Produções de conhecimento a partir do estágio de forma remota no Ensino Médio em Minas Gerais

Palavras-chave: Estágio. Ensino Remoto. Modelo dos Campos Semânticos. Formação de Professores de Matemática.

Resumo

Os estágios supervisionados são centrais na formação inicial de professores de Matemática, mas pouco pesquisados. O objetivo deste artigo é analisar situações de estágio, que faz parte de uma disciplina do curso de Matemática-Licenciatura, no formato remoto, em uma escola pública de Minas Gerais. Para tanto, foi adotada a postura de professoras pesquisadoras, pelo estudo intencional e metódico, e demarcada uma visão de estágio. Os dados analisados foram as discussões de observações de aulas de Matemática do programa Se Liga na Educação, que compõe o Regime de Estudos não presencial do Estado de Minas Gerais, e a interação, por meio de entrevista semiestruturada, com a professora supervisora de estágio que atua nesta escola, no Ensino Médio. Essas análises foram realizadas com base no Modelo dos Campos Semânticos, que pode contribuir para novas pesquisas com a temática estágio. A partir disso, foi possível apontar que houve diferentes produções de significados para as observações das aulas e da entrevista, reafirmando o estatuto epistemológico do estágio, ainda que realizado de forma remota.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rejane Siqueira Julio, Universidade Federal de Alfenas

Graduada em Licenciatura em Matemática pela UFJF, mestre em Educação Matemática pela Unesp, campus de Rio Claro (SP), e doutora em Educação pela Unicamp. Docente do Instituto de Ciências Exatas e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG).

Daniela Cristina de Lima, Escola Estadual Judith Viana

Graduada em Matemática-Licenciatura pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Boa Esperança (MG) e
Especialização Lato-Sensu em Matemática e Estatística pela Universidade Federal de Lavras (UFLA), MG. Atualmente professora efetiva na Escola Estadual Dr. Emílio Silveira e Escola Estadual Judith Vianna em Alfenas (MG).

Referências

BONDIA, J. L. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, n. 19, p. 20-28, Jan./Fev./Mar./Abr., 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/Ycc5QDzZKcYVspCNspZVDxC/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 16 jun. 2021.

COURA, F. C. F.; PASSOS, C. L. B. Estado do conhecimento sobre o formador de professores de Matemática no Brasil. Zetetiké, Campinas, v. 25, n. 1, p. 7-26, 2017. Disponívem em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8647556/15716. Acesso em: 16 jun. 2021.

FIORENTINI, D.; LORENZATO, S. Investigação em educação matemática: percursos teóricos e metodológicos. 3 ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2009.

JULIO, R. S.; OLIVEIRA, V. C. A. de. Estranhamento e descentramento na prática de formação de professores de Matemática. Boletim GEPEM, n.72, 112-123, 2019. Disponível em: http://dx.doi.org/10.4322/gepem.2018.008. Acesso em: 13 set. 2021.

LINS, R. C. Por que discutir teoria do conhecimento é relevante para a Educação Matemática. In: BICUDO, M. A. V. (org.). Perspectivas em educação matemática: concepções e perspectivas. São Paulo: Editora da Unesp, 1999, pp. 75-94.

LINS, R. C. O modelo dos campos semânticos: estabelecimento e notas de teorizações. In: ANGELO, C. L. et al. (Org.). Modelo dos Campos Semânticos e Educação Matemática: 20 anos de história. São Paulo: Midiograf, 2012. p. 11-30.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. A pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

PAULO, J. P. A. Compreendendo formação de professores no âmbito do Modelo dos Campos Semânticos. 2020. 294p. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2020. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/191665. Acesso em: 16 jun. 2021.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e docência: diferentes concepções. Revista Poíesis, v. 3, n. 3 e 4, p. 5-24, 2005/2006. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/poiesis/article/view/10542/7012. Acesso em: 16 jun. 2021.

PIMENTA, Selma Garrido; LIMA, Maria Socorro Lucena. Estágio e Docência. 8 ed. São Paulo: Cortez, 2017.

SILVA, W. L. M. Uma leitura de falas de licenciandos em Matemática sobre “ser professor de Matemática”. 2020. 184 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Alfenas, Alfenas, MG 2020. Disponível em: https://bdtd.unifal-mg.edu.br:8443/handle/tede/1687. Acesso em: 13 set. 2021.

SILVA, U. D. DA; OLIVEIRA, A. T. C. C. DE. Influências do Estágio Supervisionado para Professores de Matemática em Início de Carreira – buscando compreender escolhas e características das escolas-campo. Revista Baiana de Educação Matemática, v. 2, n. 01, jan. 2021. Disponível em: https://doi.org/10.47207/rbem.v2i01.10252. Acesso em: 12 set. 2021.

TEIXEIRA, B. R.; CYRINO, M. C. C. T. O estágio supervisionado em cursos de licenciatura em Matemática: um panorama de pesquisas brasileiras. Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v.15, n.1, pp.29-49, 2013. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/view/13048/pdf. Acesso em: 12 set. 2021.

Publicado
2021-12-07
Métricas
  • Visualizações do Artigo 135
  • PDF (PORTUGUÊS) downloads: 64
Como Citar
Siqueira Julio, R., & de Lima, D. C. (2021). Produções de conhecimento a partir do estágio de forma remota no Ensino Médio em Minas Gerais . Revista Baiana De Educação Matemática, 2(01), e202120. https://doi.org/10.47207/rbem.v2i01.11996
Seção
Dossiê Temático - O Estágio Curricular Supervisionado em Matemática