Educação escolar em comunidades quilombolas do território de identidade do Velho Chico-BA

Autores

  • Dinalva de Jesus Santana Macêdo Universidade do Estado da Bahia - UNEB
  • Marcos Luciano Lopes Messeder Universidade do Estado da Bahia.Departamento de Educação
  • Delcele Mascarenhas Queiroz Universidade do Estado da Bahia- UNEB

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2017.v26.n49.p103-118

Palavras-chave:

Educação escolar quilombola, Práticas curriculares, Relações étnico-raciais, Interculturalidade

Resumo

Este artigo visa apresentar algumas reflexões a partir de uma pesquisa de doutorado realizada em três escolas, situadas em comunidades quilombolas do município de Bom Jesus da Lapa-BA, no Território de Identidade do Velho Chico. Buscamos analisar de que modo a educação escolar dialoga com as especificidades étnicoculturais das comunidades quilombolas. Para a coleta de dados, utilizamos entrevistas semiestruturadas com professores, gestores, coordenadora pedagógica, pais e lideranças quilombolas, grupos focais com os alunos, análises dos projetos político-pedagógicos das escolas, observações de eventos, registros fotográficos e anotações em diário de campo. Os resultados demonstram que as escolas tratam as especificidades étnico-culturais das comunidades quilombolas de maneira pontual, descontextualizada e superficial, em datas comemorativas, no componente curricular de história, gincanas e outros eventos. Todavia, constatamos algumas experiências pedagógicas significativas que vêm transgredindo os currículos escolares para dialogar
com o universo sociocultural dos alunos

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dinalva de Jesus Santana Macêdo, Universidade do Estado da Bahia - UNEB

Doutora em Educação pela Universidade do Estado da Bahia (PPGEDUC/UNEB). Professora Adjunta da UNEB

Marcos Luciano Lopes Messeder, Universidade do Estado da Bahia.Departamento de Educação

Doutor em Sociologia e Antropologia pela Universidade Lumière Lyon 2 – França. Professor Adjunto do Departamento de
Educação da UNEB

Delcele Mascarenhas Queiroz, Universidade do Estado da Bahia- UNEB

Doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Professora Titular da UNEB

Referências

AMORIM, Roseane Maria de; BATISTA NETO, José. As práticas curriculares em uma escola da rede municipal do Recife: os fios e trama da educação das relações étnico-raciais no cotidiano escolar. Revista Lugares de Educação, Bananeiras, PB, v. 1, n. 2, p. 288-310, jul./dez. 2011. Disponível em: <http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rle>. Acesso em: 8 ago. 2014.

APPADURAI, Arjun. Diálogo, risco e convivialidade. In: APPADURAI, Arjun. Et al. Podemos viver sem o outro? As possibilidades e os limites da interculturalidade. Lisboa: Fundação Calouste Gulbekian, 2009. p. 21-38.

ARROYO, Miguel Gonzalez. Outros sujeitos, outras pedagogias. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

______. Currículo, território em disputa. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

ARRUTI, José Maurício; MAROUN, Kaila; CARVALHO, Ediléia. Educação quilombola em debate: a escola em Campinho da Independência (RJ) e a proposta de uma Pedagogia Quilombola. In: CUNHA, Ana Stela de Almeida (Org.). Construindo Quilombos, desconstruindo mitos: a educação formal e a realidade quilombola no Brasil. São Luís: SETAGRAF, 2011. p. 29-43.

BRASIL. Secretaria de Educação. Conselho Estadual de Educação. Resolução nº 68, de 30 de julho de 2013. Estabelece normas complementares para implantação e funcionamento das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola na Educação Básica, no Sistema Estadual de Ensino da Bahia. Diário Oficial do Estado da Bahia, Poder Executivo, Salvador, Bahia, 20 dez. 2013. Ano XCVIII, nº 21.316.

______. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 10.639, de 09 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Brasília, DF, 2003. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm>. Acesso em: 30 maio 2013.

______. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 11.645, de 10 de março de 2008. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena. Brasília, DF, 2008. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm>. Acesso em: 30 maio 2013.

______. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Parecer CNE/CEB nº 16, de 05 jun. 2012. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 20 nov. 2012a. Seção 1, p. 8.

______. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução CNE/CEB nº 8, de 20 de novembro de 2012. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola na Educação Básica. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 21 dez. 2012b. Seção 1, p. 26-30.

BRANDÃO. Carlos R. O que é educação. 49. ed. São Paulo: Brasiliense, 2007.

CANDAU, Vera Maria. Educação intercultural; entre afirmações e desafios: In: MOREIRA, Antonio Flavio; CANDAU, Vera Maria (Org.). Currículos, disciplinas escolares e culturas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014. p. 23- 41.

CANEN, Ana; XAVIER, Giseli Pereli de Moura. Formação continuada de professores para a diversidade cultural: ênfases, silêncios e perspectivas. Revista Brasileira de Educação, v. 16, n. 48, p. 641- 661, set./dez. 2011.

COSTA, Lívia Alessandra Fialho; MESSEDER, Marcos Luciano Lopes (Org.). Educação, multiculturalismo e diversidade. Salvador: EDUFBA, 2010.

COSTA, Marisa Vorraber. Currículo e política cultural. In: ______ (Org.). O currículo nos limiares contemporâneos. 4. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2005. p. 37-68.

CRUZ, Carcius Marcelus. Trajetórias, lugares e encruzilhadas na construção da política de educação escolar quilombola no Paraná no início do III milênio. 2012. 197f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2012.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática docente. 4. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

GOMES, Nilma Lino. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (Org.). Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei Federal nº 10.639/03. Brasília, DF, 2007. p. 39-62.

______. Indagações sobre currículo: diversidade e currículo. In: BEAUCHAMP, Jeanete; PAGEL, Sandra Denise; NASCIMENTO, Aricélia Ribeiro do. Brasília, DF: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Básica, 2005. p. 17-47.

______. Apresentação. In: GOMES, Nilma Lino (Org.). Práticas pedagógicas de trabalho com relações étnico-raciais na escola na perspectiva da Lei nº 10.639/03. Brasília: MEC/Unesco, 2012. p. 7-16.

GUSMÃO, Neusa Maria Mendes de. Antropologia, diversidade e educação: um campo de possibilidades. Ponto-e-vírgula, n. 10, p. 32-45, 2011. Disponível em: . Acesso em: 26 jun. 2017.

LOPES, Dilmar Luiz. Rodas de conversa e educação escolar quilombola: arte do falar e saber fazer. 2013. 253f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

MACÊDO, Dinalva de Jesus Santana. O currículo escolar e a construção da identidade étnico-racial da criança e do adolescente quilombola: um olhar reflexivo sobre a auto-estima. 2008. 144f. Dissertação (Mestrado em Educação e Contemporaneidade) – Universidade do Estado da Bahia, Salvador, 2008.

______. Educação em Comunidades Quilombolas do Território de Identidade do Velho Chico/BA: indagações acerca do diálogo entre as escolas e as comunidades locais, 2015, 217 f. Tese (Doutorado em Educação e Contemporaneidade) – Universidade do Estado da Bahia, Salvador, Bahia, 2015.

MUNANGA, Kabengele. A questão da diversidade e da política de reconhecimento das diferenças. Crítica e Sociedade v. 4, n. 1, p. 34-45 jul. 2014. Disponível em: <http://www.seer.ufu.br/index.php/criticasociedade/article/viewFile/26989/14725>. Acesso em: 20 jul. 2014.

OLIVEIRA, Suely Noronha de. Diretrizes curriculares para a educação escolar quilombola: o caso da Bahia e o contexto nacional. 2013. 232f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

SACRISTÁN, J. Gimeno. Currículo e diversidade cultural. In: SILVA, Tomaz Tadeu da; MOREIRA, Antônio Flávio (Org.). Territórios contestados: o currículo e os novos mapas políticos e culturais. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999. p. 82-113.

SANTOMÉ, Jurgo Torres. As culturas negadas e silenciadas no currículo. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Alienígenas na sala de aula. 6. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005. p. 159-177.

SANTOS, Boaventura de Souza. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 78, p. 3-46, out. 2007.

______. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

SILVA, Paulo Sérgio da. Contornos pedagógicos de uma educação escolar quilombola. 2013. 260f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

SILVA, Valdélio Santos. Rio das Rãs e Mangal: feitiçaria e poder em territórios quilombolas do Médio São Francisco. 2010. 354f. Tese (Doutorado em Estudos Étnicos e Africanos) – Programa Multidisciplinar em Estudos Étnicos e Africanos da Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2010.

Publicado

2017-10-31

Como Citar

MACÊDO, D. de J. S.; MESSEDER, M. L. L.; QUEIROZ, D. M. Educação escolar em comunidades quilombolas do território de identidade do Velho Chico-BA. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 26, n. 49, p. 103–118, 2017. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2017.v26.n49.p103-118. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/3944. Acesso em: 20 abr. 2024.