Ensino remoto de ciências em uma escola rural do recôncavo baiano: implicações na minha prática docente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2023.v8.n23.e1126

Palavras-chave:

Ensino de Ciências, Narrativa (auto)biográfica, Ruralidades

Resumo

O objetivo deste estudo é analisar as implicações relacionadas ao Ensino Remoto de Ciências para minha vida-formação docente e minhas práticas pedagógicas. Metodologicamente trata-se de um estudo de caráter qualitativo que toma por base os princípios da pesquisa (auto)biográfica e as narrativas docentes produzidas na forma de relatos reflexivos. O corpus da pesquisa é constituído pelas escritas reflexivas que produzi após a implementação de um plano de aula e de duas Atividades Investigativas no âmbito da Especialização em Ensino de Ciências – Anos Finais do Ensino Fundamental (Ciência é Dez). No processo de análise das informações são consideradas as etapas da Análise Compreensiva-interpretativa proposta por Souza (2014). A partir da organização e leitura temática das escritas reflexivas emergem os seguintes eixos temáticos de análise: 1. Percepções preliminares e indícios de aprendizagens. 2. Dificuldades inerentes ao ensino remoto de ciências. 3. Reflexividade docente: lançando olhares sobre a própria prática pedagógica. Portanto, o exercício das escritas reflexivas possibilitou a identificação da mobilização de saberes de diferentes áreas de conhecimento, apontando para aspectos de interdisciplinaridade e da tão necessária práxis pedagógica enquanto ação humanizadora de educar-se com os outros em tempos pandêmicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiano Lma dos Santos Almeida, Universidade do Estado da Bahia

Doutora em Ciências da Educação pela Universidade do Minho, Braga – Portugal, área de concentração História da Educação. Professora adjunta do Centro de Ciência e Tecnologia em Energia e Sustentabilidade (Cetens) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). Líder do grupo de pesquisa Ciência, Tecnologia e Ensino de Química (Citeq).

Joelma Cerqueira Fadigas, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - UFRB

Doutora em Ciências da Educação pela Universidade do Minho, Braga - Portugal, área de concentração História da Educação. Professora Adjunta do Centro de Ciência e Tecnologia em Energia e Sustentabilidade da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - CETENS/ UFRB. Líder do grupo de pesquisa Ciência, Tecnologia e Ensino de Química – CITEQ.

Referências

ALMEIDA, Cristiano Lima dos Santos. As tecnologias digitais e a garantia do direito educacional em áreas de difícil acesso no território baiano. Revista Pró-Discente, Vitória, v. 25, n. 2, p. 146-164, jul./dez. 2019. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/prodiscente/article/view/26965 Acesso em: 06 set. 2021.
BAHIA (Estado). Projeto Base do Ensino Médio com Intermediação Tecnológica do Estado da Bahia – EMITec. Salvador: Secretaria de Educação, 2011.
BRITO, Brenda Winne da Cunha Silva; BRITO, Leandro Tavares Santos; SALES, Eliemerson de Souza. Ensino por investigação: uma abordagem didática no ensino de ciências e biologia. Revista Vivências em Ensino de Ciências, v. 2, n. 1, p. 54-60, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/vivencias/article/view/238687 . Acesso em 27 jun. 2021.
CARVALHO, Ana Maria Pessoa de et al. Ciências no ensino fundamental: o conhecimento físico. São Paulo: Scipione, 2009. (Coleção Pensamento e Ação na Sala de Aula)
CARVALHO, Ana Maria Pessoa de. Fundamentos Teóricos e metodológicos do Ensino por Investigação. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 18, n. 3, p. 765-794, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4852/3040. Acesso em: 27 jun. 2021.
CLEOPHAS, Maria das Graças. Ensino por investigação: concepções dos alunos de licenciatura em Ciências da Natureza acerca da importância de atividades investigativas em espaços não formais. Revista Linhas. Florianópolis, v. 17, n. 34, p. 266-298, maio/ago. 2016. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/linhas/article/view/1984723817342016266. Acesso em: 27 jun. 2021.
CRESWELL, John W. Investigação qualitativa e projeto de pesquisa: escolhendo entre cinco abordagens. 3. ed. Porto Alegre: Penso, 2014.
FACCIO, Sara de Freitas. A educação do campo e os movimentos sociais: uma trajetória de lutas. In: GUEDIN, Evandro. (Org.). Educação do Campo: epistemologia e práticas. São Paulo: Cortez, 2012.
FERRAROTTI, Franco. Sobre a autonomia do método biográfico. In: NÓVOA, A.; FINGER, M. (Org.). O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa: Departamento de Recursos Humanos/ Ministério da Saúde. 1988. p. 29 - 55.
GALLIAZZI, Maria do Carmo. Educar pela Pesquisa: Ambiente de Formação de Professores de Ciências. Ijuí: Unijuí, 2014. 288 p.
GONÇALVES, Gustavo Bruno Bicalho. Nucleação das escolas rurais. In. OLIVEIRA, Dalila Andrade; DUARTE, Adriana Maria Cancella; VIEIRA, Lívia Maria Fraga. DICIONÁRIO: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2010. Disponível em: https://gestrado.net.br/verbetes/nucleacao-das-escolas-rurais/ . Acesso em: 01 mar. 2022.
KRELLING, Lígia Marcelino. A educação de jovens e adultos e o ensino de ciências naturais: contribuições da utilização de conceitos unificadores. 2015. 14 f. Produção Técnica. Programa de Pós-graduação em Formação Científica, Educacional e Tecnológica, Universidade Federal Tecnológica do Paraná, Curitiba, 2015. Disponível em: https://repositorio.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/1632/2/CT_PPGFCET_M_Krelling%2C%20L%C3%ADgia%20Marcelino_2015_1.pdf. Acesso em 14 nov. 2021.
MONTEIRO, Sandrelena da Silva. (Re) inventar educação escolar no Brasil em tempos da Covid-19. Revista Augustus, v. 25, n. 51, p. 237-254, 2020. Disponível em: https://revistas.unisuam.edu.br/index.php/revistaaugustus/article/view/552/301. Acesso em 14 nov. 2021.
PASSEGGI, Maria da Conceição; SOUZA, Elizeu Clementino. O Movimento (Auto)Biográfico no Brasil: Esboço de suas Configurações no Campo Educacional. Investigación Cualitativa, v. 2 n. 1, p. 6-26, 2017.
SOUZA, Elizeu Clementino de. Diálogos cruzados sobre pesquisa (auto)biográfica: análise compreensiva-interpretativa e política de sentido. Revista Educação UFSM, Santa Maria, v. 39, n. 1, p. 39-50, jan./abr. 2014. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/11344/pdf. Acesso em: 10 jan. 2021.
SOUZA, Elizeu Clementino de; CRUZ, Núbia da Silva. Pesquisa (auto)biográfica: sentidos e implicações para o campo educacional. In: AMADO, João; CRUSOÉ, Nilma Margarida de Castro (Orgs.). Referenciais Teóricos e Metodológicos de Investigação em Educação e Ciências Sociais. Vitória da Conquista: Edições UESB, 2017. p. 167 – 194.
TRINDADE, Lenir Marina; WERLE, Obino Corrêa. O ensino no meio rural: uma prática em extinção. In: SOUZA, Elizeu Clementino (Org.). Educação e Ruralidades: memórias e narrativas (auto)biográficas. Salvador: EDUFBA, 2012, p. 31-50.
WANDERLEY, Maria de Nazareth Baudel. Um saber necessário: os estudos rurais no Brasil. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2011.

Downloads

Publicado

2023-12-21

Como Citar

ALMEIDA, C. L. dos S.; FADIGAS, J. C. Ensino remoto de ciências em uma escola rural do recôncavo baiano: implicações na minha prática docente. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, [S. l.], v. 8, n. 23, p. e1126, 2023. DOI: 10.31892/rbpab2525-426X.2023.v8.n23.e1126. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/rbpab/article/view/13762. Acesso em: 13 abr. 2024.