SAÚDE VOCAL E CONDIÇÕES DE TRABALHO NA PERCEPÇÃO DOS DOCENTES DE EDUCAÇÃO BÁSICA

Gustavo Bicalho Gonçalves, Dalila Andrade Oliveira

Resumo


O artigo discute a saúde vocal e o bem-estar dos docentes, relacionando-os com as percepções dos docentes sobre suas condições de trabalho. A partir de reflexões gerais sobre os riscos à saúde dos docentes, identificados e problematizados em pesquisas focadas na análise das condições de trabalho escolar, procurou-se desenvolver algumas análises de dados quantitativos resultantes da pesquisa Trabalho Docente na Educação Básica no Brasil (TDEBB). Foram criados três grupos de docentes segundo sua vivência de problemas de voz: o grupo E, sem problemas de voz; o grupo R, de risco para os problemas de voz; e o grupo D, diagnosticado com problemas de voz.
A conformação desses três grupos foi analisada em quatro níveis: aracterísticas dos docentes, contexto profissional, contexto ambiental e contexto global. Foram ainda desenvolvidas análises qualitativas apoiadas nos relatos dos docentes em grupos focais. Fatores de risco e de proteção à saúde, relacionados às condições de trabalho, são apontados a fim de possibilitar a promoção de um ambiente de trabalho mais saudável, o que pode vir a contribuir para a melhoria na qualidade da educação e valorização da profissão docente.


Palavras-chave


Trabalho docente. Saúde vocal. Saúde e trabalho. Condições de trabalho.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, T. M. et al. Fatores associados a alterações vocais em professoras. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n. 6, p. 1229-1238, 2008.

ASSUNÇÃO, A. A.; OLIVEIRA, D. A. Intensificação do trabalho e saúde dos professores. Educação e Sociedade, Campinas, SP, v. 30, n. 107, p. 349-372, maio/ago. 2009. Disponível em: . Acesso em: fev. 2009.

BEHLAU, M. Voz: o livro do especialista. São Paulo: Revinter, 2001.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Disponível em:

lei/l13005.htm>. Acesso em: 10 maio 2016.

DOUDIN, P. A.; CURCHOD-RUEDI, D.; MOREAU, J. Le soutien social comme facteur de protection de l’épuisement des enseignants. In: DOUDIN, P. A. et al. La santé psychosociale des enseignants et des enseignantes. Québec: Presses de l’Université de Québec, 2011. p. 11-38.

MEDEIROS, A. M.; BARRETO, S. M.; ASSUNÇÃO, A. A. Voice disorder (dysphonia) in public school female teachers working in Belo Horizonte: prevalence and associated factors. Journal of Voice, v. 22, n. 6, p. 676-687, 2008.

MURTA, C. Magistério e sofrimento psíquico: contribuição para uma leitura psicanalítica da escola. In: COLOQUIO DO LEPSI IP/FE-USP, 3., 2001, São Paulo.

ORGANIZATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT – OECD. Le rôle crucial des enseignants: attirer, former et retenir des enseignants de qualité. Aperçu. Paris: OECD, 2005.

______. A Teachers’ Guide to TALIS 2013: teaching and Learning International Survey. Paris: OECD, 2014.

Disponível em: . Acesso em: 09 maio 2016.

OLIVEIRA, D. A.; VIEIRA, L. M. F. Trabalho docente na educação básica no Brasil. Base de Dados TDEBB/GESTRADO. Faculdade de Educação/UFMG. Belo Horizonte, 2010.

ROY, N. et al. Prevalence of voice disorders in teachers and the general population. Journal Speech Language Hearing Research, v. 47, p. 281-293, 2004.

SILVA, N. R. da. Fatores determinantes da carga de trabalho em uma unidade básica de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 8, p. 3393-3402, ago. 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2016.v25.n46.p%25p

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2358-0194

 Classificação Qualis CAPES:

 Educação - A2

  Indexadores:

       

      

   

      

 

  Localização dos Acessos:


 

 Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0