A vivência em dança na formação de professores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2023.v8.n23.e1136

Palavras-chave:

Narrativas pedagógicas, Educação estética, Formação de professores, Dança, Vivência

Resumo

O presente estudo, de caráter narrativo, se insere no campo da formação docente, com foco na educação estética. Lançamos olhar para a troca de cartas realizada entre estudantes do curso de Pedagogia de uma universidade pública do sudeste, que reconhecem como um ponto de convergência em seus processos formativos a prática cotidiana de dançar. Tendo como objetivos de pesquisa identificar e compreender as possíveis contribuições da prática em dança para a formação docente e refletir sobre a educação estética como produtora de sentidos do ser professora, tomamos as cartas trocadas e outros registros narrativos, complementares a elas, como objetos de estudo. As análises, realizadas em diálogo com os princípios da teoria Histórico-Cultural, evidenciam a vivência em dança como processo que gera desenvolvimento e ampliação do estado de consciência da professora. As narrativas apontam para a dança como: forma de expressão; processo de criação; percepção de si e do outro. A pesquisa aponta para a urgência de se pensar em práticas formativas de educação estética, que se pautem na arte e em formas sensíveis de aproximação da realidade, que valorizem os contextos, as trajetórias de vida e os saberes produzidos coletivamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Haddad Ferreira, Universidade São Francisco

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Docente permanente do Programa de Pós-Graduação da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas). É integrante do Grupo de Pesquisa Histórias de Vida, Narrativas e Subjetividades (HiNaS) e do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Continuada (Gepec).

Victoria Ramos Takahachi, Universidade Estadual de Campinas

Mestranda em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Integra o Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Continuada (Gepec)da Unicamp.

Referências

ARAÚJO, Gustavo Cunha. El Arte y la Estética en la Educación: una Dimensión Epistemológica. Revista humanidades, v. 11, n. 1, p. e44157, 2021. Disponível em: https://revistas.ucr.ac.cr/index.php/humanidades/article/view/44157. Acesso em: 5 abr. 2023.

CUNHA, Renata Cristina de Oliveira Barrichelo. Narrativas pedagógicas e efeitos de leitura entre estudantes de Pedagogia. In: COSTA, Adriana A. F.; CUNHA, Renata C. O. B; PRADO, Guilherme V. T.; EVANGELISTA, Francisco (Orgs.). Narrativas, formação de professores e subjetividades democráticas. São Carlos: Pedro & João Editores, 2020. p.19-45.

DUARTE JUNIOR, João-Francisco. O sentido dos sentidos: a educação (do) sensível. Curitiba: Criar, 2001.

FERREIRA, Luciana Haddad. Educação estética e formação docente: narrativas, inspirações e conversas. 1.ed. – Curitiba: Appris, 2020.

FERREIRA, Luciana Haddad; CUNHA, Renata O. Barrichelo; PRADO, Guilherme V. Toledo. Memórias da docência futura: a escrita de pipocas pedagógicas. In: PRADO, Guilherme V. Toledo (org.) Narrativas de formação, na escola e na universidade. São Carlos: Pedro e João, 2021. p. 169-204.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996. (publicação original em 1983).

GATTI, Bernardete Angelina; BARRETO, Elba Siqueira de S.; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso; ALMEIDA, Patrícia Cristina Albieri. Professores do Brasil: novos cenários de formação. Brasília: UNESCO, 2019.

GINZBURG, Carlo. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. In: Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. p. 143-180.

GONZÁLEZ REY, Fernando. Pesquisa qualitativa e subjetividade: os processos de construção da informação. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.

IMBERNON, Francisco; FORTUNATO, Ivan; SHIGUNOV NETO, Alexandre (org.). Formação permanente de professores: experiências ibero-americanas. São Paulo: Edições Hipótese, 2019.

NÓVOA, António. Professores Imagens do Futuro Presente. Lisboa: Educa, 2009.

PINO, Angel. As marcas do humano: as origens da constituição cultural da criança na perspectiva de Lev S. Vigotski. São Paulo: Cortez, 2006.

SILVA, Thaís Gonçalves Rodrigues. Pensamento e ação: política e(m) dança. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 25., 2009, Fortaleza. Anais [...]. Fortaleza: ANPUH, 2009. CD-ROM.

TOASSA, Gisele e SOUZA, Marilene Proença Rebello. As vivências: questões de tradução, sentidos e fontes epistemológicas no legado de Vigotski. Revista de Psicologia da USP. São Paulo: USP, 21 (4), p. 757-779, 2010. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0103-65642010000400007 Acesso em: 11 dez. 2023.

VAZ, Adriana. Arte, sensibilidades e educação estética: conceitos, possibilidades teóricas e narrativas. Revista Educação e Cultura Contemporânea, [S. l.], v. 18, n. 54, p. 344-365, 2021. Disponível em: https://mestradoedoutoradoestacio.periodicoscientificos.com.br/index.php/reeduc/article/view/8880. Acesso em: 11 dez. 2023.

VIGOTSKI, Lev Semenovich. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

VIGOTSKI, Lev Semenovich. A construção do Pensamento e da Linguagem. Trad. Paulo de Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

VIGOTSKI, Lev Semenovich. Obras escogidas. V. 3. Madrid: Visor, 1995.

VIGOTSKI, Lev Semenovich. Sete Aulas de L. S. Vigotski Sobre os Fundamentos da Pedologia. Trad. Zois Prestes e Elizabeth Tunes. Rio de Janeiro: E-papers, 2018.

VIGOTSKI, Lev Semenovich. Imaginação e Criação na Infância: ensaio psicológico. A apresentação e comentários Ana Luiza Smolka; tradução Zoia Prestes. São Paulo: Ática, 2009.

Downloads

Publicado

2023-12-21

Como Citar

FERREIRA, L. H.; TAKAHACHI, V. R. A vivência em dança na formação de professores. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, [S. l.], v. 8, n. 23, p. e1136, 2023. DOI: 10.31892/rbpab2525-426X.2023.v8.n23.e1136. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/rbpab/article/view/17253. Acesso em: 13 abr. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Automedialidades: práticas (auto)formativas de criação estética