O pensamento fecundo: elementos para uma racionalidade transmoderna

Autores

  • Luciano Costa Santos Universidade do Estado da Bahia - UNEB

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2013.v22.n39.p%25p

Resumo

Uma das principais marcas do contexto contemporâneo é o desgaste de ideais iluministas fundadores da modernidade, em decorrência da expansão planetária de um sistema civilizatório baseado na produtividade e competitividade. Esse transe histórico atinge a escola “ilustrada” moderna, instrumentalizada como banco de dados a serviço de demandas mercadológicas. Diante da encruzilhada “pós-moderna”,propõe-se como perspectiva histórica o paradigma da transmodernidade, situado além da negação ou reafirmação da modernidade, e que consiste na reapropriaçãodo legado científico e crítico da racionalidade moderna, a partir da revisita a fontes hermenêuticas por ela relegadas. Tais fontes, como as dimensões de transcendência,alteridade e tradição, propiciam uma fecundidade de sentido que a razão crítica não pode produzir por si mesma, e constituem uma reserva sapiencial ante o dissolvente pragmatismo pós-moderno.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciano Costa Santos, Universidade do Estado da Bahia - UNEB

Doutor em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), com estágio no Institut Catholiquede Paris/Université de Poitiers. Professor Adjunto da Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Professor do Programa dePós-Graduação em Educação e Contemporaneidade (PPGEDUC). Pertence à Linha 1 (Processos Civilizatórios: Educação,Memória e Pluralidade Cultural) do Programa de Pós-Graduação em Educação e Contemporaneidade (PPGEDUC) da UNEB.

Referências

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

FERRY, Luc. Aprender a viver. Rio de Janeiro: Objetiva, 2007.

FOUCAULT, Michel. Ditos e escritos - V. etica, sexualidade, política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e método: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. 11. ed. Petrópolis,RJ: Vozes, 2011.

HEIDEGGER, Martin. Língua de tradição e língua técnica. Lisboa: Vega, 1995.

JÜNGER, Ernst. A mobilização total. Natureza Humana – Revista do Grupo de Pesquisa em Filosofia e Práticas

Psicoterápicas do Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Clínica da PUC-SP, São Paulo, v. 4, n. 1, p.189-216, jan./jun. 2002.

LEVINAS, Emmanuel. Totalidade e infinito. Lisboa: Edições 70, [198-?].

LYOTARD, Jean-François. A condição pós-moderna. 10. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2008.

RICOEUR, Paul. História e verdade. Rio de Janeiro: Forense, 1968.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização – do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro:Record, 2001.

SUSIN, Luiz Carlos. Por uma ética da liberdade e da libertação – panorama das questões éticas hoje In: BEOZZO, José Oscar (Org.). Por uma ética da liberdade e da libertação. São Paulo: Paulus,1996. p. 13-71.

UNGER, Nancy Mangabeira. Da nascente à foz – o recado do rio. Campinas, SP: Cortez, 2001.

VATTIMO, Gianni. El pensamiento débil. Madrid: Cátedra, 1995.

WEIL, Simone. O enraizamento. Bauru, SP: EDUSC, 2001.

Publicado

2013-06-24

Como Citar

SANTOS, L. C. O pensamento fecundo: elementos para uma racionalidade transmoderna. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 22, n. 39, 2013. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2013.v22.n39.p%p. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/340. Acesso em: 14 jul. 2024.