Estágio Supervisionado na formação inicial do docente de matemática no contexto do ensino remoto: reflexões sobre a experiência do Instituto Federal de Brasília - Campus Estrutural

Palavras-chave: Estágio Supervisionado., Ensino Remoto., Matemática., Pandemia.

Resumo

O presente relato de experiência é resultado de uma reflexão sobre a oferta das disciplinas de Estágio Supervisionado na Licenciatura em Matemática do Instituto Federal de Brasília - Campus Estrutural no contexto do ensino remoto. O ensino remoto debatido neste relato ocorreu nos anos de 2020 e 2021 devido à crise sanitária provocada pelo coronavírus (COVID-19). Em virtude dessa pandemia, as aulas presenciais foram suspensas, na maior parte das escolas brasileiras, sendo adotado o ensino remoto. Ao longo do relato será descrito como foi a oferta das disciplinas de estágio supervisionado II e III no referido curso e serão debatidos seus impactos e desafios. O desenho estrutural do relato de experiência se deu inicialmente por uma pesquisa bibliográfica, também foi realizada uma pesquisa exploratória e descritiva, de forma a compreendermos a importância do Estágio Supervisionado na formação inicial de professores e contextualizarmos a temática no ensino remoto, além de apresentarmos percepções dos vários atores envolvidos na execução do Estágio Supervisionado em formato remoto. Assim, realizou-se o levantamento de informações em documentos oficiais norteadores da formação de professores, portarias ou resoluções recentes correlatas ao ensino remoto, atas de Colegiado, Planos de Trabalho do Estágio supervisionado, Relatórios de Frequência, Fichas de Avaliação, formulários específicos do componente curricular, diários de classe, apresentação dos trabalhos dos alunos da disciplina, dentre outros. Foram analisados os dados das referidas turmas referentes aos semestres de 2020.1, 2020.2 e 2021.1, sendo 14 alunos de Estágio II e 13 alunos de Estágio III.  Alguns alunos da Licenciatura em matemática destacaram que foi uma experiência interessante, pois aprenderam bastante quanto ao uso de tecnologias no ensino de matemática, outros alunos citaram, nas aulas de estágio e nos relatórios, o quanto aprenderam durante esse período de estágio supervisionado sobre o uso de diversas possibilidades tecnológicas e estratégias relacionadas ao ensino de matemática. Ressalte-se, ainda, que diversos graduandos relataram dificuldades referente a realização dos estágios, os desafios foram vários, tendo que improvisar espaços de estudo, enfrentando problemas de conexão e de ruídos, desmotivação, dentre outros fatores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Campos Sabino de Souza, IFB

Possui Licenciatura em Matemática e é mestra em Educação pelo Programa de Pós Graduação em Educação - PPGE, da Universidade de Brasília - UnB, Linha de Pesquisa: Educação em Ciências e Matemática, com estudos focados na área de Avaliação Matemática e Resolução de Problemas. Docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília - IFB, Campus Estrutural. Tem experiência na área da Educação Matemática nos níveis fundamental e médio, com crianças, jovens e adultos, técnico e superior. Foi coordenadora do curso de Licenciatura em matemática do IFB e é atual coordenadora pedagógica do IFB - Campus Estrutural.

Wembesom Mendes Soares, Instituto Federal de Brasília (IFB)

Professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Instituto Federal de Brasília (IFB) desde 2018. Atualmente, preside o Núcleo Docente Estruturante da Licenciatura em Matemática. É Licenciado, Mestre e Doutor (Probabilidade) em Matemática pela Universidade de Brasília (Programa nota 7 na CAPES), com segunda área em Análise. Foi Professor Titular nos departamento de Engenharia Civil e Engenharia da Computação do Centro Universitário de Brasília (UniCeub) e, também, Professor Substituto na Universidade de Brasília. Atualmente executa Projetos de Pesquisa e Extensão nas áreas de Formação de Professores da Educação Básica, Metodologias ativas e Tecnologias Educacionais. Também desenvolve e orienta pesquisas nas temáticas: Itinerários formativos do Ensino Médio, BNCC, Teoria assintótica de Estatísticas extremais, Convergência em Distância Mallows e Distribuições Estáveis.Professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Instituto Federal de Brasília (IFB) desde 2018. Atualmente, preside o Núcleo Docente Estruturante da Licenciatura em Matemática. É Licenciado, Mestre e Doutor (Probabilidade) em Matemática pela Universidade de Brasília (Programa nota 7 na CAPES), com segunda área em Análise. Foi Professor Titular nos departamento de Engenharia Civil e Engenharia da Computação do Centro Universitário de Brasília (UniCeub) e, também, Professor Substituto na Universidade de Brasília. Atualmente executa Projetos de Pesquisa e Extensão nas áreas de Formação de Professores da Educação Básica, Metodologias ativas e Tecnologias Educacionais. Também desenvolve e orienta pesquisas nas temáticas: Itinerários formativos do Ensino Médio, BNCC, Teoria assintótica de Estatísticas extremais, Convergência em Distância Mallows e Distribuições Estáveis.

Referências

BEHAR, Patrícia Alejandra. O ensino remoto emergencial e a educação a distância. Coronavírus, UFRGS, 06 de julho de 2020. Disponível em: <https://www.ufrgs.br/coronavirus/base/artigo-o-ensino-remoto-emergencial-e-a-educacao-a-distancia/>. Acesso em: 29 de julho de 2021.

BOLZAN, Dóris P. V. A construção do conhecimento pedagógico compartilhado na formação de professores. In FREITAS, Deisi S. (org.). Ações educativas e estágios curriculares supervisionados. Santa Maria: Ed. UFSM, 2007.

BOVO, Audria Alessandra. Formação continuada de professores de matemática para o uso da informática na escola: tensões entre proposta e implementação. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas. 2004. Disponível em: <http://hdl.handle.net/11449/91127>. Acesso em: 29 de julho de 2021.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. PARECER CNE/CP Nº: 5/2020. Distrito Federal: Ministério da Educação, 28 abr. 2020a.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 544, de 16 de junho 2020. Brasília: DOE nº 114, 17 de jun., 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Portaria nº 234, Resolução CNE nº 2, de 20 de dezembro de 2019 . Brasília: CNE, DOE nº 28, 10 de fev., 2020b.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 2.117, de 06 de dezembro de 2019. Brasília: DOE nº 239, 11 de dez., 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE n. 2, de 1 de julho de 2015. Brasília: CNE, 2015.

MARIN, Douglas. Professores de matemática que usam a tecnologia de informação e comunicação no ensino superior. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, 2009. Disponível em: <http://hdl.handle.net/11449/91117>. Acesso em: 29 de julho de 2021.

PRENSKY, Marc. O papel da tecnologia no ensino e na sala de aula. CONJECTURA: filosofia e educação, v. 15, n. 2, 2010.

SANTOS, Gislaina Rayana Freitas. ENSINO DE MATEMÁTICA: CONCEPÇÕES SOBRE O CONHECIMENTO MATEMÁTICO E A RESSIGNIFICAÇÃO DO MÉTODO DE ENSINO EM TEMPOS DE PANDEMIA. Culturas & Fronteiras, v. 2, n. 2, p. 40-57, 2020.

SCALABRIN, I. C.; MOLINAR, A. M. C. A importância da prática do estágio supervisionado nas licenciaturas. Revista Unar, Vol 7, n 1, 2013.

STAHL, L. R. SANTOS, F. dos. O estágio nos cursos de licenciatura: reflexões sobre as práticas docentes. In IX Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul - IX ANPED SUL, 2012.

Publicado
2021-12-07
Métricas
  • Visualizações do Artigo 227
  • PDF (PORTUGUÊS) downloads: 106
Como Citar
Souza, J. C. S. de, & Soares, W. M. (2021). Estágio Supervisionado na formação inicial do docente de matemática no contexto do ensino remoto: reflexões sobre a experiência do Instituto Federal de Brasília - Campus Estrutural. Revista Baiana De Educação Matemática, 2(01), e202134. https://doi.org/10.47207/rbem.v2i01.12375
Seção
Dossiê Temático - O Estágio Curricular Supervisionado em Matemática