JOGAR FUTEBOL COMO UMA GAROTA: RELAÇÕES COM O SABER E OS ESTUDOS DE GÊNERO

Palavras-chave: Jogar, Futebol, Meninas

Resumo

Traçando uma analogia entre o fracasso escolar problematizado por Bernard Charlot e o fracasso esportivo de meninas no futebol, nesse ensaio, refletimos sobre as aproximações e tensões teóricas entre os escritos desse autor e os estudos pós estruturalistas de gênero. Argumentamos que esse diálogo, além de contribuir para a reflexão sobre as influências das relações de gênero para as relações com o saber, é bastante profícuo, já que ambas as perspectivas enfocam a problemática da agência, sem, no entanto, renunciar à enunciação das interpelações políticas, normativas e institucionais.  Para desenvolver essa argumentação, primeiramente, apresentamos os discursos culturais acerca do futebol praticado por meninas e mulheres no Brasil, evidenciando e problematizando a forma como eles colocam-nas em situação de fracasso esportivo. Em seguida, fazemos um breve incurso de aproximação entre as relações de gênero e o aprender. Em terceiro lugar, apresentamos uma problematização ao “fracasso esportivo”, com base nas reflexões de Charlot, atravessadas pelo referencial dos estudos de gênero, buscando indagar questões ligadas às relações de sentido e de mobilização como forma de fazer gênero. Em quarto lugar, apresentamos um argumento alternativo ao fracasso esportivo, evidenciando as relações de sentido e de mobilização como forma de performatizar gênero. E por fim, trazemos a ideia de aprender como incorporação. Assim, buscamos frisar a importância de construir espaços plurais de participação no futebol, para que frente aos discursos culturais que o caracterizam como uma atividade de contato, agressiva e perigosa para meninas, elas sejam capazes de tensionar, transgredir e fazer “gênero”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruna Saurin Silva, Doutoranda em Educação Física pela Universidade Federal do Espírito Santo - Brasil

Mestra em Educação Física. Professora na Faculdade Multivix. Integrante do Grupo de Estudo em Gênero e Esporte.

Mariana Zuaneti Martins, Docente no Programa de Pós-Graduação em Educação Física da Universidade Federal do Espírito Santo - Brasil

Doutora em Educação Física na Universidade Estadual de Campinas. Coordenadora do Grupo de Estudo em Gênero e Esporte.

Referências

ALTMANN, H. Rompendo Fronteiras de Gênero: Marias (e) homens na Educação Física. 1998. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1998.

BETTI, M.; MAFFEI, W. S.; SO, M. R.; USHINOHAMA, T. Z. Os saberes da Educação Física na perspectiva de alunos do Ensino Fundamental: o que aprendem e o que gostariam de aprender. Revista Brasileira de Educação Física Escolar, v.1, n.1, p.155–165, 2015.

BETTI, M.; USHINOHAMA, T. Z. Os saberes da Educação Física nas perspectivas dos alunos: panorama da literatura e uma proposta de investigação a partir da ‘teoria da relação com o saber’. Revista Pulsar, v.6, n.4, p.1–18, 2014.

BUTLER, J. Gender regulations. Cadernos Pagu, n.42, p.249–274, 2014.

BUTLER, J. Os atos performativos e a constituição do gênero: um ensaio sobre fenomenologia e teoria feminista. Cadernos de leituras, 1988.

BUTLER, J. Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 2018.

CASTELLANI FILHO, L. Educação física no Brasil: a história que não se conta. Campinas: Papirus Editora, 1988.

CHARLOT, B. A relação com o saber e a discriminação de gênero na escola. In: MARRERO, A.; MALLADA, N. La universidad transformadora: elementos para una teoría sobre Educación y Género. Montevideo: FCS-UR-CSIC, 2009. p. 161-174.

CHARLOT, B. Da relação com o saber: Elementos para uma Teoria. Ensaios, v. 4, 2000.

CHARLOT, B. Relação com o saber e com a escola entre estudantes de periferia. Cadernos de pesquisa, n. 97, p. 47-63, 1996.

CHARLOT, B. Da relação com o saber às práticas educativas. São Paulo: Cortez Editora, 2016.

DAOLIO, J. Jogos esportivos coletivos: dos princípios operacionais aos gestos técnicos-modelo pendular a partir das idéias de Claude Bayer. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v.10, n.4, p.99–104, 2008.

DORNELLES, P. G. Marcas de gênero na Educação Física escolar: a separação de meninos e meninas em foco. Motrivivência, n. 37, p. 12–29, 2011.

FIFA. (2014). Women's Football Survey 2014. https://resources.fifa.com/image/upload/fifa-women-s-football-survey-2522649.pdf?cloudid=emtgxvp0ibnebltlvi3b

GOELLNER, S.V. A Educação Física e a construção do corpo da mulher: imagens de feminilidade. Motrivivência, n. 16, 2001.

GOELLNER, S. V. Mulheres e futebol no Brasil: entre sombras e visibilidades. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v.19, n.2, p.143-151, 2005.

JACO, J. F. Educação Física escolar e gênero: diferentes maneiras de participar das aulas. 2012. 120f. 2012. Dissertação (Mestrado em Educação Física). Faculdade de Educação Física. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2012.

LESSA, P. Mulheres, corpo e esportes em uma perspectiva feminista. Motrivivência, n.24, p.157-172, 2005.

LEWIS, R.; SAHARP, E.; REMNANT, J. REDPATH, R. ‘Safe spaces’: experiences of feminist women-only space. Sociological Research Online, v.20, n.4, p.105-118, 2015.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação. Petrópolis: vozes, 1997.

MARTINS, M. Z.; SILVA, K. R. S.; VASQUEZ, V. As mulheres e o país do futebol: intersecções de gênero, classe e raça no Brasil. Movimento, n.27, p.e27006, 2021.

MESSNER, M. A. Out of play: critical essays on gender and sport. Albany: State University of New York Press, 2007.

MEYER, D. E. Teorias e políticas de gênero: fragmentos históricos e desafios atuais. Revista brasileira de enfermagem, v.57, n.1, p.13-18, 2004.

OLIVER, K. L.; KIRK, D. Towards an activist approach to research and advocacy for girls and physical education. Physical Education and Sport Pedagogy, v.21, n.3, p.313-327, 2014.

OLIVER, K. L.; HAMZEH, M.; MCCAUGHTRY, N. Girly Girls Can Play Games / Las Niñas Pueden Jugar Tambien: Co-Creating a Curriculum of Possibilities with Fifth-Grade Girls. Journal of Teaching in Physical Education, v.28, n.1, p.90-110, 2009.

PAES, R. R.; MONTAGNER, P. C.; FERREIRA, H. B. Pedagogia do esporte: iniciação e treinamento em basquetebol. Rio de Janeiro: Koogan, 2009.

PISCITELLI, A. Gênero: a história de um conceito. In: ALMEIDA, H. B.; SZWAKO, J. E. (Org.). Diferenças, igualdade. São Paulo: Berlendis & Vertecchia, 2009. p. 118-146.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, v.20, n.2, 1995.

SILVA, B. S. Relações e sentidos construídos por meninas em um Contexto de ensino- aprendizagem-treinamento do Futebol. 2020. Dissertação (Mestrado em Educação Física) Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2020.

SILVEIRA, V. T.; VAZ, A. F. Doping e controle de feminilidade no esporte. Cadernos Pagu, n.42, p.447-475, 2014.

SO, M. R.; BETTI, M. Sentido, mobilização e aprendizagem: as relações dos alunos com os saberes das lutas nas aulas de Educação Física. Movimento, v.24, n.2, p.555-568, 2018.

SO, M. R.; MARTINS, M. Z.; BETTI, M. As relações das meninas com os saberes das lutas nas aulas de Educação Física. Motrivivência, v.30, n.56, p.29-48, 2018.

SOUZA, A. C. F.; MARTINS, M. Z. O paradoxo da profissionalização do futsal feminino no Brasil: entre o esporte e outra carreira. Pensar a Prática, v.21, n.1, 2018.

UCHOGA, L. A. R. Educação física escolar e relações de gênero: Risco, confiança, organização e sociabilidades em diferentes conteúdos. 2012. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2012.

UCHOGA, L. A. R.; ALTMANN, H. Educação física escolar e relações de gênero: diferentes modos de participar e arriscar-se nos conteúdos de aula. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v.38, p.163-170, 2016.

VENÂNCIO, L. O que nós sabemos? Da relação com o saber na e com a educação física em um processo educacional-escolar. 2014. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2014.

VIANA, A. E. S. As relações de gênero em uma escola de futebol: quando o jogo é possível. 2012. Tese (Mestrado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2012.

WENETZ, I.; STIGGER, M. P. A construção do gênero no espaço escolar. Movimento, v.12, n.1, p.59-80, 2007.

Publicado
2022-01-05
Métricas
  • Visualizações do Artigo 51
  • ♪Áudio do resumo♪ downloads: 8
Como Citar
Silva, B. S., & Martins, M. Z. (2022). JOGAR FUTEBOL COMO UMA GAROTA: RELAÇÕES COM O SABER E OS ESTUDOS DE GÊNERO. Cenas Educacionais, 5, e11860. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11860
Seção
Dossiê temático - INTERSECCIONALIDADES ÉTNICO-RACIAIS, DE GÊNERO E RELAÇÃO COM O