Ensino de filosofia frente aos desafios da Escola Sem Partido

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2020.v29.n58.p201-215

Resumo

O objetivo deste artigo é repensar o ensino de filosofia à luz de uma reflexão crítica sobre o movimento Escola Sem Partido. Com base no pensamento de Paulo Freire, colocamo-nos diante de um horizonte de alteridade ética, de inspiração utópica, que toma o educando como principal razão de ser da aprendizagem. As narrativas do movimento Escola Sem Partido, por sua vez, quando recorrem à postura acrítica de neutralidade axiológica no ambiente escolar, agem sob o pressuposto de que os valores da família tradicional se encontram ameaçados pela ideologia de gênero. A censura à diversidade resulta no delineamento de uma única concepção política. Assim, as narrativas jurídicas e persecutórias do movimento Escola Sem Partido acabam produzindo um reforço da educação bancária. Não obstante, o bom ensino de filosofia requer a criação do saber em uma mediação cognitiva, aberta e dinâmica, entre sujeitos cognoscentes e fenômenos cognoscíveis. Na busca da dimensão ontológica do humano, à luz da pedagogia de Freire, encontramos no método dos círculos de cultura um desejo de democratização da palavra, constituindo como fonte de sentido o
compartilhamento do poder através da participação consciente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Como Citar

OLIVEIRA, W. R. de; SANTOS, L. C. Ensino de filosofia frente aos desafios da Escola Sem Partido. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 29, n. 58, p. 201–215, 2020. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2020.v29.n58.p201-215. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/9044. Acesso em: 21 jul. 2024.