Influências do Estágio Supervisionado para Professores de Matemática em Início de Carreira – buscando compreender escolhas e características das escolas-campo

Palavras-chave: Estágio Curricular Supervisionado, Escolas-Campo de Estágio, Formação Inicial de Professores de Matemática, Análise de Conteúdo

Resumo

Esta pesquisa apresenta o recorte da tese de doutorado do primeiro autor, orientado pela segunda autora, que investiga as influências do estágio curricular supervisionado obrigatório para professores no início de sua carreira. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas com 20 sujeitos, selecionados com até três anos de experiência e que atuavam como professores de matemática em escolas regulares da rede pública ou privada de ensino, na educação básica. Com base nas entrevistas, a Análise de Conteúdo foi utilizada como instrumento metodológico para que emergissem quatorze categorias de análise que foram reorganizadas em seis – as escolhas, a escola, o estágio acontecendo, as relações construídas, os sentidos construídos pelos sujeitos e o passado no presente. Este artigo se concentra nos dois primeiros eixos. Concluímos que: i) os estágios divergem significativamente de instituição para instituição; ii) as escolas-campo mais preparadas e com maior acompanhamento possuem impactos mais significativos; iii) é preciso investir em uma maior integração do estágio ao currículo da licenciatura para melhores resultados formativos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ulisses Dias da Silva, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Professor do Colégio de Aplicação da UFRJ, lecionando Matemática em turmas do Ensino Fundamental e Médio. Possui graduação em Licenciatura plena em Matemática pela Universidade de Brasília (2006), mestrado em Ensino de Matemática pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2009) e doutorado em Ensino de Matemática na Universidade Federal do Rio de Janeiro (2019). Tem experiência na área de Ensino de Matemática, pesquisando sobre os seguintes temas: formação inicial e continuada de professores, estágio supervisionado, novas tecnologias, matemática decolonial e relações de gênero. Atualmente é diretor adjunto de ensino do CAP-UFRJ. Também é poeta e escritor.

Ana Teresa de Carvalho Correa de Oliveira, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Ana Teresa de Carvalho Correa de Oliveira concluiu o estágio pós doutoral em julho de 2013, na Faculdade de Educação da UNICAMP, na área de ensino e práticas culturais (em Educação Matemática), supervisionada pelo Prof. Dr. Dario Fiorentini. É doutora em Educação desde agosto de 2007, pela PUC-Rio, orientada pela Porfa. Dra. Menga Ludke. . Concluiu o curso de mestrado em Matemática pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro em 1997, orientada pelo Prof. Dr. João Bosco Pitombeira. Atualmente é professora associado II da Faculdade de Educação da UFRJ, da disciplina didática especial de matemática e prática de ensino. Coordenou, desde dezembro de 2008 a dez 2014, o programa de bolsas de monitoria da Faculdade de Educação da UFRJ. Coordenou, o LEPED - Laboratório de Estudos e Pesquisas em Didática e Formação de Professores, da Faculdade de Educação da UFRJ, cadastrado no CNPq e certificado pela UFRJ, de 2014 até 2017. Coordena o GEPEMAT, Grupo de Estudos e Pesquisas em Formação de Professores que ensinam matemática. É professora do quadro permanente do mestrado em ensino de matemática e do doutorado em ensino e história de matemática e física, do Instituto de Matemática da UFRJ, na linha de ensino. Anteriormente, esteve por 32 anos consecutivos atuando como professora de matemática na educação básica e como professora do curso de formação de professores do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro. Atualmente,, é representantes dos professores associados na Congregação da Faculdade de Educação da UFRJ. Publicou 37 artigos em periódicos especializados e 10 trabalhos em anais de eventos. Possui 4 capítulos de livros publicados. Possui 73 itens de produção técnica. Participou de 21 eventos no Brasil. Orientou 4 trabalhos de conclusão de curso na área de Educação Matemática. Recebeu 8 prêmios e/ou homenagens. Atua na área de Matemática, com ênfase em Metodologia do Ensino de Matemática. Em suas atividades profissionais interagiu com 21 colaboradores em co-autorias de trabalhos científicos. Em seu currículo Lattes os termos mais freqüentes na contextualização da produção científica, tecnológica e artístico-cultural são: Matemática e Educação Básica, Pesquisa Formação Professor Matemática, Pesquisa Juiz Educação Básica, Adição Subtração Multiplicação Divisão, Alfabetização Matemática, Número, Álgebra, Geometria, História da Matemática. Integrou o grupo de pesquisa coordenado pelo GEPFPM/UNICAMP, onde desenvolveu pesquisa intitulada Mapeamento e Estado da Arte da Pesquisa Brasileira sobre o Professor que ensina Matemática, em 2013/2016, na condição de coordenadora da Região RJ/ES.

Referências

BARDIN. L. Análise de conteúdo. Lisboa: Editora Edições 70, 2004.

BARREIRO, I. M. de F.; GEBRAN, R. A. Prática de ensino e estágio supervisionado na formação de professores. São Paulo: Avercamp, 2006.

BRASIL. Resolução Nº 2, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Disponível em http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=17719-res-cne-cp-002-03072015&Itemid=30192. Acessado em: 29 mar. 2019.

CYRINO, M. C. C. T.; PASSERINI, G. A. Reflexões sobre o estágio supervisionado do curso de Licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Londrina. In: CINELLI, Marlene. R.; SILVA, Ileizi F. O estágio na licenciatura: a formação de professores e a experiência interdisciplinar na Universidade Estadual de Londrina. Londrina: UEL, 2009. v. 1, p. 125-144.

EUGÊNIO, K. S. O. Estágio supervisionado na formação inicial: os laços formativos entre estágio e escola. Fortaleza, 2015. 114 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual do Ceará, 2015.

FELDKERCHER, N. O estágio na formação de professores presencial e a distância: a experiência do curso de matemática da UFPEL. Pelotas, 2011. 139 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Pelotas, 2011.

FIORENTINI, D.; PASSOS, C. L. B.; LIMA R. C. R. (org.) (2016). Mapeamento da pesquisa acadêmica brasileira sobre o professor que ensina Matemática: Período 2001 – 2012. FE-Unicamp: Campinas, E-book (488 p.). Disponível em: https://www.fe.unicamp.br/pf-fe/pagina_basica/58/e-book-mapeamento-pesquisa-pem.pdf. Acesso em: 06 dez. 2020.

GATTI, B. A.; NUNES, M. M. R. Formação de professores para o ensino fundamental: estudo de currículos das licenciaturas em pedagogia, língua portuguesa, matemática e ciências biológicas. São Paulo: FCC/DPE, 2009. v. 29, p. 1-155

GONÇALVES JÚNIOR, M. A. Narrativas Sobre o Estágio da Licenciatura Em Matemática – perscrutações sobre si. Campinas: Mercado das Letras, 2016.

LOPES, A. R. L. V.; PAIVA, M. A. V.; PEREIRA, P. S.; POZEBON, S.; CEDRO, W. L. Estágio Curricular Supervisionado nas licenciaturas em Matemática: reflexões sobre as pesquisas brasileiras. Zetetike, v. 25, n. 1, p. 75-93, jan./abr. 2017.

MOREIRA, P. C. 3+1 e suas (In)Variantes (Reflexões sobre as possibilidades de uma nova estrutura curricular na Licenciatura em Matemática). Bolema, Rio Claro, v. 26, n. 44, p. 1137-1150, dez. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-636X2012000400003&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 17 jun. 2017.

PAES, E. F. Mobilizações no processo de estágio supervisionado na formação inicial de professores: reflexos de experiências no instituto federal fluminense. Campinas, 2017. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, UNICAMP, 2017.

PERLIN, P. Constituindo-se professor de matemática: relações estabelecidas no estágio curricular supervisionado, determinantes da aprendizagem da docência. Santa Maria, 2018. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Santa Maria, 2018.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e Docência. 7. ed. São Paulo. 2012.

ZIMMER, I. Estágio Curricular Supervisionado na Licenciatura em Matemática: Um componente curricular em discussão. 2017. 220f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

Publicado
2021-01-18
Métricas
  • Visualizações do Artigo 268
  • PDF (PORTUGUÊS) downloads: 179
Como Citar
Silva, U. D. da, & Oliveira, A. T. C. C. de. (2021). Influências do Estágio Supervisionado para Professores de Matemática em Início de Carreira – buscando compreender escolhas e características das escolas-campo. Revista Baiana De Educação Matemática, 2(01), e202101. https://doi.org/10.47207/rbem.v2i01.10252