O ENSINO DA ANTROPOMETRIA NA ESCOLA: UMA PROPOSTA NA EDUCAÇÃO EM SAÚDE

Palavras-chave: Antropometria. Educação em Saúde. Ensino Fundamental e Médio.

Resumo

Objetivou-se discutir possibilidade didático-pedagógica do ensino do conhecimento antropometria enquanto conteúdo da Educação Física escolar. A construção textual considerou a aproximação entre educação e saúde em uma perspectiva de formação crítica, autônoma e consciente dos participantes das aulas. Trata-se de estudo no formato de ensaio teórico. A antropometria é reconhecida como conteúdo que permite a compreensão e análise do fenômeno social da obesidade. As aulas de Educação Física visam apropriação, vivência e análise dos conhecimentos relativos ao corpo. Então, foi elaborada proposta para utilização do conteúdo antropometria considerando as perspectivas conceitual, procedimental e atitudinal para a educação física escolar. A possibilidade traz elementos para ampliar a compreensão e organização pedagógica dos conhecimentos da Educação Física escolar, tornando as aulas significativas e capazes de transcender aos objetivos pontuais, possibilitando orientação de condutas frente ao tema, a partir de uma intervenção intencional e ancorada com as orientações pedagógicas contemporâneas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Franklin de Freitas Mussi, Docente no Programa de Pós-Graduação em Ensino, Linguagem e Sociedade da Universidade do Estado da Bahia.
Doutor em Educação Física. Mestre em Saúde Coletiva. Licenciado em Educação Física. Líder do Grupo de Estudos, Pesquisa e Extensão em Educação, Cultura e Saúde (GEPEECS/CNPq). 
Helma Pio Mororó José, Professora na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia.
Doutora em Educação Física. Mestra em Educação. Licenciada em Educação Física. 
Denize Pereira de Azevedo, Professora na Universidade Estadual de Feira de Santana.
Doutora em Educação Física. Mestra em Saúde Coletiva. Licenciada em Educação Física e Bachael em Ciênicas Econômicas.
Angelo Maurício de Amorim, Professor na Universidade do Estado da Bahia (UNEB).
Doutor em Educação Física. Mestre em Educação. Licenciado em Educação Física. Vice-líder do Grupo de Estudos, Pesquisa e Extensão em Educação, Cultura e Saúde. 
Edio Luiz Petroski, Professor aposentado da Universidade Federal de Santa Catarina.
Pós-Doutor. Doutor, Mestre e Graduado em Educação Física. Lider do Grupo de Pesquisa em Cineantropometria & Desempenho Humano. 

Referências

ALMEIDA, R. T.; ALMEIDA, M. M. G.; ARAUJO, T. M. Obesidade abdominal e risco cardiovascular: desempenho de indicadores antropométricos em mulheres. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v.92, n.5, p.375-80, 2009.

BAUMAN, A. et al. Geographical influences upon physical activity participation: Evidence of a “coastal effect”. Australian and New Zeland Journal of Public Health, v.23, n.3, p.322-324, 1999.

BENEDETTI, T. R. B.; SANTOS, S. F. S. Educação Física no contexto da saúde. In: NASCIMENTO, J. V.; FARIAS, G. O. (Org.). Construção da identidade profissional em Educação Física: da formação à intervenção. Florianópolis: UDESC, 2012. P.543-56.

BOUCHARD, C. et al. Exercise, fitness and health: the consensus statement. In: BOUCHARD, C. et al (org.). Exercise, fitness and health. A consensus of current knowledge. Champaign, Illinois, Human Kinetics Publishers, 1990. P.3-28.

BUSS, P. M. Promoção da saúde e qualidade de vida. Ciência e saúde coletiva, v.5, n.1, p.163-77, 2000.

BRACHT, V. et al. A educação física escolar como tema da produção do conhecimento em periódicos no Brasil (1980-2010): parte II. Movimento, v.18, n.2, p.11-37, 2012.

BEUNEN, G.; BORMS, J. Cineantropometria: raízes, desenvolvimento e futuro. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v.4, n.3, p.76-97, 1990.

BÖHME, M. T. S. Cineantropometria: componentes da constituição corporal. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, v.2, n.1, p.72-79, 2000.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: Educação física. Brasília: MEC/SEF, 1997.

CAIRES, N. F. R. Sobrepeso e obesidade entre os funcionários da UEFS, 2004. 2005. 201f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva), Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva, Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, 2005.

CARVALHO, Y. M.; CECCIM, R. B. Formação e Educação em Saúde: aprendizados com a Saúde Coletiva. In: CAMPOS, G. W. S. et al (org.). Tratado de Saúde Coletiva. São Paulo: Hucitec; Rio de Janeiro: Fiocruz, 2006. p.137-70.

CASTELLANI FILHO, L. et al. Metodologia do Ensino de Educação Física. 2 ed rev. São Paulo: Cortez, 2009.

CAVALCANTE, C. B. S.; CARVALHO, S. C. B. E.; BARROS, M. V. G. Indicadores antropométricos de obesidade abdominal: revisão dos artigos indexados na biblioteca SciELO. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, v.11, n.2, p.217-225, 2009.

CASSEB, G. R. M. et al. Fatores Determinantes da Obesidade em Crianças E Adolescentes. International Journal of Nutrology, v.11, sup.1, p.S24-S327 2018.

COS, I. R.; BARRIOS, A. R. Actividad física y salud dentro de la educación secundaria:una aproximación conceptual a través de larevisión del temario para oposiciones. Lecturas Educación Física y Deportes, v.15, n.143, 2010.

DELORS, J. Educação um tesouro a descobrir. Relatório para a Unesco da Comissão Internacional sobre a Educação para o Século XXI. 6 ed. São Paulo: Cortez, 2001.

FARINATTI, P. T. V.; FERREIRA, M. S. Saúde, promoção da saúde e Educação Física: conceitos, princípios e aplicações. Rio de Janeiro: Ed, Uerj, 2006.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 2007.

GUEDES, D. P. Educação para a saúde mediante programas de educação física escolar. Motriz, v.5, n.1, p.10-14, 1999.

GUTHOLD, R. et al. Worldwide trends in insufficient physical activity from 2001 to 2016: a pooled analysis of 358 population-based surveys with 1· 9 million participants. Lancet, v.6, n.10, p.1077-86, 2018.

HABERMAS, J. Teoría de la acción comunicativa. I: Racionalidad de la acción y racionalización social. Madri: Taurus, 1987.

KUNZ, E. Transformação didático-pedagógica do esporte. 7 ed. Ijuí: Ed. Unijuí, 2006.

LOURENÇO, C. L. M. et al. Comportamento sedentário em adolescentes: prevalência e fatores associados. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v.26, n.3, p.23-32, 2018.

MALDONADO, D. et al. Inovação na educação física escolar: desafiando a previsível imutabilidade didático-pedagógica. Pensar a Prática, v.21, n.2, p.444-458, 2018

MATOS, J. C. et al. A produção acadêmica sobre os conteúdos de ensino na Educação Física escolar. Movimento, v.19, n.2, p.123-48, 2013.

MARANI, F.; OLIVEIRA, A. R.; GUEDES, D. P. Indicadores comportamentais associados à prática de atividade física e saúde em escolares do ensino médio. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v.14, n.4, p.63-70, 2006.

MARTINS, M. O.; WALTORTT, L. C. B. Antropometria: uma revisão histórica. In: PETROSKI, E. L. (org.) Antropometria Técnicas e Padronizações. 5 ed rev e ampl. Várzea Paulista: Fontoura, 2011.

MICHELS, G. Aspectos Históricos da Cineantropometria do Mundo Antigo ao Renascimento. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, v.2, n.1, p.106-110, 2000.

MUSSI, R. F. F. et al. Formação em Educação Física e a Saúde na Escola. In: FARIAS, G. O.; NASCIMENTO, J. V. Educação, Saúde e Esporte: novos desafios à Educação Física. Ilhéus: Editus, 2016.

NAHAS, M. V. Atividade Física, Saúde e Qualidade de Vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. 5 ed rev e atual. Londrina: Midiograf, 2010.

NORTON, K.; OLDS, T. (orgs.) Antropométrica: um livro sobre medidas corporais para o esporte e cursos da área da saúde. Porto Alegre: Artmed, 2005.

PEIXOTO, M. R. G. et al. Circunferência da Cintura e Índice de Massa Corporal como Preditores da Hipertensão Arterial. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, n.87, p.462-470, 2006.

RODRIGUEZ-AÑEZ, C. R. Antropometria e sua aplicação na ergonomia. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desenvolvimento Humano, v.3, n.1, p.102-108, 2001.

ROEBUCK, J. A. Anthropometric methods: Designing to fit the human body. Santa Monica: Human Factors end Ergonomics Society, 1993.

SANTOS, C. G. DOS; OLIVEIRA, G. I. C. DE. O (IN)SUCESSO ESCOLAR NOS TEARES DOS REGISTROS ESCOLARES. Cenas Educacionais, v. 1, n. 1, p. 321-334, 14 jul. 2018.

SILVA Júnior, A. P. et al. Autonomia e Educação Física: uma perspectiva à luz do ideário da promoção da saúde. Revista Conexões, v.4, n.1, 2006. P.13-29

SOARES, C. L. Do corpo, da Educação Física e das muitas histórias. Movimento, v.9, n.3, p.125-147, 2003

SOARES, C. L. Educação Física: Raízes Européias e Brasil. 3 ed. Campinas: Autores Associados, 2004.

SOBRAL, F. Perfil Morfológico e Prestação Desportiva: estudo antropométrico do desportista de alto nível de rendimento. 1981. 270f. Tese (Doutorado em Educação Física), Instituto Superior de Educação Física, Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa, 1981.

WERTHEIN, J.; CUNHA, C. Fundamentos da nova educação. 2a imp. Brasília: UNESCO, 2005.

Publicado
2019-06-30
Métricas
  • Visualizações do Artigo 1614
  • ♪Áudio♪ downloads: 36
Como Citar
Mussi, R. F. de F., José, H. P. M., Azevedo, D. P. de, Amorim, A. M. de, & Petroski, E. L. (2019). O ENSINO DA ANTROPOMETRIA NA ESCOLA: UMA PROPOSTA NA EDUCAÇÃO EM SAÚDE. Cenas Educacionais, 2(1), 14-28. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/6296
Seção
Dossiê temático

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##