Estágio Supervisionado em Matemática e a Espiral Formativa: uma experiência vivenciada em aulas presenciais e remotas

Palavras-chave: Formação de Professores de Matemática. Estágio Curricular Supervisionado. Espiral Formativa.

Resumo

Este trabalho foi construído no Grupo de Pesquisa Formação e Educação Matemática, apresentando um diálogo das atividades do estágio curricular supervisionado desenvolvido em dois momentos, que foram o presencial, a partir de uma pesquisa de doutorado com licenciados do curso de Matemática, e no remoto, vivenciadas em uma disciplina de estágio supervisionado para o ensino médio. Ambas as atividades, nos dois formatos, foram fundamentadas na perspectiva metodológica da Espiral Formativa. Tem como objetivo articular o que atualmente estamos percebendo no estágio curricular supervisionado de forma remota e um formato de estágio presencial. Consideramos, desse modo, que o estágio presencial possibilita a vivência do futuro professor no seu campo de trabalho, que é parte fundamental para construção do ser docente. Já no estágio remoto, identificamos que embora os espaços de trabalho tenham sido modificados pelas medidas de biossegurança devido a covid-19, exigindo novas ferramentas educacionais, enfrentamos muitos desafios, mas também experimentamos muitas possibilidades de ensino, principalmente no que se refere aos recursos digitais. Outro ponto que destacamos é que a metodologia adotada na perspectiva colaborativa teve grande contribuição na formação de professores no modo presencial, assim como no modo remoto, por ser uma abordagem que valoriza a reflexão docente.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BIANCHI, A.; ALVARENGA, M.; BIANCHI, R. Orientações para o estágio em Licenciatura. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.

BRASIL. Decreto Lei no 1.190 de 04 de abril de 1939. Organiza a Faculdade Nacional de Filosofia, 1939. Disponível em www.senado.gov.br < Acesso em: 15 jul. 2021>.

______. Parecer CNE/CP n.º 28, de 2 de outubro de 2001. Brasília: MEC, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/028.pdf. Acesso em: 5 jul. 2021.

______. Resolução CNE/CP n.º 1, de 18 de fevereiro de 2002. Brasília: MEC, 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/res_2.pdf.%20Acessado%20em%2002/04/2018. Acesso em: 5 jul. 2021.

______. Lei n.º 11.788, de 25 de setembro de 2008. Brasília: Presidência da República, 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11788.htm Acesso em: 5 jul. 2021.

______. Resolução CNE/CP n.º 341, 22 de junho de 2015. Brasília: MEC, 2015. Disponível em: https://fach.ufms.br/files/2017/07/ALTERA%C3%87%C3%83O-DE-NOTA-E-FREQU%C3%8ANCIA.pdf. Acesso em: 5 jul. 2021.

______. Resolução CNE/CP n.º 2, de 1º de julho de 2015. Brasília: MEC, 2015. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=136731-rcp002-15-1&category_slug=dezembro-2019-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 5 jul. 2021.

______. Resolução CNE/CP n.º 2, de 20 de dezembro de 2019. Brasília: MEC, 2019. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2019-pdf/135951-rcp002-19/file. Acesso em: 20 maio 2021.

______. Portaria n.º 343, de 17 de março de 2020. Brasília: MEC, 2020. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-343-de-17-de-marco-de-2020-248564376. Acesso em: 20 maio 2021.

ENTREVISTA concedida à pesquisadora Adriana Fátima de Souza Miola. Dourados, 2021.

FERREIRA, M. S. Para não dizer que não falei de método. In: IBIAPINA.I.M.L.M; BANDEIRA. H.M.M. Formação de Professores na Perspectiva Histórico-Cultural: vivências no Formar. Teresina: EDUFPI, 2017.

GAMA. M. L. S. Trabalho coletivo em contexto de planejamento: sentidos e significados atribuídos pelos professores. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Piauí. Teresina, PI. 2012.

GATTI. B. A. A formação inicial de professores para a educação básica: as licenciaturas. Revista USP. São Paulo, n. 100, 2013-2014, p. 33 - 46.

GATTI, B. A. A formação inicial de professores para a educação básica: as licenciaturas. Revista USP, São Paulo, n. 100, p. 33-46, dez./jan./fev. 2013- 2014. Disponível em: <http://docplayer.com.br/23764277-A-formacao-inicial-de- professores-para-a-educacao-basica-as-licenciaturas.html>. Acesso em: 14 ago. 2021.

GHEDIN, E.; ALMEIDA, M. I.; LEITE, Y. U. F. Formação de professores: caminhos e descaminhos da prática. Brasília: Lider Livro, 2008.

IBIAPINA, I. M. L. M. Pesquisa colaborativa: investigação, formação e produção de conhecimentos. Brasília: Líber Livro Editora, 2008.

IBIAPINA, I. M. L. M.; ARAUJO, M. P. Videoformação e reflexão crítica: mediando análise da prática docente. In: LOUREIRO JUNIOR, E.; IBIAPINA, I. M. L. M (org.). Viodeoformação, reflexividade crítica e colaboração: pesquisa e formação de professores. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. p. 29-47.

JORGE, N. M. As potencialidades da espiral formativa na formação inicial e continuada de professores de matemática: um processo reflexivo e colaborativo no movimento de pesquisar e formar. 2020. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2020.

MAGALHÃES, M. C. C.; LIBERALI, F. C. O interacionismo sociodiscursivo em pesquisas com formação de educadores. Calidospólio, v. 2, n. 2, p. 115-122, 2004.

MARQUES. E. A reflexão crítica na formação e na atividade do professor. In: IBIAPINA, I. M. L. M; LIMA, M. G. S. B; CARVALHO, M. V. C (org.). Pesquisa em Educação: múltiplos referencias e suas práticas. Teresina: EDUFPI, 2012.

MIZUKAMI, M. G. N. Aprendizagem da docência: professores formadores. Revista E-Curriculum, São Paulo, v. 1, n. 1, dez./jul. 2006. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum/article/download/3106/2046%20.%20Acesso%20em%2012/5. Acesso em: 20 jul. 2021.

MOREIRA, J. A. M.; HENRIQUES, S.; BARROS, D. Transitando de um ensino remoto emergencial para uma educação digital em rede, em tempos de pandemia. Dialogia, São Paulo, n. 34, p. 351-364, jan./abr. 2020. Disponível em: https://periodicos.uninove.br/index.php?journal=dialogia&page=article&op=view&path%5B%5D= 17123&path%5B%5D=8228. Acesso em: 20 jul. 2021.

PIMENTA, S. G. O Estágio na Formação de Professores: Unidade Entre Teoria e Prática? Cad. Pesq. São Paulo, n94, p 58-74, ago 1995.

PIMENTA. S. Formação de Professores – Saberes da Docência e Identidade do Professor. Revista Faculdade Educação. V. 22, N. 2, p. 72 – 89. São Paulo. 1996.

PIMENTA, S.; LIMA, M. Estágio e docência. São Paulo: Cortez, 2004.

Resolução n. 2 de 1º de julho de 2015. Diretrizes curriculares nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, DF, 2015.

SOUZA, E. M. de F. S.; MARTINS, A. M. G. S. Estágio supervisionado nos cursos de licenciatura: pesquisa, extensão e docência. Revista Práxis Educacional, Vitória da Conquista, v. 8, n. 13, p. 143-156, 2012. Disponível em: http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/711/597. Acesso em: 3 ago. 2021.

UFGD. Resolução CEPEC n.º 53, de 1 julho de 2010. Dourados: UFGD, 2010.

UFMS. Resolução n.º 634, de 25 de novembro de 2014. Campo Grande: UFMS, 2014. Disponível em: https://inma.ufms.br/files/2017/09/Res-634-2014.pdf. Acesso em: 5 jul. 2021.

Publicado
2021-12-07
Métricas
  • Visualizações do Artigo 100
  • PDF (PORTUGUÊS) downloads: 58
Como Citar
Miola, A. F. de S., Jorge, N. M., & Pereira, P. S. (2021). Estágio Supervisionado em Matemática e a Espiral Formativa: uma experiência vivenciada em aulas presenciais e remotas. Revista Baiana De Educação Matemática, 2(01), e202125. https://doi.org/10.47207/rbem.v2i01.12400
Seção
Dossiê Temático - O Estágio Curricular Supervisionado em Matemática