Oficinas de Matemática no Projeto Social Cata-Vento: uma prática em Educação Não Formal

uma experiência em Educação Não Formal

Palavras-chave: Estágio Supervisionado. Educação não formal. Oficinas de Matemática.

Resumo

A educação não formal caracteriza-se por promover uma aprendizagem que ocorre de modo coletivo, de forma colaborativa, com centralidade em aspectos sociais. O componente curricular Estágio Supervisionado IV prevê uma aproximação dos futuros professores de matemática com espaços de educação não formal. Assim, realizamos oficinas de matemática em um espaço de ação social que atende a crianças carentes que frequentam a escola formal em um dos turnos e participam de atividades diferenciadas no Projeto de Ação Social Cata - Vento, em diferentes bairros da periferia da cidade. O objetivo do trabalho foi mobilizar conceitos e procedimentos matemáticos em atividades lúdicas e desafiadoras, como jogos e uso de materiais manipuláveis a fim de estimular o interesse, a curiosidade e o espírito de investigação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ademaria da Silva Araújo, Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB)

Licenciada em Matemática

Poliano Nobre Souza, Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB)

Licenciando em Matemática.

Ana Maria Porto Nascimento, Universidade Federal do Oeste da Bahia

Licenciada em Matemática. Especialista em Metodologia do Ensino Superior. Mestre em Educação. Doutora em Educação pela Universidade de Brasília - Pesquisadora na área de Educação Matemática. Tem experiência profissional: 1) na Educação Básica como docente de matemática e coordenadora de área em escolas públicas e particulares; 2) no Ensino Superior como docente nos Cursos de Licenciatura em Matemática e Pedagogia e Coordenadora do Curso Normal Superior; 3) na pós-graduação como docente dos cursos de Especialização em Educação Matemática, Psicopedagogia e Metodologia do Ensino Superior; 4) Em cursos de formação de professores atuantes em Educação de Jovens e Adultos, Programa Aja Bahia e Brasil Alfabetizado; 5) Desenvolve consultorias nas áreas de formação de professores em cursos de atualização promovidos pelas Secretarias Municipais de Educação da Região Oeste da Bahia. 5) Coordenou o Laboratório de Educação Matemática do Campus IX da UNEB; 6) Participa como pesquisadora colaboradora do Núcleo de Educação Infantil da UNEB 7) Colaborou na pesquisa proposta pelo Grupo de Pesquisa em Educação Matemática, Estatística e em Ciências ? GPEMEC/UESC sobre o domínio das Estruturas Aditivas, financiado pela FAPESB, realizado em nove regiões do Estado da Bahia. 8) Atuou no Programa PROLETRAMENTO como coordenadora pedagógica da área de Matemática na formação de professores do Estado da Bahia, coordenado pela UNEB - Campus IX - Barreiras. 9)Professora de Matemática na Universidade Federal do Oeste da Bahia e coordena o projeto de pesquisa e extensão Aprender e Ensinar Matemática nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, desenvolvido junto as escolas de Ensino Fundamental da rede municipal de ensino de Barreiras - Bahia, colaborando na reformulação da Proposta Curricular para os Anos Iniciais do Ensino Fundamental de Nove Anos.10) Atuou como formadora dos tutores na área de Matemática no Programa de Formação do PNAIC-Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa, no Distrito Federal.11) Membro dos seguintes Grupos de Pesquisa: Grupo de Estudo e Pesquisa em Matemática e Ensino de Matemática - UFOB; Grupo de Investigação em Educação Matemática da UnB;

Referências

ALMEIDA, M. I.; PIMENTA, S. G. (Org.). Estágios supervisionados na formação docente. São Paulo: Cortez, 2014.

BRENTANO, E.; NASCIMENTO, A. M. P. Produção de textos nas aulas de matemática: oportunidades de ensinar e aprender. In: ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 11. 2013. Curitiba – Paraná. Anais [...]. Curitiba, 2013 – ISSN 2178-034X. Disponível em:

http://sbem.iuri0094.hospedagemdesites.ws/anais/XIENEM/pdf/2024_717_ID.pdf Acesso em: 02 abr. de 2019.

GARRIDO, Selma Pimenta. O estágio na formação de professores. 3.ed. São Paulo: Cortez, 2008.

GOHN, Maria da Glória. Educação não formal e o educador social. Atuação no desenvolvimento de projetos sociais. São Paulo: Cortez, 2010.

MARQUES, J. B. V.; FREITAS, D. Fatores de caracterização da educação não formal: uma revisão de literatura. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 43, n.4, p. 1-24, out.- dez. 2017. Disponível em:

http://www.scielo.br/pdf/ep/v43n4/1517-9702-ep-S1517-9702201701151678.pdf. Acesso em: 02 abr. de 2019.

MARTINS T. D.; GOLDONI V.; SANTOS M. B. Educação não formal: trabalhando em uma educação diferenciada. Revista da Graduação, Porto Alegre, v. 2, n. 2, 2009. Disponível em:

http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/graduacao/article/view/5969. Acesso em: 02 abr. de 2019.

NEVES, A. S. Situações matemáticas em jogo: uma análise praxeológica das estratégias dos licenciandos em matemática do 7º semestre face a jogos. 2011. 113 p. Monografia (Especialização em Educação Matemática) - Universidade Católica do Salvador, Salvador. 2011.

PADOVAN, Daniela, et al., Matemática: ensino fundamental. 2ª edição. São Paulo. Moderna, 2004. (Projeto Presente)

SMOLE, Katia C. S.; DINIZ, Maria Ignez; CÂNDIDO, Patrícia. Jogos de matemática de 1º a 5º ano. Série Cadernos do Mathema – Ensino Fundamental. Porto Alegre: Artmed, 2007.

Publicado
2021-12-07
Métricas
  • Visualizações do Artigo 85
  • PDF (PORTUGUÊS) downloads: 45
Como Citar
Araújo, A. da S., Souza, P. N., & Porto Nascimento, A. M. (2021). Oficinas de Matemática no Projeto Social Cata-Vento: uma prática em Educação Não Formal: uma experiência em Educação Não Formal. Revista Baiana De Educação Matemática, 2(01), e202128. https://doi.org/10.47207/rbem.v2i01.12086
Seção
Dossiê Temático - O Estágio Curricular Supervisionado em Matemática