Submissões

O cadastro no sistema e posterior acesso, por meio de login e senha, são obrigatórios para a submissão de trabalhos, bem como para acompanhar o processo editorial em curso. Acesso em uma conta existente ou Registrar uma nova conta.

Condições para submissão

Como parte do processo de submissão, os autores são obrigados a verificar a conformidade da submissão em relação a todos os itens listados a seguir. As submissões que não estiverem de acordo com as normas serão devolvidas aos autores.
  • Autoria: Os textos não devem exceder a três autores, a não ser em caso de estudos multicêntricos conforme avaliação de pertinência por parte dos editores.

    A titulação mínima para os autores é o mestrado. Mestrandos podem enviar artigos em coautoria com seus orientadores.

    As contribuições individuais de cada autor devem ser listadas em um documento separado, enviado como arquivo suplementar.

     

  • Metadados obrigatórios: No formulário de submissão, devem ser incluídos, obrigatoriamente:

    a) título do artigo; opção pela seção temática, estudos ou documentos;

    b) nomes de todos os autores conforme disponível na Plataforma Lattes;

    c) endereço institucional do autor de correspondência;

    d) telefones dos autores;

    e) email de todos os autores;

    f) titulação principal;

    g)instituição a que pertence(m)

    h) cargo que ocupa(m);

    i) grupo de pesquisa.

  • Título, resumo e palavras-chave devem ser cadastrados no sistemas e enviados no manuscrito, em português, inglês e espanhol obrigatoriamente. As palavras-chave devem ser retiradas do Thesaurus do INEP.

    Cada versão do resumo deve conter no máximo 1000 caracteres, incluindo objetivo, método, resultados e conclusão.

    Após cada versão do resumo, devem ser incluídas as palavras-chave no respectivo idioma do resumo, cujo número desejado é de, no mínimo três e, no máximo, cinco.

    Atenção: cabe aos autores entregar traduções de boa qualidade. Traduções ruins resultarão em devolução ou rejeição sumária do artigo.

  • As figuras, gráficos, tabelas ou fotografias (em formato TIFF ou JPG, em alta resolução - 300 dpi), devem ser incluídas no corpo do manuscrito e podem ser submetidas também como arquivo suplementar.

    Quando apresentadas em separado, devem ter indicação dos locais onde devem ser incluídas, ser tituladas e apresentar referências de sua autoria/fontes.

    Devem seguir a Norma de apresentação tabular, estabelecida pelo Conselho Nacional de Estatística e publicada pelo IBGE em 1979.

  • As Referências devem constar no manuscrito conforme as normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). O sistema de citação adotado por este periódico é de autor-data de acordo com a NBR 10520 de 2003.

    URLs e DOIs para as referências, quando disponíveis, devem ser informados.

    Observe as recomendações de normalização da revista.

  • As notas numeradas devem vir no rodapé da mesma página em que aparecem, assim como os agradecimentos, apêndices e informes complementares.
  • O arquivo da submissão deve estar em formato Microsoft Word ou OpenOffice (.doc ou .odf).

  • Encaminhamento e Apresentação dos Textos

    Os artigos devem ter, no máximo, 70 mil caracteres com espaços e, no mínimo, 45 mil caracteres com espaço; as resenhas podem ter até 30 mil caracteres com espaço.

    Os títulos devem ter no máximo 90 caracteres com espaços.

    • letra: Times New Roman 12
    • tamanho da folha A4
    • margens 2,5
    • espaçamento 1,5
    • paragráfo justificado
  • Procedimentos éticos

    O artigo encaminhado deve conter em rodapé na primeira página informações sobre a observação de procedimentos éticos durante a realização da pesquisa que deu origem ao texto apresentado


  • Originalidade e caráter inédito dos artigos

    O artigo a ser  publicado na Revista da FAEEBA-Educação e Contemporaneidade deve ser  inédito, não tendo sido publicado parcial ou integralmente em nenhum outro meio de divulgação científica.

  • Os autores devem colocar seu ORCID (Open Researcher and Contributor ID) no momento em que submeterem seu artigo a Revista da FAEEBA.

    Registre-se através do link https://orcid.org/ 

     ORCID  código alfanumérico que identifica exclusivamente cientistas e outros autores académicos e contribuidores e os diferencia de quaisquer outros pesquisadores.

     

  • Ao iniciar a submissão,no Passo 1 em: " Comentários para o editor", os autores devem informar para qual Dossiê Temático o artigo está sendo direcionado.
  • É necessário o espaço de um ano para que o autor volte a publicar na Revista da FAEEBA.

  • Revisão do idioma. É de responsabilidade dos autores a submissão de artigos com revisão de língua portuguesa e conforme as normas técnicas da Revista. A publicação final do artigo está condicionada à revisões de língua portuguesa feitas por profissionais certificados.

Diretrizes para Autores

Os autores são convidados a conferir todos os itens das normas para publicação antes de encaminar os textos. 

Qualquer informação que permita aos avaliadores a identificação dos autores deve ser suprimida antes do envio. Acesse este link para aprender a remover dados de identificação ocultos nos arquivos do Microsoft Word.

Atualizado em 15/07/2017

Dossiê Temático 67

O Dossiê Etnogênese Indígena, Interculturalidade e Educação, visa compartilhar estudos, frutos de debates travados entre pesquisadoras/es no sentido de entender e difundir os impactos sociais voltados para o manejo da relação entre diferença e igualdade, com vistas a auxiliar na construção de um projeto intercultural critico-inclusivo que passa pelo reconhecimento e pelo respeito étnico, cognitivo, político e sociocultural de grupos historicamente excluídos dos processos de constituição das Nações Modernas.

A exemplo dos povos do “velho” mundo, o “novo” mundo sempre foi pleno de trocas materiais e imateriais e imposições culturais, de modo que podemos afirmar que o contato com o outro, com o “diferente” sempre foi uma das variáveis da constituição das identidades grupais. Contudo, não menosprezamos o impacto que a chegada de europeus tenha causado nos povos originários, e propomos mostrar desde perspectivas Decoloniais, mas há que se considerar que, embora recentes enquanto conceitos, os processos de Etnogênese e de interculturalidade se fazem presentes desde os primórdios da humanidade. Contatos entre grupos culturais diferentes, com influencias múltiplas impositivas ou reciprocas no seu modo de ser sempre existiram e não podem ser creditados somente ao contato colonial acontecido a partir do século XV.

Portanto, este suplemento propõe apresentar experiências de produção do conhecimento técnico-cientifico no contexto Latino e Ibero-americano por meio de análises de novas metodologias nos processos relacionados à educação intercultural como ferramenta para a reorientação da formação,, ressurgimento de novas culturas indígenas, da participação social, da atenção multicultural na perspectiva da integralidade e da valorização das reais necessidades dos grupos culturais como elemento central para a promoção do respeito, reconhecimento da diferenças, aceitação da diversidade e luta por equidade.

Organizadores:

Daniel Valério Martins- Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)

Ángel Baldomero Espina Bárrio – Universidad de Salamanca

Cronograma Submissão/Publicação:

Período submissão de artigos: 15/01/2022 a 15/04/2022

Publicação: Maio/2022

Dossiê Tematico 70

EDUCAÇÃO INTEGRAL E PEDAGOGIA INTEGRADORA PARA O DESENVOLVIMENTO HUMANO

Organizadores: 

Prof. Dr. José Leonardo Rolim de Lima Severo – UFPB

Profa. Dra. Dinora Zucchetti - FEEVALE

SUBMISSÃO:

01/07/2022 A 30/11/2022

PUBLICAÇÃO 01/04/2023

Ementa:

As experiências de implementação de modelos Escola em Tempo Integral têm se proliferado intensamente no Brasil em decorrência de um movimento de institucionalização da Educação Integral como princípio pedagógico para o desenvolvimento curricular na Educação Básica. O Plano Nacional de Educação (2014-2024), a Base Nacional Comum Curricular, homologada em 2016, e o Novo Ensino Médio, por exemplo, expressam como tem se construído um discurso de inovação promissora em torno da Educação Integral no cenário das políticas educacionais no Brasil e a normatização da Escola de Tempo Integral como dispositivo institucional que lhe é referente. A produção de sentido que pauta a ascensão da Educação Integral no debate público sobre educação atrela-se, justamente, a um investimento de expectativas de inovação decorrentes de uma complexa trama de interesses políticos que a tomam como um credo capaz de aglutinar diferentes objetivos de aprendizagem, dos mais críticos e progressistas aos mais conservadores e neoeficientistas. 

Como qualquer outra concepção pedagógica, o sentido de Educação Integral emerge de disputas simbólicas e políticas que fazem prevalecer alguns desses objetivos em detrimento de outros, de modo que a análise de experiências de implementação da Escola em Tempo Integral não prescinde de uma abordagem crítica do que se entende como Educação Integral e seus reflexos nas formas de organização dos tempos e espaços formativos, na compreensão de aprendizagem e desenvolvimento humano e na expressão da finalidade social da própria instituição escolar. 

Cabe questionar, assim, o que tem sido proposto em nome da Educação Integral no discurso oficial das políticas educacionais, mas também quais alternativas viáveis para (re)fundar esse princípio na defesa de uma escola socialmente integradora e pedagogicamente capaz de mobilizar e integrar dimensões do desenvolvimento humano com vistas à formação de sujeitos críticos, participativos e engajados em um projeto de sociedade democrática.

Desse modo, o dossiê estrutura-se pelo objetivo de reunir produções acadêmicas nacionais e internacionais sobre os diferentes sentidos de Educação Integral e suas derivações em experiências de implementação da Escola em Tempo Integral, reconhecendo a pluralidade de enfoques e as contradições inerentes à agenda das políticas educacionais contemporâneas.

Como eixos temáticos articuladores para o dossiê, propõe-se que os textos enfoquem:

- Referenciais conceituais da Educação Integral;

- Políticas, modelos e experiências de implementação de escola de tempo integral;

- Intersetoralidade na gestão de políticas para a escola de tempo integral;

- Formação de educadores/as na perspectiva da Educação Integral;

- Interfaces entre Didática e Currículo na Educação Integral;

- Articulação entre escola e territórios socioculturais na perspectiva da Educação Integral.

 

Política de Privacidade

Os nomes e endereços informados nesta revista serão usados exclusivamente para os serviços prestados por esta publicação, não sendo disponibilizados para outras finalidades ou a terceiros.