APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA EM COMUNIDADES DE PRÁTICA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2020.v29.n57.p61-77

Palavras-chave:

Comunidades de prática, Estágio não obrigatório, Formação de professores da educação básica

Resumo

O artigo aborda a formação de professores para a educação básica em comunidades de prática, com o objetivo de examinar as contribuições dessas comunidades realizadas em estágio não obrigatório para o aprendizado da docência. Os aportes metodológicos propostos na Teoria Social da Aprendizagem de Wenger (1998) orientam o estudo. A metodologia da pesquisa, de abordagem qualitativa, considera estudo realizado com estudantes de cursos de licenciaturas em uma escola de educação básica. Os dados foram obtidos por meio de registro das reuniões e por relatos dos participantes. Os resultados indicam que a comunidade de prática favorece o aprendizado da docência quanto à organização do ensino e da aprendizagem, identificação de dificuldades de aprendizagem,investigação de procedimentos de atuação no processo de ensino e contribui na constituição da identidade docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRE, M. E. D. A.; ROMANOWSKI, J. P. O tema formação de professores nas dissertações e teses. In: MARLI, E. D. A.; ANDRÉ, M. E. D. A. (org.). Formação de professores no Brasil (1990-1998). 2. ed. Brasília, DF: INEP, 2002. p. 17-155.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 5. ed. Lisboa: Edições 70, 2010.

BRANDÃO, Carlos R. (org.). Pesquisa participante. São Paulo: Brasiliense, 1984.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008. Dispõe sobre o estágio de estudantes; altera a redação do art. 428 da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996; revoga as Leis nos 6.494, de 7 de dezembro de 1977, e 8.859, de 23 de março de 1994, o parágrafo único do art. 82 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e o art. 6o da Medida Provisória no 2.164-41, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Brasília, DF, 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11788.htm. Acesso em: 18 nov. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP nº 02, de 01 de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, DF, 2015. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file. Acesso em: 18 nov. 2019.

BRZEZINSKI, I. Formação de profissionais da educação (2003-2010). Vol. 1. Brasília, DF: INEP, 2014.

BRZEZINSKI, I.; GARRIDO, E. (org.) Formação de profissionais da educação. Série Estado do Conhecimento (1997-2002). 10. ed. Brasília, DF: Instituo Anísio Teixeira, 2006.

CUNHA, M. I. da. Se “Narciso acha feio o que não é espelho”, o que aprendemos com os estudos comparados em Educação? Educação UNISINOS, v. 17, n. 3, p. 232-237, dez. 2013.

FLICK, U. Uma introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2008.

GATTI, B. A.; BARRETO, E. S. de S. (coord.). Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília, DF: UNESCO, 2009.

GONÇALVES, A. F. de M. Flexibilização trabalhista. Belo Horizonte: Mandamentos, 2007.

HARGREAVES, A. Os professores em tempos de mudança. Amadora: McgrawHill de Portugal, 1998.

MARTINS, P. L. O. Pesquisa-ensino na formação inicial de professores e a interlocução com a educação básica: princípios e metodologia. In: ROMANOWSKI, J. P.; MARTINS, P. L. O.; CARTAXO, S. R. M. (org.). Práticas de formação de professores: da Educação Básica à Educação Superior. Vol. 1. Curitiba: Champagnat, 2016. p. 1-20.

MEDEIROS, L. Revisão sistemática das teses e dissertações sobre as licenciaturas: as tendências dos estudos de estágio supervisionado. 2014. 118f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC/PR), Curitiba, 2014.

MENEZES, G. G. A utilização das TIC nos processos de formação continuada e o envolvimento dos professores em comunidades de prática. Educar em Revista, n. 51, p. 283-299, mar. 2014.

MIZUKAMI, M. G. N. et. al. Escola e aprendizagem da docência: processos de investigação e formação. São Carlos, SP: EdUFSCar, 2010.

NAGY, M. C.; CYRINO, M. C. de C. T. Aprendizagens de professoras que ensinam matemática em uma comunidade de prática. Revista da FAAEBA: Educação e Contemporaneidade, v. 23, n. 41, p. 149-163, jun. 2014.

NÖRNBERG, M. Formação de professores como ação humana: reflexão e escrita sobre a prática pedagógica em contextos de ensino e pesquisa. In: CAMPO; M. A. T.; SILVA, M. R. (org.). Educação, movimentos sociais e políticas governamentais. Vol. 1. Curitiba: Appris, 2018. p. 165-178.

PRATES, S. C. Formação docente no estágio não obrigatório a partir de uma comunidade de prática. 2016. 184f. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC/PR), Curitiba, 2016.

REALI, A. M. de M. R. Políticas públicas e desenvolvimento profissional de professores: a escola como foco de formação. In: REALI, A. M. de M. R.; MIZUKAMI, M. G. N. Teorização de práticas pedagógicas: escola, universidade, pesquisa. São Carlos: EdUFSCar, 2009. p. 17-34.

ROMANOWSKI, J. P. As licenciaturas no Brasil: um balanço das teses e dissertações dos anos 90. 2002. 147f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2002.

ROMANOWSKI, J. P. Conhecimentos pedagógicos nos cursos de licenciatura e a base comum de formação de professores In: ROMANOWSKI, J. P.; MARTINS, P. L; CARTAXO, S. R. M. Práticas de formação de professores da educação básica à educação superior. Curitiba: PucPress/Champagnat, 2016. p. 47-69.

RUSS, R. S.; SHERIN, B. L.; E SHERIN, M. G. M. What constitutes teacher learning? Teacher learning and the balance of expertise. In: GITOMER, D. E.; BELL, C. (ed.). Handbook of research on teaching: fifth edition. Washington DC: American Educational Research Association, 2016. p. 391-438.

SCHULMAN, L. S. Those who understand: knowledge growth in teaching. Educational Researcher, v. 15, n. 2, p. 4-31, 1986.

SILVA, M. da G. M. MARIALVA, W. de A. Comunidade de práticas no contexto educacional: estudo de caso da Plataforma 2.0. Educação, Formação e Tecnologias, v. 9, n. 2, p. 10-20, dez. 2016.

SZYMANSKI, H.; ALMEIDA, L. R.; PRANDINI, R. C. A. R. A entrevista na pesquisa em educação: a prática reflexiva. 2. ed. Brasília, DF: Plano, 2008.

TARDIF, M.; LESSARD, C. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.

VAILLANT, D.; MARCELO, C. Ensinando a ensinar: as quatro etapas de uma aprendizagem. Curitiba: UTFPR, 2012.

VEIGA, I. P. A. (org.) Lições de Didática. 5. ed. Campinas, SP: Papirus, 2015.

WENGER, E. Communities of practice: learning, meaning and identity. New York: Cambridge University Press, 1998.

Publicado

2020-04-03

Como Citar

ROMANOWSKI, J. P.; PRATES, S. C.; MARTINS, P. L. O. APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA EM COMUNIDADES DE PRÁTICA. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 29, n. 57, p. 61–77, 2020. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2020.v29.n57.p61-77. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/8269. Acesso em: 13 abr. 2024.