Estágio Curricular Supervisionado na Pandemia da Covid-19: (Re) pensando a formação inicial do professor de Matemática

Palavras-chave: Estágio Curricular Supervisionado. Pandemia da COVID-19. Formação Inicial de Professores de Matemática.

Resumo

A pandemia da Covid-19 ocasionou mudanças em toda a sociedade, inclusive nas instituições de ensino. Este artigo apresenta a (re) organização do Estágio Curricular Supervisionado, da Licenciatura em Matemática da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) – campus Foz do Iguaçu, frente a esta realidade. A questão que norteia nossas reflexões é: Como o Estágio Curricular Supervisionado do curso de Licenciatura em Matemática, na UNIOESTE, se desenvolveu frente à pandemia da Covid-19? Para tanto, se apresenta uma pesquisa de abordagem qualitativa cujos procedimentos advêm da investigação bibliográfica e documental na qual analisa: a) Projeto Pedagógico do Curso (PPC); b) Regulamento de estágio; c) Planos de Ensino das disciplinas de Estágio I e II do ano letivo de 2020; d) Relatórios Finais dos alunos que realizaram o estágio no referido ano; e) Atas da reunião de Colegiado do Curso de Matemática do ano de 2020. A partir da análise dos dados, evidencia mudanças nas seguintes atividades que compõem o estágio curricular obrigatório: observação e/ou participação, regência e projeto, bem como na estrutura das aulas (síncronas/assíncronas) desenvolvidas, pois foram utilizadas plataformas de aprendizagem para a ocorrência das interações. Outras constatações referem-se às alterações dos trâmites legais que regulamentaram a realização dos estágios e que desencadearam mudanças na escolha das instituições de ensino para a realização do estágio, uma vez que os acadêmicos não puderam escolher a instituição como ocorria no ensino presencial. Enfim, para o desenvolvimento do estágio na conjectura pandêmica houve uma (re) organização em todas as atividades supracitadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Susimeire Vivien Rosotti de Andrade, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Campus de Foz do Iguaçu

icenciada em Matemática pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE (2001), Mestre em Educação para a Ciência e a Matemática pela Universidade Estadual de Maringá - UEM (2012) e Doutora em Educação Matemática pela Universidade Federal do Mato Grosso do Sul - UFMS (2020). Foi professora da Rede Estadual de Ensino, vinculada ao Núcleo regional de Educação de Foz do Iguaçu/PR, e da Rede Municipal de Ensino. Atualmente é Professora da Área de Educação Matemática, do Centro de Engenharias e Ciências Exatas-Campus Foz do Iguaçu da UNIOESTE, do curso de Licenciatura em Matemática no qual, é membro do colegiado e coordenadora do Estágio Supervisionado obrigatório do curso. Integrante do corpo docente do Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Ensino (PPGEn) da UNIOESTE. Atua em ações de extensão voltadas a formação de professores de matemática sendo coordenadora do Programa de extensão integrando os alunos do curso em Licenciatura em Matemática à comunidade e líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Matemática e Trabalho Docente (GEPEMTD). Tem experiência na área de Educação, com destaque em Educação Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio, Processos de ensino-aprendizagem-desenvolvimento, Trabalho docente, Formação de professores de matemática e Políticas educacionais. Membro da Sociedade Brasileira de Educação Matemática-SBEM e da Associação Nacional de Pós-Graduação em Educação-ANPED

Richael Silva Caetano, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Campus de Foz do Iguaçu

Doutor em Educação Para A Ciência pela UNESP-Bauru (2019), na área de Educação Matemática, cuja pesquisa investigou as possibilidades e os limites de um Grupo de Estudo - embasado na Epistemologia Genética e em estudos sobre a Formação de Professores - à Formação Inicial do professor que ensina Matemática nos anos iniciais do Ensino Fundamental. Mestre em Educação Para A Ciência pela UNESP-Bauru (2009) cujo objeto de estudo visou investigar a relação entre o discurso e a prática docente dos professores de 1.ª a 4.ª série do Ensino Fundamental concernentes à apropriação e difusão do construtivismo piagetiano no ensino de Matemática. Licenciado em Matemática pela UNESP-Bauru (2006), Ensino-Técnico na Modalidade Nível Médio - em Magistério pelo CEFAM - Bauru (2003). Atuou (nos anos de 2004 e 2005) no CEFAM-Bauru ministrando curso referente aos seguintes tópicos: Didática da Matemática nas séries iniciais do Ensino Fundamental, Ensino-Aprendizagem. Em 2006, sob a orientação do Prof. Dr. Nelson Antonio Pirola, desenvolveu pesquisa de iniciação científica cujas áreas de maior interesse foram: Psicologia da Educação Matemática, Teorias Educacionais, Ensino-Aprendizagem da Matemática, Formação de Professores. Concluiu em 2006 o Curso LETRA E Vida - Aperfeiçoamento em Alfabetização da SEE-SP/CENP. Atuou de fevereiro de 2006 a março de 2011 como Professor Efetivo de Educação Básica I (PEB I) na E.E. Profª. Marta Aparecida Hjertquist Barbosa pertencente à Diretoria de Ensino da Região de Bauru. Com relação à Matemática possui experiência com os seguintes tópicos: Fundamentos da Matemática Elementar, Geometria Bi e Tri-dimensional, Cálculo Diferencial e Integral, Geometria Descritiva. Atuou, durante o 1 semestre letivo dos anos de 2010 e 2012 e no 2 semestre letivo do ano de 2011, como Professor Bolsista pelo Departamento de Educação - FC/UNESP-Bauru, ministrando disciplinas pedagógicas aos cursos de Licenciatura em Matemática e Pedagogia e de Metodologia Científica ao curso de Bacharelado em Ciência da Computação. Atuou, durante o 1 semestre letivo do ano de 2011, como Professor Substituto pelo Departamento de Educação - FC/UNESP-Bauru, ministrando disciplinas pedagógicas aos cursos de Licenciatura em Pedagogia e Matemática. Atuou (compreendendo o período de fevereiro de 2013 a março de 2014) como Orientador Educacional de Matemática na empresa MSTECH Educação e Tecnologia, Bauru, no qual desenvolveu conteúdos de Matemática a serem abordados no Ensino Fundamental e Médio, bem como ministrou Formação Continuada a professores da rede municipal de São Paulo. Coordenador e autor do Currículo Comum - área disciplinar Matemática - a ser implantado na Rede Municipal de Ensino de Bauru (SP) abrangendo o Ensino Fundamental (1 ao 9 ano).

Renata Camacho Bezerra, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Campus de Foz do Iguaçu

Licenciada em Matemática pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1997) Campus de Presidente Prudente/SP, mestre em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2000) Campus de Rio Claro/SP e doutora em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2017) Campus de Presidente Prudente/SP. Atualmente é professora adjunto da Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE Campus de Foz do Iguaçu/PR e leciona nos cursos de Licenciatura em Matemática e na pós graduação Stricto Sensu em Tecnologias, Gestão e Sustentabilidade - Nível de Mestrado Profissional. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: lesson study, formação de professores, tendências em educação matemática, metodologias de ensino, metodologia de pesquisa, tecnologias no ensino, didática, estágio e prática de ensino.

Referências

BRASIL. Lei Federal n.º 13.979/2020. Dispõe sobre as medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus responsável pelo surto de 2019. Publicada em 12. mar. 2021.

BRASIL. Resolução nº 1/2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília, 18 de fevereiro de 2002. Brasília, 2002. Disponível em < http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_02.pdf > Acessado em 29 mar. 2017.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº 2, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Disponível em <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf&category_slug=agosto-2017-pdf&Itemid=30192 >. Acessado em 29 mar. 2017.

CARVALHO, M. Estágio na Licenciatura em Matemática: observações nos anos iniciais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

ESTRELA, A. Teoria e Prática de Observação de Classes: uma estratégia de formação de professores. 4. ed. Portugal: Porto Editora, 2008.

LIMA, M. S. L. Estágio e aprendizagem da profissão docente. Brasília: Liber Livro, 2012.

PARANÁ. UNIOESTE. Resolução CEPE nº127 de 22 de maio de 2014. Aprova o regulamento das disciplinas de Estágio Supervisionado I e II do curso de Matemática, do campus de Foz do Iguaçu, 2014. Disponível em < http://www.unioeste.br/servicos/arqvirtual/arquivos/1272014-CEPE.pdf >. Acessado em 12.jan. 2021.

PARANÁ. UNIOESTE. Resolução nº 220/2016-CEPE Projeto Pedagógico de curso de Matemática – Licenciatura de curso de Matemática, do campus de Foz do Iguaçu, 2016. Disponível em < http://www.unioeste.br/servicos/arqvirtual/arquivos/2202016-CEPE.pdf > Acessado em: 12. jan. 2021.

PARANÁ. UNIOESTE. Resolução Nº 74/2020-CEPE. Regulamenta as atividades de ensino remoto, em caráter excepcional, nos cursos de graduação presenciais da Unioeste, durante a suspensão das atividades acadêmicas letivas presenciais, determinadas pelo Ato Executivo nº 21/2020-G RE. Disponível em < https://midas.unioeste.br/sgav/arqVrtConteudo/download?arqCntCodigo=207601>. Acessado em: 12. jan. 2021.

PARANÁ. Decreto Estadual n. 4.320/2020. Dispõe sobre as medidas para enfrentamento da

emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do Coronavírus –

COVID-19. Publicado em 16 mar. 2020.

PARANÁ. Decreto Estadual nº 4.312/2020. Concede licença especial, de acordo com o art. 4º da Lei Complementar n. 217 de 22 de outubro de 2019, conforme especifica. Publicado em

mar. 2020.

PARANÁ. Lei Estadual nº 20.189/2020. Obriga, no Estado do Paraná, o uso de máscaras enquanto perdurar o estado de calamidade pública em decorrência da pandemia do coronavírus SARS-Cov-2, e adota outras providências. Publicada em 28 abr. 2020.

PIMENTA, S. G.; Lima, M. S. Estágio e Docência. 6. ed. São Paulo: Cortez. 2011.

PIMENTA, S. G. Em defesa de um ensino público e com qualidade. Entrevista concedida NONATO, C. Selma Garrido Pimenta: em defesa de um ensino público e com qualidade. Comunicação & Educação, São Paulo, v. 21, n. 1, p. 97-107, jan./jun. 2016. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/comueduc/article/view/111520/112713 >. Acesso em: 02 out. 2017.

PIMENTA, S. G.; ALMEIDA, M. Docência Universitária: passos de um percurso formativo. I. In: PIMENTA, S. G.; ALMEIDA, M. I. de (org.). Pedagogia Universitária: caminhos para a formação de professores. São Paulo: Cortez, 2011. p.7-16.

SAVIANI, D. Breves considerações sobre fontes para a história da educação. In: LOMBARDI, J. C.; NASCIMENTO, M. I. M. (org.). Fontes, História e Historiografia da Educação. Campinas: Autores Associados, 2004. p. 1-12.

Publicado
2021-12-07
Métricas
  • Visualizações do Artigo 314
  • PDF (PORTUGUÊS) downloads: 107
Como Citar
Rosotti de Andrade, S. V., Silva Caetano, R., & Camacho Bezerra, R. (2021). Estágio Curricular Supervisionado na Pandemia da Covid-19: (Re) pensando a formação inicial do professor de Matemática. Revista Baiana De Educação Matemática, 2(01), e202122. https://doi.org/10.47207/rbem.v2i01.12397
Seção
Dossiê Temático - O Estágio Curricular Supervisionado em Matemática