MEMÓRIAS SUBTERRÂNEAS EM CRÔNICAS DE ENEIDA

Palavras-chave: Eneida. Memória Subterrânea. Resistência Política.

Resumo

Este artigo é parte de um programa de pesquisa que estuda e desenha Cartografias Poéticas da Amazônia, desenvolvido no Núcleo de Pesquisa Culturas e Memórias Amazônicas. A composição deste traço do mapa compreende o estudo das memórias subterrâneas presente em crônicas da escritora paraense Eneida de Moraes. De cunho bibliográfico e qualitativo, a pesquisa discorre acerca das principais concepções de memória, dentre elas a memória subterrânea, referente aos excluídos e marginalizados socialmente. As memórias trazidas nas crônicas denunciam os abusos da política brasileira dos anos 30 do século XX, as injustiças sociais ocorridas no período da ditadura militar e as prisões vividas pela escritora e seus companheiros. Desta forma, o estudo das poéticas nos permite compreender a memória coletiva da sociedade no período do Estado Novo, ter consciência dos acontecimentos que norteiam o tempo presente, e, assim, projetar perspectivas para o futuro. Compreende-se, então, o papel social da literatura, o que passou despercebido pela memória oficial, vem à tona no texto memorialístico, que fala de assuntos relacionados aos traumas, torturas e prisões enfrentados pelos opositores ao governo de Getúlio Vargas. O presente texto recorta do trabalho maior a apresentação de crônicas dos livros Aruanda e Banho de Cheiro e divide-se em duas partes: a primeira apresenta traços biográficos da vida da escritora, essenciais para a compreensão da obra, e a segunda conta sobre as memórias referidas em crônicas da escritora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Evelim Mendes dos Santos, Universidade do Estado do Pará

Graduada em Letras. Integrante do Núcleo de Pesquisas Culturas e Memórias Amazônicas, participando da linha de pesquisa Poéticas Orais.

Josebel Akel Fares, Professora no Porgrama de Pós-Graduação em Educaçãoda da Universidade do Estado do Pará.

Pós-Doutora. Doutora em Comunicação e Semiótica. Mestra e Licenciada em Letras. Coordena o Núcleo e o Grupo de pesquisa Culturas e Memórias Amazônicas(CUMA); participa do Centro de Estudos da Oralidade; e, do Estudos de Narrativas na Amazônia.

Referências

ANSARA, Soraia. Políticas de memória x políticas do esquecimento: possibilidades de desconstrução da matriz colonial. Psicologia política. São Paulo, n.24, v.12, p.297-311, maio – ago, 2012. Disponível em:< http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rpp/v12n24/ v12 n24a08.pdf >Acesso em: 27 abr. 2017.

CAETANO DOS SANTOS, Robson. Escudo de Perseu: as estratégias de narrar o trauma nas crônicas de Eneida de Moraes sobre a ditadura de Getúlio Vargas. Revista ContraPonto, Belo Horizonte, n.7, v.5, p.129-142, 2º sem. 2015. Disponível em: <http://periodicos.pucminas.br/index.php/contraponto/article/view/11162 > Acesso em: 10 mar. 2017.

ENEIDA. Cão da madrugada. 2.ed. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1955.

____. Caminhos da terra: URSS, Tchecoslováquia. China. Rio de Janeiro: Antunes Livreiros e Editores, 1959.

____. Eneida: depoimento [1967]. Entrevistadores: Dalcídio Jurandir e Miécio Tatti. João Carlos Pereira, organizador. Belém: Unama, 2006.

____. Aruanda / Banho de cheiro. Belém: SECULT; FCPTN, 1989.

FARES, Josse. Eneida, o matiz social num tecido de lirismo. In: Asas da Palavra – Revista de Letras. Belém: Unama, 1993.

____. De Porongas, cestos e palavras: vozes de ensinar e aprender. Belém: s/e., 2012.

GUTIERREZ, Maria Veneranda. Eneida Mulher... In: Asas da Palavra – Revista de Letras. Belém: Unama, 1993.

MOURA, Lucyrene Aranha. Viajando com a linguagem de Eneida. In: Asas da Palavra – Revista de Letras. Belém: Unama, 1993.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Maio de 1968: os silêncios da memória. In: Papel da Memória. Pierre Achard et al. Tradução e introdução José Horta Nunes. Campinas, São Paulo: Pontes, 1999.

____. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 6.ed. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2007.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silencio. Tradução de Dora Rocha Flaksman. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v.2, n.3, 1989, p.3-15.

SANTOS, Eunice Ferreira dos. Eneida de Moraes: militância e memória. In: Em tese. Portal de periódicos da faculdade de Letras da UFMG. Belo Horizonte, v.9, p.99-106, dez. 2005. Disponível

em: <http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index. php/ emtese /article/view/3539 >. Acesso em:

maio. 2017.

____. Eneida de Moraes: Tons e Semitons do Exílio. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero 7: Gênero e Preconceitos. Universidade Federal de Santa Catarina, 28, 29 e 30 de agosto de 2006. Disponível em: < http://www.fazendogenero.ufsc.br/7/

artigos/E/Eunice_Ferreira_dos_Santos_19.pdf > Acesso em: 01 out.2017.

____. Nas tramas da memória: a cronista e militante Eneida de Moraes. In: Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, nº. 32. Brasília, julho-dezembro de 2008, p. 69-76. Disponível em:

http://periodicos.unb.br/index.php/ estudos/article/view/1999 > Acesso em: 14 maio. 2017.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. História, Memória, Literatura: o testemunho na era das catástrofes. Campinas, SP: Editora UNICAMP, 2003.

Publicado
2018-07-14
Métricas
  • Visualizações do Artigo 186
  • ♪Áudio♪ downloads: 2
Como Citar
Santos, E. M. dos, & Fares, J. A. (2018). MEMÓRIAS SUBTERRÂNEAS EM CRÔNICAS DE ENEIDA. Cenas Educacionais, 1(1), 271-296. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/5147
Seção
Artigos (Fluxo Contínuo)