. Porto: Porto Editora, 2013. p. 111-140.

NÓVOA, António. Os professores e as histórias da sua vida. In: NÓVOA, António. (Org.). Vidas de professores. Porto: Porto Editora, 2013. p. 11-13.

PASSEGGI, Maria da Conceição. Narrar é humano! Autobiografar é um processo civilizatório. In: PASSEGGI, Maria da Conceição; SILVA, Vivian B. (Orgs.). Invenções de vidas, compreensão de itinerários e alternativas de formação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. p. 103-130.

PASSEGGI, Maria da Conceição. A experiência em formação. Educação, Porto Alegre, v. 34, n. 2, p. 147-156, mai./ago. 2011. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/8697/6351>. Acesso em: 30 jan. 2019.

PASSEGGI, Maria da Conceição; NASCIMENTO, Gilcilene; OLIVEIRA, Roberta. As narrativas autobiográficas como fonte e método de pesquisa qualitativa em educação. Revista Lusófona de Educação, Lisboa, v. 33, n. 33, p. 111-125, 2016. Disponível em: <http://revistas.ulusofona.pt/index.php/rleducacao/article/view/5682/3579>. Acesso em: 31 jan. 2019.

SKOVSMOSE, Ole. Cenários para a investigação. Bolema, Rio Claro, n. 14, p. 66-91, 2000. Disponível em: <http://www.pucrs.br/ciencias/viali/tic_literatura/metodologia/Skovsmose_Cenarios_Invest.pdf>. Acesso em: 30 jan. 2019.

THOMPSON, Alba. A relação entre concepções de matemática e de ensino de matemática de professores na prática pedagógica. Zetetiké, v. 5, n. 8, p. 11-44, 1997. Disponível em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646845/13746>. Acesso em: 30 jan. 2019.

WHITEHEAD, Jack. Creating a living educational theory from questions of the kind, ‘how do I improve my practice?’ Cambridge Journal of Education, Cambridge, v. 19. n. 1, p. 41-52. 1989. Disponível em: <https://doi.org/10.1080/0305764890190106>. Acesso em 30 jan. 2019.

Publicado
2019-04-19
Métricas
  • Visualizações do Artigo 536
  • PDF downloads: 466
Como Citar
BRIAO, G. F. Possibilidades de autoformação docente em uma jornada narrativa. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 4, n. 10, p. 80-92, 19 abr. 2019.