AÇÕES AFIRMATIVAS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE: ACOMPANHAMENTO PÓS LEI DE COTAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2019.v28.n56.p193-213

Palavras-chave:

Ação afirmativa, Cotas, Universidade Federal do Acre (UFAC).

Resumo

O artigo reflete sobre a política de cotas nos cursos de graduação da Universidade Federal do Acre (UFAC), a partir do exame do desempenho dos estudantes negros, oriundos de escola pública, que ingressaram na Instituição. A pesquisa analisa dados do ingresso de estudantes cotistas negros nos anos de 2013 e 2014, através da reserva de vagas definida pela Lei nº 12.711/2012. Traçamos o perfil desses estudantes e examinamos o desempenho dos que ingressaram por duas modalidades de concorrência: uma formada por PPI com renda de até 1,5 SM (PPI até 1,5 SM) e outra formada por PPI independente de renda (PPI Indep.), em 10 (dez) cursos da Universidade. Parte das informações analisadas foi disponibilizada pela Pró-Reitoria de Graduação da Universidade; trabalhamos ainda com dados coletados via Lei de Acesso à Informação, além de dados do Censo do IBGE de 2010 e do Censo do Ensino Superior do INEP de 2013. O trabalho está dividido em três partes. Na primeira fazemos uma breve apresentação da Universidade, no segundo momento fazemos uma discussão sobre o balanço da política de cotas e por último analisamos os dados disponíveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andrio Alves Gatinho, Universidade Federal do Pará (UFPA).

Doutor em Educação e Contemporaneidade pela Universidade do Estado da Bahia (Uneb). Professor da Universidade Federal
do Pará (UFPA).

Delcele Mascarenhas Queiroz, Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Professora da Universidade do Estado da Bahia (Uneb).

Referências

BRASIL. Governo Federal. Acesso à informação. Disponível em: http://www.acessoainformacao.gov.br/. Acesso em: maio 2015.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Brasília, DF, 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm. Acesso em: jul. 2015.

BOURDIEU, P. Escritos de educação. Petrópolis. RJ: Vozes, 1998.

CORDEIRO, M. J. de J. A. Um balanço das cotas para negros e indígenas na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul: da criação das leis aos dias atuais, In: SANTOS, J. T. dos (org.). O impacto das cotas nas universidades brasileiras (2004-2012). Salvador, CEAO, 2013. p. 15-36.

FERES JUNIOR, J; CAMPOS, L. A; DAFLON, V. T. O desempenho dos cotistas no ENEM: comparando as notas de corte do SISU. Textos para discussão GEMAA. Rio de Janeiro, n. 4, p. 2-23, 2014. Disponível em: http://gemaa.iesp.uerj.br/. Acesso em: maio 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Demográfico 2010. Brasília, DF, 2014. Disponível em: http://censo2010.ibge.gov.br/. Acesso em: jul. 2015.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). Censo da educação superior 2013 – resumo técnico. Brasília, DF: INEP, 2014. Disponível em http://portal.inep.gov.br/superior-censosuperior-sinopse. Acesso em: jul. 2015.

JESUS, C. C dos S. Professoras da educação básica egressas da política de cotas na UFBA: experiências formativas, percepções e práticas em torno das relações etnicorraciais. 2015, 140 f. Dissertação (Mestrado em Educação e Contemporaneidade) – Departamento de Educação da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Salvador, 2015.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC). Prolind. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/prolind. Acesso em: 15 maio 2015.

PORTES, E. A. Algumas dimensões culturais da trajetória de estudantes pobres

no ensino superior público: o caso da UFMG. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, DF, v. 87, n. 216, p. 220-235, maio/ago. 2006.

QUEIROZ, D. M. O acesso ao ensino superior: gênero e raça. Caderno CRH, Salvador, n. 34, p. 175-197, jan./jun. 2001.

QUEIROZ, D. M. Universidade e desigualdade. Brancos e negros no ensino superior. Brasília, DF: Liber Livro, 2004.

QUEIROZ, D. M. Ações afirmativas na universidade brasileira e acesso de mulheres negras. Revista Ártemis, João Pessoa, v. 8, p. 132-145, jun. 2008.

QUEIROZ, D. M. Da invisibilidade ao centro do debate: o negro na universidade no século XXI. In: AMORIM, A.; LIMA JÚNIOR, A. S. de; MENEZES, J. M. de (org.). Educação e Contemporaneidade, Rio de Janeiro: Quartet, 2009. p. 169-202.

QUEIROZ, D. M. As políticas de cotas para negros nas universidades brasileiras e a posição dos intelectuais. Revista Pedagógica, Chapecó, SC, v. 1, n. 28, p. 355-376, jan./jun. 2012.

QUEIROZ, D. M. Ações afirmativas para negros na universidade pública brasileira: uma década depois. In: e-GEINCOS, 3., 2013, João Pessoa. Anais [...]. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba (UFPB), 2013.

QUEIROZ, D. M.; SANTOS, J. T. dos. Sistema de cotas: um debate. Dos dados à manutenção dos privilégios e do Poder. Educação e Sociedade, Campinas, SP, v. 27, n. 96, p. 717-737, out. 2006.

QUEIROZ, D. M.; SANTOS, J. T. dos. Sistema de cotas: um multiculturalismo brasileiro? Ciência e Cultura (SBPC), São Paulo, v. 59, n. 2, p. 41-45, 2007.

QUEIROZ, D. M.; SANTOS, J. T. dos. O impacto das cotas na Universidade Federal da Bahia (2004-2012). In: SANTOS, J. T. dos (org.). O impacto das cotas nas universidades brasileiras (2004-2012). Salvador, CEAO, 2013, p. 37-66.

SANTOS, C. M. A mulher negra no ensino superior: trajetórias e desafios. 2012, 156 f. Dissertação (Mestrado em Educação e Contemporaneidade) – Departamento de Educação da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Salvador, 2012.

SANTOS, J. T. dos (org.). Cotas nas universidades: análises dos processos de decisão. Salvador: CEAO, 2012.

SANTOS, J. T. dos (org.). O impacto das cotas nas universidades brasileiras (2004-2012). Salvador, CEAO, 2013.

SECRETARIA DE PROMOÇÃO DE POLÍTICAS DE IGUALDADE RACIAL (SEPPIR). Orientações para a qualificação do quesito cor ou raça no Censo do Ensino Superior. Brasília, DF: Secretaria de Promoção de Políticas de Igualdade Racial, 2015. Disponível em: http://www.seppir.gov.br. Acesso em: jul. 2016.

SOUZA, M. S. N. M. de. Do seringal à universidade: o acesso das camadas populares ao ensino superior público no Acre. 2009. 214f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, 2009.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE (UFAC). Ingresso no Ensino Superior 2013 a 2014. SISUGESTÃO. Rio Branco, 2015a. Disponível em: http://sisugestao.mec.gov.br/. Acesso em maio 2015.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE (UFAC). UFAC em números. Rio Branco, 2015b. Disponível em: http://www.ufac.br/portal/home-ufac/ufac-em-numeros. Acesso em: jul. 2015.

Publicado

2019-12-29

Como Citar

GATINHO, A. A.; QUEIROZ, D. M. AÇÕES AFIRMATIVAS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE: ACOMPANHAMENTO PÓS LEI DE COTAS. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 28, n. 56, p. 193–213, 2019. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2019.v28.n56.p193-213. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/7845. Acesso em: 20 abr. 2024.