Viver a vida e contá-la: (auto)biografia, trabalho infantil e itinerários pedagógicos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2023.v8.n23.e1106

Palavras-chave:

Trabalho infantil, Frentes de emergências, Formação escolar

Resumo

Este texto envolve histórias de vida, itinerários formativos e (auto)biografias, elaborado a partir de memórias de infância e de adolescência. É uma narrativa que costura trabalho infantil, frentes de emergência para o combate a secas do semiárido nordestino, formação e cultura escolar e identidades. Confeccionado a partir dos fios de memórias, de fotobiografias e escritos escolares, o artigo dialoga com os estudos pós-estruturalistas, com os conceitos de identidade e geração, conectando espaços escolares e de trabalho infantil a tempos de escolarização e formação intelectual. Dessa forma, é uma pesquisa que mostra a importância da leitura, das habilidades de escrita e da educação não-escolar na formação dos sujeitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Iranilson Buriti Oliveira, Universidade Federal de Campina Grande

Pós-doutor em História pela Fundação Casa de Oswaldo Cruz e pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Professor titular da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). Bolsista pesquisador do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Líder do Grupo de Pesquisa em História das Práticas e Saberes Médicos.

Referências

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz de. Escrever como fogo que consome: reflexões em torno do papel da escrita nos estudos de gênero. 2013. Disponível em: <http://simposioufac.blogspot.com.br/2013/07/durval-muniz-de-albuquerque junior_22.html> Acesso em 20 de março de 2018.

ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 1997.

ARENDT, Hannah. A Condição Humana. São Paulo: Editora Forense-Universitária, 10ª ed., 2007.

CORBIN, Alain. Sabores e odores. São Paulo: Cia. das Letras, 1987.

BRASIL. Decreto nº 78299 de 23/08/1976. Diário Oficial da União, p. 11239, 25 ago. 1976. Seção 1.

DEFENSOR, Ângela C. Programa Postal Sonoro. 50 anos de tradição. 20f, 2007. Monografia (Bacharelado em Comunicação Social), Campina Grande: UEPB, 2014.

DO CABO da enxada para a 'sorda'. Jornal A União. João Pessoa, 27 de novembro de 2007.

DOMINICÉ, Pierre. O que a vida lhes ensinou. In: NÓVOA, António; FINGER, Matthias (Orgs.) O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa: Ministério da Saúde, Depart. de Recursos Humanos da Saúde/Centro de Formação e Aperfeiçoamento Profissional, 1988. p.131-153.

FABRE, Michel. “Fazer de sua vida uma obra”. Educação em Revista. Belo Horizonte: UFMG, v. 27, n. 1, p. 347-368, abr. 2011.

FARGE, Arlette. Lugares para a história. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 9ª ed., Rio: DP&A, 2004.

HAROCHE, C. Maneiras de ser e de sentir na aceleração e a ilimitação contemporânea. Cad. Metrop., São Paulo, v. 13, n. 26, pp. 359-378, jul/dez 2011, p. 362).

JABLONKA Ivan, Quando o historiador é pai e filho, RevistaTopoi (Rio J.), Rio de Janeiro, v. 21, n. 44, p. 532-552, maio/ago. 2020. Disponível em: www.revistatopoi.org. Acesso em: 7 maio 2021.

LARROSA, Jorge. Tremores: escritos sobre experiência. Trad.: Cristina Antunes e João Wanderley Geraldi. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

MALABOU, Catherine. Ontologia do acidente: ensaio sobre a plasticidade destrutiva. tradução de Fernando Scheibe. Desterro [Florianópolis]: Cultura e Barbárie, 2014.

MARTON, Scarlett Zerbetto. Memorial (Concurso de Professor-Titular em História da Filosofia Contemporânea), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, São Paulo: Universidade de São Paulo, 2003

MEDEIROS NETA, Olívia Morais. Ser(tão) Seridó em suas cartografias espaciais. Dissertação. Mestrado em História. Natal: UFRN, 2007.

PASSEGGI, Maria da Conceição.; SOUZA, Eliseu Clementino de; VICENTINI, Paulo Perin. “Entre a vida e a formação: pesquisa (auto)biográfica, docência e profissionalização. Educação em Revista, Belo Horizonte: UFMG, v. 27, n. 1, p. 369-386, abr. 2011.

ROLNIK, Suely. Pensamento, corpo e devir Uma perspectiva ético/estético/política no trabalho acadêmico. Cadernos de Subjetividade, v.1 n.2: 241-251. São Paulo, set./fev. 1993.

SOUZA, Elizeu C. de. (Auto)Biografia, Identidades e Alteridade: Modos de Narração, Escritas de Si e Práticas de Formação na Pós-Graduação. Revista Forum Identidades. Ano 2, Volume 4 – p. 37-50 – jul-dez de 2008.

SOUZA, Rogério Luiz de. Memorial de Atividades Acadêmicas ou A arqueologia de mim. UFSC, Departamento de História. 2017.

TUAN, Yi-Fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: DIFEL, 1974.

TUAN, Yi-Fu. Espaço e Lugar: a perspectiva da experiência. São Paulo: Difel, 1983.

VENTURA, Leonardo Carneiro. Música dos espaços: Paisagem sonora do Nordeste no Movimento Armorial. 2007, 203f. Dissertação (Mestrado em História). Programa de Pós-graduação em História, Natal, UFRN, 2007.

VIÑAO FRAGO, Antonio. Por una Historia de la Cultura Escolar: enfoques, cuestiones, fuentes. In: CONGRESO DE LA ASOCIACIÓN DE HISTORIA CONTEMPORÁNEA, 3, 1998, Valladolid - España. Anais... Valladolid - España, 2001. p. 167-183.

Downloads

Publicado

2023-04-28

Como Citar

OLIVEIRA, I. B. Viver a vida e contá-la: (auto)biografia, trabalho infantil e itinerários pedagógicos. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, [S. l.], v. 8, n. 23, p. e1106, 2023. DOI: 10.31892/rbpab2525-426X.2023.v8.n23.e1106. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/rbpab/article/view/15145. Acesso em: 17 jun. 2024.