Ilusões bem fundamentadas: trabalho docente, memória e autobiografia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2023.v8.n23.e1113

Palavras-chave:

Trabalho docente, Memória, Professores marcantes, Autobiografia, Trajetória escolar

Resumo

O presente artigo tem como objetivo, a partir da posição que ocupo (ei) num determinado campo social e valendo-me de uma fórmula célebre de Blaise Pascal (1623-1662) transformada por Bourdieu (“o mundo me contem e me engole como um ponto, mas eu o contenho”), apresentar um ponto de vista a respeito de minha trajetória escolar, com destaque para algumas/uns professora(e)s marcantes, decisivos em meu processo formativo. A narrativa autobiográfica tem início com meu ingresso no curso primário, em 1960, recupera as angústias experimentadas para enfrentar o então existente “exame de admissão”, relembra a permanência no antigo curso ginasial, no curso científico, bem como o cursar da universidade, além de prosseguir em minha carreira de pesquisador. Em cada um dos segmentos procura-se detalhar as ações daquela(e)s professora(e)s que contribuíram, no exercício de seu métier - em alguns casos realmente exemplares -, para que eu fundamentasse de forma convincente para mim parte de minhas ilusões simbólicas. Utilizo uma variada bibliografia que, interagindo com a memória, com o vivido, permite realçar o trabalho docente enquanto variável transformadora de destinos específicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Afrânio Mendes Catani, FEUSP / UFF

Professor titular aposentado na Faculdade de Educação (FE) da Universidade de São Paulo
(USP) e, atualmente, professor sênior na mesma instituição. Professor visitante junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas da Faculdade de Educação da Baixada Fluminense (FEBF) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), campus de Duque de Caxias. Mestre e doutor em Sociologia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP e livre docente em Educação (FE/USP). Pesquisador do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Referências

BARTHES, Roland. Aula. Tradução: Leyla Perrone-Moisés. 7. ed. São Paulo: Cultrix, 1997.

BERNARDET, Jean-Claude. Brasil em tempo de cinema – ensaio sobre o cinema brasileiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1967.

BOURDIEU, Pierre. Esboço de auto-análise. Tradução: Sergio Miceli. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

BOURDIEU, Pierre. Esquisse d`une théorie de la pratique. Genève: Droz, 1972.

BOURDIEU, Pierre. Homo academicus. Paris: Minuit, 1984.

BOURDIEU, Pierre. La distinction: critique sociale du jugement. Paris: Minuit, 1979.

BOURDIEU, Pierre. La noblesse d´État: grandes écoles et esprit de corps. Paris: Minuit, 1989.

BOURDIEU, Pierre. Lições da aula. Tradução: Egon O. Rangel. São Paulo: Ática, 1988.

BOURDIEU, Pierre. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Tradução: Mariza Corrêa. Campinas, SP: Papirus, 1996.

BOURDIEU, Pierre; SAINT MARTIN, Monique. As categorias do juízo professoral. In: NOGUEIRA, Maria A.; CATANI, Afrânio M. (Orgs.). Escritos de educação. 16. ed. 7. reimpr. Petrópolis, RJ: Vozes, 2022. p. 205-241.

BRAGA, Rubem. A companhia dos amigos. In: BRAGA, Rubem. 200 crônicas escolhidas. Rio de Janeiro: Record, Edição comemorativa, 2019. p. 171-172.

CAMUS, Albert. O primeiro homem. Tradução: Teresa B. Carvalho da Fonseca e Maria Luiza N. Silveira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1994.

CANDIDO, Antonio. A importância de não ser filósofo. Discurso, São Paulo, n. 37, p. 7-16, 2007.

CARTA de Albert Camus a Monsieur Louis Germain, sem local, 19/11/1957. In: CAMUS, Albert. O primeiro homem. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1994. p. 307.

CARTA de Antonio Candido a Afrânio Mendes Catani. São Paulo, 24/11/1989, datilografado.

CARTA de Louis Germain a Albert Camus. Argel, 30/04/1959. In: CAMUS, Albert. O primeiro homem. Rio de Janeiro: Nova Fronteiro, 1994. p. 308-311.

CATANI, Afrânio Mendes. Horacio González: uma amizade de 40 anos. A Terra É Redonda, 08 ago. 2021. Disponível em: https://aterraeredonda.com.br/horacio-gonzalez-uma-amizade-de-40-anos. Acesso em: 16 jan. 2023.

CATANI, Afrânio Mendes. Borboletando na biblioteca. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica, Salvador, v. 6, n. 17, p. 34-46, jan./abr. 2021b. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/rbpab/article/view/9800/7941. Acesso em: 14 jan. 2023.

CATANI, Afrânio Mendes. Desvelando formas arbitrárias de dominação: o trabalho sociológico de Pierre Bourdieu. Educação & Sociedade. Campinas, v. 43, p. 1-18, 2022a. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/Ps8zgvBy875yht7nWwg36cv/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 14 jan. 2023.

CATANI, Afrânio Mendes. El viaje interrumpida de Albert Camus, “el mejor hombre de Francia”. La Biblioteca - Revista de la Biblioteca Nacional. Buenos Aires, Republica Argentina, Número Especial: Los libros y la vida - Horacio González (1944-2021), p. 48-56, 2022b.

CATANI, Afrânio Mendes. Era um garoto que como eu aprendeu a ler e escrever nos anos 60. In: FERNANDES, Rogério; ADÃO, Áurea (Orgs.). Leitura e escrita em Portugal e no Brasil (1500-1970). Porto, Portugal: SPCE, v. III, 1998. p. 545-551.

CATANI, Afrânio Mendes. Esboço de auto-análise: breve trajetória de um professor tupiniquim. In: LUCENA, Carlos; SILVA JÚNIOR, João dos Reis (Orgs.). Trabalho e educação no século XXI: experiências internacionais. São Paulo: Xamã, 2012a. p. 47-63.

CATANI, Afrânio Mendes. Formando o educador, educando o formador, pedagogizando a prática: algumas notas. In: SOUZA, Cláudio B. Gomide; RIBEIRO, Paulo R. Marçal (Orgs.). A educação na era da informação: contribuições Ibero-Americanas. Araraquara, SP: Cultura Acadêmica, 2012b. p. 49-60.

CATANI, Afrânio Mendes. Migalhas do cotidiano. Memorial apresentado como exigência parcial para o Concurso de Livre-Docência ao Departamento de Administração Escolar e Economia da Educação, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

CATANI, Afrânio Mendes. Novos modos de regulação e batalhas na produção do conhecimento - um estudo de caso. Revista Eletrônica de Educação. São Carlos, v. 17, n. 3, p. 996-1012, set./dez., 2019. Disponível em: https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/3458/889. Acesso em: 18 jan. 2023.

CATANI, Afrânio Mendes. Pequena história de um grande professor. Conferência proferida na Escola Municipal Antônio Telles de Souza - Rede Educacional do Município de Manaus (AM), em 10/04/2021. Digitado, inédito, 2021a.

DE MEERLEER, Patrick. Louis Germain (1884-1966). Instituteurs et père spirituel d ́ Albert Camus. Paris: Domens, 2021.

HANDKE, Peter. Ensaio sobre o cansaço. Tradução: Simone Homem de Mello. São Paulo: Estação Liberdade, 2020.

JUDT, Tony. Albert Camus: “O melhor homem da França”. In: _________. Reflexões sobre um século esquecido: 1901-2000. Tradução: Celso Nogueira. Rio de Janeiro: Objetiva, 2010. p. 115-126.

LE GOFF, Jacques. O desejo da História. In: NORA, Pierre (Org.). Ensaios de Ego-História. Lisboa: Edições 70, 1989. p. 177-189.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Tristes trópicos. Tradução: Rosa Freire D´Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

LIMA, Roberto Kant de. Antropologia da academia. Quando os índios somos nós. 2. ed. Niterói: EDUFF, 1997.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Le doute de Cézanne. In: MERLEAU-PONTY, Maurice. Sens et non-sense. Paris: Gallimard, 1966.

MICELI, Sergio. A emoção racionada. In: BOURDIEU, Pierre. Esboço de auto-análise. São Paulo: Companhia das Letras, 2005. p. 7-20.

MICELI, Sergio. A força do sentido. In: BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1974. p. VII-LXI.

NAIPAUL, V. S. Dois mundos. Tradução: Rogério Galindo e Sandra Dolinsky. Belo Horizonte: Âyiné, 2022. p. 59-82.

NORA, Pierre. Conclusão. In: NORA, Pierre. Ensaios de Ego-História. Lisboa: Edições 70, 1989. p. 357-360.

PINA, Manuel António. O coração pronto para o roubo. São Paulo: Editora 34, 2018.

ROCHA, Maria Eduarda da Mota. Bourdieu à brasileira. Rio de Janeiro: Confraria do Vento, 2022.

SARTRE, Jean- Paul. As palavras. Tradução: J. Guinsburg. São Paulo: Difel, [ca. 1970].

SHAKESPEARE, William. A megera domada. Tradução: Millôr Fernandes. Porto Alegre: L & PM (Pocket), 1998.

SILVA, Sergio Eduardo Sampaio. A força do sentido, novamente. In: MICELI, Sergio. A força do sentido. São Paulo: Perspectiva, 2022. p. 11-16.

SEMPÉ, Jean-Jacques; GOSCINNY, René. O pequeno Nicolau. Tradução: Luis Lorenzo Rivera. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

SOUZA, Gilda de Mello e. A estética rica e a estética pobre dos professores franceses. Discurso, São Paulo, n. 9, p. 9-30, 1978. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/discurso/article/view/37845/40572. Acesso em: 26 nov. 2022.

TODD, Olivier. Albert Camus: uma vida. Tradução: Monica Stahel. Rio de Janeiro: Record, 1998.

VEIGA, Roberta. Quanto vomitei livros. In: VEIGA, Roberta. Cavalo e caramelo. Belo Horizonte: Quintal Edições, 2022. p. 28-29.

VITTORINI, Elio. Conversa na Sicília. Tradução: Valério Xavier e Maria Helena Arrigucci. São Paulo: Cosac & Naify, 2002.

Downloads

Publicado

2023-05-28

Como Citar

MENDES CATANI, A. Ilusões bem fundamentadas: trabalho docente, memória e autobiografia. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, [S. l.], v. 8, n. 23, p. e1113, 2023. DOI: 10.31892/rbpab2525-426X.2023.v8.n23.e1113. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/rbpab/article/view/16372. Acesso em: 22 abr. 2024.